[Comentário]

Dia da Criança: As pessoas que habitam nos “menores” e que podem fazer delas maiores

| 31 Mai 21

Crianças a brincar no campo. Foto © Robert Collins / Unsplash

 

Quando a Assembleia Geral das Nações Unidas aprovou a Convenção dos Direitos da Criança, em 1989, texto entretanto ratificado por Portugal, não aprovou a Convenção dos Direitos do Menor – ainda que, logo no artº 1º, defina criança como todo o ser humano que não completou ainda 18 anos.

Menor é um conceito jurídico-legal, que interessa aos tribunais, às polícias, aos responsáveis por prover as crianças com as condições e requisitos para que cresçam e se tornem cidadãos de pleno direito. Mas esse conceito está longe de esgotar a pessoa que a criança é.

A Convenção consagrou três tipos de direitos das crianças: de proteção (da sua vida, sobrevivência, identidade, família…); direitos de provisão (bens da alimentação, saúde, educação, espaços para brincar…); e participação (ser ouvida no que lhe diz respeito, receber e dar informação, exprimir-se livremente, não ser espiolhada na sua intimidade…).

As sociedades avançaram muito lentamente no reconhecimento destes direitos e na valorização das crianças como pessoas. Continua a existir uma enorme desigualdade entre crianças de países ricos e países pobres, desde logo nos direitos mais básicos. Existe também uma significativa desigualdade no reconhecimento e prática desses direitos no interior das sociedades ditas desenvolvidas. E isso condiciona por vezes drasticamente o percurso individual e social de cada uma.

A atualidade internacional da última década revela bem a vastidão e a gravidade dos problemas que afetam as crianças. As sociedades adultas parecem ter feito gato-sapato da Convenção que aprovaram, a avaliar pelos índices de pobreza, que as afetam mais do que a qualquer outro segmento populacional. Os migrantes e refugiados têm-nas como vítimas imoladas. O regime de Trump deu-se à crueldade de as separar dos pais e, aos milhares, as enjaular e deixar passar fome. Se hoje se revissem os pecados que bradam aos céus, este deveria passar certamente a ser um deles.

Como costuma dizer Álvaro Laborinho Lúcio, um lutador em prol dos direitos dos mais pequenos, relativamente à Convenção, “falta levá-la à prática, concretamente”.

Porém onde quase todos estamos muito atrasados é na valorização e respeito da terceira família de direitos atrás enunciada: os de participação e comunicação. “Porque eles significam, como disse aquele jurista e escritor, que nós criemos e interiorizemos uma cultura da criança como o outro, dando-lhe reconhecimento como sujeito, estabelecendo uma relação dialogada com ela e dando sobretudo — e esse é um dos valores fundamentais — o direito à participação. O direito a ser ouvida, a ter voz.” (ligação disponível para assinantes).

Em quantas situações não tomamos decisões para elas e em nome delas – nas autarquias, nas escolas, nas famílias, como se elas não tivessem uma palavra a dizer e não pudessem ser porventura até mais criativos do que nós!? Escutar é abrir o diálogo entre duas pessoas, um adulto e uma criança. Não é uma cedência, mas uma aprendizagem para os dois lados.

Neste campo, a Igreja Católica, e não apenas em Portugal, parece continuar a olhar as crianças como menores. Dá a impressão que a reviravolta conceptual de que as ciências sociais dão conta nas últimas décadas ainda não inspira e orienta as atividades a elas dirigidas. Continua-se a sobrevalorizar o que lhes falta e a subestimar o que são capazes, ao seu nível. A enaltecer a proteção e a evitar (ou simplesmente recusar) o acolhimento e a escuta consequentes.

Isso é visível no modo de lidar com o escândalo dos abusos sexuais. Se “objetificamos” a criança ela deixa de ser um outro, uma outra e passa a ser tomada como um objeto… menor. E esse caminho conduz ou pode conduzir à insensibilidade e ao formalismo.

Em vez do medo e da atitude de defesa perante as crianças, importa criar condições para que as crianças, também nos espaços eclesiásticos, possam sentir-se não apenas seguras, mas também reconhecidas como pessoas, escutadas como pessoas, com a liberdade e criatividade que também nelas o Espírito infunde.

 

Lembrar as vítimas do nazismo

Holocausto

Lembrar as vítimas do nazismo novidade

27 de janeiro, a data em que o Exército Vermelho libertou Auschwitz, tornou-se o dia internacional em memória das vítimas do nazismo. Hoje quero lembrar Karl Stojka, e o seu aviso: “Não foi Hitler, nem Göring, nem Goebels, nem Himmler, nem nenhum desses quem me arrastou e espancou. Não. Foi o sapateiro, o vizinho, o leiteiro.”

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

As estrelas boas que Deus coloca na nossa vida

As estrelas boas que Deus coloca na nossa vida novidade

No contexto da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2022 [entre 18 e 25 de janeiro] prestamos tributo a um homem bom, um fiel seguidor de Cristo e um cristão verdadeiramente ecuménico e aberto ao diálogo inter-religioso. Um cristão também com profundo sentido de humor e de alegria, que é sempre um sinal de uma boa espiritualidade.

Fale connosco

Abusos na Igreja
Dar voz ao silêncio

Contactos da Comissão Independente

https://darvozaosilencio.org/

E-mail: geral@darvozaosilencio.org

Telefone: (+351) 91 711 00 00

You have Successfully Subscribed!

Pin It on Pinterest

Share This