Dia da Mãe com um filho preso

| 5 Mai 2023

“Não chores meu filho, não estás sozinho, eu estarei sempre contigo. Lembras-te em que momento te perdeste de mim? Puxo pela cabeça e não sou capaz.” Foto: Direitos Reservados

 

Meu querido filho:

Houve um momento em que eu te perdi. Deve ter havido um momento exato, mas não me consigo recordar qual.

Ouço-te no poema do Eugénio de Andrade “No mais fundo de ti, eu sei que traí, mãe”. Que curvas e contracurvas tem a vida, para que passasses de adormecer a sorrir quentinho no meu colo para passares a adormecer a chorar numa cela? Eu sei que falhei, não fui capaz de te passar todos os valores que os meus pais me passaram a mim. Acho que nunca tive verdadeira vocação para ser mãe. Aconteceste na minha vida. Mas eu também aconteci na tua. Sem saber muito bem o que fazer, o que dizer, sozinhos, só tu e eu. E o mundo. O mundo todo tão grande, tão cheio de perigos. Tentei sempre almofadá-lo para não te magoares nas suas arestas dolorosas, se calhar protegi-te demasiado. Não te soube dar as ferramentas de que precisavas para te saberes defender sozinho. E juntaste-te às pessoas erradas. Ou tu também eras errado como elas? Fui eu quem errou. Quem não soube dizer-te não, quem não aguentava contrariar-te. Queria que visses os dias cheios de luz e hoje a pouca luz que te entra pelos olhos é através de barras de ferro. Procurei sempre fazer-te o que mais gostavas para o jantar e hoje comes o que te põem no prato e não podes queixar-te do tempero. Deves sonhar com o meu bacalhau no forno e o meu arroz-doce de que tanto gostas.

Não chores meu filho, não estás sozinho, eu estarei sempre contigo. Lembras-te em que momento te perdeste de mim? Puxo pela cabeça e não sou capaz. Talvez tenha sido numa noite, sim, o mais possível é que tenha sido numa das noites em que eu ficava acordada à espera de que chegasses e não chegavas e eu tinha de sair para trabalhar. Mas depois não te dizia nada, eras maior e vacinado, não tinha esse direito. Hoje tenho todo o direito de te chorar. Dóis-me bem cá no fundo. Não te culpo. Foi a vida que escolheste. Sem pensar nas consequências, nunca tiveste muitas, essa é a realidade.

Eras o meu menino “Não te esqueças de levar um casaco que vai esfriar e à noite um casaquinho nunca aborrece.” Tens frio aí, não tens? Nem me deixam levar-te um édredon e o cobertor faz-te espilrar toda a noite.

Não sou capaz de te imaginar a sofrer. O meu coração ficou contigo ao ver-te entrar por esses portões. Agora vivo sem coração, sem alma, vazia de ti. Como te fui perder? Onde errei? Quem te ganhou de mim? Foste por essa estrada fora e não consegui apanhar-te a tempo. Não foi por ires depressa demais, mas por ser escuro. Não te vi ir embora. Ou não quis ver?

Agora o teu abraço é maior que o meu e quando me envolves nos teus braços a minha cabeça é que pousa no teu peito e não a tua no meu, como era antigamente. Mas tu sabes que eu te amo, não sabes? Eu vou buscar-te ao fundo dessa estrada e custe o que custar, hei-de trazer-te de volta a casa.

 

Lígia Pires é visitadora nos estabelecimentos prisionais de Custóias, Santa Cruz do Bispo e Polícia Judiciária/Porto.

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This