Viagem à ilha dividida

Diálogo inspirado nas bem-aventuranças, a proposta de Francisco em Chipre

| 2 Dez 2021

Papa de visita a Chipre. Foto © Vatican News

 

Diálogo, numa ilha dividida em duas repúblicas e onde se cruzam os povos e as culturas; mas um diálogo que vá beber às bem-aventuranças, “a verdadeira constituição dos cristãos”. Esta pode ser a síntese das duas intervenções nesta quinta-feira feitas pelo Papa Francisco em Chipre, na primeira etapa da sua 35ª viagem pastoral.

O avião aterrou no aeroporto de Larnac a meio da tarde. Passou à história o tempo em que era a Alitália a fazer os voos papais. A nova companhia começou por chegar pontualmente. Os rituais de sempre no acolhimento e, de imediato, a viagem de automóvel de escassas dezenas de quilómetros até Nicósia, a capital. 

Primeiro ato: na catedral maronita da Senhora das Graças, um encontro com o clero, diáconos, ordens religiosas, catequistas, movimentos laicais. 

Os anfitriões recordam a figura de S. Barnabé, o apóstolo fundador da Igreja em Chipre. Hoje a ilha é esmagadoramente cristã ortodoxa, sendo os católicos uns escassos sete mil fiéis. Para eles, a presença do Papa é, “na difícil situação da região, uma mensagem forte”, por vir apelar a que “os valores da paz e da reconciliação prevaleçam sobre a divisão, o ódio e a guerra”, sublinha Boutros-Haï, patriarca maronita, no discurso de boas-vindas.

Seguem-se cânticos e testemunhos de religiosas e, a encerrar, a intervenção de Francisco. Inspirando-se em S. Barnabé, “o filho da consolação”, segundo o Evangelho, destaca do seu testemunho duas palavras: paciência (“porque sabe esperar”, depois de semear, e também, porque é capaz de “deixar crescer”) e fraternidade (porque vai ao encontro do recém-convertido Paulo de Tarso, “toma-o consigo”, e ambos consolidam um percurso de trabalho conjunto, não isento de tensões).

A propósito, e fazendo a ligação com o contexto em que se encontra, Francisco traduz: “O caminho da paz, que sara os conflitos e regenera a beleza da fraternidade, está marcado por uma palavra: diálogo. Devemos ajudar-nos a crer na força paciente e serena do diálogo, haurindo-a das Bem-aventuranças”. 

“Sabemos – adverte – que não é uma estrada fácil; é longa e tortuosa, mas não há alternativa para se chegar à reconciliação. Alimentemos a esperança com a força dos gestos, em vez de esperar gestos de força”.

Francisco dirigiu-se, depois, ao Palácio Presidencial de Nicósia, para o encontro com autoridades, sociedade civil e corpo diplomático, não sem parar, pelo caminho, junto à estátua do arcebispo Makarios III, uma figura-chave da história recente do país, que lutou, inclusive como presidente da República, pela unificação da ilha. 

Chipre no Médio Oriente

Num discurso de tom mais político, Francisco começou por recordar que foi nesta ilha “onde se começou a primeira grande inculturação do Evangelho no continente”. Realçou, depois, o papel de Chipre como ponto de encontro do oriente e do ocidente, “encruzilhada de civilizações”, que “traz em si a vocação inata para o encontro, favorecida pelo caráter acolhedor dos cipriotas”. 

O diálogo voltou ao primeiro plano, nesta intervenção. Francisco manifestou apreço pelo Caminho Religioso do Processo de Paz de Chipre, que vem sendo promovido pela Embaixada da Suécia, que visa promover precisamente o diálogo entre os líderes religiosos, procurando curar as feridas, sem esquecer a situação das pessoas desaparecidas.

Sem o diálogo, “crescem a suspeita e o ressentimento”, acrescentou o Papa, dando como exemplo o Mediterrâneo, agora lugar de conflitos e tragédias humanitárias.

Nesta linha desejou que, com o contributo de todos, Chipre se possa assumir como “um estaleiro de paz aberto no Mediterrâneo”.

 

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

Reino Unido

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel novidade

Glyn Secker, secretário da Jewish Voice For Labor – uma organização que reúne judeus membros do Partido Trabalhista ­–, lançou um violento ataque aos “judeus que colocam Israel no centro da sua identidade” e classificou o sionismo como “uma obscenidade” ao discursar no dia 10 diante de Downing Street, durante um protesto contra os ataques de Israel na faixa de Gaza.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Resgatadas 29 pessoas

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Dezenas de pessoas estão desaparecidas depois de um barco ter naufragado no mar Egeu, na quarta-feira, ao largo da ilha grega de Cárpatos, divulgou a ACNUR. A embarcação afundou-se ao amanhecer, depois de da costa sul da vizinha Turquia, em direção a Itália. “Uma grande operação de busca e resgate está em curso.”

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This