Viagem à ilha dividida

Diálogo inspirado nas bem-aventuranças, a proposta de Francisco em Chipre

| 2 Dez 21

Papa de visita a Chipre. Foto © Vatican News

 

Diálogo, numa ilha dividida em duas repúblicas e onde se cruzam os povos e as culturas; mas um diálogo que vá beber às bem-aventuranças, “a verdadeira constituição dos cristãos”. Esta pode ser a síntese das duas intervenções nesta quinta-feira feitas pelo Papa Francisco em Chipre, na primeira etapa da sua 35ª viagem pastoral.

O avião aterrou no aeroporto de Larnac a meio da tarde. Passou à história o tempo em que era a Alitália a fazer os voos papais. A nova companhia começou por chegar pontualmente. Os rituais de sempre no acolhimento e, de imediato, a viagem de automóvel de escassas dezenas de quilómetros até Nicósia, a capital. 

Primeiro ato: na catedral maronita da Senhora das Graças, um encontro com o clero, diáconos, ordens religiosas, catequistas, movimentos laicais. 

Os anfitriões recordam a figura de S. Barnabé, o apóstolo fundador da Igreja em Chipre. Hoje a ilha é esmagadoramente cristã ortodoxa, sendo os católicos uns escassos sete mil fiéis. Para eles, a presença do Papa é, “na difícil situação da região, uma mensagem forte”, por vir apelar a que “os valores da paz e da reconciliação prevaleçam sobre a divisão, o ódio e a guerra”, sublinha Boutros-Haï, patriarca maronita, no discurso de boas-vindas.

Seguem-se cânticos e testemunhos de religiosas e, a encerrar, a intervenção de Francisco. Inspirando-se em S. Barnabé, “o filho da consolação”, segundo o Evangelho, destaca do seu testemunho duas palavras: paciência (“porque sabe esperar”, depois de semear, e também, porque é capaz de “deixar crescer”) e fraternidade (porque vai ao encontro do recém-convertido Paulo de Tarso, “toma-o consigo”, e ambos consolidam um percurso de trabalho conjunto, não isento de tensões).

A propósito, e fazendo a ligação com o contexto em que se encontra, Francisco traduz: “O caminho da paz, que sara os conflitos e regenera a beleza da fraternidade, está marcado por uma palavra: diálogo. Devemos ajudar-nos a crer na força paciente e serena do diálogo, haurindo-a das Bem-aventuranças”. 

“Sabemos – adverte – que não é uma estrada fácil; é longa e tortuosa, mas não há alternativa para se chegar à reconciliação. Alimentemos a esperança com a força dos gestos, em vez de esperar gestos de força”.

Francisco dirigiu-se, depois, ao Palácio Presidencial de Nicósia, para o encontro com autoridades, sociedade civil e corpo diplomático, não sem parar, pelo caminho, junto à estátua do arcebispo Makarios III, uma figura-chave da história recente do país, que lutou, inclusive como presidente da República, pela unificação da ilha. 

Chipre no Médio Oriente

Num discurso de tom mais político, Francisco começou por recordar que foi nesta ilha “onde se começou a primeira grande inculturação do Evangelho no continente”. Realçou, depois, o papel de Chipre como ponto de encontro do oriente e do ocidente, “encruzilhada de civilizações”, que “traz em si a vocação inata para o encontro, favorecida pelo caráter acolhedor dos cipriotas”. 

O diálogo voltou ao primeiro plano, nesta intervenção. Francisco manifestou apreço pelo Caminho Religioso do Processo de Paz de Chipre, que vem sendo promovido pela Embaixada da Suécia, que visa promover precisamente o diálogo entre os líderes religiosos, procurando curar as feridas, sem esquecer a situação das pessoas desaparecidas.

Sem o diálogo, “crescem a suspeita e o ressentimento”, acrescentou o Papa, dando como exemplo o Mediterrâneo, agora lugar de conflitos e tragédias humanitárias.

Nesta linha desejou que, com o contributo de todos, Chipre se possa assumir como “um estaleiro de paz aberto no Mediterrâneo”.

 

Abusos na Igreja e Vaticano: “Fazer o que ainda não foi feito”

Análise

Abusos na Igreja e Vaticano: “Fazer o que ainda não foi feito” novidade

Sobre as leituras e as consequências do estudo divulgado há precisamente uma semana relativamente aos abusos na Arquidiocese de Munique, umas das principais da Alemanha, o mundo católico encontra-se em suspenso. Já esta sexta-feira, 28, espera-se o pronunciamento da diocese visada e tanto o Vaticano como Bento XVI anunciaram ir estudar atentamente o documento, tendo o Papa Emérito prometido responder.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Centro de Formação Cristã inaugura disciplina sobre ecologia integral

Diocese de Leiria-Fátima

Centro de Formação Cristã inaugura disciplina sobre ecologia integral novidade

A partir do próximo dia 8 de fevereiro, a Escola Diocesana Razões da Esperança (EDRE), do Centro de Cultura e Formação Cristã da Diocese de Leiria-Fátima, contará com uma novidade na sua oferta formativa: pela primeira vez e de forma mais sistematizada, será dada atenção às questões ambientais e ecológicas, na linha do que o Papa Francisco propõe na Encíclica Laudato Si’. A disciplina terá a designação de “Cuidar da Terra, cuidar do outros” e será lecionada por elementos da Rede Cuidar da Casa Comum, noticia a diocese no seu site.

Thich Nhat Hanh: Buda e Jesus são irmãos

Thich Nhat Hanh: Buda e Jesus são irmãos novidade

Regressei ao cristianismo. Mas fui budista zen cerca de quinze anos, integrada na orientação budista zen do mestre japonês Taisen Deshimaru (Associação Zen Internacional); tendo como mestre um dos seus discípulos, Raphael Doko Triet. Gostaria de lhe prestar aqui a minha homenagem pois aprendi muito com ele, ligando-nos ainda – embora à distância – uma profunda amizade.

Fale connosco

Abusos na Igreja
Dar voz ao silêncio

Contactos da Comissão Independente

https://darvozaosilencio.org/

E-mail: geral@darvozaosilencio.org

Telefone: (+351) 91 711 00 00

You have Successfully Subscribed!

Pin It on Pinterest

Share This