Último dia de congresso com o Papa

Diálogo inter-religioso é um caminho urgente, insubstituível, e sem retorno

| 15 Set 2022

 

congresso lideres religiosos cazaquistao leitura declaracao final joanna Bailey Wells foto vatican media

A leitura da Declaração Final do Congresso foi entregue a uma das poucas mulheres presentes no evento, a bispa anglicana britânica Joanne Bailey Wells. Foto © Vatican Media.

 

O pluralismo religioso é uma “expressão da sabedoria da vontade de Deus na Criação”, reconheceram perto de 100 representantes das várias religiões do mundo inteiro, entre os quais o Papa Francisco, ao assinar a Declaração Final do Congresso de Líderes Religiosos, o qual terminou esta quinta-feira, 15 de setembro, em Nur-Sultan, a capital do Cazaquistão. O documento sublinha que a liberdade religiosa é um direito concreto e que o diálogo inter-religioso é um caminho urgente, insubstituível, necessário e sem retorno. Mas é preciso que todos o façam juntos, lembrou o Papa no discurso que se seguiu à leitura da declaração.

“Há demasiados ódios e divisões, demasiada falta de diálogo e compreensão do outro: isto, no mundo globalizado, é ainda mais perigoso e escandaloso”, alertou Francisco durante aquele que foi o seu último compromisso da viagem apostólica ao Cazaquistão. E acrescentou: “Não podemos avançar assim, ora unidos ora separados, ora interligados ora dilacerados por demasiadas desigualdades.”

O Papa recordou, a propósito, o lema escolhido para esta viagem: “Mensageiros de paz e de unidade”. E explicou: “Está no plural, porque o caminho é comum.” Um caminho comum que tem sido abraçado desde o início da história do Congresso, em 2003, até à Declaração Final deste ano, onde se “afirma que o extremismo, o radicalismo, o terrorismo e qualquer outro incentivo ao ódio, à hostilidade, à violência e à guerra nada têm a ver com o autêntico espírito religioso e devem ser rejeitados nos termos mais decididos que for possível; condenados, sem ‘ses’ nem ‘mas'”.

Assim, concluiu Francisco, respeito mútuo deve ser essencial, “independentemente da  pertença religiosa, étnica ou social de cada um” e “é preciso sobretudo empenharmo-nos para que a liberdade religiosa seja, não um conceito abstrato, mas um direito concreto.”

 

Paz, mulher, jovens
congresso lideres religiosos cazaquistao leitura discurso final papa francisco foto vatican media

“Pedimo-vos”, insistiu o Papa no seu discurso final, “em nome de Deus e para o bem da humanidade: empenhai-vos pela paz, não pelos armamentos! Só servindo a paz é que permanecerá grande na história o vosso nome.” Foto © Vatican Media.

 

Antes de terminar o seu discurso, o Papa quis ainda destacar três palavras-chave que permeiam a Declaração Final do Congresso e que nenhum dos líderes religiosos presentes deveria esquecer.

A primeira, disse Francisco, além de urgente “é a síntese de tudo, a expressão dum grito do coração, o sonho e a meta do nosso caminho: a paz! Beybitşilik, mir, peace!”, disse, fazendo questão de traduzir a palavra para as línguas cazaque, russa e inglesa.

“Pedimo-vos”, insistiu o Papa, “em nome de Deus e para o bem da humanidade: empenhai-vos pela paz, não pelos armamentos! Só servindo a paz é que permanecerá grande na história o vosso nome.”

E, se falta a paz, acrescentou o Papa, “é porque falta atenção, ternura e capacidade de gerar vida”. Dessa forma, a mulher (segunda palavra que Francisco quis destacar) “é caminho para a paz” e por isso precisa de ter a sua dignidade defendida e a condição social melhorada: “Quantas opções de morte seriam evitadas se estivessem precisamente as mulheres no centro das decisões! Empenhemo-nos para que sejam mais respeitadas, reconhecidas e envolvidas.”

Finalmente, e na conclusão do discurso, o Papa revelou a terceira palavra: “jovens”. E lembrou que são eles  “os mensageiros de paz e de unidade de hoje e de amanhã”. Na mão deles, “coloquemos oportunidades de instrução, não armas de destruição! E escutemo-los, sem medo de nos deixar interpelar por eles. Sobretudo construamos um mundo pensando neles!”

 

De uma bispa para o mundo

A leitura da Declaração Final do Congresso coube, precisamente, a uma das poucas mulheres presentes no evento (apenas seis), a bispa anglicana britânica Joanne Caladine Bailey Wells.

O documento será agora partilhado com autoridades, líderes políticos, e figuras religiosas em todo o mundo, assim como importantes organizações. A declaração será, de resto, distribuída como documento oficial da 77ª Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas e os seus princípios, repartidos em 35 pontos, deverão ser disseminados, para que “a paz e a prosperidade sejam concedidas a todos os povos e países”.

O texto pede apoio para qualquer iniciativa destinada a implementar o diálogo inter-religioso e interconfessional; enfatiza a comunhão com os esforços das Nações Unidas e de qualquer outra entidade para promover o diálogo entre civilizações, religiões e nações; exorta os Estados a garantir condições de vida dignas para os seus cidadãos e a reduzir a discrepância de bem-estar entre os diferentes países do mundo; encoraja a preservação dos valores espirituais e diretrizes morais nas sociedades; e reconhece a importância do papel dos líderes das religiões e da diplomacia religiosa. A tolerância, o respeito e a compreensão mútua são solicitadas e devem ser, portanto, “o objetivo de toda a pregação religiosa”.

Nele é ainda reconhecida a importância e o valor de um outro texto, o Documento sobre a Fraternidade Humana de Abu Dhabi, assinado em 2019 pelo Papa Francisco e o Grande Imã de Al-Azhar, Ahmed El-Tayeb.

O próximo Congresso de Líderes Religiosos irá realizar-se em 2025, novamente no Cazaquistão.

 

Já no avião que o transportou de regresso a Roma, o Papa pareceu como que a relativizar o seu próprio discurso, admitindo que pode ser “moralmente aceitável” que um país receba armamento para se defender. Na conferência de imprensa a bordo, Francisco disse, citado pela Reuters, que uma tal decisão não deixa de ser política, mas acrescentou que ela pode ser moralmente legítima se o objectivo for a autodefesa contra uma nação agressora.

Tendo a guerra provocada pela invasão russa da Ucrânia como pano de fundo, o Papa afirmou: “A autodefesa não é apenas lícita, mas também uma expressão de amor pela pátria. Alguém que não se defende a si próprio, que não defende algo, não o ama. Quem defende (algo) ama-o”, declarou. Mas é “imoral” vender armas ou enviá-las para um país que não precisa, “se a intenção é provocar mais guerra”, acrescentou, de acordo com as afirmações reproduzidas pelo Público.

Sobre a Ucrânia, disse que este país não deve excluir o diálogo com a Rússia: “Por vezes, eles [o agressor] não aceitam o diálogo. Que pena. Mas o diálogo deve ser sempre levado a cabo, ou pelo menos oferecido. E isto faz bem àqueles que o oferecem.”

 

Notícia atualizada às 23h50 de dia 15, com as declarações do Papa no avião.

 

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This