Diálogos com Santo António em Coimbra, 800 anos depois da sua vocação franciscana

| 18 Jan 20

Antonio Lombardo, Uma Criança afirma a honestidade da sua mãe (1505). Escultura na Basílica de Santo António, de Pádua. Foto Giorgio Deganello/Archivio Messaggero di sant’Antonio.

 

Os 800 anos da vocação franciscana do então frade Fernando de Bulhões, dos padres de Santa Cruz, estão a ser assinalados em Coimbra. Neste domingo, 19 de Janeiro, inicia-se o ciclo Diálogos com António, promovidos pela revista Mensageiro de Santo António. Com o tema “A força da Palavra”, o debate de hoje terá a participação do poeta, crítico literário e ensaísta António Carlos Cortez, do investigador e tradutor da Bíblia José Carlos Carvalho e do frade franciscano José António Pereira, director da Editorial Franciscana, moderados por Juan Ambrosio e Secundino Correia.

A conversa inicia-se às 16h, na sala do capítulo do Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra. Uma hora antes, os interessados poderão participar numa visita guiada à exposição jubilar; às 18h, realiza-se um concerto de órgão na Igreja de Santa Cruz, onde também será celebrada a eucaristia meia hora depois.

O ciclo prossegue a 2 de Fevereiro, com uma conversa sobre o tema “Famílias como as nossas”, na qual intervêm Ghalia Taki, que faz parte da primeira família síria que, em 2014, chegou refugiada a Portugal e é hoje intérprete e mediadora do Serviço Jesuíta aos Refugiados; Nelson Nunes, escritor e jornalista; e Sara Belo Luís, jornalista da Visão. Sucedem-se, depois, diálogos sobre “A economia de Francisco” (1 de Março), “Europa, para onde vais?” (5 de Abril), “O dom frágil da vida” (3 de Maio) e “Santo António: o monge, o frade, o santo” (7 de Junho). O programa completo, com os intervenientes e as sínteses dos temas e intervenções, pode ser consultado na página do Jubileu 2020.

A vocação franciscana de frei Fernando, que depois adoptou o nome de António, está intimamente ligada à chegada dos restos mortais dos mártires franciscanos de Marrocos a Coimbra, cujas relíquias estão hoje no Mosteiro de Santa Cruz. Foi esse acontecimento que levou o monge de Santa Cruz a trocar a meditação e os livros pela itinerância franciscana.

O Jubileu 2020 iniciou-se solenemente no domingo passado, 12, e na quinta-feira, 16, decorreu em Coimbra um colóquio académico sobre o pensamento de Santo António. O jubileu é promovido pela diocese de Coimbra, através do Mosteiro de Santa Cruz e do Convento de Santo António dos Olivais (onde Santo António tomou o hábito franciscano), para actualizar aqueles dois factos que acabaram por moldar o santo que, a par de Francisco de Assis, é apontado como o mais conhecido em todo o mundo.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

O Papa e os “teístas com água benta cristã”

“Quando vejo cristãos demasiado limpos, que têm toda a verdade, a ortodoxia, e são incapazes de sujar as mãos para ajudar alguém a levantar-se, eu digo: ‘Não sois cristãos, sois teístas com água benta cristã, mas ainda não chegastes ao cristianismo’”. A afirmação é do Papa Francisco, numa conversa sobre o Credo cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Eutanásia, hora do debate novidade

Seja qual for a posição de cada um, a reflexão e o debate sobre a eutanásia é uma exigência de cidadania e não uma discussão entre alguns, em círculo fechado, mesmo se democraticamente nos representam. Quando está em jogo o tipo de sociedade que desejo para os meus netos, não quero que outros decidam sem saberem o que penso.

“Qual é o mal de matar?”

A interrogação que coloquei como título deste texto foi usada por Peter Singer que a ela subordinou o capítulo V do seu livro Ética Prática. Para este filósofo australiano, a sacralidade da vida humana é entendida como uma forma de “especismo”, uma designação que ele aplica a todas as teorias que sustentam a superioridade da espécie humana.

Cultura e artes

São Pessoas. Histórias com gente dentro novidade

Há um tanque de lavar roupa. Há uma cozinha. Há o poço e as mãos que lançam um balde. Há uma sombra que foge. Há o poste de eletricidade que ilumina as casas frágeis. Há o quadro pendurado em que um coração pede “Deus te ajude”. Há a campa e a eterna saudade. E há uns tapetes gastos. Em cada uma destas fotos só se adivinham os rostos, os olhos, as rugas, as mãos rugosas, as bocas, as pessoas que habitam estes lugares.

“2 Dedos de Conversa” num blogue para alargar horizontes

Um dia, uma leitora do blogue “2 Dedos de Conversa” escreveu-lhe: “Este blogue é um momento de luz no meu dia”. A partir daí, Helena Araújo, autora daquela página digital, sentiu a responsabilidade de pensar, de manhã, o que poderia “escrever para animar o dia” daquela rapariga. Sente que a escrita do blogue pode ajudar pessoas que não conhece, além de lhe ter alargado os horizontes, no debate com outros pontos de vista.

Um selo em tecido artesanal para homenagear Gandhi e a não-violência

Os Correios de Portugal lançaram uma emissão filatélica que inclui um selo em khadi, o tecido artesanal de fibra natural que o Mahatma Gandhi fiava na sua charkha e que utilizava para as suas vestes. Portugal e a Índia são, até hoje, os únicos países do mundo que utilizaram este material na impressão de selos, afirmam os CTT.

Arte de rua no selo do Vaticano para a Páscoa

Um selo para celebrar a Páscoa com arte de rua. Essa será a escolha do Vaticano, segundo a jornalista Cindy Wooden, para este ano, reproduzindo uma Ascensão pintada por Heinrich Hofmann, que se pode ver na Ponte Vittorio Vittorio Emanuele II, em Roma, a poucas centenas de metros da Praça de São Pedro.

Sete Partidas

Uma mulher fora do cenário, numa fila em Paris

Ultimamente, ao andar pelas ruas de Paris tenho-me visto confrontada pelos contrastes que põem em questão um princípio da doutrina social da Igreja (DSI) que sempre me questionou e que estamos longe de ver concretizado. A fotografia que ilustra este texto é exemplo disso.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco