Diário de viagem III: A velocidade dos burros marroquinos e a invenção de Elon Musk

| 6 Fev 19

O grupo em passeio na fortaleza de Mazagão, jóia da arquitectura militar (foto: direitos reservados)

De Arssilah [Arzila] a Marraquexe, destino do nosso terceiro dia, não se contam muitos quilómetros, mas pareceu-nos muito longe, pelas seguintes razões: nas auto-estradas atravessavam pessoas e passeavam-se cães, o que exigia atenção redobrada e velocidades mais contidas; e grande parte do trajecto foi percorrido em estradas nacionais, tão lentas como as lesmas devido ao elevado tráfego, aos constantes postos de controlo policial, às centenas de camiões que se arrastavam a gemer cargas excessivas e às tão características carroças de burros que, em alguns locais, conseguiam maiores velocidades do que nós, deixando o jipe e a pick-up corados de vergonha. Claro que os burros tinham vantagem sobre nós: por não terem matrícula, nunca eram controlados pela polícia, coisa de que não estavam dispensados os cavalos dos nossos carros. Uma injustiça, diga-se de verdade. 

Como somos padres e leigos muito sensíveis às injustiças, julgamos que as autoridades deveriam tomar medidas: estas centenas de carroças puxadas por pequenos e tenros burros bem pode ser considerado trabalho infantil, coisa que na nossa velha Europa é crime digno de severa punição. 

Julgo que o americano Elon Musk se inspirou aqui, em Marrocos, para criar os seus célebres carros eléctricos marca Tesla. Seria interessante fazer um teste de comparação entre estes sofridos burros, que puxam estas pesadas carroças, e os automóveis Tesla. Excluindo a velocidade, penso que se equiparariam quanto à autonomia e à poluição, pois os burros, segundo parece, podem fazer uns 300 quilómetros a velocidade moderada e demoram a carregar pela boca umas quatro horas; mas, se o carregador manjedoura for reforçado, como aqueles carregadores especiais dos Tesla, podem carregar numa horita.

Quanto à poluição, é verdade que o Tesla não tem cano de escape, mas os gases que saem pela traseira dos burros, desde que se suportem os odores, também não são prejudiciais à saúde nem ao ambiente, segundo estudos recentes e avançados. 

Terminada esta consideração, informamos que, como bons portugueses, resolvemos visitar, depois de um almoço campal e ambulante que teve como sobremesas uma boa remessa de anedotas, a celebérrima cidade de El-Jadida – em português, Mazagão. Foi tomada pelos nossos valentes conquistadores em 1513 e foi a última das praças fortes portuguesas a ser abandonada em Marrocos.

O que mais impressiona é a extraordinária fortaleza, verdadeiro prodígio da arquitetura militar lusa e a primeira a ser construída fora da Europa. Só foi abandonada em 1769 por ordem do nosso Marquês de Pombal. Imponente e de rara beleza arquitectónica é a cisterna, plantada dentro da muralha. Enfim, aos portugueses que por esta zona passarem fica o imperativo de visitar este forte e garantimos que não se vão arrepender.

Daqui até Marraquexe todos os quilómetros foram por estradas nacionais, pelo que só às 19h chegámos a esta cidade, que considero uma das mais castiças e sui generisdo mundo. Foi aqui que tivemos o primeiro problema: o nosso comparsa responsável  pela logística de repouso, sempre eficaz nas missões que assume e colega com quem eu vou até ao fim do mundo (ele é um homem grande em quem nunca vi gestos pequenos) tinha reservado dois apartamentos que não conseguimos encontrar, depois de duas horas de afanosa procura.

Inclusivamente, levámos um marroquino no nosso jipe que garantia saber onde era o local. Mas nem assim. Conclusão: tivemos de agarrar e conter o nosso referido comparsa que queria bater na dona dos apartamentos. A sorte foi ela estar na Alemanha, demorava muito tempo a lá chegar… Acabámos por pernoitar no Hotel Les Ambassadeurs. Com estas andanças e desencontros, eram 23h quando acabámos de devorar um belo repasto preparado pela logística alimentar chef-maitre André).

Apesar do cansaço e da hora avançada, os mais corajosos ainda ousaram visitar a praça Jemaa El-Fna, que é Património Mundial e um sítio absolutamente obrigatório numa viagem a Marrocos.  Eu não acompanhei este grupo, porque tive de ir deitar o Almiro.

Informação de última hora: o nosso comparsa pela logística de saúde tem sido verdadeiramente admirável no zelo e na preocupação, não tendo, no entanto, conseguido debelar as maleitas de uma mão estropiada, de um pé manco, de uma constipação atrevida que veio para ficar e evitar que um dos elementos se esteja a transformar numa borbulha!…

Há ainda a acrescentar que um dos condutores da pick-up é especialista em fazer tangentes aos polícias (faltou pouco para atropelar um!). Julgamos que tal se deve ao facto de termos passado em Tânger e ele ter confundido Tânger com tangente… 

Padre Almiro Mendes 

(O 7MARGENS acompanhará durante os próximos dias, através de um diário de viagem, a expedição do padre Almiro Mendes e dos seus companheiros rumo à Guiné-Bissau para entregar um jipe, uma pick-upe outras ajudas a várias missões católicas e organizações não-governamentais.)

Breves

“Basta. Parem estas execuções”, pedem bispos dos EUA a Trump

O arcebispo Paul Coakley, responsável pelo comité de Justiça Interna e Desenvolvimento Humano na conferência episcopal dos EUA (USCCB), e o arcebispo Joseph Naumann, encarregado das ações pró-vida no mesmo organismo, assinaram esta semana um comunicado onde pedem , perentoriamente, ao presidente Donald Trump e ao procurador-geral William Barr que ponham fim às execuções dos condenados à pena de morte a nível federal, retomadas em julho após uma suspensão de quase duas décadas.

ONGs lançam atlas dos conflitos na Pan-Amazónia

Resultado do trabalho conjunto de Organizações Não Governamentais (ONGs) de quatro países, o Atlas de Conflitos Socioterritoriais Pan-Amazónico será lançado esta quarta-feira, 23 de setembro, e irá revelar os casos mais graves de violação dos direitos dos povos da região, anunciou a conferência episcopal brasileira.

Papa apoia bispos espanhóis para ajudar a resolver estatuto do Vale dos Caídos

O Papa Francisco recebeu os novos responsáveis da Conferência Episcopal Espanhola, com quem falou sobre o papel da Igreja Católica no apoio aos mais pobres e mais fragilizados pela pandemia e sobre dois temas que esta semana estarão em debate nas Cortes de Espanha: eutanásia e lei da memória histórica, com o futuro do Vale dos Caídos em questão.

Boas notícias

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

O Sea Watch 4 resgatou, de manhã cedo, neste domingo, 23 de Agosto, 97 pessoas que viajavam a bordo de uma lancha pneumática sobrelotada, já depois de ter salvo outras sete pessoas noutra lancha. A presença do navio desde há dias no Mediterrâneo central, é fruto da cooperação entre a Sea Watch, os Médicos Sem Fronteiras (MSF) e a Igreja Protestante alemã, que promoveu uma campanha de recolha de fundos para que ele pudesse zarpar.

Outras margens

Cultura e artes

Encarnando o irmão Luc novidade

Michael Lonsdale era, naquele final do dia, em Braga, o irmão Luc, assim dando corpo e espírito ao monge com o mesmo nome que foi assassinado na Argélia, em 1996. E é inesquecível a sua participação no filme Dos Homens e dos Deuses, que evoca a vida dos monges do mosteiro argelino de Tibhirine, sete dos quais (Bruno, Célestin, Christian, Cristophe, Michel, Paul, além de Luc) raptados e assassinados por um grupo de islamitas.

Michael Lonsdale: “Gostaria de morrer tranquilamente. Em Deus sobretudo”

Um dos mais fascinantes actores franceses, Michael Lonsdale morreu na passada segunda-feira, 21. Uns lembrar-se-ão de ele ter sido o vice-cônsul de Lahore no filme India Song, de Marguerite Duras, outros não ignorarão o facto de ele se ter empenhado em fazer a vida negra a James Bond. Mas Michael Lonsdale participou em filmes de Truffaut, Malle, Buñuel, Spielberg e outros realizadores não menos relevantes.

Pessoas

Não esquecer a memória

Não esquecer a memória

Não lembrei pessoalmente nestas páginas ainda a partida de Frei Mateus Cardoso Peres, O.P. (1933-2020), personalidade fascinante com uma rica obra de apostolado e de reflexão, e devo fazê-lo. Conheci-o bem e tenho pela sua vida e ação uma grande estima. O grupo de que fez parte dos “católicos inconformistas” integrou alguns dos meus grandes amigos, como António Alçada Baptista, Helena e Alberto Vaz da Silva e João Bénard da Costa.

Sete Partidas

A reunião de trabalho novidade

A reunião de trabalho convocada pela chefe chegou sem surpresa. Mais uma entre tantas. Comparecemos todos. Através do ecrã, a expressão no rosto e o tom da voz denotavam, no entanto, uma intenção outra. Um assunto especial. Havia efectivamente um assunto especial a abordar. Abertamente. Uma autenticidade sem pudor marcou o tom da conversa. Um cuidado humilde e generoso revelado sem condicionamentos.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Rituais pós-nascimento: “Ku xlomula mamani ni ku humisa mwana” novidade

Nas culturas bantu do sul de Moçambique, especificamente na xironga e na xitswa, após o nascimento de um bebé, a mãe e a sua criança ficam, por algum tempo, interditados do convívio com a família alargada, por se considerar que os seus corpos não se encontram fortes o suficiente para conviver com agentes impuros, sejam do ambiente poluído de fora de casa, sejam os que com eles habitam, pelo facto de viverem entre o resguardo do lar e outras actividades que realizam fora de casa.

Os jovens do Torne na luta por “uma Igreja nova num Portugal novo”

Na década de sessenta do século passado, e até 1974, surgiu na paróquia de São João Evangelista (Vila Nova de Gaia), da Igreja Lusitana, Católica, Apostólica, Evangélica (IL), um grupo de jovens, que se intitulou Jovens do Torne – JT. No princípio englobado na “Liga do Esforço Cristão de Gaia”, foram prosseguindo um caminho ecuménico, alargado a todas as religiões e ateus.

Fale connosco