Diário de viagem IV: Uma cáfila, os mexilhões, o jejum forçado e o zelo policial

| 7 Fev 19

“A intenção era chegar a Tam Tam La Plage antes de o sol se pôr” (foto: direitos reservados)

Foi muito cedo que o despertador martelou um som estridente e incomodativo. Era imperativo: tínhamos de sacudir os nossos corpos fatigados e saltar do conforto que uma cama sempre dá e levantar-nos para a aventura do quarto dia, que sabíamos longa. Não demorou, por isso, a que todos se aprontassem rapidamente e se apresentassem na sala do pequeno-almoço. Um luxo, pois enquanto nos outros dias éramos nós que tínhamos de o preparar, este estava incluído no preço do hotel. O dia começava bem, pois poupámos tempo e os nossos géneros alimentícios. 

Terminado o ritual de meter tudo nos carros, coisa que não é fácil mas que o mestre André sabe fazer melhor do que todos, arrancámos quando Marraquexe ainda se vestia de breu e o sol escondia, para lá da linha do horizonte, uma envergonhada preguiça em se levantar.

Embora ainda noite, o trânsito já era frenético e a condução exigia todos os cuidados, coisa normal nesta cidade onde todo o tipo de veículos se misturam num caos em que até as regras mais simples não se cumprem. 

Mas quando já estávamos afastados desta confusão, o sol levantou- se e começou a beijar uma paisagem fantástica, quase zen: montanhas maravilhosas, nuas de vegetação e com uma pele cor de argila, vales longos vestidos de uma serenidade indizível que ondulavam o nosso olhar, curvas e contracurvas que depois se esticavam em retas infindáveis que nos atiravam para uma contemplação quase mística.

Enfim, de Marraquexe a Tam Tam La Plage a paisagem foi uma missa que o Criador nos celebrou, deixando o nosso coração ajoelhado de gratidão e comoção. Até fomos prendados com a primeira cáfila de camelos. Eram, no mínimo, uns 50. As crias foram as que mais prenderam a nossa atenção. Os camelos não são animais bonitos, mas revelam uma lenta calmaria que nos dá a confiança para nos aproximarmos deles, coisa que toleram.

Como a intenção era chegar a Tam Tam La Plage antes de o sol se pôr, apenas fizemos as paragens estritamente necessárias e passámos, apressados, por várias cidades que se nos atravessaram no caminho.

O programado e desejado foi conseguido: chegámos ao local da pernoita ainda cedo e a tempo do mestre André, que sempre nos surpreende, ir pescar mexilhões no mar de Tam Tam, que se apresentava calmo para nos receber. Tão bons estavam, que mais depressa se comeram do que se cozinharam. O António, que chegou mais tarde à mesa, teve de se contentar com um jejum forçado, pois o Almiro, depois de comer a porção que lhe estava reservada, tratou também da que estava destinava ao António. A gula não é comer muito: é comer tudo e não deixar nada para os outros.

Notícia do dia: os polícias marroquinos, que vestem fardas tão aprumadas que parecem sempre preparados para receber o Rei e aparecem em todos os cantos e esquinas, resolveram tirar uma fotografia ao homem mais bonito deste grupo que ruma à Guiné. Imaginem quem foi o escolhido: o mais pequenote. A fotografia foi tirada a partir de um carro estacionado na berma e camuflado. Mais à frente, dois desses agentes, colocados em sítio estratégico, fizeram paragem para dizer ao Almiro que tinham uma foto dele e que custava 150 dirhams.

O Almiro bem argumentou que, em Portugal, há uma lei que obriga à protecção de dados e que, por isso, eles deviam destruir a foto. Desconhecendo a lei portuguesa e mostrando até completa indiferença pelo argumento, explicaram que o condutor circulava a 76km/hora num local onde só se podia andar a 60km e que esses Ayrtons Senna tinham todos direito a uma foto. O Almiro pediu para a ver e, como até estava favorecido, aceitou pagar o equivalente a 14 euros, com a condição de os zelosos polícias marroquinos mandarem a malfadada foto encaixilhada para Portugal, e a alta velocidade. Entretanto, o Almiro, no regresso, vai falar com a polícia portuguesa, para multar o embrulho pela  velocidade excessiva com que vai atravessar Portugal. Olho por olho, dente por dente…

Padre Almiro Mendes

(O 7MARGENS acompanha desde domingo passado, 3 de fevereiro, através de um diário de viagem, a expedição do padre Almiro Mendes e dos seus companheiros rumo à Guiné-Bissau para entregar um jipe, uma pick-up e outras ajudas a várias missões católicas e organizações não-governamentais.)

Breves

Funeral em Lisboa

O papel de Feytor Pinto na mudança social

O padre Vítor Feytor Pinto “foi um exemplo magnífico” das propostas do Concílio Vaticano II no sentido de uma relação “muito activa Igreja-mundo, em que as comunidades cristãs longe de estarem fechadas sobre si próprias se transformam como lugar de encontro e proposta”, disse o patriarca de Lisboa.

Boas notícias

Timor-Leste: nasce associação para o turismo religioso

Iniciativa interconfessional

Timor-Leste: nasce associação para o turismo religioso

Acaba de nascer a Associação de Turismo Religioso de Timor-Leste (ATRTL), num ato realizado na última terça-feira, dia 11, na catedral da Imaculada Conceição, em Díli. O lançamento da iniciativa, que envolve todas as religiões do país, ocorreu no aniversário da data da visita do Papa João Paulo II àquele território, quando este se encontrava ainda ocupado pelo poder indonésio. O processo da sua criação, que decorria desde 2018, envolve as confissões católica (maioritária), protestante, muçulmana, hindu e confucionista.

Outras margens

Cultura e artes

Exposição e debate no Museu de Etnologia

Quando o espaço sagrado passa a património

O que têm em comum o santuário católico mariano de Fátima, a vila muçulmana andaluza de Mértola, a romântica e encantada Sintra e o bairro lisboeta e islâmico da Mouraria? E como podem coexistir em Fátima o catolicismo popular que domina o santuário, e o facto de outros cristãos, mas também hindus, muçulmanos, praticantes de religiões afro-brasileiras e de nova era procurarem o lugar?

Cinema

Plantar uma árvore no mar

Comecemos então por aquele barco no mar que leva uma planta e duas personagens. Apesar de Catarina Vasconcelos dizer que não é crente, ao contrário da avó e do avô, são muitos os sinais e as memórias do que podíamos chamar uma linguagem evangélica. Estou a tentar falar de um dos mais belos filmes que já pude ver, A Metamorfose dos Pássaros.

Na morte do poeta

para o Fernando Echevarría, mas não à sua memória

Conheci o Fernando Echevarría há alguns anos quando juntos animámos no Metanoia uma sessão sobre os nomes de Deus que a poesia enuncia em nós, ou não, ou só. Da sua sala sobre o rio aberta recordo cada gesto afável, a tenaz humildade de quem um dia disse, e fez, e um campo escolheu e o lavrou. Mas sobretudo uma orelha enorme suspensa sobre a tarde, à escuta do que talvez não fale.

Pessoas

Sete Partidas

Da personalização do voto

Sempre achei confuso e difícil isto de escolher duas coisas com um só boletim de voto. Uma coisa é escolher com que partido ou com que programa de governo me identifico mais, outra coisa é escolher quem é a pessoa ou o partido que eu acho que representa melhor os interesses da minha região no parlamento. Na minha cidade natal, o Porto, aconteceu-me diversas vezes querer votar num partido com um determinado programa de governo, mas achar que o deputado X de outro partido poderia fazer a diferença no Parlamento.

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Pregos no caixão novidade

Como resultado de uma evolução e saturação pessoais, cheguei ao ponto de ter medo, no próprio e exacto sentido da palavra, cada vez que vejo um padre ou um bispo aparecer na TV ou ser transcrito num jornal, porque é imensa a possibilidade de das suas bocas sair forte asneira e de os seus gestos e trejeitos serem comprometedores.

Os dias não têm 24 horas novidade

E se de repente nos viessem dizer que cada dia passaria a ter apenas 16 ou 17 horas? Com a falta de tempo de que sempre nos queixamos iríamos, decerto, apanhar um susto. Não saberíamos como resolver tamanho corte e, com imensa probabilidade, entraríamos em stresse, esse companheiro que nos boicota a vida num padrão que, como alguém disse, se traduz por excesso de presente.

Um sentimento misto

No trabalho ou em qualquer outra responsabilidade todos desejamos que tenham confiança em nós e no discernimento que fazemos das coisas. Quantas pessoas não fazem a menor ideia da rede complexa de relacionamentos que estão em jogo e que, por detrás dos silêncios, existe uma visão do todo cuja compreensão exige tempo para a assimilar, não um tweet. Assume, aqui, importância, desenvolver uma cultura da confiança em quem assume determinadas responsabilidades.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This