Diário de viagem (IX) – Nietzsche e Charlie Chaplin, a memória, a vida e o teatro

| 12 Fev 19

Disse Nietzsche que ganha o futuro quem melhor memória do passado fizer.

 Foto © António Ribeiro

Tenho de Dacar a mais grata memória, pois aqui vivi 18 dias na casa dos Missionários do Espírito Santo [Espiritanos] para me preparar para a Missão na Guiné; aqui voltei de carro transportando, desde Bissau até ao Hospital de Dacar, o padre Jonas, que estava muito doente; e por aqui passei três vezes, vindo de Portugal para a Guiné, de jipe. 

Além disso, desde criança sempre tive o grande sonho de conhecer o local onde terminava o Rali Dacar, que para mim é o espectáculo motorizado mais incrível e fascinante do mundo e, desde criança, fazia parte do meu arquétipo mental. 

Por estas razões, e por ser uma cidade com um fascínio especial, para mim Dacar é uma urbe onde sempre me sinto bem, onde sempre me encanto e por onde nunca me canso de passar.

Foi deste local tão excepcional que partimos para o nosso nono dia, não sem antes termos vivido uma situação surreal: de madrugada, ouviu-se um estrondo. A cama do Tito tinha-se partido e ele acabou com o costado no chão! Indagadas as causas, ficámos a pensar que o Tito festejou os 10 golos sem resposta do seu amado Benfica aos saltos em cima da cama, não tendo a pobre desgraçada aguentado tamanho vilipêndio. Tomámos o pequeno almoço, fizemos aos padres espiritanos (meus velhos amigos!) os merecidos agradecimentos, demos os últimos abraços, fomos à capela fazer uma  prece e fizemo-nos à estrada.

O trânsito em Dacar exige especiais cautelas por ser tanto e tão pouco organizado. Mas uma recente auto-estrada, construída mesmo no coração da cidade, depressa nos escoou dali e nos colocou aos pés de Nbor, a uns 50 quilómetros.

“O trânsito em Dacar exige especiais cautelas por ser tanto e tão pouco organizado…” (Foto © António Ribeiro)

Apreciámos o novo aeroporto, que praticamente começa onde acaba a auto-estrada, e que revela a pujança e modernidade do Senegal. 

Temíamos as estradas, que daqui até Tambacunda eram um suplício, mas nem queríamos acreditar: pareciam um tapete rolante! Coisa impensável há uns anos atrás! Se não fossem as dezenas de povoações que nos obrigavam a reduzir, teríamos chegado ao nosso destino a meio da tarde.

Mas cada dia tem as suas dificuldades e três acidentes que encontrámos pelo caminho foram suficientes para nos meter medo ao pensarmos que podia ter sido connosco. 

Também nos assustámos quando, em Tambacunda, centenas de jovens cortaram a estrada em que seguíamos, tendo nós ficado encurralados no meio deles. Batiam na chapa do nosso jipe como em tambores, e vociferavam a sua revolta (parece que por terem assassinado três jovens) de punhos no ar e dando- nos severa e contundente ordem para sairmos dali depressa. Foi o que fizemos numa inversão de marcha atribulada, seguindo por manhosas estradas de terra que nos ajudaram a contornar o problema e a voltar, mais à frente, à nossa estrada que nos haveria de fazer chegar ao nosso destino: Kolda. Eram 20h.

Estávamos a uns 300 quilómetros da Guiné. Nem queríamos acreditar! Afinal, tudo tinha corrido bem até aqui! Seja Deus louvado! 

Jantámos melhorado e tivemos de nos despedir, pesarosos, dos nossos companheiros leigos. Por irem para Catió, têm de passar a fronteira, junto a Kolda, que leva a Bafatá; nós, os padres, por irmos para Bissau, temos que continuar até Ginguinchor e atravessar a fronteira de S. Domingos, minha velha conhecida. 

Quem vem de Dacar e atravessa o Senegal, passando por Tambacunda, Kolda e tantas outras povoações plantadas à beira da estrada, repara que as pessoas são tantas que mais parecem formigueiros humanos, sendo as crianças e jovens um verdadeiro enxame numa deambulação ora passiva, ora frenética.

Toda esta gente nos parece suja e com roupas pobres, mas a paleta de cores das vestimentas são um autêntico arco-íris que inebria a vista. São muito bonitas as cores garridas de África!

Foto © António Ribeiro

Mete dó a idade dos carros e dos camiões que se arrastam num esforço quase de morte para os motores. Até os milhares de burros parecem cansados da sua sorte, abraçando as velhas carroças. Uma coisa que não podemos transmitir por palavras são os cheiros, que em África são verdadeiramente sui generis.

Enfim, não podemos acrescentar dias à nossa vida, mas podemos dar vida aos nossos dias.

A vida é uma peça de teatro que não permite ensaios, como disse Charlie Chaplin. É por isso que temos de a viver intensamente, antes que a cortina do palco da representação se feche definitivamente. 

Foi o que procurámos fazer neste nono dia, que foi um dom.

Por tudo o que hoje nos foi dado viver, bendizemos ao Senhor!

Padre Almiro Mendes

 

(O 7MARGENS acompanha desde domingo, 3 de fevereiro, através de um diário de viagem, a expedição do padre Almiro Mendes e dos seus sete companheiros rumo à Guiné-Bissau para entregar um jipe, uma pick-up e outras ajudas a várias missões católicas e organizações não-governamentais)

 

Breves

Funeral em Lisboa

O papel de Feytor Pinto na mudança social

O padre Vítor Feytor Pinto “foi um exemplo magnífico” das propostas do Concílio Vaticano II no sentido de uma relação “muito activa Igreja-mundo, em que as comunidades cristãs longe de estarem fechadas sobre si próprias se transformam como lugar de encontro e proposta”, disse o patriarca de Lisboa.

Boas notícias

Timor-Leste: nasce associação para o turismo religioso

Iniciativa interconfessional

Timor-Leste: nasce associação para o turismo religioso

Acaba de nascer a Associação de Turismo Religioso de Timor-Leste (ATRTL), num ato realizado na última terça-feira, dia 11, na catedral da Imaculada Conceição, em Díli. O lançamento da iniciativa, que envolve todas as religiões do país, ocorreu no aniversário da data da visita do Papa João Paulo II àquele território, quando este se encontrava ainda ocupado pelo poder indonésio. O processo da sua criação, que decorria desde 2018, envolve as confissões católica (maioritária), protestante, muçulmana, hindu e confucionista.

Outras margens

Cultura e artes

Exposição e debate no Museu de Etnologia

Quando o espaço sagrado passa a património

O que têm em comum o santuário católico mariano de Fátima, a vila muçulmana andaluza de Mértola, a romântica e encantada Sintra e o bairro lisboeta e islâmico da Mouraria? E como podem coexistir em Fátima o catolicismo popular que domina o santuário, e o facto de outros cristãos, mas também hindus, muçulmanos, praticantes de religiões afro-brasileiras e de nova era procurarem o lugar?

Cinema

Plantar uma árvore no mar

Comecemos então por aquele barco no mar que leva uma planta e duas personagens. Apesar de Catarina Vasconcelos dizer que não é crente, ao contrário da avó e do avô, são muitos os sinais e as memórias do que podíamos chamar uma linguagem evangélica. Estou a tentar falar de um dos mais belos filmes que já pude ver, A Metamorfose dos Pássaros.

Na morte do poeta

para o Fernando Echevarría, mas não à sua memória

Conheci o Fernando Echevarría há alguns anos quando juntos animámos no Metanoia uma sessão sobre os nomes de Deus que a poesia enuncia em nós, ou não, ou só. Da sua sala sobre o rio aberta recordo cada gesto afável, a tenaz humildade de quem um dia disse, e fez, e um campo escolheu e o lavrou. Mas sobretudo uma orelha enorme suspensa sobre a tarde, à escuta do que talvez não fale.

Pessoas

Sete Partidas

Da personalização do voto

Sempre achei confuso e difícil isto de escolher duas coisas com um só boletim de voto. Uma coisa é escolher com que partido ou com que programa de governo me identifico mais, outra coisa é escolher quem é a pessoa ou o partido que eu acho que representa melhor os interesses da minha região no parlamento. Na minha cidade natal, o Porto, aconteceu-me diversas vezes querer votar num partido com um determinado programa de governo, mas achar que o deputado X de outro partido poderia fazer a diferença no Parlamento.

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Pregos no caixão novidade

Como resultado de uma evolução e saturação pessoais, cheguei ao ponto de ter medo, no próprio e exacto sentido da palavra, cada vez que vejo um padre ou um bispo aparecer na TV ou ser transcrito num jornal, porque é imensa a possibilidade de das suas bocas sair forte asneira e de os seus gestos e trejeitos serem comprometedores.

Os dias não têm 24 horas novidade

E se de repente nos viessem dizer que cada dia passaria a ter apenas 16 ou 17 horas? Com a falta de tempo de que sempre nos queixamos iríamos, decerto, apanhar um susto. Não saberíamos como resolver tamanho corte e, com imensa probabilidade, entraríamos em stresse, esse companheiro que nos boicota a vida num padrão que, como alguém disse, se traduz por excesso de presente.

Um sentimento misto

No trabalho ou em qualquer outra responsabilidade todos desejamos que tenham confiança em nós e no discernimento que fazemos das coisas. Quantas pessoas não fazem a menor ideia da rede complexa de relacionamentos que estão em jogo e que, por detrás dos silêncios, existe uma visão do todo cuja compreensão exige tempo para a assimilar, não um tweet. Assume, aqui, importância, desenvolver uma cultura da confiança em quem assume determinadas responsabilidades.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This