Diário de viagem (X) – Onde se cita o padre António Vieira, porque “notável criatura são os olhos”

| 13 Fev 19 | Cooperação e Solidariedade, Últimas

O bispo de Bafatá, Pedro Zilli, com os quatro padres do Porto, na fronteira da Guiné-Bissau com o Senegal. (Foto © André Ferreira)

Uma equipa de futebol, mesmo que esteja a ganhar, fica sempre mais tensa e instável quando joga os últimos minutos. Acontece tantas vezes que são os últimos instantes do derby que determinam a vitória ou não.

Quando saímos de Kolda era assim que nos sentíamos (pelo menos eu), pois adivinhávamos a vitória deste “jogo” por estarmos tāo perto do final, mas havia que continuar com todos os cuidados: nesta África, sempre tão imprevisível, de um momento para o outro tudo se pode alterar com consequências nunca imagináveis. 

Faltou pouco, por exemplo, para matarmos dois porcos por atropelamento. Foi preciso travar a fundo e tapar os ouvidos para suportar a chiadeira que os pneus do jipe fizeram ao cravarem as garras no chão negro do alcatrão que ficou a fumegar. E quem mata um porco em África, paga um boi! Mas, graças a Deus, tirando este episódio, de Kolda a Zinguinchor a viagem correu uma maravilha.

Havia apenas um sentimento estranho e incomodativo de orfandade, pois já não nos acompanhavam os nossos amigos leigos; tinham-se separado de nós para entrar por outra fronteira, cortando assim muito caminho, a fim de chegarem antes da noite a Catió. Foi com este sentimento que depressa nos pusemos em Zinguinchor, cidade muito comercial e movimentada nas bordas da Guiné e onde eu já tinha estado tantas vezes. 

Daqui à fronteira foram uns 15 quilómetros. A saída do Senegal foi rápida e sem burocracias. 

E mais uns metros… estávamos na amada Guiné! Tínhamos entrado em casa! Chegámos sãos e salvos e com o jipe sem nenhuma mazela! 

Comovedor!

Afinal, o impossível é só o que a gente não quer ou não tenta! 

Seja Deus louvado!

Foi neste momento que os meus óculos de sol embrulharam e esconderam as minhas lágrimas que não quis que os meus colegas vissem. Reparei que também eles tragaram as palavras na garganta e iluminaram o rosto de emoção e, sobretudo, de encantamento ao verem na fronteira, para nos acolher e abraçar, o bispo de Bafatá, D. Pedro Zilli, que é uma pessoa verdadeiramente encantadora e admirável!

Parece que não merecíamos tanto, mas a verdade é que nos sentimos muito confortados com a sua presença. E com o bispo ao nosso lado, nem as autoridades fronteiriças, nem a polícia, nem os militares nos importunaram até chegarmos a Bissau, viagem que demorou umas 2h30, se descontarmos o tempo em que estivemos a almoçar em S. Domingos com o bispo, o pároco e um outro sacerdote.

Apenas fomos molestados pelas estradas, que estão num mísero estado, e por um polícia que nos mandou parar e queria multar o condutor Mestre André por vir a conduzir com óculos de sol. “Na Guiné é proibido conduzir com óculos de sol e vai ter que pagar uma coima”, disse o jovem polícia, que logo corou de vergonha ao ver o senhor bispo ao lado do condutor. Esta gente é tāo pobre, que o que ele queria era uma notita das mais pequenas, que nem chega a um euro. Quer-me parecer que nem pedia para ele, mas para os filhos, que aqui são quase sempre muitos e desprovidos.

Mas hoje o dia era realmente muito especial por três razões: o fim da nossa aventura de jipe Porto-Bissau; a chegada do bispo do Porto, D. Manuel Linda, que ao oferecer o jipe à Guiné, tornou tudo isto possível e se constituiu como instância do humano bom e do divino excelente; o aniversario natalício do grande Mestre André, companheiro fantástico, cozinheiro admirável e sobretudo padre extraordinário! Sinto orgulho em ter sido seu professor! O jantar de festa foi na Pensão Coimbra, depois de termos ido buscar o senhor D. Manuel Linda ao aeroporto. Nem queríamos acreditar: no bispo D. Manuel Linda, nos quatro sacerdotes e no jipe (baptizado ontem de Miro-Móvel) a diocese do Porto abraçava a querida Guiné num gesto verdadeiramente profético!

Admirável!

Há quem deseje uma nova vida. Eu contento-me com um novo olhar sobre a vida que me é oferecida em cada dia como o maior dom. E é exactamente isso, parece-me, que uma viagem como esta proporciona. Não ficamos melhores nem piores, mas diferentes. Ao vermos tanta pobreza, deixamos de nos queixar por não termos sapatos, quando reparamos que tantos não têm pés; em vez de desejarmos apenas consumir, apetece-nos consumar; ao atravessarmos todos estes países ficamos com mais vontade de passar pela vida e não deixar que seja a vida a passar por nós; ao transpormos todo este imenso deserto exterior faz apetecer ir para o deserto interior, para vermos melhor a desertificação que tantas vezes há dentro de nós.

Pregou o padre António Vieira que “notável criatura são os olhos”. E explicava: “Todos os sentidos do homem têm um só oficio; só os olhos tem dois. O ouvido ouve, o gosto gosta, o olfato cheira, o tacto apalpa, só os olhos têm  dois ofícios: ver e chorar.”

Os olhos são, na verdade, um mapa íntimo e as lágrimas são, na maior parte das vezes, a marca de uma grande riqueza. 

Julgo poder dizer que todos nós, os quatro leigos e os quatro padres que ousámos esta aventura do Porto a Bissau numa distância de 5.500 quilómetros, ouvimos sons únicos, sentimos cheiros indizíveis, provámos paladares diferentes e palpámos realidades que guardaremos sempre na grata memória do coração. Mas só os olhos viram o que neste diário não podemos expressar. E os meus até choraram a alegria por termos chegados à Guiné com saúde, ainda mais amigos uns dos outros e com a infinita alegria de deixarmos dois carros que, por certo, vão salvar muitas vidas. 

Jung disse: “Parece-me que faz a vontade de Deus apenas aquele que procura realizar a sua natureza humana e não aquele que foge diante deste facto.”

Não sei se esta “aventura/peregrinação” foi vontade de Deus ou teimosia nossa. O que importa é que a realizámos, cumprindo simplesmente a vida. 

Há quem possa e não queira; há quem queira e não possa; nós quisemos e pudemos vir do Porto a Bissau, entrelaçando o humano e o divino, aceitando o fácil e superando o difícil, ligando dois continentes e permitindo que se abraçassem as dioceses do Porto, Bissau e Bafatá.

Comovidos, bendizemos o Senhor!  

Também agradecemos a todos e a todas quantos se quiseram fazer nossas irmãs e nossos irmãos pela leitura deste diário e pelas orações feitas. Um muito obrigado de coração ajoelhado!

Prometemos fazer ainda eco destes dois dias e meio que passaremos na Guinécom o nosso bispo. Se ainda nos quiserem continuar ler!

 

Padre Almiro Mendes

(O 7MARGENS acompanha desde domingo, 3 de fevereiro, através de um diário de viagem, a expedição do padre Almiro Mendes e dos seus sete companheiros rumo à Guiné-Bissau para entregar um jipe, uma pick-up e outras ajudas a várias missões católicas e organizações não-governamentais)

Artigos relacionados

Breves

Cordão humano pelo direito a horários dignos e compatíveis com vida familiar novidade

Um cordão humano de trabalhadores do comércio e serviços manifestou-se nesta quinta-feira, 12, diante do centro comercial Vasco da Gama, em Lisboa, a pedir horários dignos, a conciliação entre a vida profissional e familiar e melhores salários. Na acção de sensibilização, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), filiado na CGTP-IN, os trabalhadores empunharam faixas e distribuíram panfletos contestando a “violência e desumanização dos horários de trabalho” que impedem muitos de acompanhar os filhos menores, por exemplo.

Formação sobre cuidador informal começa em Lisboa novidade

Consciencializar todos os que se confrontam com familiares em situações limite de dependência e doença prolongada é um dos objectivos principais da formação sobre cuidadores informais promovida pela paróquia de São Lourenço de Carnide (Igreja de Nossa Senhora da Luz), que nesta quinta-feira, 12 de Dezembro, se inicia em Lisboa.

Formação avançada em património religioso lançada na Católica

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro novidade

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Taizé e os jovens: uma experiência que marca novidade

Ao longo dos anos em que tenho participado nos encontros de Taizé, no âmbito da minha docência na disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica, acompanhando e partilhando esta experiência com algumas centenas de alunos, tenho-me interrogado acerca do que significa aquilo a que chamamos “espiritualidade de Taizé” – que, no meu entender, é o que leva, ano após ano, milhares de jovens, a maioria repetidas vezes, à colina da pequena aldeia da Borgonha (França).

A escultura que incomoda a Praça de São Pedro

Foi na Praça de São Pedro, dentro desses braços que abraçam o mundo inteiro, que o Papa Francisco quis colocar um conjunto escultórico dedicado aos refugiados, o “anjo inconsciente”. De bronze e argila, representa uma embarcação com algumas dezenas de refugiados, tendo à frente uma mulher grávida ao lado de uma criança, de um judeu ortodoxo e de uma mulher muçulmana com o seu niqab.

Cultura e artes

Como a luz de Lisboa fez a foto de Greta na capa da “Time” novidade

Greta Thunberg, a jovem activista sueca que tem mobilizado milhões de pessoas em todo o mundo contra as alterações climáticas, foi a personalidade do ano escolhida pela Time. À notícia, conhecida nesta quarta-feira, 11 de Dezembro, acrescenta-se o pormenor de que a foto da capa, realizada pela russa Evgenia Arbugaeva, foi feita na costa atlântica entre Lisboa e Cascais.

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

“Dois Papas”: um filme sobre a transição na Igreja Católica

Dois Papas é um filme do realizador brasileiro Fernando Meirelles (A CIdade de Deus) que, através de uma conversa imaginada, traduz a necessidade universal de tolerância e, mesmo sendo fantasiado, o retrato das duas figuras mais destacadas da história contemporânea da Igreja Católica. O filme, exclusivo no Netflix, retrata uma série de encontros entre o, à altura, cardeal Jorge Bergoglio (interpretado por Jonathan Pryce) e o atual Papa emérito Bento XVI (interpretado por Anthony Hopkins).

Sete Partidas

30 anos de Alemanha: tão longe e tão perto (um testemunho)

No dia 4 de Novembro de 1989, um sábado, enquanto eu fazia as malas para me mudar para a Alemanha, na Alexanderplatz, em Berlim Leste decorria uma manifestação com um milhão de pessoas. Gritavam “nós somos o povo” contra um regime que roubava a liberdade às pessoas em nome do que entendia ser o interesse delas.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Dez
14
Sáb
3º Concerto de Natal da Academia de Música de Santa Cecília @ Basílica do Palácio Nacional de Mafra
Dez 14@21:00_22:30

Entrada gratuita mediante o levantamento de bilhetes nos Postos de Turismo de Mafra e Ericeira

 

A Academia de Música de Santa Cecília, escola de ensino integrado de música, apresenta o seu terceiro concerto de Natal nos dias 14 e 15 de Dezembro, no Palácio Nacional de Mafra, classificado recentemente como Património Cultural Mundial da UNESCO.

Neste concerto participa um coro constituído por 250 crianças e jovens dos 10 aos 17 anos e uma orquestra de cordas de alunos da escola, a soprano Ana Paula Russo e ainda o conjunto, único no mundo, dos seis órgãos da Basílica de Mafra.

No programa estão representados vários compositores nacionais e estrangeiros, destacando-se a obra “Seus braços dão Vida ao mundo”, sobre um poema de José Régio, da autoria da jovem Francisca Pizarro, aluna finalista do Curso Secundário de Composição da Academia de Música de Santa Cecília.

O concerto assume especial importância não apenas pela singularidade do conjunto dos seis órgãos do Palácio Nacional de Mafra mas também pela dimensão do número de jovens músicos envolvidos.

A relevância do concerto manifestou-se em edições anteriores (2016 e 2017), pela sua transmissão integral na RTP2, tendo o concerto de Natal de 2017 sido difundido em directo para a União Europeia de Rádio. O concerto tem o patrocínio da Câmara Municipal de Mafra.

Programa do concerto

Arr. Carlos Garcia (1983)
Ó Pastores, Pastorinhos (tradicional de Alferrarede)

Francisca Pizzaro (2001)
Seus braços dão Vida ao mundo (sobre um poema de José Régio), obra em estreia absoluta, encomendada para a ocasião; Francisca Pizarro é aluna do curso secundário de Composição da AMSC

Arr. Fernando Lopes-Graça (1906-1994)
O Menino nas Palhas (tradicional da Beira Baixa)

Eurico Carrapatoso (1962)
Dece do Ceo (sobre um poema de Luís de Camões)

Arr. Carlos Garcia
Gloria in excelsis Deo (tradicional francesa) *

Franz Xaver Gruber (1787-1863) Arr. Carlos Garcia
Stille Nacht

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)
Alleluia, do moteto Exsultate, jubilate

Tradicional francesa
Quand Dieu naquit à Noël

Louis-Claude Daquin (1694-1772)
Noël X

Arr. Malcolm Sargent (1895-1967)
Zither Carol (tradicional da República Checa)

Tradicional do País de Gales
Deck the Halls

John Henry Hopkins Jr. (1820-1891); Arr. Martin Neary (1940)
We three Kings

Arr. Mack Wilberg (1955)
Ding! Dong! Merrily on High (tradicional francesa)

Arr. David Willcocks (1919-2015)
Adeste Fideles (tradicional), com a participação do público.

CANTORES E MÚSICOS
Ana Paula Russo, soprano

Ensemble Vocal da AMSC
Coro do 2º Ciclo da AMSC
Coros do 3º Ciclo e Secundário da AMSC

Orquestra de Cordas da AMSC
Pedro Martins, percussão

Rui Paiva, órgão da Epístola
Flávia Almeida Castro, órgão do Evangelho
Carlos Garcia, órgão de S. Pedro d’Alcântara
João Valério (aluno da AMSC), órgão do Sacramento Liliana Silva, órgão da Conceição
Afonso Dias (ex-aluno da AMSC), órgão de Sta. Bárbara

Carlos Silva, direcção da orquestra

António Gonçalves, direcção

Ver todas as datas

Fale connosco