Diário de viagem (X) – Onde se cita o padre António Vieira, porque “notável criatura são os olhos”

| 13 Fev 19

O bispo de Bafatá, Pedro Zilli, com os quatro padres do Porto, na fronteira da Guiné-Bissau com o Senegal. (Foto © André Ferreira)

Uma equipa de futebol, mesmo que esteja a ganhar, fica sempre mais tensa e instável quando joga os últimos minutos. Acontece tantas vezes que são os últimos instantes do derby que determinam a vitória ou não.

Quando saímos de Kolda era assim que nos sentíamos (pelo menos eu), pois adivinhávamos a vitória deste “jogo” por estarmos tāo perto do final, mas havia que continuar com todos os cuidados: nesta África, sempre tão imprevisível, de um momento para o outro tudo se pode alterar com consequências nunca imagináveis. 

Faltou pouco, por exemplo, para matarmos dois porcos por atropelamento. Foi preciso travar a fundo e tapar os ouvidos para suportar a chiadeira que os pneus do jipe fizeram ao cravarem as garras no chão negro do alcatrão que ficou a fumegar. E quem mata um porco em África, paga um boi! Mas, graças a Deus, tirando este episódio, de Kolda a Zinguinchor a viagem correu uma maravilha.

Havia apenas um sentimento estranho e incomodativo de orfandade, pois já não nos acompanhavam os nossos amigos leigos; tinham-se separado de nós para entrar por outra fronteira, cortando assim muito caminho, a fim de chegarem antes da noite a Catió. Foi com este sentimento que depressa nos pusemos em Zinguinchor, cidade muito comercial e movimentada nas bordas da Guiné e onde eu já tinha estado tantas vezes. 

Daqui à fronteira foram uns 15 quilómetros. A saída do Senegal foi rápida e sem burocracias. 

E mais uns metros… estávamos na amada Guiné! Tínhamos entrado em casa! Chegámos sãos e salvos e com o jipe sem nenhuma mazela! 

Comovedor!

Afinal, o impossível é só o que a gente não quer ou não tenta! 

Seja Deus louvado!

Foi neste momento que os meus óculos de sol embrulharam e esconderam as minhas lágrimas que não quis que os meus colegas vissem. Reparei que também eles tragaram as palavras na garganta e iluminaram o rosto de emoção e, sobretudo, de encantamento ao verem na fronteira, para nos acolher e abraçar, o bispo de Bafatá, D. Pedro Zilli, que é uma pessoa verdadeiramente encantadora e admirável!

Parece que não merecíamos tanto, mas a verdade é que nos sentimos muito confortados com a sua presença. E com o bispo ao nosso lado, nem as autoridades fronteiriças, nem a polícia, nem os militares nos importunaram até chegarmos a Bissau, viagem que demorou umas 2h30, se descontarmos o tempo em que estivemos a almoçar em S. Domingos com o bispo, o pároco e um outro sacerdote.

Apenas fomos molestados pelas estradas, que estão num mísero estado, e por um polícia que nos mandou parar e queria multar o condutor Mestre André por vir a conduzir com óculos de sol. “Na Guiné é proibido conduzir com óculos de sol e vai ter que pagar uma coima”, disse o jovem polícia, que logo corou de vergonha ao ver o senhor bispo ao lado do condutor. Esta gente é tāo pobre, que o que ele queria era uma notita das mais pequenas, que nem chega a um euro. Quer-me parecer que nem pedia para ele, mas para os filhos, que aqui são quase sempre muitos e desprovidos.

Mas hoje o dia era realmente muito especial por três razões: o fim da nossa aventura de jipe Porto-Bissau; a chegada do bispo do Porto, D. Manuel Linda, que ao oferecer o jipe à Guiné, tornou tudo isto possível e se constituiu como instância do humano bom e do divino excelente; o aniversario natalício do grande Mestre André, companheiro fantástico, cozinheiro admirável e sobretudo padre extraordinário! Sinto orgulho em ter sido seu professor! O jantar de festa foi na Pensão Coimbra, depois de termos ido buscar o senhor D. Manuel Linda ao aeroporto. Nem queríamos acreditar: no bispo D. Manuel Linda, nos quatro sacerdotes e no jipe (baptizado ontem de Miro-Móvel) a diocese do Porto abraçava a querida Guiné num gesto verdadeiramente profético!

Admirável!

Há quem deseje uma nova vida. Eu contento-me com um novo olhar sobre a vida que me é oferecida em cada dia como o maior dom. E é exactamente isso, parece-me, que uma viagem como esta proporciona. Não ficamos melhores nem piores, mas diferentes. Ao vermos tanta pobreza, deixamos de nos queixar por não termos sapatos, quando reparamos que tantos não têm pés; em vez de desejarmos apenas consumir, apetece-nos consumar; ao atravessarmos todos estes países ficamos com mais vontade de passar pela vida e não deixar que seja a vida a passar por nós; ao transpormos todo este imenso deserto exterior faz apetecer ir para o deserto interior, para vermos melhor a desertificação que tantas vezes há dentro de nós.

Pregou o padre António Vieira que “notável criatura são os olhos”. E explicava: “Todos os sentidos do homem têm um só oficio; só os olhos tem dois. O ouvido ouve, o gosto gosta, o olfato cheira, o tacto apalpa, só os olhos têm  dois ofícios: ver e chorar.”

Os olhos são, na verdade, um mapa íntimo e as lágrimas são, na maior parte das vezes, a marca de uma grande riqueza. 

Julgo poder dizer que todos nós, os quatro leigos e os quatro padres que ousámos esta aventura do Porto a Bissau numa distância de 5.500 quilómetros, ouvimos sons únicos, sentimos cheiros indizíveis, provámos paladares diferentes e palpámos realidades que guardaremos sempre na grata memória do coração. Mas só os olhos viram o que neste diário não podemos expressar. E os meus até choraram a alegria por termos chegados à Guiné com saúde, ainda mais amigos uns dos outros e com a infinita alegria de deixarmos dois carros que, por certo, vão salvar muitas vidas. 

Jung disse: “Parece-me que faz a vontade de Deus apenas aquele que procura realizar a sua natureza humana e não aquele que foge diante deste facto.”

Não sei se esta “aventura/peregrinação” foi vontade de Deus ou teimosia nossa. O que importa é que a realizámos, cumprindo simplesmente a vida. 

Há quem possa e não queira; há quem queira e não possa; nós quisemos e pudemos vir do Porto a Bissau, entrelaçando o humano e o divino, aceitando o fácil e superando o difícil, ligando dois continentes e permitindo que se abraçassem as dioceses do Porto, Bissau e Bafatá.

Comovidos, bendizemos o Senhor!  

Também agradecemos a todos e a todas quantos se quiseram fazer nossas irmãs e nossos irmãos pela leitura deste diário e pelas orações feitas. Um muito obrigado de coração ajoelhado!

Prometemos fazer ainda eco destes dois dias e meio que passaremos na Guinécom o nosso bispo. Se ainda nos quiserem continuar ler!

 

Padre Almiro Mendes

(O 7MARGENS acompanha desde domingo, 3 de fevereiro, através de um diário de viagem, a expedição do padre Almiro Mendes e dos seus sete companheiros rumo à Guiné-Bissau para entregar um jipe, uma pick-up e outras ajudas a várias missões católicas e organizações não-governamentais)

Artigos relacionados

Breves

Doentes de covid-19 mantêm “direito e acesso à assistência espiritual e religiosa” nos hospitais

A Coordenação Nacional das Capelanias Hospitalares emitiu um comunicado esta quarta-feira, dia 1, para esclarecer que “os capelães não estão impedidos de prestar assistência espiritual e religiosa”. Têm, isso sim, de cumprir “medidas de contingência existentes nos hospitais”, como todos os profissionais, por forma a minimizar os “riscos de contágio, quer dos capelães quer dos próprios doentes e dos profissionais”, sublinha o documento.

Cardeal Tagle propõe eliminar a dívida dos países pobres

O cardeal filipino Luis Antonio Tagle, prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, propôs a criação de um Jubileu especial em que os países ricos perdoem a dívida dos países pobres aos quais concederam empréstimos, de forma a que estes tenham condições para combater a pandemia de covid-19.

Oxfam pede “um Plano Marshall de Saúde” para o mundo

A Oxfam, ONG de luta contra a pobreza sediada no Quénia e presente em mais de 90 países, pediu esta segunda-feira, 30, “um plano de emergência para a saúde pública” com a mobilização de 160 biliões de dólares. Este valor permitiria duplicar os gastos com a saúde nos 85 países mais pobres, onde vive quase metade da população mundial.

Boas notícias

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

Costurar máscaras cirúrgicas em vez de vestes litúrgicas, ou como combater a pandemia no convento

À medida que a pandemia alastrava, a angústia crescia no pequeno mosteiro do sul de França onde vivem as Irmãs da Consolação do Sagrado Coração e da Santa Face. As 25 religiosas queriam fazer mais do que rezar. Diante da imagem de Nossa Senhora do Povo, que acreditam ter salvo a sua região da peste em 1524, pediram lhes fosse dada uma tarefa: queriam colaborar com a virgem no combate a esta nova pandemia. No dia seguinte, receberam uma chamada do bispo da diocese e outra do presidente da câmara: ambos lhes pediam para fabricar máscaras.

É notícia

Entre margens

Deus sem máscaras novidade

Assisti à cerimónia da consagração ao coração de Jesus e ao coração de Maria, proposta pelos bispos de Portugal, Espanha e outros países. Um ponto de partida para reflectir sobre oração e rito.

A ilusão do super-homem

As últimas semanas em Portugal, e há já antes noutros cantos do mundo, um ser, apenas visível a microscópio, mudou por completo as nossas vidas. Na altura em que julgávamos ter atingido o auge da evolução e desenvolvimento técnico e científico, surge um vírus.

Cultura e artes

Tagore: Em busca de Deus novidade

Rabindranath Tagore (1861-1941), Nobel de Literatura em 1913, é um grande poeta universal. Indiano, de família principesca, estudou Direito e Literatura, em Inglaterra, em 1877, não chegando a acabar o curso devido à secura do ensino superior ministrado. Tal como o seu amigo Gandhi, que sabia de cor e recitava todos os dias as Bem-aventuranças, foi atraído pelo cristianismo e

A verdade não é tudo, mas é um bom princípio

O affaire Dreyfus, que abalou a França no final do século XIX, foi um momento provavelmente decisivo, por ser um marco – alguns dizem que um farol – do empenhamento público e político dos intelectuais.

Editora francesa oferece “panfletos” sobre a crise

Sendo certo que as doações essenciais neste período de pandemia dizem respeito a tudo o que nos pode tratar da saúde física, não há razão para negligenciar outras dádivas. É o caso de uma das mais famosas editoras francesas, a Gallimard, que diariamente oferece textos que pretendem ser uma terceira via entre a solenidade da escrita de um livro e o anódino da informação de um ecrã.

Nick Cave e o espanto de Maria Madalena defronte do túmulo

É um assombro que espanta Nick Cave, aquele em que Maria Madalena e Maria permanecem junto à sepultura. Para o músico australiano, este é provavelmente o seu momento preferido da Bíblia. Jesus tinha sido retirado da cruz, o seu corpo depositado num túmulo novo, mandado talhar na rocha, e uma pesada pedra rolou para fazer a porta da sepultura. Os doze discípulos fugiram, só Maria Madalena e “a outra Maria” ali ficaram diante do túmulo.

Sete Partidas

A doença do coronavírus serve de desculpa para tudo? novidade

À boleia da pandemia que nos aflige, vejo coisas a acontecer que não podem deixar de me espantar, pela sua aberração e desfaçatez de quem as pratica. Em meados de fevereiro, em Mullaithivu, no norte do Sri Lanka, foi descoberta uma vala comum enquanto se procedia às escavações para as fundações duma extensão do Hospital de Mankulam. Segundo os médicos legistas, os restos mortais encontrados têm mais de 20 anos.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco