diário

| 5 Mar 2022

No dia 23 de Fevereiro, o primeiro reflexo foi de medo: no discurso imperialista de Putin tudo indica que a Ucrânia é um início. Depois será a vez dos Estados bálticos – um ataque à União Europeia.

E nós, que faremos?

Subitamente, viver em Berlim torna-se inquietante: se Putin decidir lançar uma bomba atómica, qual seria a cidade mais simbólica para o fazer?

* * * 

Tenho um casal de vizinhos que são ele russo e ela ucraniana. Disseram-mo – com um sorriso, como quem encolhe os ombros – em 2014, quando Putin invadiu a Crimeia.

Nem sei que lhes dizer agora.

Acredito que haja muitos casos desses – e que permitam criar espaços de “micro-paz”, à revelia das ordens de Putin.

* * * 

A Crimeia foi um teste: “deixa cá ver como é que eles reagem, e até onde me deixam ir…”

Déjà-vu: a estratégia e a argumentação na invasão da Crimeia e nesta segunda invasão da Ucrânia parecem fotocópias da estratégia de Hitler para se apoderar da Checoslováquia: “temos de proteger os nossos que lá vivem”.

Também então os países ocidentais assobiaram para o lado. Com o resultado que se viu.

* * * 

Sinto vergonha de uma piada que fiz há menos de duas semanas sobre a invasão da Ucrânia estar com um bocadinho de atraso. Éramos tão novos e inexperientes até ao dia 23 de Fevereiro de 2022…

* * * 

A primeira reacção dos políticos alemães foi de surpresa e incredulidade. “Putin mentiu”, dizem eles. Mentiu descaradamente.

A posteriori, é fácil dizer que era de prever. Mas, enquanto a invasão não tinha acontecido, enquanto ainda tentavam a via diplomática e a pressão dos embargos, enquanto eu fazia piadinhas sobre o atraso na invasão: qual é o momento certo para declarar liminarmente que o presidente de outro país é um pária com quem não vale a pena falar e em quem não se pode acreditar?

* * * 

Sinto embaraço pelo papel hesitante da Alemanha nos primeiros dias da guerra. Demora demasiado tempo a conseguir que todos concordem tomar determinada medida.

É um sinal de alerta: tenho de estar atenta para não deixar que um ditador russo me leve a desejar democracias “mais agilizadas” na Europa.

Mas agora estão avisados. Já sabem que estas coisas podem acontecer. Convinha que de futuro se pusessem de acordo com a devida antecedência no que diz respeito às medidas a tomar imediatamente após um atentado à ordem internacional como este. Se um país invade outro, a reacção – dura e sem margem para dúvidas – tem de ser imediata.

* * * 

Na Alemanha critica-se o desinvestimento nas forças armadas a que se assistiu nas últimas décadas. Como é possível fazer voz grossa ao Putin quando se tem as forças militares num estado lastimoso?

Mas também: em que deve um país investir os seus recursos que não são infinitos? A velha questão: o arado ou a espada? De onde virão os cem mil milhões que decidiram agora gastar para melhorar a capacidade militar alemã? Onde vão faltar? Nas escolas, nas pontes das auto-estradas, na reconversão energética?

* * * 

 

Uma amiga passa-me esta canção.

Penso na frase: “imagina que é guerra, e não comparece ninguém”.

Penso na canção “Imagine”.

Penso na palavra de ordem das manifestações nos anos oitenta, na crise dos euromísseis: “better red than dead”. Era uma alteração à anterior, “better dead than red” que os alemães diziam durante a segunda guerra mundial. Andamos em círculos?

Penso no discurso de “sangue, suor e lágrimas”: será que hoje teria a mesma adesão na nossa Europa confortável?
Que sacrifício seria eu capaz de fazer pelo meu país?

* * * 

Mulheres e crianças podem abandonar a Ucrânia. Os homens têm de ficar.

Não é o momento certo para isso, mas uma interrogação vem ter comigo: então e a igualdade?

* * * 

Os homens têm de ficar. Algo em mim se revolta contra esta imposição de arriscar a vida para defender o seu país. Heróis (quantos deles mártires?) à força.

David contra Golias – quantos deles saberão usar a funda?

* * * 

Admiro profundamente a coragem dos soldados ucranianos, e mais ainda a dos civis que decidem – em liberdade – defender o seu país da melhor maneira que podem. Devemos imenso a estes homens intrépidos. Quanto mais a Ucrânia resistir e humilhar o exército russo, menos provável é que a aventura imperialista de Putin se alargue a outros países – nomeadamente da União Europeia. Portanto, menos provável é (caso haja alguma lógica racional na cabeça do ditador) que a guerra alastre na minha direcção. Sem preparação nem armas adequadas, esses homens lutam para defender o seu país – e os nossos.

 

Admiro profundamente a coragem daqueles que na Rússia se manifestam contra a guerra. Sabem que vão ser presos e sujeitos a terríveis sofrimentos, mas o seu sentido de decência fala mais alto.

Uns e outros fazem-me sentir de certo modo cobarde e parasita. Eu, que em caso de guerra teria vontade de pôr os meus filhos do outro lado do planeta, beneficio da coragem desesperada desses que, como eu, só queriam viver em paz – mas permanecem e lutam.

* * * 

Um detalhe inteligente no discurso dos políticos alemães: esta é a guerra do Putin. Não é a Rússia, não são os russos.
Pobres russos: há quantos anos não têm eleições livres e limpas? Há quanto tempo estão dominados por ditadores que perseguem, prendem e matam todos aqueles que se lhes opõem?

* * * 

Em tantas cidades da Ucrânia: civis abrigados em estações de metro. Imagens de famílias no momento da separação. Habitações destruídas. De partir o coração.

* * * 

Há alemães a organizar transportes (alimentos, roupas, fraldas, artigos de higiene íntima) para a Ucrânia. No regresso, trazem os camiões cheios de pessoas. Uma empresa de Berlim alugou vans e foi à fronteira buscar ucranianos. Escreveram numa placa de cartão, em ucraniano: “Berlim – transporte gratuito”. Os comboios alemães também são gratuitos para os refugiados.

* * * 

No twitter leio que alguém pede conselho sobre quais são os melhores sites para se informar sobre o que está a acontecer na Ucrânia. Diz que não confia nos jornalistas.
Fico com vontade de informar que todos os ucranianos puseram barretes de alumínio, e que está a resultar lindamente.

* * * 

Dou comigo a ter vontade de dizer muitas coisas inenarráveis. Não digo. Mas dentro de mim vejo como é fina a camada de verniz que parece civilização.

* * * 

Hoje cruzei-me com um vizinho que também andava a passear o cão. Estava com um ar preocupadíssimo, perguntou-me que tal me está a correr a última semana de vida.
Ontem esteve na manifestação dos cem mil em Berlim. Estava junto à Coluna da Vitória, via a multidão para um lado até à Porta de Brandeburgo, e para o outro até à ponte da S-Bahn.
Ainda se sentia emocionado com o minuto de silêncio que fizeram em conjunto.

Depois acrescentou: quando era novo fiz objecção de consciência. Se fosse hoje, não fazia.
Isto já não é a cena dos Sudetas e da Checoslováquia. Isto é o 1 de Setembro de 1939.
E foi-se embora de cabeça baixa.

* * * 

Os meus filhos estão em Portugal. Já me passou pela cabeça dizer-lhe que se mantenham por lá.
Mas em vez de organizar os papéis para lhes facilitar as burocracias caso aconteça aqui uma desgraça,  continuo a trabalhar na tradução de um livro que tenho de entregar em meados de Março.

Não acredito que esse fim do mundo me vai acontecer a mim.

Mas acontece a cada um daqueles que está a morrer nesta guerra.

E também para os que estão a morrer na tragédia do Afeganistão. Sim, essa não deixou de existir, apenas saiu do nosso radar.

* * * 

Na televisão entrevistam uma ucraniana em Kyiv. Está exausta, e por isso decidiu dormir no corredor do seu apartamento, em vez de ir para o bunker. Diz que proibiram a venda de álcool, porque este é o momento de terem todos a cabeça fria.

Perguntam-lhe se tem medo.

– Claro! Mas temos o humor. Escrevemos uns aos outros a contar piadas para nos animarmos mutuamente. E depois, temos o país dos nossos filhos para defender. Isso é mais importante que o medo.

 

Helena Araújo vive em Berlim e é autora do blog Dois Dedos de Conversa, onde este texto foi inicialmente publicado.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This