Diários de quarentena (18): Pessah judaica – agradecer que vivemos

| 3 Abr 2020

Diários de quarentena (18): Pessah judaica – agradecer que vivemos

| 3 Abr 20

Uma Haggada (recitação da narrativa da libertação do Egipto), com a família reunida à volta da mesa de Pessah. Obra de Arthur Szyk (1894-1951).

 

Estamos a poucos dias da celebração da festa judaica de Pessah (“passagem”, Páscoa). Celebração esta em que o foco fundamental é fazermos o relato da história da libertação do Povo de Israel da escravatura no Egipto. E a “passagem” pode ser como alusão ao milagre que D-us* Bem Dito fez ao abrir o Mar Vermelho.

Pessah é a festa da comemoração da libertação do Povo de Israel como uma nação coletiva.

Não vivemos em tempos bíblicos, e a nossa travessia depois da epidemia será outra. Não haverá desígnio divino nem a liderança de Moisés para nos guiar; e não será uma lembrança de povos em confronto, mas a do conjunto da humanidade a enfrentar um “inimigo” comum. E não será somente a travessia do povo judeu, deverá ser a travessia da humanidade.

Não importa onde, religião, raça ou posição social, todos nos sentimos parte da mesma comunidade humanidade e a mesma batalha, em cuja frente não estão exércitos, e sim médicos, enfermeiros e cientistas. Hoje a noite de Pessah é diferente de todas as outras noites de Pessah.

Todos nós queremos voltar à nossa vida normal. Alguns, esperemos que não muitos, como o faraó do Egito, não aceitaram que a sua omnipotência fosse questionada. Outros, cada um à sua maneira, usarão a oportunidade para mudar sua conduta, na sua vida pessoal e coletiva.

Porque aprendemos da experiência em tempos de epidemia, devemos agradecer:

Shehechyanu, ve´quiemanu ve’higuianu lazeman haze.

Que vivemos, que existimos, que chegamos a este momento.

Isaac Assor é oficiante dos serviços religiosos na Sinagoga Shaaré Tikva (Portas da Esperança), em Lisboa

* No judaísmo, o nome de Deus é grafado normalmente com a vogal omitida, por ser considerado impronunciável

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This