Diários de quarentena (6): Redescobrir sentido e os mocassins dos outros

| 23 Mar 20

Redescoberta do sentido

Há sempre uma passagem

Há sempre uma passagem… Foto © José Centeio

 

Vivemos uma época de muita preocupação. Quem vive com profissionais de saúde, tem familiares já idosos com outros problemas de saúde, alguns à distância de uma viagem, anda com o coração um pouco apertado. De repente, mesmo se próximos, sentimos saudade dos netos, dos filhos, da magia do toque, afeto que as crianças tão bem entendem.

O ritmo frenético e o ruído da comunicação deixam-nos completamente loucos, invadem-nos, ocupam o espaço que ainda nos resta. É ainda mais irritante ouvir sempre as mesmas perguntas, as quais parecem exigir, a todo o custo, as certezas que não temos como se pudéssemos tudo controlar. E, contudo, esta situação levanta questões tão importantes em termos de sociedade que parece termos medo de as enfrentar.

Preferimos esconder-nos por detrás das certezas, mesmo se ilusórias. Convivemos mal com as fragilidades, com o inesperado, com o que não podemos controlar. Como se não bastasse, este é um vírus pouco dado a afetos: nada de abraços, nada de beijos, nada de apertos de mão… Que diabo, sobretudo quando mais necessitávamos do afeto do toque! Até os afetos temos que reinventar. Mas é também um vírus pedagógico, pois obriga-nos a adotar comportamentos que, em vários casos, deveriam fazer parte do nosso quotidiano.

De um momento para o outro esquecemos o mundo, centramo-nos na nossa sobrevivência. E, contudo, há pessoas, crianças, mulheres, jovens… a quem negamos a vida e que continuam a morrer por outras pandemias: a indiferença, a desumanidade, o esquecimento, o fingirmos que não é nada connosco. As guerras continuam, os refugiados esperam ainda um olhar que seja promessa de futuro, o ódio e a crença em verdades construídas à medida continua a matar… Soterrados por esta “pandemia informativa” tornamo-nos um pouco mais egoístas, autocentrados, narcisistas, porque a nossa dor é sempre mais funda que a do outro.

Sentimo-nos perdidos, faltam-nos explicações e tudo nos parece absurdo, ou seja, é a própria negação de sentido. E, contudo, este é também um tempo de reinvenção e de redescoberta do que nos parecia ter perdido sentido: a solidariedade, a presença, o estar próximo, assumem novas formas.  É verdade que nos assusta agora termos o tempo que ainda há dias nos queixávamos de não ter, mas cabe-nos a nós, porque somos livres, saber o que fazer do tempo que agora temos de sobra. A vida, apesar de pensarmos que tudo controlamos, continua a ser um mistério, ou seja, uma promessa de sentido.

José Centeio é gestor de organizações sociais e membro do Cesis (Centro de Estudos para a Intervenção Social); jose.centeio@gmail.com

os mocassins dos outros

covid-19 - cartoon

Ilustração reproduzida do blogue 2Dedos de Conversa

Fechada em casa, com pequenas saídas nas quais mantenho a distância em relação a outras pessoas em pelo menos dois metros, tenho-me lembrado das descrições sobre a vida nas leprosarias que lia nos almanaques das missões na casa da minha avó. Ficava horrorizada com a imagem de pessoas a perder o corpo bocado após bocado, abandonadas num local onde não infectassem os outros. A covid-19 obriga-nos a muitos sacrifícios, mas nenhum de nós está sujeito a sofrer o que sofriam muitas pessoas com lepra não vai sequer há meia dúzia de décadas.

Penso também nos refugiados fechados em campos sem um mínimo de condições e sem a menor dignidade. Apesar de termos de ficar em casa, ainda estamos muito longe de viver numa situação como a que oprime essas pessoas durante meses e anos.

A crise da covid-19 está a ter um efeito colateral interessante na minha consciência: aumentou a proximidade emocional com pessoas a viver em circunstâncias muito piores que as minhas.

Helena Araújo vive em Berlim e é autora do blogue 2 Dedos de Conversa, de onde se reproduz este texto e a ilustração. 

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Igreja Católica no Brasil critica decisões de Bolsonaro e diz que “sensato” é ficar em casa novidade

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro incluiu as atividades religiosas na lista das atividades consideradas essenciais e autorizadas a funcionar no país durante o estado de emergência provocado pela pandemia de covid-19. Mas a Igreja Católica reagiu contra o decreto publicado quarta-feira, 26, reiterando os apelos para que todos permaneçam em casa e mantendo a suspensão das celebrações religiosas com presença de fiéis.

Semana Santa sem povo é para evitar o contágio e não a fé, diz responsável do Vaticano novidade

A Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos publicou um decreto com as normas a seguir nas celebrações da Semana Santa (que se inicia no Domingo de Ramos e termina no Domingo de Páscoa), dirigido aos países afetados pela pandemia de covid-19 onde estão em vigor medidas de isolamento social. Os bispos e sacerdotes deverão celebrar os ritos sem a participação dos fiéis, evitar as concelebrações, e omitir alguns momentos específicos, nomeadamente o abraço da paz e a procissão do Domingo de Ramos.

Coronavírus nos campos de refugiados Rohingya será “um novo massacre”

Com a chegada da pandemia de covid-19 ao Bangladesh, o líder da comunidade Rohyngia, Mohammad Jubayer, teme que esta alastre no campo de refugiados do sul do país, o maior do mundo, onde vive quase um milhão de pessoas. Será como “um novo massacre, muito maior do que o que aconteceu em 2017”, quando esta minoria muçulmana fugiu da perseguição na Birmânia, alertaram grupos de ativistas, em declarações à AFP.

PAR alerta para tragédia nos campos de refugiados e pede intervenção junto da Grécia

Mais de 40 organizações humanitárias, entre as quais a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR) e o Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS), pediram já ao Governo grego que, em coordenação com as instituições europeias, “tome as medidas de saúde públicas necessárias” para proteger “todos os residentes” nos campos de refugiados nas ilhas gregas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Uma experiência de sinodalidade – a Igreja Católica no Terceiro Milénio novidade

Há dias, chamou-me à atenção, no 7MARGENS, um artigo intitulado Um sínodo sobre a sinodalidade para dar eficácia à ideia de participação. Li o artigo com entusiasmo, sobretudo, porque revivi a minha experiência de paroquiana numa igreja da cidade de Lisboa. Foram tempos de Alegria e Graça, os anos de 2000 a 2019, sob a “batuta” do padre e cónego Carlos Paes.

“Jesus chorou” novidade

Esta frase do capítulo 11 do Evangelho de São João (Jo.11,35), faz parte do episódio da ressurreição de Lázaro e remete para o momento em que Jesus se encontra com Maria, irmã de Lázaro.

Oração, cidadania e solidariedade contra a pandemia

Esta sexta-feira, às 17h (hora de Lisboa), o Papa volta a estar em oração a partir do adro da basílica de São Pedro, perante uma praça vazia, naquela que será seguramente uma das imagens mediáticas que registarão este período difícil da humanidade.

Cultura e artes

Júlio Martín, actor e encenador: O Teatro permite “calçar os sapatos do outro”

O actor e encenador Júlio Martín diz que o teatro permite fazer a experiência de “calçar os sapatos do outro”, mantém uma conversa em aberto e, tal como a religião, “faz religar e reler”. E permite ainda fazer a “experiência de calçar os sapatos do outro, como os americanos dizem; sair de mim e estar no lugar do outro, na vida do outro, como ele pensa ou sente”, afirma, em entrevista à agência Ecclesia.

Uma tragédia americana

No dia 27 de Julho de 1996, quando decorriam os Jogos Olímpicos, em Atlanta, durante um concerto musical, um segurança de serviço – Richard Jewel – tem a intuição de que uma mochila abandonada debaixo de um banco é uma bomba. Não é fácil convencer os polícias da sua intuição, mas ele é tão insistente que acaba por conseguir.

“Louvor da Terra”, um jardim para cuidar

O filósofo sul-coreano (radicado na Alemanha) Byung-Chul Han é já conhecido do público português através da publicação de numerosos dos seus diretos e incisivos ensaios, onde a presença da pessoa numa sociedade híper-digitalizada é refletida e colocada em questão. Agora, em “Louvor da Terra”, possibilita-nos uma abordagem diferente e original, fruto da experiência do autor com o trabalho de jardinagem.

A esperança é uma coisa perigosa

O título deste breve comentário ao filme 1917, de Sam Mendes, é uma frase dita, já quase no final, pelo general Mackenzie quando recebe – desiludido? – a informação para cancelar o ataque programado às linhas alemãs que, aparentemente, se tinham retirado. Afinal, tratava-se de uma cilada…

Sete Partidas

Um refúgio na partida novidade

De um lado vem aquela voz que nos fala da partida como descoberta. Um convite ao enamoramento pelo que não conhecemos. Pelo diferente. Um apelo aos sentidos. Alerta constante. Um banquete abundante em novidade. O nervoso miudinho por detrás do sorriso feliz. Genuinamente feliz. O prazer simples de não saber, de não conhecer…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco