Diários de quarentena (9): Corvida 20 e um vírus discriminatório

| 25 Mar 20

Corvida 20

De repente o dia acordou sem cor

O olhar fechou-se entre o chão e o tecto

O som da rua é o da gota de água da torneira da cozinha

E a Terra encolheu-se num simples quadro

 

A luz que vem do mundo é fria e solitária

Entre a dor e o gesto humano impôs-se uma distância

Preparo e espero agora por um amanhã desconhecido e renovado

Impiedosamente a incerteza fez-se convidada

 

A brisa clara aguarda que a soturnidade passe

Desejo vivas mais que nunca as tuas cores

 

22 de Março de 2020

Liomarevi (pseudónimo literário)

 

Ilustração de Íris Martín Pereira

Ilustração de Íris Martín Pereira

 

Vírus discriminatório?

Segundo parece, as medidas tomadas no âmbito do «estado de emergência» estão a ser, geralmente, bem aceites. Registando esse facto como positivo, impõe-se não perder de vista que elas se refletem, de maneira bastante diferenciada, nos diferentes estratos da população; o ambiente de tranquilidade aparente está muito longe de corresponder ao que acontece no interior de muitas famílias e pessoas; o vírus não é discriminatório, mas são-no claramente os seus efeitos que atingem, com mais acuidade, as pessoas mais débeis. Nas situações de calamidade, reproduz-se e agrava-se a estratificação social dominante.

Nesta breve nota, limito-me a considerar duas situações verdadeiramente dramáticas: a das pessoas com doenças graves ou outros tipos de dependência, desprovidas de apoio adequado; e as que não dispõem de rendimentos para enfrentar as necessidades básicas. Tal insuficiência de rendimentos pode resultar de causas diversas, com realce para as do mundo laboral onde os despedimentos, encerramentos e a debilidades empresariais tornam mais negro o panorama.

À primeira vista, dir-se-ia que o rendimento universal básico resolveria este problema; no entanto, isso é altamente discutível, porque tal hipótese ainda não está clarificada e, provavelmente, não existem condições para ser adotada. Acresce que a insuficiência de rendimentos se encontra associada a outras contingências que não podem ser descuradas.

Tanto a situação das pessoas dependentes como a dos baixos rendimentos requer o acompanhamento direto, de profissionais ou voluntários, com margens de iniciativa razoáveis, obedecendo a orientações claras, previamente estabelecidas e ajustadas regularmente em função das necessidades e dos recursos disponíveis. A partir desse trabalho fundamental, poderão ser estabelecidas, gradualmente, normas de caráter geral capazes de contemplar a generalidade das situações.

Acácio F. Catarino é consultor social e ex-presidente da Cáritas Portuguesa

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Clubes Terra Justa: a cidadania não se confinou

Durante esta semana, estudantes e movimento associativo de Fafe debatem o impacto do confinamento na cidadania e na justiça. A Semana Online dos Clubes Terra Justa é assinalada em conferências, trabalhos e exposições, com transmissão exclusiva pela internet. Entre as várias iniciativas, contam-se as conversas com alunos do 7º ao 12º ano, constituídos como Clubes Terra Justa dos vários agrupamentos de escolas de Fafe.

É notícia

Entre margens

De joelhos os grandes sistemas económicos novidade

Mas – dizem –, se existem catástrofes na economia motivada por um vírus exponencial, a “mão humana” lá está para dar alento a esta tempestade. E essa tem um “confinamento” suave, porque quem sofre são os trabalhadores mais vulneráveis, os informais, os pobres, as mulheres, as pessoas de cor, os migrantes e os refugiados. A violência doméstica aumenta, os direitos humanos são atrofiados e a indústria privada farmacêutica e o seu sistema de patentes é orientada para lucros inconcebíveis, em que a defesa da dignidade das mulheres e dos homens é colocada em causa.

O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente novidade

Presumir a virtude do sujeito que detém o poder é, para além de naïf, algo injusto. Expor qualquer pessoa à possibilidade do poder sem limites (ainda que entendido como serviço) é deixá-la desamparada nas múltiplas decisões que tem de tomar com repercussões não só em si mesma, mas igualmente em terceiros. E também, obviamente, muito mais vulnerável para ceder a pressões, incluindo as da sua própria fragilidade.

Economista social ou socioeconomista?

Em 2014, a revista Povos e Culturas, da Universidade Católica Portuguesa, dedicou um número especial a “Os católicos e o 25 de Abril”. Entre os vários testemunhos figura um que intitulei: “25 de Abril: Católicos nas contingências do pleno emprego”. No artigo consideram-se especialmente o dr. João Pereira de Moura e outros profissionais dos organismos por ele dirigidos; o realce do “pleno emprego”, quantitativo e qualitativo, resulta do facto de este constituir um dos grandes objetivos que os unia.

Cultura e artes

Teologia bela, à escuta do Humano novidade

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Morreu João de Almeida, renovador da arquitectura religiosa em Portugal

Em Maio de 2015, manifestava-se, em entrevista ao Expresso um homem “cem por cento contente com a vida”. O arquitecto e pintor João de Almeida, fundador do Movimento de Renovação da Arte Religiosa (MRAR) morreu na segunda-feira, em Lisboa, aos 92 anos. O seu funeral e cremação será esta quarta, 24 de Junho, às 17h, no cemitério do Alto de São João.

Aprender a falar com feijões

(Re)visto agora, a partir da janela do confinamento, este filme Uma Pastelaria em Tóquio ganha novos sabores, que é como quem diz, entranha-se em nós de uma maneira mais intensa.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco