Difíceis atalhos

| 14 Abr 2022

“Compendious speculations concerning sacerdotal remission of sins. By Sam. Hill, M. A. Arch-Deacon and Canon Residentiary of wells” (1713). Reprodução © Hill, Samuel, Public domain, via Wikimedia Commons

Compendious speculations concerning sacerdotal remission of sins. By Sam. Hill, M. A. Arch-Deacon and Canon Residentiary of Wells” (1713). Reprodução © Hill, Samuel, Public domain, via Wikimedia Commons.

 

A terra prometida na sedução da liberdade, o encontro nas adversidades de um deserto e a luz de esperança nos socalcos da finitude. As narrativas judaico-cristãs da época revelam-nos a morte e a superação como experiências de passagem. O deserto destes textos lembra que todos os dias são experiência concreta e metáfora da própria existência. 

Nas controvérsias de um mestre bíblico e do seu seguimento, vislumbra-se também um amor ilógico na perspetiva humana. Há um absurdo a atormentar a razão. Um escândalo. Na “hora derradeira”, como diria Gil Vicente, a vítima clama pelo perdão do agressor. Não basta a lei dos homens. Há um novo entendimento para lá das nuvens, uma ética que relança a oportunidade, o kairos. “Um tempo sem tempo” no “amor nos arrasta”(1) pelas buscas de sentido.

Palavra gasta e incompreendida, tantas vezes manipulada e ofendida, na perspetiva cristã o perdão tem uma dinâmica pendular, é construtivo, corresponsabiliza. Só é, se e quando constrói. Parte sempre do lado mais frágil, que dá o primeiro passo, “setenta vezes sete” (Mt, 18, 21), se tiver de ser, mas só se concretiza na possibilidade de mudança. É o atalho para a concretização da paz. E a paz, na plenitude utópica ou na concretização pontual, é sempre o final de um percurso com difíceis atalhos de perdão.

À semelhança das narrativas destes dias, como atores principais ou secundários, injustos ou injustiçados, vivemos dia-a-dia com a hipocrisia e o cinismo, entre abraços de Judas e sorrisos de Pilatos, na família, entre amigos ou nas relações profissionais.

Na sabedoria popular, perdoar não é esquecer – não há como apagar da memória a traição e a agressão, quaisquer que sejam as circunstâncias – mas o desafio da proposta não é esquecer. Há um ponto de partida para um novo tempo relacional, o “tempo sem tempo” que é também o tempo de parar, escutar, entender e reparar. 

Este «ver» por «dentro» e a partir de «dentro», não é uma atitude exclusiva de um crente ou de um religioso. A ética da relação expande-se quando a consciência respira num pragmático exercício de ponderação e discernimento. Bloquear este caminho significará perpetuar a injustiça e ampliar a mágoa, até porque, num paradoxal pressuposto, o injustiçado lá estará, à espera.  

É difícil. “Não há percursos sem obstáculos, nem obstáculos sem uma passagem”. Há sempre uma Páscoa a fazer, “uma passagem num caminho sinuoso, um impulso no âmago da convicção” (2), a mexer nas entranhas do orgulho, insuportável. O perdão liberta, é maior do que a magnanimidade, não é condescendente.  

No último dilema da rutura, prevalecerá a teimosia paralisante do orgulho ou um sopro das intervenções altas, para quem nelas acredita.

(1) – Mário Cláudio, in Via Crucis, Hosp. S. João, 2008.
(2) – Joaquim Franco, O Inexplicável que inquieta, in Com Franqueza, Paulinas, 2015. 

Joaquim Franco é investigador em Ciência das Religiões e jornalista.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Assembleia continental europeia do Sínodo

Um bispo, um padre e duas leigas na delegação portuguesa

A delegação portuguesa à assembleia continental europeia do Sínodo que vai decorrer em Praga de 5 a 12 de fevereiro é composta pelo bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), pelo padre Manuel Barbosa, secretário da CEP, e por Carmo Rodeia e Anabela Sousa, que fazem parte da equipa sinodal nacional. A informação foi divulgada esta quinta-feira, 2 de fevereiro, em nota enviada às redações.

Estudo decorre até 2028

A morte sob o olhar do cinema e da filosofia

O projeto “Film-philosophy as a meditation on death” (A filosofia do cinema como meditação sobre a morte), da investigadora portuguesa Susana Viegas, acaba de ser contemplado com uma bolsa de excelência do European Research Council, no valor de um milhão e setecentos mil euros, para um trabalho de equipa de cinco anos.

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

O Simão e a oração-menina que lhe apareceu

[Margem 8]

O Simão e a oração-menina que lhe apareceu novidade

O Simão ainda tem o tamanho de menino que consegue caminhar por baixo da mesa de jantar. Inclina um bocadinho a cabeça, risonho, e passa de um lado ao outro com as suas aventuras. Tem os olhos que são todo um convite para o mundo. A vida é atraída por aqueles olhos e vai por ali adentro em torrente, com o entusiasmo de um ribeiro.

Triódio da Quaresma na ortodoxia: celebrar com alegria

Triódio da Quaresma na ortodoxia: celebrar com alegria novidade

Na minha infância este tempo era lúgubre, como um véu de tristeza que tudo cobria, nos rostos dos fiéis, nas decorações, na exaltação do sofrimento. Nunca o compreendi nem me associei até que as amêndoas, doces e o início da primavera me salvavam. Na ortodoxia, a Páscoa celebra-se este ano no dia 16 de Abril de 2023.

Genocídio do povo Yanomami está a mobilizar instituições brasileiras

Igreja Católica solidária

Genocídio do povo Yanomami está a mobilizar instituições brasileiras novidade

O Brasil mobiliza-se para salvar o povo Yanomami e o seu território, abandonado pelos serviços do Estado e atacado pelos garimpeiros e os interesses que estão por detrás deles, nas últimas décadas. O ataque foi tão brutal que as novas autoridades de Brasília já falam em genocídio. O Supremo Tribunal de Justiça, o Presidente brasileiro, o Exército, e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) são algumas das entidades que têm mobilizado esforços, nas últimas semanas, para acudir a uma situação que além de crise humanitária é considerada também “uma tragédia ambiental”.

“Por favor, digam ao Papa que só queremos paz!”

Francisco no Sudão do Sul

“Por favor, digam ao Papa que só queremos paz!” novidade

As ruas estão mais limpas que nunca, algumas foram alcatroadas, e a uma delas até lhe mudaram o nome: agora chama-se Rua Papa Francisco. A cidade de Juba está a postos para receber aquela que é a primeira viagem de um Pontífice ao mais jovem país do mundo, o Sudão do Sul, e entre os milhares que vão procurando um lugar para ver o Papa passar há um grande desejo comum: o de que esta visita contribua, definitivamente, para a paz.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This