Difíceis atalhos

| 14 Abr 2022

“Compendious speculations concerning sacerdotal remission of sins. By Sam. Hill, M. A. Arch-Deacon and Canon Residentiary of wells” (1713). Reprodução © Hill, Samuel, Public domain, via Wikimedia Commons

Compendious speculations concerning sacerdotal remission of sins. By Sam. Hill, M. A. Arch-Deacon and Canon Residentiary of Wells” (1713). Reprodução © Hill, Samuel, Public domain, via Wikimedia Commons.

 

A terra prometida na sedução da liberdade, o encontro nas adversidades de um deserto e a luz de esperança nos socalcos da finitude. As narrativas judaico-cristãs da época revelam-nos a morte e a superação como experiências de passagem. O deserto destes textos lembra que todos os dias são experiência concreta e metáfora da própria existência. 

Nas controvérsias de um mestre bíblico e do seu seguimento, vislumbra-se também um amor ilógico na perspetiva humana. Há um absurdo a atormentar a razão. Um escândalo. Na “hora derradeira”, como diria Gil Vicente, a vítima clama pelo perdão do agressor. Não basta a lei dos homens. Há um novo entendimento para lá das nuvens, uma ética que relança a oportunidade, o kairos. “Um tempo sem tempo” no “amor nos arrasta”(1) pelas buscas de sentido.

Palavra gasta e incompreendida, tantas vezes manipulada e ofendida, na perspetiva cristã o perdão tem uma dinâmica pendular, é construtivo, corresponsabiliza. Só é, se e quando constrói. Parte sempre do lado mais frágil, que dá o primeiro passo, “setenta vezes sete” (Mt, 18, 21), se tiver de ser, mas só se concretiza na possibilidade de mudança. É o atalho para a concretização da paz. E a paz, na plenitude utópica ou na concretização pontual, é sempre o final de um percurso com difíceis atalhos de perdão.

À semelhança das narrativas destes dias, como atores principais ou secundários, injustos ou injustiçados, vivemos dia-a-dia com a hipocrisia e o cinismo, entre abraços de Judas e sorrisos de Pilatos, na família, entre amigos ou nas relações profissionais.

Na sabedoria popular, perdoar não é esquecer – não há como apagar da memória a traição e a agressão, quaisquer que sejam as circunstâncias – mas o desafio da proposta não é esquecer. Há um ponto de partida para um novo tempo relacional, o “tempo sem tempo” que é também o tempo de parar, escutar, entender e reparar. 

Este «ver» por «dentro» e a partir de «dentro», não é uma atitude exclusiva de um crente ou de um religioso. A ética da relação expande-se quando a consciência respira num pragmático exercício de ponderação e discernimento. Bloquear este caminho significará perpetuar a injustiça e ampliar a mágoa, até porque, num paradoxal pressuposto, o injustiçado lá estará, à espera.  

É difícil. “Não há percursos sem obstáculos, nem obstáculos sem uma passagem”. Há sempre uma Páscoa a fazer, “uma passagem num caminho sinuoso, um impulso no âmago da convicção” (2), a mexer nas entranhas do orgulho, insuportável. O perdão liberta, é maior do que a magnanimidade, não é condescendente.  

No último dilema da rutura, prevalecerá a teimosia paralisante do orgulho ou um sopro das intervenções altas, para quem nelas acredita.

(1) – Mário Cláudio, in Via Crucis, Hosp. S. João, 2008.
(2) – Joaquim Franco, O Inexplicável que inquieta, in Com Franqueza, Paulinas, 2015. 

Joaquim Franco é investigador em Ciência das Religiões e jornalista.

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This