Dimas de Almeida e a renúncia a si mesmo

| 2 Out 2021

Dimas de Almeida

Dimas de Almeida: “…coisa surpreendente, no meio de um cristianismo fatigado, a sua figura fundadora, Jesus de Nazaré, continua a ser uma figura fascinante. Cada vez mais homens e mulheres dizem não às Igrejas e sim a Jesus.” Foto © Ana Serras, cedida pela autora.

 

As rubricas católicas desencorajam “elogios fúnebres” nas missas com intenção.  Na eucaristia celebramos a radical entrega de Jesus Cristo à vontade do Pai; esse largar mão da vida em favor dos outros que Jesus aponta aos discípulos como caminho – caminho seu e caminho deles; esse tornar-se pão partido para a comunhão de todos. A celebração da eucaristia é expressão litúrgica desse deixar-se envolver – por leituras, cânticos, ritual, … – na única entrega de Cristo. Como se lê na anáfora: “Humildemente Vos suplicamos que… sejamos reunidos, pelo Espírito Santo, num só corpo”. Na celebração de 30.º Dia do seu falecimento, portanto, evocamos a memória do Dimas para que ela entre na grande memória que em cada missa fazemos de todos que morreram em Cristo para um dia com ele ressuscitar.

Ao lembrar hoje o meu amigo, o nosso amigo e irmão Dimas, recordo como, no fundo, foi isso mesmo que, na sua fé operativa, ele nos testemunhou: a unidade na caridade. Para lá dos detalhes – sem dúvida importantes – das doutrinas, e da tradição rica e plural dos rituais; congregando a multiplicidade de tantos caminhos percorridos, está a disciplina maior de nos descobrirmos imanados no seguimento de Cristo e, ao fazê-lo, descobrirmo-nos envolvidos no amor imenso – por cada um, por todos e pelo mundo – que nos renova como sopro do Pai.

Mas o evangelho de hoje [Marcos 8, 27-35, quando Jesus pergunta aos discípulos “E vós, quem dizeis que eu sou?”] vai mais longe.  Renunciar a si mesmo não é proposto por Cristo só a cada discípulo, individualmente.  É mandato também para as comunidades que em torno deles e depois deles se constituíram.  Para isso nos alertava, com insistência, o Pastor Dimas, como neste texto publicado um ano atrás:

… coisa surpreendente, no meio de um cristianismo fatigado, a sua figura fundadora, Jesus de Nazaré, continua a ser uma figura fascinante. Há, cada vez mais, homens e mulheres que dizem não às Igrejas e sim a Jesus. …

Daí a importância dos evangelhos. Daí a importância da sua tradução. Os quatro evangelhos, escritos num grego de singeleza aristocrática, são textos fortes que têm resistido e continuam a resistir à usura do tempo, e que continuam a surpreender-nos. Meu Deus! Como são fortes aqueles textos! Na sua pluralidade, nas interpretações diferentes que fazem de Jesus, atestam o quanto o cristianismo nascente foi plural. E, como tal, anti-totalitário. O Jesus de Nazaré que deles emerge é sempre surpreendente: gosta mais de fazer perguntas do que dar respostas e tem um comportamento não poucas vezes desconcertante. Nele não podemos pôr um rótulo porque ele é inclassificável.

Quer isto dizer que a Igreja (una e plural) é Igreja porque os quatro evangelhos, ao longo dos séculos, a têm portado e suportado. Sim, portado e suportado. É que ele, o Evangelho uno e plural, é infinitamente maior do que as nossas Igrejas, e é ele o Evangelho que as tem portado e suportado na desobediência que tem sido a delas. Elas precisam dele para viver.

… E é louvável que a Conferência Episcopal Portuguesa tenha mostrado o seu desejo de ouvir outras vozes neste projeto de uma nova tradução da Bíblia. Procurei ser uma dessas vozes.

Falece-me o tempo para mais. Literalmente, falece-me o tempo.

Permitam-me que termine com uma citação de Thomas Merton. Perante o mistério insondável da vida e da morte, seja esta aspiração cristã a nossa invocação de bênção para o Pastor Dimas, nesta hora:

“Tenho um só desejo…
desaparecer em Deus,
mergulhar na sua paz,
perder-me no segredo da Sua Face.”

 

Peter Stilwell é padre católico do Patriarcado de Lisboa; este texto corresponde à homilia da missa de 11 de Setembro, na celebração do 30º dia da morte de António Dimas de Almeida, celebrada na Capela do Rato, em Lisboa.

 

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia novidade

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

Abusos sexuais

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

O Secretariado Permanente do Conselho Presbiteral do Patriarcado de Lisboa saiu em defesa do cardeal patriarca, D. Manuel Clemente, numa nota publicada esta terça-feira à noite no site da diocese. Nas últimas semanas, Clemente tem sido acusado de não ter dado seguimento a queixas que lhe foram transmitidas de abusos sexuais.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This