Diocese da Pensilvânia cria Fundo de Reparação de Sobreviventes de abusos

| 20 Fev 19 | Igreja Católica, Últimas

O bispo de Erie, Lawrence T. Persico, falando aos jornalistas sobre a criação do Fundo de Reparação de Sobreviventes (Foto © Anne-Marie Welsh/Diocese de Erie)

A diocese de Erie (Pensilvânia) criou um Fundo de Reparação de Sobreviventes, estabelecido para pagar indemnizações às vítimas de abuso sexual por parte de clero ou leigos daquela diocese. Ao mesmo tempo, a diocese manifesta-se empenhada na transparência e honestidade sobre o tema. 

O fundo tinha sido anunciado a 8 de Novembro de 2018 e está a funcionar desde o passado dia 15, sexta-feira. Todas as vítimas que tenham uma queixa de abusos (que seja investigada e comprovada) são elegíveis a poder obter uma compensação monetária pelos danos que o crime lhes possa ter causado. Adicionalmente, as vítimas já conhecidas são convidadas também a utilizar o mesmo.

Além disso, o fundo terá um mecanismo para as vítimas poderem aceder aos arquivos da diocese em relação ao seu caso. A diocese faculta ainda a possibilidade de ter um advogado sem custos que lidará com todas as burocracias.

Na altura do anúncio da iniciativa, o bispo da diocese, Lawrence T. Persico, manifestou a sua esperança de que esta medida trouxesse alguma justiça ou ajudasse a pôr um fim ao sofrimento, acrescentando: “Apesar de o dinheiro nunca sarar as feridas sentidas pelos sobreviventes, este fundo é um passo crucial na reconciliação e esforços de reforma que temos feito.”

No comunicado a propósito da iniciativa, a diocese expressa ainda o desejo de lançar uma segunda fase, que recompensaria familiares de vítimas falecidas e vítimas de pessoal não-diocesano.

Em declarações ao 7MARGENS, Anne-Marie Welsh, directora do gabinete de comunicação da diocese de Erie, diz que a diocese tem estado empenhada na transparência e honestidade: “Há muitos anos, as pessoas pensavam que conhecer este tipo de comportamentos iria escandalizar os que têm fé. Mas não trazer os assuntos a público criou um escândalo ainda maior. Hoje, somos grandes defensores da transparência. As pessoas têm o direito de exigir do clero que os serve que vivam as vidas que proclamam”. Parte desta transparência está refletida no site da diocese, onde, na página principal, são visíveis vários botões com o intuito de relatar abusos.

A diocese de Erie é uma das dioceses da Pensilvânia. No conjunto, este estado norte-americano é um dos 25 casos mais graves de abusos sexuais de membros do clero católico em todo o mundo, até agora registados. O 7MARGENS enviou a porta-vozes e responsáveis de dioceses, conferências episcopais e instituições um conjunto de perguntas para avaliar o grau de gravidade do que sucedeu, as respostas dadas, a forma como os católicos viveram esta questão e o que está por fazer. 

No relatório do grande júri do estado da Pensilvânia, publicado em agosto de 2018, relativo aos abusos que ocorreram em seis de oito dioceses daquele estado norte-americano, são contabilizados abusos por parte de pelo menos 300 membros do clero (por comparação, em Boston falava-se de 150 a 250). O relatório dá conta ainda que “apesar da lista de padres ser longa, não achamos que tenhamos apanhado todos os infratores”, por se saber que há vítimas que ainda não terão tido coragem de falar. Precisamente por isso, diz o documento, é que são incluídos na lista de abusadores os padres que já morreram pela “suspeita de que muitas vítimas podem estar vivas – incluido vítimas que nunca relataram o que sucedeu por acharem estar sozinhas. Essas vítimas merecem saber que não estavam sozinhas e que a culpa não foi delas.”

No relatório da Pensilvânia, são referidas histórias que, entre muitas outras, se destacam pela natureza particularmente cruel: um padre que violou uma menina de sete anos quando a foi visitar ao hospital, um que obrigou um rapaz de nove anos a fazer sexo oral e depois utilizou água benta para purificar a boca da vítima e uma mulher que testemunhou a sua história em tribunal mas que, por causa do que lhe tinha sucedido, se tinha tentado matar.

Em relação aos pormenores do relatório, Welsh destaca a revolta mas também a resiliência da fé perante o horror: “É muito difícil ouvir os detalhes, especialmente dos crimes cometidos. Muitas pessoas ficaram profundamente magoadas ou ofendidas. Mas tenho ficado impressionada com o número de pessoas que permanecem comprometidas com a Igreja. A sua fé é especialmente em Jesus e não nos humanos que falharam.”

Na diocese de Erie – que serve pouco mais de 220 mil católicos, um quarto da população da região -, esclarece a responsável, há 41 abusadores registados pelo relatório da Pensilvânia, na sua maioria com mais do que uma vítima. Vários cumpriram ou estão a cumprir penas de prisão, outros foram expulsos do ministério. Desde 2002, acrescenta, quando os bispos dos EUA publicaram um guia para a protecção de crianças e jovens, as incidências destes casos foram “drasticamente reduzidas” – aliás, o relatório do Grande Júri refere também isso mesmo. 

Além das outras medidas já mencionadas, o gabinete de comunicação de diocese dá conta de que “tem incluido orações como um dos passos para a cura”: “O bispo Persico anunciou um dia de preces quando o relatório do grande júri foi lançado. Todas as 97 paróquias da diocese aderiram à iniciativa, com as igrejas abertas das 7 da manhã às 7 da noite”. “Este é um compromisso para continuar”, acrescenta Anne-Marie Welsh, que diz ainda que o bispo tem recebido muitas mensagens de crentes a querer ajudar os que não conseguem ultrapassar o sucedido.

(Foto de abertura: Mary Solberg/Diocese de Erie; a entrevista teve o contributo de António Marujo)

Artigos relacionados

Breves

Há seis anos, a primeira homilia do Papa em Santa Marta

Foi uma das fotografias icónicas daquele Março de 2013: dia 22, nove dias após a eleição e três dias após a celebração de início de pontificado, o Papa Francisco celebrou missa com os jardineiros e empregados da recolha do lixo do Vaticano; no final da missa, enquanto alguns dos funcionários do Estado pontifício permaneciam nos bancos, Francisco sentou-se atrás, num momento de oração

Parlamento rejeita voto de pesar e solidariedade com Tibete

Os votos do PS, PSD, PCP uniram-se esta sexta-feira no Parlamento para recusar um voto de pesar pelas vítimas da ocupação chinesa do Tibete ao longo de 60 anos e de solidariedade com o povo tibetano. O voto foi proposto pelo deputado André Silva, do PAN (Pessoas Animais e Natureza.)

Boas notícias

Uma Semana da Fraternidade judaico-cristã contra o anti-semitismo

Uma Semana da Fraternidade judaico-cristã contra o anti-semitismo

A realização da Semana da Fraternidade, uma iniciativa da Sociedade para a Cooperação Judaico-Cristã da Alemanha que tem como objectivos a promoção do diálogo entre judeus e cristãos, a colaboração na luta contra toda a forma de anti-judaísmo e anti-semitismo e a cultura da memória das vítimas do Holocausto, coincide este ano com um contexto de crescente anti-semitismo na Alemanha.

É notícia 

Entre margens

Do diálogo inter-religioso às teologias pluralistas

No futuro iremos certamente ver confissões religiosas a desenvolver teologias pluralistas. O caminho passa, acredito, por evitar o sincretismo e procurar uma transformação profunda na forma como as pessoas entendem o universo das religiões e o lugar que a sua religião ocupa nesse universo. As teologias pluralistas devem igualmente transmitir a ideia de que nenhuma religião em particular é a protagonista principal da história religiosa da humanidade. Esse protagonismo apenas pode ser atribuído ao próprio Criador.

O que (quem) vemos, quando olhamos as margens?

Cristo não temeu a margem: não nos feriu, não nos gritou, não nos condenou, não se envergonhou de nós. Por isso, neste período quaresmal, crentes e não-crentes, tentemos aprender com Ele, com o Seu exemplo, algo que nos ajude a transformar as nossas margens em autênticos encontros com a Humanidade.

Matar é cobardia, coragem é conviver!

Imaginemos que um islamita armado entrava num domingo na Sé de Lisboa e assassinava cinquenta católicos, entre adultos e crianças. Foi o que fez o supremacista branco Brenton Tarrant. Só que os mortos são muçulmanos, abatidos em duas mesquitas de Cristchurch (Nova Zelândia). Para alguns é mais fácil a cobardia do assassinato do que a coragem da convivência.

Cultura e artes

O armário de Frédéric Martel

A tese central do livro, desdobrada em 14 regras, é a de que a Igreja Católica está a ser destruída pela doutrina moral que impõe o celibato e a castidade, ao mesmo tempo que abomina a homossexualidade, mas convive com uma enorme tolerância disciplinar perante práticas homossexuais, incluindo o encobrimento de abusos sexuais.

“Sombra Silêncio” – poesia para vigiar o Mistério

Assim descreve Carlos Poças Falcão, numa breve nota final, os poemas reunidos em Sombra Silêncio: «Cançonetas de um Verão que logo passam, mas que para sempre ficam ligadas à memória mítica de um rosto, de um clima, de um lugar – assim estes poemas. Em caso algum me biografei. Mas em todos eles me vejo e me estranho.»

“Rezar no Coração” – o discípulo pergunta, o mestre responde

Em Rezar no Coração, Tomáš Špidlík, jesuíta checo, utiliza o método dos antigos mestres da espiritualidade com os seus discípulos – o discípulo pergunta e o mestre vai respondendo, sendo cada resposta um convite a nova pergunta. É este cenário de proximidade que...

Gomes Eanes: paradigma do espírito reformista no século XV, elo português no retiro do Papa

Estando o tema da Reforma da Igreja Católica, mais uma vez, na ordem do dia é de particular pertinência evocar a voz e o percurso de uma figura maior do universo religioso português do século XV e do diálogo luso-italiano que teve lugar nesta centúria: D. Gomes Eanes, tradicionalmente conhecido como o Abade de Florença. A sua voz ressoa em centenas de registos exemplificativos da abertura de Portugal às correntes reformistas e de observância que então percorriam a Cristandade.

Sete Partidas

Pacto de Luz

“Por cá o Inverno vai bem alto, que é o mesmo que dizer temperaturas muito baixas e neve fresca todos os dias. Mas é a escuridão que inquieta e desiquilibra, fazendo-me a cada ano por esta altura, desejar regressar ao meu tão amado Sul.”

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Mar
27
Qua
Apresentação do livro «Peregrino da Liberdade Dalai Lama XIV», de Ricardo de Saavedra @ El Corte Inglés - Lisboa
Mar 27@18:30_19:30
Abr
6
Sáb
Apresentação do livro “Descalço também se caminha”, do padre João Aguiar @ Espaço Vita
Abr 6@21:00_22:00
Abr
8
Seg
Os católicos, a Igreja e o direito à revolução. A ideia de revolução e as opções revolucionárias em Portugal durante o Estado Novo @ Universidade Católica Portuguesa (Lisboa)
Abr 8@15:00_17:00

Ver todas as datas

Fale connosco