Carta pastoral do arcebispo

Diocese de Braga retoma assembleias sinodais

| 14 Set 2022

José Cordeiro, Braga

O arcebispo de Braga, José Cordeiro, pretende que a sinodalidade se vá desenvolvendo em toda a vida da Igreja arquidiocesana. Foto © DACS/Braga.

 

A Arquidiocese de Braga tem já marcada uma segunda assembleia sinodal para dar continuidade a alguns aspetos da síntese diocesana. Terá lugar em Guimarães, em 26 de novembro próximo. A confirmação acaba de surgir na primeira carta pastoral do arcebispo José Cordeiro, na qual a sinodalidade é, precisamente, o ponto mais destacado.

O arcebispo cita a equipa sinodal diocesana, que considera que o objetivo principal da primeira fase do Sínodo sobre a Sinodalidade foi alcançado: “infundir nas comunidades e realidades eclesiais este espírito de sinodalidade”, na expetativa de que ele se prolongue no tempo. “Algumas sínteses referem mesmo a vontade de repetirem os encontros sinodais”, sublinha-se.

José Cordeiro cita do Papa Francisco uma passagem significativa da exortação apostólica Evangelii Gaudium (n. 27): “Sonho com uma opção missionária capaz de transformar tudo, para que os costumes, os estilos, os horários, a linguagem e toda a estrutura eclesial se tornem um canal proporcionado mais à evangelização do mundo atual que à auto preservação”.

Prosseguindo uma associação entre sinodalidade e proximidade, patente na parábola do samaritano, que já vinha do anterior arcebispo Jorge Ortiga, José Cordeio afirma o desejo de que essa sinodalidade se vá desenvolvendo em toda a vida da Igreja arquidiocesana – órgãos de consulta, departamentos, serviços, unidades pastorais, paróquias, movimentos, comunidades de vida consagrada e piedade popular.

A proximidade passará ainda, afirma o responsável pela diocese de Braga, por, dentro das “possibilidades e limitações” escutar também “outras realidades da pastoral antropológica e territorial: sociais, políticas, económicas e culturais”, assim como “outras pessoas que raramente são ouvidas: os pobres, os reclusos, os vulneráveis, os excluídos, os migrantes, as pessoas portadoras de deficiência, as minorias étnicas e as outras periferias existenciais que são invisíveis na cidade, na vila ou na aldeia”.

A carta pastoral dedica um segundo ponto ao envolvimento da diocese na Jornada Mundial da Juventude, sem estabelecer qualquer conexão com o processo sinodal, referindo particularmente três momentos especiais: a peregrinação dos símbolos da Jornada, de 28 de janeiro a 29 de fevereiro de 2023, que será acompanhada pelos bispos; o acolhimento de jovens de outras dioceses do mundo, de 26 a 30 de julho seguinte; e a participação na Jornada em Lisboa, de 1 a 6 de agosto.

Os restantes pontos são dedicados, entre outros aspetos, ao ano litúrgico que passa a coincidir com o ano pastoral; às visitas pastorais, que se iniciarão em 27 de novembro próximo (e incluirão uma visita à Paróquia de Ócua na Diocese de Pemba, em Moçambique, que está sob a responsabilidade de agentes de pastoral de Braga); à escuta e à formação (retomando alguns pontos da síntese diocesana e sugerindo a criação de um dia [semanal?] de escuta, a cargo de um membro dessa comunidade).

 

Amnistia pede a líderes africanos na COP28 que se unam em defesa dos direitos humanos

Alertando para "erros" do passado

Amnistia pede a líderes africanos na COP28 que se unam em defesa dos direitos humanos novidade

Os líderes africanos que vão participar na cimeira sobre o clima das Nações Unidas, COP28, “devem evitar os erros cometidos durante a Cimeira Africana do Clima”, que decorreu no passado mês de setembro, e na qual adotaram a Declaração de Nairobi sobre as Alterações Climáticas e Apelo à Ação. Porque esta, “em muitos aspetos, não deu prioridade efetiva aos direitos humanos e à justiça climática para o continente”, alertou a Amnistia Internacional.

Plataforma PAJE e associação ProChild distinguidas com o Prémio Direitos Humanos 2023

Iniciativa da Assembleia da República

Plataforma PAJE e associação ProChild distinguidas com o Prémio Direitos Humanos 2023 novidade

Duas organizações que têm trabalhado na área da proteção das crianças foram as escolhidas pela Assembleia da República para receber o Prémio Direitos Humanos 2023: a P.A.J.E. – Plataforma de Apoio a Jovens ex-Acolhidos e o ProChild – Laboratório Colaborativo. Será ainda atribuída a Medalha de Ouro Comemorativa do 50.º Aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos aos membros da extinta Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, adianta um comunicado divulgado pelo Parlamento.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

“Em cada oportunidade, estás tu”

Ajuda em Ação lança campanha para promover projetos de educação e emprego

“Em cada oportunidade, estás tu” é o mote da nova campanha de Natal da fundação Ajuda em Ação, que apela a que todos os portugueses ofereçam “de presente” uma oportunidade a quem, devido ao seu contexto de vulnerabilidade social, nunca a alcançou. Os donativos recebidos revertem para apoiar os programas de educação, empregabilidade jovem e empreendedorismo feminino da organização.

A freira que quer mobilizar 100 mil religiosas na luta contra o tráfico humano

Irmã Seli Thomas

A freira que quer mobilizar 100 mil religiosas na luta contra o tráfico humano novidade

“Mais de 100 mil religiosas estão na Índia. (…) Se todas trabalhássemos juntas no combate ao tráfico através do nosso próprio ministério, poderíamos salvar muitas vidas”. O apelo foi lançado pela irmã Seli Thomas (religiosa indiana das Irmãs Catequistas de Maria Imaculada Auxiliadora), durante o encontro da AMRAT – Talitha Kum, aliança internacional de religiosas contra o tráfico, que decorreu no passado fim de semana na Índia.

Igreja: não nos serve uma simples administração

Igreja: não nos serve uma simples administração novidade

Falemos claro, sem personalizar ou localizar, mas pelo que acontece, quase sempre e em toda a parte, nos mesmos cargos, e nas mesmas circunstâncias. Intervenhamos numa atitude conventual, numa expressão que hoje praticamente não se usa e nem sei se se pratica, a chamada “correcção fraterna”. Quero referir-me aos últimos acontecimentos, particularmente, na Igreja; novos Bispos sagrados e novos cardeais purpurados ou investidos e também novas colocações de Párocos. (Serafim Falcão)

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This