Moradora intimada a sair até Março

Diocese do Porto garante que “ainda há tempo” para evitar despejar inquilina na “ilha da Oliveira”

| 23 Set 2021

sé do porto, catedral

Sé do Porto: a diocese garante que está à procura de soluções. Foto © Laszlo Daroczy/Wikimedia Commons.

 

“Ainda não há solução, mas estamos tranquilos e com tempo”, garante ao 7MARGENS o padre Samuel Guedes, ecónomo da Diocese do Porto, a propósito da notícia de que uma inquilina de uma “ilha” habitacional na cidade iria ser despejada, porque o conjunto tinha sido vendido a um novo proprietário.

A informação do despejo foi divulgada pelo Público no dia 15, quarta-feira da semana passada, onde se contava que Maria Luísa, a inquilina que será despejada, tinha sido surpreendida por uma carta a dar-lhe conta de que o conjunto tinha sido vendido a um novo proprietário e que teria de sair até Março de 2022. (ligação só para assinantes)

Nesse mesmo dia, o 7MARGENS remeteu à Diocese, através do respectivo gabinete de informação, quatro perguntas. Na sexta-feira, a resposta recebida remetia para os comunicados divulgados dois dias antes, na própria quarta-feira, dizendo que nada mais havia a acrescentar.

Nesta quarta, 22, o novo proprietário do imóvel, Mário Lourenço Moreira, disse ao 7MARGENS que está apalavrada uma reunião com o ecónomo da diocese. Este ligou ao empresário na sequência do contacto do jornalista do Público e ainda antes da publicação da notícia, mas a data para o encontro ainda não está fixada.

“Neste momento não tenho projecto definido para a ‘ilha’, irá ser para arrendamento”, diz Mário Moreira. “O objectivo do negócio é não deixar cair as casas, mas ainda não sei quando avançarei com as obras nem como…”

No comunicado, a diocese diz que o imóvel da “ilha da Oliveira” foi “adquirido numa doação ao seminário maior do Porto” e que neste momento “apresenta muito más condições para habitação”. O comunicado descreve: “condições sub-humanas e insalubres, pondo em causa a saúde pública e das pessoas que lá residem”.

De acordo com o Público, a moradora, Maria Luísa, 69 anos, que mora na ilha há 34 anos, declarava-se surpreendida com a ordem de despejo remetida por carta, pela diocese. Segundo o mesmo jornal, a carta não explicava qualquer razão para a saída nem apontava qualquer solução para o problema. Dizia apenas que, até Março de 2022, a casa teria de estar desocupada.

 

“A diocese não ficará mal no assunto”

“Temos tempo suficiente para encontrar soluções”, garante o padre Samuel Guedes. “Estamos a trabalhar na questão, a diocese nunca ficará mal no assunto. Há várias possibilidades, mas ainda não há soluções definitivas. Para já, o que temos a dizer é o que está dito no comunicado”, acrescenta.

Neste documento, afirma-se: “Mantemos a nossa maior atenção, diocese e novo proprietário, para que nos prazos estabelecidos se encontre a maior e melhor resposta para o bem de todos. Foi esta, e será sempre assim, a nossa postura. Não podia ser de outra forma.”

O mesmo texto diz que, em algumas ocasiões, a diocese fez “intervenções profundas e de urgência, ao nível de esgotos daquela estrutura, para que aqueles que lá vivem não corressem perigo”. E que não se pode “manter pessoas a viver naquele lugar, com aspecto de ruína e acrescentos completamente ilegais e inseguros que ao longo dos anos, os inquilinos foram construindo”.

A diocese do Porto assegura ainda que tentou “garantir o bem-estar das pessoas ao alienar aquela ‘ilha’” e que tem feito “tudo, quer no diálogo com o novo proprietário quer nos serviços centrais de gestão do património diocesano para arranjar soluções para estes inquilinos”.

Uma das perguntas do 7MARGENS pretendia saber como é que se garante o bem-estar das pessoas alienando a ilha e se foram tomadas medidas cautelares para que essa afirmação faça sentido. No comunicado, a única alusão indirecta à questão é quando se reafirma que estão a ser feitas “obras de requalificação” em apartamentos no centro do Porto, que ficarão prontos em breve e que se destinam “a situações de emergência como esta”.

Outra pergunta que o 7MARGENS fazia era exactamente sobre a relação com os moradores: “A Diocese do Porto surge nas notícias e nas declarações de alguns dos habitantes da Ilha como uma empresa que procura fazer o seu negócio, deixando para segundo plano os dramas humanos do negócio decorrentes.  Não contradiz este modo de actuar a mensagem evangélica de Jesus, que a Igreja é chamada a anunciar?”

Num segundo comunicado, destinado a jornalistas e não disponível na página da diocese, reafirma-se que o prazo até Março será “mais do que suficiente para resolver a situação do realojamento” e que “todas as situações serão tratadas com cada um em particular, em tempo oportuno”. E conclui-se que não pode “haver dúvidas” de que a Diocese do Porto está a dar “a maior atenção a este dossier”.

Uma outra pergunta pretendia saber se a venda da ilha da Oliveira se destinava a colmatar os vários problemas financeiros de que a diocese vem sofrendo nos últimos anos – e que atormentaram bastante o anterior bispo, D. António Francisco, que morreu há quatro anos. Na curta conversa com o 7MARGENS, o ecónomo garante que “não há problemas financeiros na diocese” e que a venda do imóvel “nada tem a ver com problemas financeiros” da diocese.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This