Polónia

Diocese pede desculpa por questionar se vítima de abuso sexual teria tido prazer na relação

| 19 Jan 2022

Foi na igreja de Sta Mª Madalena, Międzybrodzie Bialskie, Polónia, que alegadamente sucederam os abusos referidos. Foto © Petrus Silesius/Wikimedia Commons.

 

A diocese polaca de Bielsko-Zywiec, no sul do país, pediu desculpa pelo facto de o seu advogado ter solicitado ao tribunal que determinasse se um homem, vítima de abuso sexual quando era criança por parte de um padre católico, seria homossexual e se o contacto sexual lhe teria proporcionado prazer, avançou esta quarta-feira, 19, a UCA News.

“Desejamos enfatizar inequivocamente que não procuramos diminuir a responsabilidade do autor que cometeu crimes contra um menor, muito menos culpar a pessoa prejudicada”, afirmou a diocese de Bielsko-Zywiec em comunicado.

Katarzyna Sroczynska, porta-voz da Wounded in the Church (em português, “Feridos na Igreja”), uma organização de defesa das vítimas de abuso, considera que o sucedido mostra como “a Igreja institucional ainda tem um longo caminho a percorrer – precisa de uma mudança total de mentalidade e consciência”.

“Mais uma vez, temos que falar e explicar porque é que a violência sexual contra crianças, sejam quais forem as circunstâncias, é profundamente prejudicial”, concluiu.

 

Os confins da fenomenologia

Emmanuel Falque na Universidade de Coimbra novidade

Reflectir sobre os confins da fenomenologia a partir do projecto filosófico de Emmanuel Falque é o propósito da Jornada Internacional de Estudos Filosóficos, “O im-pensável: Nos confins da fenomenalidade”, que decorrerá quinta-feira, dia 26 de Maio, na Universidade de Coimbra (FLUC – Sala Vítor Matos), das 14.00 às 19.00. O filósofo francês intervirá no encerramento da iniciativa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This