Polónia

Diocese quer saber se vítima de abuso era homossexual e teve prazer na relação

| 16 Jan 2022

Foi na igreja de Sta Mª Madalena, Międzybrodzie Bialskie, Polónia, que alegadamente sucederam os abusos referidos. Foto © Petrus Silesius- Wikimedia Commons

 

A diocese polaca de Bielsko-Zywiec, no sul do país, solicitou ao tribunal que determine se um homem, vítima de abuso sexual quando era criança por um padre católico, é homossexual e se o contacto sexual lhe deu prazer.

Janusz Szymik, agora com 48 anos, era criança quando os abusos começaram na década de 1980. A vítima apresentou queixa contra a diocese de Bielsko-Zywiec em 2021, pedindo indemnização à diocese de três milhões de zlotys (cerca de 660 mil euros), noticiou o National Catholic Reporter, citando o portal Onet.

O padre, identificado como Jan W., já admitiu o abuso.

O advogado da diocese apresentou entretanto em tribunal um pedido para que seja verificada “a orientação sexual do queixoso”, determinando se este “mostrou satisfação em manter um relacionamento íntimo com Jan W. ou se resultou em qualquer beneficio material da relação sexual com o padre”.

Szymik manifestou a sua surpresa com esta mudança, recordando que o bispo Roman Pindel de Bielsko-Zywiec já tinha demonstrado compaixão para com o seu caso.

Este caso ocorre num momento em que o Papa Francisco procura limpar a Igreja Católica na Polónia, também ela envolvida em escândalos de abusos sexuais de menores e encobrimento de casos.

A Igreja Católica, recorda o NCR, foi durante muito tempo a mais alta autoridade moral da Polónia, desempenhando um papel inspirador durante a ocupação e domínio estrangeiro e apoiando o movimento democrático anticomunista na década de 1980. Os recentes casos de abuso têm prejudicado a sua credibilidade, afectando mesmo a imagem do católico polaco mais famoso, o Papa João Paulo II, cujo legado tem sido posto em causa pelo relativo fracasso no combate aos abusos, quando era Papa.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Polícia da moralidade encerrada no Irão

Protestos a produzir efeitos

Polícia da moralidade encerrada no Irão novidade

A ausência de polícia de moralidade nas ruas de Teerão e de outras grandes cidades iranianas nos últimos meses alimentaram a especulação que foi confirmada na noite de sábado pelo Procurador-Geral do Irão, Mohammad Jafar Montazeri, de que a polícia havia sido desmantelada por indicação “do próprio local onde foi estabelecida”.

Um Deus mergulhado na nossa humanidade

Um Deus mergulhado na nossa humanidade novidade

Diante de uma elite obcecada pelo ritualismo de pureza, da separação entre puros e impuros, esta genealogia revela-nos um Deus que não se inibe de operar no ordinário e profano, que não toma preferência alguma acerca daqueles que se assumem categoricamente como sendo corretos, puros de sangue ou mesmo como pertencentes a determinada etnia ou género.

feitos de terra

feitos de terra

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, Domingo II do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 3 de Dezembro de 2022.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This