Direito à festa, direito à esperança

| 31 Jul 2023

Peregrinos do Sudão do Sul antes da missa de acolhimento aos peregrinos, na Ericeira. Foto © Rita Gusmão COP da Ericeira e Carvoeira

Peregrinos do Sudão do Sul antes da missa de acolhimento aos peregrinos, na Ericeira. Foto © Rita Gusmão COP da Ericeira e Carvoeira

 

Quatro anos e meio depois do anúncio oficial da sua realização em Lisboa (e com um adiamento por um ano, por causa da pandemia), aí está a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), com a festa, a cor, o ritmo, o encontro, a alegria e os sonhos das gerações mais novas – neste caso, daquelas que se identificam com o catolicismo.

Sofremos hoje as consequências de vários desastres colectivos: guerras, emergência climática, agravamento das desigualdades, ataques à democracia, aumento dos populismos xenófobos e racistas, … Por isso, a dimensão antropológica (incluindo o simbólico) da JMJ – traduzidas no encontro de culturas diferentes sob a universalidade da comunhão numa mesma fé e num mesmo ideal – ultrapassam em muito as fronteiras do catolicismo. Haver um acontecimento que propõe a pacificação e a comunhão nas diferenças, que sonha com um mundo mais justo e mais fraterno e que se junta à volta de um Papa que insiste na dignidade da pessoa e dos povos é, por si, algo de muito valioso e importante.

Todos sabemos das graves falhas de percurso: nos quatro anos de preparação, mesmo com uma pandemia, a hierarquia católica e a organização da JMJ foi incapaz de aprofundar o conhecimento da sociedade e da juventude portuguesa ou de lhes propor um projecto mobilizador que ultrapassasse as fronteiras da Igreja – tem-se insistido que o convite é para todos, mas esse convite foi muito pouco pró-activo; tão pouco houve uma proposta sólida de aprofundamento bíblico e sobre o pensamento social da Igreja (nomeadamente das encíclicas Laudato Si’ e Fratelli Tutti) que permitisse que os jovens católicos cresçam na convicção e nas “razões da sua esperança”, como refere a Carta de São Pedro; e quase não houve entrosamento com a reflexão sinodal que a Igreja Católica está a fazer ou com o processo de desocultação da tragédia dos abusos.

Por tudo isso, a JMJ quase se reduziu, nos últimos tempos, a polémicas estéreis e secundárias sobre custos, logística, organização e partilha de (ir)responsabilidades. E isso foi pena, porque o brilho do olhar, a alegria e a esperança de tantos jovens portugueses e de todo o mundo que têm chegado para estes dias intensos mereciam mais.

Entre críticas justas e injustas, muitas vezes com argumentos que passam ao lado do fundamental, parte-se muitas vezes do pressuposto de que tudo o que remete para o âmbito da cultura e da espiritualidade é supérfluo, se considerarmos apenas as necessidades humanas básicas. Mas precisamente o que nos torna humanos é a capacidade de nos relacionarmos, de criarmos para além da matéria, de nos pensarmos enquanto seres para os quais a vida tem um sentido.

Nesse sentido, uma iniciativa como a JMJ, lançada por João Paulo II em 1986 e que agora faz escala em Lisboa, insiste na cultura do encontro, como tantas vezes o Papa Francisco refere. Mais ainda quando, na sequência de uma pandemia que nos isolou e de uma guerra que tragicamente trouxe de novo o sofrimento e a morte ao coração da Europa, temos a necessidade de perceber que ninguém se salva sozinho – como também Francisco recordou naquele 27 de Março de 2020, quando atravessou a Praça de São Pedro como quem caminha entre os escombros de um mundo que está por refazer. E essa cultura do encontro é, para o Papa, uma palavra que se faz acto, no seguimento do Evangelho em que ele acredita. Todos são mesmo convidados: os que estão “dentro” e “fora” da Igreja, os inscritos e os proscritos da moral católica, os refugiados e os escravizados, as mulheres e todos os violentados na sua dignidade humana.

Também por tudo isso, pesados limites e potencialidades, um acontecimento tão importante, preparado com tanto tempo de antecedência e num momento tão difícil como este que o mundo vive, tem de ser um momento marcante de viragem e de esperança. Os jovens portugueses vivem uma situação social e económica que lhes dá pouco horizonte de futuro, como hoje mesmo revela um relatório da Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Por isso, espera-se – esperamos todos – que a JMJ plante sementes de futuro na realidade social, política, cultural e espiritual das gerações mais jovens. A sociedade portuguesa, no seu conjunto, tem o desafio de saber aproveitar a potencialidade de mobilização, generosidade e entrega dos mais novos para se refrescar e renovar. E a Igreja Católica em Portugal deveria aproveitar esta JMJ para ser capaz de ousar propor novas linguagens, novas ideias, novos empenhamentos (por exemplo, no combate à violência doméstica ou na defesa da democracia).

Esta semana de alegria e festa permite-nos sonhar que esta bela invasão que vamos viver em Lisboa seja contagiante.

Esta alegria permite-nos também dizer: temos direito à festa. Porque ela nos dá o direito à esperança. Que venham ambas.

 

António Marujo, Clara Raimundo, Eduardo Jorge Madureira, Jorge Wemans, Manuel Pinto

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização

Bispos após encontro com Secretaria do Sínodo

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização novidade

O vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Virgílio Antunes, reconheceu que a Igreja Católica em Portugal tem necessidade de uma “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização, nomeadamente no “acolhimento das pessoas”. Para o bispo de Coimbra, – que falou aos jornalistas após o encontro com a Secretaria Geral do Sínodo, que decorreu esta segunda-feira, 20 de maio, em Roma – é preciso fomentar “uma relação mais eficaz e mais eclesial entre os membros da hierarquia, a generalidade dos cristãos leigos, dos consagrados do povo de Deus”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This