Direito ao lugar: primeiro debate dia 28 de abril

| 20 Abr 2021

carta aberta

Participantes no lançamento virtual da Carta Aberta. Foto: Direitos reservados.

Com a participação da arquiteta Helena Roseta e do geógrafo João Ferrão e moderação do jornalista Jorge Wemans realiza-se na próxima quarta-feira, 28 de abril, pelas 16h00, o primeiro debate sobre a Carta Aberta Pelo Direito ao Lugar. O debate terá transmissão no Youtube e pretende alargar e aprofundar a reflexão e a discussão sobre as questões levantadas na Carta elaborada por um coletivo de 42 organizações da sociedade civil.

 

O trabalho colaborativo que levou à redação daquele documento analisa “as razões que forçam as pessoas a prescindir de viver em lugares com que identificam, a que se sentem ligadas e a que sentem que pertencem” e propõe “um vasto conjunto de medidas que procura proteger o direito ao lugar e responder ao problema da perda de população residente nas zonas rurais e nos centros das grandes cidades.”  A Carta Aberta é “dirigida a diferentes instâncias de poder político (ao nível local e central e europeu) e aos media.”

Partindo da constatação de que “temos assistido a uma perda significativa da população residente em zonas rurais e nos centros das grandes cidades”, os autores do documento reivindicam o direito de todos ao lugar, ou seja, o direito a “habitar um espaço condigno, encontrar emprego ou outra forma de rendimento e ter acesso a serviços de interesse geral” sem ter de deixar o local onde sempre viveu. E, diferenciando as questões que estão na base do êxodo rural das que provocam a desertificação dos centros urbanos das grandes cidades, propõem um largo conjunto de medidas para cada uma daquelas situações.

O projeto nasceu em 2019 de” preocupações partilhadas pelo Graal e pela Fundação Gonçalo da Silveira” e “conta com a colaboração do parceiro norueguês Østfoldmuseene”. Foi cofinanciado pelo Programa Cidadãos Ativ@s. Mais de 600 subscritores tinham, até ontem, assinado o texto, entre os quais se contavam 70 organizações portuguesas. Para participar no debate de dia 28 de abril basta inscrever-se no endereço seguinte:

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfbBgXUNcxyLFxHWd-sJ7uQxn30XYaMTV9rwn5I2XqZVxVFxA/viewform

 

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima novidade

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita novidade

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Cardeal Zen condenado a pagar multa por ter defendido manifestantes

Hong Kong

Cardeal Zen condenado a pagar multa por ter defendido manifestantes novidade

O cardeal Joseph Zen, bispo emérito de Hong Kong, foi condenado esta sexta-feira, 25 de novembro, a pagar uma multa de cerca de 500 euros pela sua colaboração com o 612 Humanitarian Relief Fund, que apoiou manifestantes pró-democracia a pagar multas e fianças em 2019. Sobre ele, recai ainda a acusação de conluio com forças estrangeiras, pelo que poderá vir a enfrentar penas mais graves.

Freiras italianas gritam “basta!” à violência contra a mulher

Dia Internacional contra a Violência de Género

Freiras italianas gritam “basta!” à violência contra a mulher novidade

“Sentimos o dever de manifestar abertamente a solidariedade com as mulheres que sofrem todo o tipo de violência.” Quem o diz são as irmãs salesianas Filhas de Maria Auxiliadora, da Província de São João Bosco, em Roma, que pela primeira vez decidiram associar-se pessoalmente a uma campanha de prevenção, a propósito do Dia Internacional Contra a Violência de Género, assinalado esta sexta-feira, 25 de novembro.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This