Direito ao lugar: primeiro debate dia 28 de abril

| 20 Abr 2021

carta aberta

Participantes no lançamento virtual da Carta Aberta. Foto: Direitos reservados.

Com a participação da arquiteta Helena Roseta e do geógrafo João Ferrão e moderação do jornalista Jorge Wemans realiza-se na próxima quarta-feira, 28 de abril, pelas 16h00, o primeiro debate sobre a Carta Aberta Pelo Direito ao Lugar. O debate terá transmissão no Youtube e pretende alargar e aprofundar a reflexão e a discussão sobre as questões levantadas na Carta elaborada por um coletivo de 42 organizações da sociedade civil.

 

O trabalho colaborativo que levou à redação daquele documento analisa “as razões que forçam as pessoas a prescindir de viver em lugares com que identificam, a que se sentem ligadas e a que sentem que pertencem” e propõe “um vasto conjunto de medidas que procura proteger o direito ao lugar e responder ao problema da perda de população residente nas zonas rurais e nos centros das grandes cidades.”  A Carta Aberta é “dirigida a diferentes instâncias de poder político (ao nível local e central e europeu) e aos media.”

Partindo da constatação de que “temos assistido a uma perda significativa da população residente em zonas rurais e nos centros das grandes cidades”, os autores do documento reivindicam o direito de todos ao lugar, ou seja, o direito a “habitar um espaço condigno, encontrar emprego ou outra forma de rendimento e ter acesso a serviços de interesse geral” sem ter de deixar o local onde sempre viveu. E, diferenciando as questões que estão na base do êxodo rural das que provocam a desertificação dos centros urbanos das grandes cidades, propõem um largo conjunto de medidas para cada uma daquelas situações.

O projeto nasceu em 2019 de” preocupações partilhadas pelo Graal e pela Fundação Gonçalo da Silveira” e “conta com a colaboração do parceiro norueguês Østfoldmuseene”. Foi cofinanciado pelo Programa Cidadãos Ativ@s. Mais de 600 subscritores tinham, até ontem, assinado o texto, entre os quais se contavam 70 organizações portuguesas. Para participar no debate de dia 28 de abril basta inscrever-se no endereço seguinte:

https://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfbBgXUNcxyLFxHWd-sJ7uQxn30XYaMTV9rwn5I2XqZVxVFxA/viewform

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This