Diretor da OMS: A fé reduz o medo e o estigma e é “fonte de apoio”

| 19 Mar 2021

4-Tedros Adhanom Gebreyesus, diretor da OMS. Foto © WCC-CMI

Tedros Adhanom Gebreyesus, diretor da OMS: “Em tempos de crise, a fé é uma fonte de apoio, particularmente para muitos dos mais vulneráveis.” Foto © WCC-CMI.

 

“Em tempos de crise, a fé é uma fonte de apoio, consolo e orientação para milhares de milhões de pessoas, particularmente para muitos daqueles que estão em situações mais vulneráveis”, declarou o diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS). Tedros Adhanom Gebreyesus falava na abertura de um webinar promovido pelo Conselho Mundial de Igrejas, introdutório da semana de oração ecuménica pelas vítimas da covid-19, que decorrerá de 22 a 27 de março.

A fé, acrescentou Gebreyesus, “ajuda não só a parar a propagação da doença, mas reduz também o medo e o estigma por ela causados e oferece confiança às comunidades”. Reconhecendo que, por causa da pandemia, “muitas comunidades de crentes não conseguem encontrar-se como tinham hábito de o fazer”, o diretor-geral da OMS concluiu: “Possa esta semana de oração trazer uma renovada força e determinação para todos os crentes e para o mundo.”

A semana de oração convida a “um tempo de prece e reflexão sobre o lamento e a esperança vividos e sentidos em todo o mundo ao longo de um ano de sofrimento sem precedentes. Ano que foi também um tempo em que as igrejas trabalharam juntas, criando novas maneiras de estar, responder e acompanhar comunidades atravessadas por crises físicas, económicas, espirituais e ambientais.”

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This