Depois da compra por Elon Musk

Discurso de ódio está a aumentar no Twitter

| 6 Dez 2022

rede social twitter foto c roman okopny

Os investigadores concluíram que aumentaram os tweets com discursos de ódio contra negros, homossexuais, transgéneros, judeus e latinos. Foto © Roman Okopny.

 

O discurso de ódio na rede social Twitter tem vindo a aumentar desde que passou a ser propriedade de Elon Musk, alertou esta terça-feira, 6 de dezembro, o Center for Countering Digital Hate, organização não governamental britânica que luta contra a desinformação e discriminação online.

De acordo com o levantamento feito por esta organização, só desde o dia 27 de outubro, data em que o empresário assumiu o controlo da plataforma, foram observados ataques contra pessoas negras em 30.546 tweets . Esse número corresponde ao triplo da taxa registada antes da aquisição.

Os investigadores concluíram que aumentaram também os discursos de ódio contra homossexuais, transgéneros, judeus e latinos. A comparação foi feita com os tweets publicados ao longo do mês anterior à compra da rede.

A 2 de dezembro, Elon Musk publicou um tweet em que afirmava que o número de visualizações das publicações que incluíam discurso de ódio continuava a diminuir na plataforma.

Antes da sua aquisição, o empresário bilionário havia dito que acreditava que o Twitter deveria permitir mais liberdade de expressão e que reduziria a moderação de conteúdo para permitir que isso acontecesse.

Musk ordenou depois que algumas contas anteriormente suspensas fossem restabelecidas, nomeadamente a do ex-presidente norte-americano Donald Trump, e a do rapper rapper Ye – anteriormente conhecido como Kanye West – que já voltou a ser banida na passada sexta-feira, por este ter publicado uma imagem do símbolo nazi, uma suástica, entrelaçado com uma estrela de David, um símbolo judaico. Uns dias antes, o músico havia afirmado que era fã de Hitler.

Em reação às declarações de Kanye West, o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, instou a classe política norte-americana a “denunciar e rejeitar o antissemitismo. “Só quero deixar algumas coisas claras: o Holocausto aconteceu. Hitler era uma figura demoníaca. E, em vez de lhe dar uma plataforma, os nossos líderes políticos devem denunciar e rejeitar o antissemitismo onde quer que ele se esconda”, destacou o chefe de Estado norte-americano, através da rede social Twitter.

Também através da sua conta nesta rede social, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, defendeu esta segunda-feira, 5 de dezembro, que os governos, empresas e redes sociais têm a responsabilidade de prevenir discursos de ódio, bullying e desinformação que “prejudicam os direitos humanos, a democracia e a ciência”.

“Um espaço digital seguro começa com a proteção da liberdade de expressão. Mas não termina aí. Governos, empresas e plataformas de redes social têm a responsabilidade de prevenir discursos de ódio, bullying e desinformação, que prejudicam os direitos humanos, a democracia e a ciência”, escreveu.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This