Depois da compra por Elon Musk

Discurso de ódio está a aumentar no Twitter

| 6 Dez 2022

rede social twitter foto c roman okopny

Os investigadores concluíram que aumentaram os tweets com discursos de ódio contra negros, homossexuais, transgéneros, judeus e latinos. Foto © Roman Okopny.

 

O discurso de ódio na rede social Twitter tem vindo a aumentar desde que passou a ser propriedade de Elon Musk, alertou esta terça-feira, 6 de dezembro, o Center for Countering Digital Hate, organização não governamental britânica que luta contra a desinformação e discriminação online.

De acordo com o levantamento feito por esta organização, só desde o dia 27 de outubro, data em que o empresário assumiu o controlo da plataforma, foram observados ataques contra pessoas negras em 30.546 tweets . Esse número corresponde ao triplo da taxa registada antes da aquisição.

Os investigadores concluíram que aumentaram também os discursos de ódio contra homossexuais, transgéneros, judeus e latinos. A comparação foi feita com os tweets publicados ao longo do mês anterior à compra da rede.

A 2 de dezembro, Elon Musk publicou um tweet em que afirmava que o número de visualizações das publicações que incluíam discurso de ódio continuava a diminuir na plataforma.

Antes da sua aquisição, o empresário bilionário havia dito que acreditava que o Twitter deveria permitir mais liberdade de expressão e que reduziria a moderação de conteúdo para permitir que isso acontecesse.

Musk ordenou depois que algumas contas anteriormente suspensas fossem restabelecidas, nomeadamente a do ex-presidente norte-americano Donald Trump, e a do rapper rapper Ye – anteriormente conhecido como Kanye West – que já voltou a ser banida na passada sexta-feira, por este ter publicado uma imagem do símbolo nazi, uma suástica, entrelaçado com uma estrela de David, um símbolo judaico. Uns dias antes, o músico havia afirmado que era fã de Hitler.

Em reação às declarações de Kanye West, o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, instou a classe política norte-americana a “denunciar e rejeitar o antissemitismo. “Só quero deixar algumas coisas claras: o Holocausto aconteceu. Hitler era uma figura demoníaca. E, em vez de lhe dar uma plataforma, os nossos líderes políticos devem denunciar e rejeitar o antissemitismo onde quer que ele se esconda”, destacou o chefe de Estado norte-americano, através da rede social Twitter.

Também através da sua conta nesta rede social, o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, defendeu esta segunda-feira, 5 de dezembro, que os governos, empresas e redes sociais têm a responsabilidade de prevenir discursos de ódio, bullying e desinformação que “prejudicam os direitos humanos, a democracia e a ciência”.

“Um espaço digital seguro começa com a proteção da liberdade de expressão. Mas não termina aí. Governos, empresas e plataformas de redes social têm a responsabilidade de prevenir discursos de ódio, bullying e desinformação, que prejudicam os direitos humanos, a democracia e a ciência”, escreveu.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Iniciativa ecuménica

Bispos latino-americanos criam Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) lançou oficialmente esta semana a Pastoral das Pessoas em Situação de Sem-abrigo, anunciou o Vatican News. Um dos principais responsáveis pela iniciativa é o cardeal Luís José Rueda Aparício, arcebispo de Bogotá e presidente da conferência episcopal da Colômbia, que pretende que a nova “pastoral de rua” leve a Igreja Católica a coordenar-se com outras religiões e instituições já envolvidas neste trabalho.

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro

Frade morreu aos 85 anos

Lopes Morgado: um franciscano de corpo inteiro novidade

O último alarme chegou-me no dia 10 de Fevereiro. No dia seguinte, pude vê-lo no IPO do Porto, em cuidados continuados. As memórias que tinha desse lugar não eram as melhores. Ali tinha assistido à morte de um meu irmão, a despedir-se da vida aos 50 anos… O padre Morgado, como o conheci, em Lisboa, há 47 anos, estava ali, preso a uma cama, incrivelmente curvado, cara de sofrimento, a dar sinais de conhecer-me. Foram 20 minutos de silêncios longos.

Mata-me, mãe

Mata-me, mãe novidade

Tiago adorava a adrenalina de ser atropelado pelas ondas espumosas dos mares de bandeira vermelha. Poucos entenderão isto, à excepção dos surfistas. Como explicar a alguém a sensação de ser totalmente abalroado para um lugar centrífugo e sem ar, no qual os segundos parecem anos onde os pontos cardeais se invalidam? Como explicar a alguém que o limiar da morte é o lugar mais vital dos amantes de adrenalina, essa droga que brota das entranhas? É ao espreitar a morte que se descobre a vida.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This