Semana Laudato Si (II)

Dispostos a mudar o nosso modo de vida

| 21 Mai 2023

 

Foi por causa do presépio do último Natal que esta ideia nasceu: um presépio (o nascimento) no centro do do mundo e do globo, a nossa casa comum. Foi isso que a paróquia de Valongo do Vouga (Águeda, diocese de Aveiro) quis marcar com essa proposta, depois retomada em cada um dos domingos da Quaresma, entre Fevereiro e Abril. Uma reflexão animada por Manuel José Marques, que fez o curso de animador Laudato Si’, do Movimento com o mesmo nome da encíclica do Papa Francisco sobre o cuidado da casa comum e que o 7MARGENS publica a propósito e durante a Semana Laudato Si’, iniciada neste domingo, 21, como forma também de desafiar outros grupos, comunidades e paróquias a debater a encíclica do Papa e agir em favor da Criação e da casa comum. Este é o texto correspondente ao I Domingo da Quaresma (26/Fevereiro).

O globo da Laudato Si' no adro da Igreja de São Pedro de Valongo do Vouga: "Estarmos dispostos a mudar o nosso modo de vida é, na verdade, um novo tipo de cruz, que podemos abraçar com alegria." Foto: Direitos reservados.

O globo da Laudato Si’ no adro da Igreja de São Pedro de Valongo do Vouga: “Estarmos dispostos a mudar o nosso modo de vida é, na verdade, um novo tipo de cruz, que podemos abraçar com alegria.” Foto: Direitos reservados.

 

Em 2015, o Papa Francisco publicou uma carta, à qual chamou Encíclica Laudato Sí’, que foi dirigida a todas as pessoas habitantes neste planeta. Surpreendemo-nos! Sim, é uma carta dirigida a cada um de nós. É uma carta que manifesta uma enorme preocupação com o planeta e com o cuidado que devemos ter com o mesmo, a nossa casa comum, tal como ele refere. É um documento notável, riquíssimo de informação, de reflexões que procuram desde logo sensibilizar a nossa consciência convidando-nos a reduzir o nosso impacto ambiental.

Na Laudato Sí’, o Papa Francisco inspira-nos, lembrando-nos da nossa vocação de proteger a obra de Deus. Ele diz: “Viver a vocação de guardiões da obra de Deus não é algo de opcional nem um aspecto secundário da experiência cristã, mas parte essencial duma existência virtuosa” (LS 217). O Papa Francisco lembra-nos que todos podemos fazer alguma coisa para resolver os problemas do mundo, que cada um de nós tem um papel a desempenhar usando os nossos dons e talentos.

“A crise ecológica é um apelo a uma profunda conversão interior. Isto exige reconhecer os próprios erros, pecados, vícios, ou negligências, e arrepender-se do coração, mudar a partir de dentro” (LS, 217-218). Por exemplo, sabemos que a tecnologia baseada nos combustíveis fósseis – altamente poluentes, sobretudo o carvão mas também o petróleo e, em menor medida, o gás – devem ser, progressivamente e sem demora, substituídos.” (LS 165).

Estamos, pois, perante um desafio urgente, que nos deve levar sobretudo ao compromisso de responder à ameaça de um colapso climático total e à perda devastadora das diferentes formas de vida.

Sem dúvida, todos temos as nossas próprias responsabilidades imediatas: família, trabalho, escola, doenças, tristezas e tantos outros emaranhados da vida, que nos fazem correr de um compromisso para o outro, por vezes sofregamente, indiferentes e cegamente agarrados ao nosso próprio eu. E estarmos dispostos a mudar o nosso modo de vida, a maneira como aquecemos e iluminamos as nossas casas, viajamos, construímos, plantamos, jardinamos, vestimos, divertimos e até fazemos compras e comemos, são pedidos enormes. Na verdade, um novo tipo de cruz. Mas esta é uma cruz que podemos abraçar com alegria e, sem dúvida, também com alguma dor quando deixamos para trás velhas formas de ser.

A alegria pode vir à medida que trabalhamos com Jesus, dedicados nas nossas comunidades a criar uma nova e transformada casa comum, onde possa haver alimentos para todos, onde povos indígenas possam viver nas suas terras, onde se possa reverter as condições inóspitas criadas por fenómenos climáticos extremos que obrigam comunidades a se deslocarem, que nos possamos alegrar com a alegria dessas gentes, onde se possa respirar ar puro e todos possam ter água potável e saudável, e, claro, onde a natureza e todas as criaturas de Deus possam prosperar.

Na mesma encíclica, o Papa diz-nos “para nunca subestimar o poder das pequenas acções, aquelas coisas que fazemos na nossa vida diária em nossa casa, escolas e paróquias para tentar viver de forma mais sustentável, para caminhar mais suavemente nesta terra. Essas pequenas acções têm um efeito cascata em toda a comunidade e podem-se tornar experiências de graça. Elas testemunham uma visão mais abrangente para o nosso mundo”.

Assim, aceitando esse convite e apelo, na nossa comunidade iremos ter oportunidade de saber como repensar algumas acções do nosso estilo de vida, de como agir de forma prática para melhorar os nossos relacionamentos com a terra e uns com os outros, abraçando o mundo, abraçando-nos a nós mesmos.

 

Manuel José Marques é animador de encontros sobre a encíclica Laudato Si’ na paróquia de Valongo do Vouga (Águeda)

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização

Bispos após encontro com Secretaria do Sínodo

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização novidade

O vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Virgílio Antunes, reconheceu que a Igreja Católica em Portugal tem necessidade de uma “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização, nomeadamente no “acolhimento das pessoas”. Para o bispo de Coimbra, – que falou aos jornalistas após o encontro com a Secretaria Geral do Sínodo, que decorreu esta segunda-feira, 20 de maio, em Roma – é preciso fomentar “uma relação mais eficaz e mais eclesial entre os membros da hierarquia, a generalidade dos cristãos leigos, dos consagrados do povo de Deus”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This