Ditadura da esperteza ou psicopatia

| 20 Jan 20

Vivemos na era do destemor e do medo; da aceleração e da lentidão; das raivas e das guerras, mas também do desejo de paz; da ambição de conhecimento e da real ignorância sem qualquer sabedoria.

Enfim, existimos no tempo de tudo e de nada em que os perdidos se encontram e os encontrados parecem, tantas vezes, perdidos.

Somos cultos e iletrados, espertos e pouco inteligentes, inteligentes e pouco espertalhões.

Este é o caldo em que o ser humano submerge e, em simultâneo, tenta sobreviver.

O mundo que conhecemos e no qual vivemos está a ficar bizarro devido aos seus constantes paradoxos.

Muitos bons parecem maus e maus parecem bons; muitos genuínos surgem excessivamente discretos (se é que pode haver excesso de descrição) e muitos dissimulados aparecem como genuínos.

Vamos à história.

Era uma vez um homem.

E não é que era doutor?

Tinha duas especialidades – uma, a profissional. A outra, adquirida numa vida de infiltração e de manipulação. Estava nos melhores meios, não porque a eles pertencesse, mas porque neles se mostrava imprescindível, impingindo a sua presença única com um sedutor discurso, apesar de, tantas vezes, superficial. A verdade é que ninguém dava por isso.

Gozava, pois, de um bom verbo e de uma excelente memória. Sabia percentagens, decretos-lei, números de amostras, capítulos e versículos, enfim muito que fazia falta para impressionar quem o via ou ouvia.

Logo que teve pretexto negociou a sua estabilidade económica, mostrando quanta falta fazia.

Uma vez alcançada esta conquista, tratou de se colocar em lugares de destaque, sempre pela venda da sua imprescindibilidade, para aparecer, ser reconhecido e ir tratando, já agora, de garantir o seu epitáfio.

Tinha, afinal, o melhor dos dois mundos: ganhava muito, estava seguro, parecia e aparecia, era considerado como se representasse imenso, mas, afinal, servia-se dos outros a quem, recorrente e estrategicamente valorizava, para trepar nas suas frágeis omoplatas de bem-intencionados. Cada oportunidade era aproveitada para se fazer omnipotente.

É bem difícil abranger esta descrição maquiavélica que mais parece a trama de uma fita de terror, como antigamente se dizia. Sim, porque se hoje se disser fita, ninguém sabe do que se está a falar. Digamos que o enredo de uma série.

Retomemos – o pior é que estas são figuras com rosto de santos que andam por aí, estão onde não deviam e onde podem causar enormes danos.

Quantos são eles? Não sabemos de todos, mas conhecemos alguns.

Quem são eles e por onde andam? Não sabemos de todos nem todos os sítios, mas também conhecemos alguns.

Que pessoas são estas, sem experiência de culpa ou de remorso que estão onde não deviam; que ameaçam com ar de quem coopera e cujo único objetivo é o seu eu no centro?

São aqueles perto de todos que deviam estar longe da maior parte da gente; os vulgares psicopatas, hoje chamados de outra maneira; aqueles que nos engolem, mesmo ainda antes de termos percebido que estamos a ser mastigados; aqueles que dominam à procura de estatuto e de poder e não tardam em anunciar em sedes que consideram próprias que o conquistaram; os que entram de forma extremamente agradável na vida dos outros para que possam ficar no comando; os que têm raciocínio perfeito, mas a quem falta o amor e a empatia; os que desconhecem o arrependimento pelo mal que fazem; os que manipulam os outros como objetos, mas com lógica e coerência de pensamento…

Sou católica e, por isso, preocupam-me estes na nossa Igreja, nos nossos meios, nas nossas instituições, até nas famílias; os imparáveis na busca do próprio umbigo; os insaciáveis que nada mais querem do que tudo realizar aqui; aqueles que não concebem a vida humana apenas como uma etapa do seu existir, mas como o todo único para se fazer ser e, nisto, tudo jogar.

Que nos livremos dos que se identificam com estas descrições, mas que nunca o assumirão, nem que sejam descobertos.

Que a esperança nunca perdida seja o sentimento essencial de quem não pauta a sua conduta por esta mixórdia perigosa e perturbadora, de forma tão disfarçada e encoberta.

Que o otimismo dos dignos alcance a sua difícil vitória.

Artigos relacionados

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Campanha 15.000 euros para o 7M: no final de junho passámos os €12.000 !

Os donativos entregues por 136 leitores e amigos somaram, até terça, 30 de junho, €12.020,00. Estes números mostram uma grande adesão ao apelo que lançámos a 7 de junho, com o objetivo de reunirmos €15.000 para expandir o 7MARGENS ao longo do segundo semestre de 2020. A campanha decorre até ao final de julho e já só faltam menos de €3.000! Contamos consigo para a divulgar.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

CE volta a ter enviado especial para promover liberdade religiosa no mundo

O cargo de enviado especial para a defesa da liberdade religiosa tinha sido extinto no ano passado pela presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, mas as pressões de inúmeros líderes religiosos e políticos para reverter essa decisão parecem ter surtido efeito. O vice-presidente da CE, Margaritis Schinas, anunciou que a função irá ser recuperada.

Papa assinala sete anos da viagem a Lampedusa com missa especial online

O Papa Francisco celebra esta quarta-feira, 8 de julho, o sétimo aniversário daquela que foi a primeira (e talvez mais icónica) viagem do seu pontificado: a visita à ilha de Lampedusa. A data é assinalada com uma eucaristia presidida por Francisco na Casa Santa Marta, a qual terá início às 10 horas de Lisboa, e será transmitida online através dos meios de comunicação do Vaticano.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

Hospital pediátrico do Vaticano separa com êxito gémeas siamesas unidas pelo crâneo

O hospital pediátrico Bambino Gesú, em Roma, gerido pelo Vaticano, separou com êxito duas irmãs siamesas de 2 anos, que nasceram unidas pelo crâneo na República Centro Africana. A complexa operação, que durou 18 horas e contou com uma equipa de 30 profissionais de saúde, teve lugar no passado dia 5 de junho, mas o hospital só revelou todos os detalhes esta quarta-feira, 8 de julho, numa conferência de imprensa.

É notícia

Entre margens

Re-cristianizar é preciso! novidade

Muita gente pensa que se eliminarmos a religião da arena pública, também acabarão as noções éticas que (ainda) sustentam a nossa sociedade. Mas para essas pessoas a moral cristã é a mãe de todas as repressões. A sociedade utópica está na música de John Lennon. É preciso deixar de cultivar moralismos “medievais”. Sejamos livres. Sejamos livres para gritar e estrebuchar.

Do confinamento às Minas

Vestígios dos trilhos usados para o contrabando abundante nesta zona da raia. Algum complemento a um salário magro. Histórias de perigos, ousadia, dignidade, persistência e superação. Na aldeia de Santana das Cambas existe um Museu do Contrabando que soubemos estar encerrado.   
Curvo-me perante uma realidade que desconhecia, apenas intuía… Ao olhar para os mineiros envelhecidos e suas famílias passei a vê-los como heróis, príncipes daquela terra, figuras exemplares de cidadania e coragem.

A favor do argumento ontológico

A realidade é um extraordinário abismo de Ilimitado em todas as direções e dimensões. É isto o Absoluto. Não tendo na sua constituição nenhuma descontinuidade, nenhum vazio absoluto (pois nele o nada absoluto [ou Nada] não pode simplesmente ter lugar), o Absoluto é plenitude de Ser. A isto se chega pela simples consideração de que o Nada, precisamente por ser Nada, não existe nem pode existir, pelo que sobra “apenas” aquilo que existe de facto, que é Tudo.

Cultura e artes

Ennio Morricone na liturgia católica em Portugal novidade

Embora músico semi-profissional – pertencia então à Equipa Diocesana de Música do Porto, presidida pelo padre doutor Ferreira dos Santos – desconhecia por completo, em 1971, quem era Ennio Morricone: sabia apenas que era o autor de uma balada cantada por Joan Baez, que ele compusera para o filme Sacco e Vanzetti (1971). Não me lembro como me chegou às mãos um vinil com essa música. Também não tinha visto o filme e não sabia nada dos seus protagonistas que hoje sei tratar-se de dois anarquistas de origem italiana condenados à cadeira eléctrica nos Estados Unidos, em 1927, por alegadamente terem assassinado dois homens…

Aquilino e Bartolomeu dos Mártires: o “pai dos pobres e mártir sem desejos”

Aquilino Ribeiro, escritor de prosa escorreita, pujante, honrou a dignidade da língua portuguesa à altura de outros antigos prosadores de grande qualidade. Irmanado com a Natureza beirã: aves, árvores, animais e homens. Espirituoso e de fina ironia, é bem o Mestre da nossa Língua. Em “Dom Frei Bertolameu” faz uma espécie de hagiografia do arcebispo de Braga, D. Frei Bartolomeu dos Mártires (1514-1590), canonizado pelo Papa Francisco a 6 de Julho de 2019.

Ennio Morricone: O compositor que nos ensinou a “sonhar, emocionar e reflectir”

Na sequência de uma queda em casa, que lhe provocou a ruptura do fémur, o maestro e compositor italiano Ennio Morricone morreu esta segunda-feira em Roma, na unidade de saúde onde estava hospitalizado. Tinha 91 anos. O primeiro-ministro, Giuseppe Conte, evocou com “infinito reconhecimento” o “génio artístico” do compositor, que fez o público “sonhar, emocionar, refletir, escrevendo acordes memoráveis que permanecerão indeléveis na história da música e do cinema”.

Teologia bela, à escuta do Humano

Pensar a fé, a vivência e o exercício do espírito evangélico nos dias comuns, é a tarefa da teologia, mais do que enunciar e provar fórmulas doutrinárias. Tal exercício pede atenção, humildade e escuta dos rumores divinos na vida humana, no que de mais belo e também de mais dramático acontece na comunidade dos crentes e de toda a humanidade.

Sete Partidas

STOP nas nossas vidas: Parar e continuar

Ao chegar aos EUA tive que tirar a carta condução novamente. De raiz. Estudar o código. Praticar. Fazer testes. Nos EUA existe um sinal de trânsito que todos conhecemos. Porque é igual em todo o mundo. Diz “STOP”. Octogonal, fundo branco, letras brancas. Maiúsculas. Impossível não ver. Todos vemos. Nada de novo. O que me surpreendeu desde que cheguei aos EUA, é que aqui todos param num STOP. Mesmo. Não abrandam. Param. O carro imobiliza-se. As ruas desertas, sem trânsito. Um cruzamento com visibilidade total. Um bairro residencial. E o carro imobiliza-se. Não abranda. Para mesmo. E depois segue.

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco