Bíblia da CEP

Divulgada nova tradução para Livro do Apocalipse

| 3 Jan 2024

Bíblia, Livro do Apocalipse. Foto Direitos reservados

A maior parte dos estudiosos afirma que o Livro do Apocalipse pertence “à escola do autor do Quarto Evangelho”, São João . Foto: Direitos reservados

 

A comissão que coordena a nova tradução da Bíblia da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) lançou esta terça-feira, 2, o texto provisório do Livro do Apocalipse, o último do Novo Testamento.

Em nota enviada às redações, os tradutores lembram que este livro surge “no contexto de uma Igreja em dificuldades, a vários níveis”. “Para além dos conflitos vividos no seio da própria comunidade, as relações com o império romano eram particularmente difíceis”, assinalam.

Como o primeiro cristianismo se viu “forçado a conviver com a filosofia e a religião mistérica do mundo antigo, que tantas vezes ‘contaminava’ as recém-formadas comunidades cristãs locais”, este livro tem como objetivo “não só combater tais deturpações doutrinais como repreender as comunidades mornas, elogiar e incentivar as comunidades fiéis e que dão testemunho”, acrescenta o comunicado.

A apresentação da nova tradução do Apocalipse – livro que a maior parte dos estudiosos afirma que pertence “à escola do autor do Quarto Evangelho”, São João – acrescenta que a chave da sua interpretação é apresentada no capítulo cinco: “a história está nas mãos de Deus” e “é Ele que rege o sentido dos acontecimentos, para os conduzir segundo o seu plano salvífico”, em Jesus Cristo.

A tradução provisória do Livro do Apocalipese está disponível para download no site da CEP, podendo os interessados enviar sugestões e comentários através do endereço eletrónico biblia.cep@gmail.com.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Diocese de Braga propõe criação de ministério para o acolhimento e escuta

Sínodo sobre a sinodalidade

Diocese de Braga propõe criação de ministério para o acolhimento e escuta novidade

Apontar para a criação de novos ministérios na Igreja Católica e repensar os já existentes, apostando na formação de leigos para esse fim e tornar os conselhos pastorais efetivos nas comunidades cristãs, com funções consultivas, mas também “executivas” são alguns dos caminhos propostos pela Arquidiocese de Braga, no âmbito da consulta sinodal tendo em vista a segunda sessão do Sínodo sobre a Sinodalidade, que ocorrerá em outubro, no Vaticano. [Texto de Manuel Pinto]

Todos são responsáveis pela missão da Igreja

Relatório síntese do Patriarcado para o Sínodo

Todos são responsáveis pela missão da Igreja novidade

A necessidade de todos serem responsáveis pela missão da Igreja; o lugar central da família; a atenção às periferias humanas; a importância de ouvir as vozes dos que se sentem excluídos; o reforço dos Conselhos Pastorais Paroquiais; e a promoção da participação das mulheres nos ministérios, incluindo a reflexão sobre “a matéria pouco consensual” da sua ordenação – são alguns dos temas referidos no documento elaborado pela comissão sinodal do Patriarcado de Lisboa no âmbito da preparação da segunda assembleia do Sínodo sobre a sinodalidade.

Cada vez mais crianças morrem na Ucrânia por causa da guerra

“Aumento acentuado”

Cada vez mais crianças morrem na Ucrânia por causa da guerra novidade

O número de crianças mortas em território ucraniano devido à guerra com a Rússia está a subir exponencialmente. Em março, pelo menos 57 crianças morreram e, já durante os primeiros dez dias de abril, 23 perderam a vida. “A UNICEF está profundamente preocupada com o aumento acentuado do número de crianças mortas na Ucrânia, uma vez que muitas áreas continuam a ser atingidas por ataques intensos, 780 dias desde a escalada da guerra”, afirma Munir Mammadzade, representante na Ucrânia desta organização das Nações Unidas de apoio humanitário à infância.

Papa cria comissão independente para escutar as vítimas de abusos

Dominicanas do Espírito Santo, em França

Papa cria comissão independente para escutar as vítimas de abusos novidade

O Papa Francisco acaba de ordenar uma nova visita apostólica ao instituto francês das Dominicanas do Espírito Santo, a fim de aprofundar denúncias de abusos que ali se terão verificado nos primeiros anos da década passada. Esta decisão, anunciada por um comunicado emitido pelo próprio instituto nesta segunda-feira ao fim do dia, vem adensar ainda mais o contexto de várias polémicas vindas a lume nos últimos tempos, na sequência da expulsão de uma religiosa, decidida em 2021 pelo cardeal Marc Ouellet, então prefeito da Congregação para os Bispos

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This