Dizer “olha o fascista” resolve muito pouco

| 10 Out 19 | Entre Margens, Últimas

André Ventura entrou na Assembleia da República e, pela primeira vez, teremos uma organização partidária onde o populismo, a irresponsabilidade e a desinformação são parte fundamental do seu programa e das suas ideias. Vivemos dias difíceis e enfrentamos desafios que há muito têm lugar pela Europa e por algumas outras democracias liberais no mundo.

Le Pen é uma realidade há muito tempo, Salvini consolida-se em Itália, Trump irá, provavelmente, para o seu segundo mandato e Bolsonaro governa. Até aqui, ao lado, em Espanha, onde esta vaga também demorou a arrancar e num país que partilha de semelhanças interessantes com Portugal na organização e cultura política, Abascal, do Vox, vai ganhando força. Os exemplos são mais que muitos e as conclusões muitas vezes repetidas.

Muitas destas forças partilham um eleitorado com um nacionalismo realmente perigoso que vê aqui uma oportunidade de as democracias, sobre as quais são céticos, lhes darem voz. Contudo, ainda que possa admitir que, em alguns casos, estas pessoas até possam ter algum peso nas elites de decisão, não acredito que essa seja a maioria dos casos nem que seja muito relevante.

E não o é por um simples motivo. Na democracia representativa só tem força quem tem eleitorado a votar neles. E há quem esteja a votar nestes fenómenos políticos. Urge, consequentemente, resolver isto. Dos mais moderados aos menos moderados, há um espetro muito grande que reconhece que há um problema a resolver, para preservar a responsabilidade dos partidos em democracia representativa como forma de guiar a vontade dos cidadãos da melhor forma possível.

 

Porque aderem as pessoas a estes fenómenos?

Primeiro e o mais importante passo para resolver o problema: perceber por que é que estes fenómenos políticos têm adesão. A sociedade mais moderada nem sempre tem tido capacidade de perceber isto e o primeiro motivo é logo a falta de capacidade em distinguir ou definir conceitos, colocando tudo num mesmo saco de forma errónea. Várias vezes vi uma hostilização à Iniciativa Liberal, ou até mesmo ao PSD no período de Pedro Passos Coelho que, independentemente das análises políticas, não tem qualquer sentido. Não devemos equipará-los a projetos nacionalistas e populistas como por vezes vejo. Não, não é tudo fascista e pronto. E isto tira credibilidade a quem quer andar por aí a alertar quem é fascista. Sobretudo quando nestes dois exemplos estamos perante ideias enquadradas perfeitamente no espaço democrático moderado. Conhecemos todos a história de “Pedro e o Lobo”.

Mas a verdade é que nem agora, onde, de facto, a moderação acabou e o perigo chegou, o termo fascismo faz propriamente sentido. O que se passa hoje é algo diferente. Não quero, contudo, perder-me em discussões sobre o que significa ou não o termo: essa discussão é pouco útil. Sabemos que esta nova vaga política tem de ser combatida e isso é que importa.

Acerca do Chega: os resultados mais elevados deste partido registam-se a sul do Tejo (Portalegre, Faro, Beja, Évora, Lisboa e Santarém, com 2% ou mais), onde, precisamente, a esquerda é tradicionalmente mais forte. Verifica-se ainda um foco em zonas de potencial conflito social, sobretudo étnico, como algumas freguesias de Sintra, Seixal, Montijo ou Loures. Estes dados são reveladores do potencial crescimento do Chega, das zonas sensíveis e do eleitor-tipo.

Todo o populismo europeu tem tido razões de ascensão por problemas nacionais específicos. Em Espanha, a crise económica e as crises partidárias e institucionais, sobretudo a nível da corrupção. Em Inglaterra, Alemanha, Países Baixos, etc. tem muito que ver com a gestão da imigração. Em Itália ou Hungria tem muito que ver com a gestão direta das rotas migratórias dos refugiados. Em França há um misto de imigração e uma revolta para com a globalização e integração económica que retirou as indústrias do país.

Portugal terá, portanto, razões específicas para a ascensão deste tipo de discurso. Em todos os casos existe um exagero dos impactos dos problemas ou um exagero na forma como esses agentes vendem a necessidade da sua solução. Em Portugal temos, por exemplo, a corrupção e o companheirismo entre as instituições, que é um problema, de facto, mas que não se resolve com as propostas de André Ventura.

 

Munidos de informação, paciência e argumentos

Mas há também outras matérias que são claros exageros e que vivem de meios de comunicação que lhes aumentam a escala. Este é o caso da segurança, por exemplo. Portugal é um país muito seguro, quando comparado com o resto do mundo, inclusivamente relativamente a países com poder de compra e qualidade de vida bastante superior. No que toca à própria integração de comunidades mais marginalizadas, estamos longe de sofrer os problemas de outros países europeus, por vários motivos que não pretendo agora detalhar.

Esta política que não sabe pesar impactos de problemas e de medidas não é nova nem se resume ao populismo que aqui falo. O próprio PAN tem matérias e assuntos que coloca no centro do debate público e que são, comparativamente, menos relevantes ou prioritários que outros. E isso vem de uma incapacidade de pesar impactos de medidas na vida das pessoas e no caminho em prol do bem comum.

Ora, as pessoas que querem acabar com a “impunidade” da corrupção, que entendem que Portugal não é um país seguro, que se lamentam com um país que vive pior hoje do que vivia antes da abertura ao mundo liberal e até mesmo as que entendem que há certos grupos que vivem às custas do sistema, não acordaram fascistas no dia 6 de Outubro. A democracia só faz sentido se partirmos do pressuposto de que é possível convencer o eleitorado. No entanto, muitas vezes temos perdido a capacidade de sermos pedagógicos nesse processo. A verdade é que muito dos argumentos e ideias do André Ventura são facilmente desconstruídos, temos é de chegar ao seu eleitorado e explicar isso. E creio que já o soubemos fazer.

Enquanto perdermos o nosso tempo (pessoas e média) apenas a chamar fascista ou extrema-direita a André Ventura (independentemente de o ser ou não) e nos ficarmos por aí, só estamos a alimentar a ideia do mártir anti-sistema, dando o combustível que ele pretende. Mas isso só acontece quando a discussão fica rasteira. Façamos como Macron fez com Le Pen e destruamos essas fracas ideias em debate.

Nós, os moderados, percamos tempo a conversar com aquele amigo ou aquele familiar a explicar porque é que cada uma daquelas propostas de André Ventura não fazem sentido, ou que se baseiam em desinformação. Acreditar na democracia é não deixar os eleitores para trás, porque todos os votos valem o mesmo. Não esqueçamos que todos nós somos condicionados pelos nossos contextos, a nossa formação, o nosso meio, os nossos medos, as nossas paixões. Todos nós já fomos enganados, já fomos teimosos ou já insistimos que não fomos enganados e não fomos teimosos. Todos nós temos de reconhecer que a racionalidade ilimitada é coisa dos modelos económicos apenas.

É por isso que espero que, durante estes quatro anos, façamos todos um esforço para combater o Chega, munidos de informação, paciência e argumentos e não com insultos e frases feitas.

 

João Catarino Campos é estudante de Economia no ISEG – Lisbon School of Economics and Management e vice-presidente da comissão executiva do Conselho Nacional de Debates Universitários. Contacto: joaopccampos24@gmail.com

Artigos relacionados

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Pelo menos 14 cristãos protestantes foram “executados” durante o serviço religioso que decorria neste domingo, numa igreja protestante no leste do Burkina Faso. O ataque ocorreu em Hantoukoura, perto da fronteira com o Níger (leste do país) e terá sido executado por um dos vários grupos jihadistas que operam na região.

Apoie o 7 Margens

Breves

Cordão humano pelo direito a horários dignos e compatíveis com vida familiar novidade

Um cordão humano de trabalhadores do comércio e serviços manifestou-se nesta quinta-feira, 12, diante do centro comercial Vasco da Gama, em Lisboa, a pedir horários dignos, a conciliação entre a vida profissional e familiar e melhores salários. Na acção de sensibilização, organizada pelo Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), filiado na CGTP-IN, os trabalhadores empunharam faixas e distribuíram panfletos contestando a “violência e desumanização dos horários de trabalho” que impedem muitos de acompanhar os filhos menores, por exemplo.

Formação sobre cuidador informal começa em Lisboa

Consciencializar todos os que se confrontam com familiares em situações limite de dependência e doença prolongada é um dos objectivos principais da formação sobre cuidadores informais promovida pela paróquia de São Lourenço de Carnide (Igreja de Nossa Senhora da Luz), que nesta quinta-feira, 12 de Dezembro, se inicia em Lisboa.

Formação avançada em património religioso lançada na Católica

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro novidade

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Taizé e os jovens: uma experiência que marca

Ao longo dos anos em que tenho participado nos encontros de Taizé, no âmbito da minha docência na disciplina de Educação Moral e Religiosa Católica, acompanhando e partilhando esta experiência com algumas centenas de alunos, tenho-me interrogado acerca do que significa aquilo a que chamamos “espiritualidade de Taizé” – que, no meu entender, é o que leva, ano após ano, milhares de jovens, a maioria repetidas vezes, à colina da pequena aldeia da Borgonha (França).

A escultura que incomoda a Praça de São Pedro

Foi na Praça de São Pedro, dentro desses braços que abraçam o mundo inteiro, que o Papa Francisco quis colocar um conjunto escultórico dedicado aos refugiados, o “anjo inconsciente”. De bronze e argila, representa uma embarcação com algumas dezenas de refugiados, tendo à frente uma mulher grávida ao lado de uma criança, de um judeu ortodoxo e de uma mulher muçulmana com o seu niqab.

Cultura e artes

Joker, o desafio da diferença

Filmes baseados em banda desenhada não faltam, mas este Joker é diferente. Para melhor. É o único representante desta década nos vinte melhores filmes de sempre da IMDb e parece-me sério candidato aos Óscares de melhor ator, realizador e banda sonora.

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

“Dois Papas”: um filme sobre a transição na Igreja Católica

Dois Papas é um filme do realizador brasileiro Fernando Meirelles (A CIdade de Deus) que, através de uma conversa imaginada, traduz a necessidade universal de tolerância e, mesmo sendo fantasiado, o retrato das duas figuras mais destacadas da história contemporânea da Igreja Católica. O filme, exclusivo no Netflix, retrata uma série de encontros entre o, à altura, cardeal Jorge Bergoglio (interpretado por Jonathan Pryce) e o atual Papa emérito Bento XVI (interpretado por Anthony Hopkins).

Livro sobre “o facto” Simão Pedro apresentado em Lisboa

Um livro que pretende ser “um testemunho, fruto de uma meditação” sobre a vida do apóstolo Pedro, será apresentado nesta segunda-feira, 2 de Dezembro, em Lisboa (Igreja paroquial de Nossa Senhora de Fátima, Av. Berna, 18h30). Da autoria do padre Arnaldo Pinto Cardoso, Simão Pedro – Testemunho e Memória do Discípulo de Jesus Cristo pretende analisar o “facto de Pedro” que se impôs ao autor, fruto de longos anos de estadia em Roma, a partir de diferentes manifestações.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Dez
14
Sáb
3º Concerto de Natal da Academia de Música de Santa Cecília @ Basílica do Palácio Nacional de Mafra
Dez 14@21:00_22:30

Entrada gratuita mediante o levantamento de bilhetes nos Postos de Turismo de Mafra e Ericeira

 

A Academia de Música de Santa Cecília, escola de ensino integrado de música, apresenta o seu terceiro concerto de Natal nos dias 14 e 15 de Dezembro, no Palácio Nacional de Mafra, classificado recentemente como Património Cultural Mundial da UNESCO.

Neste concerto participa um coro constituído por 250 crianças e jovens dos 10 aos 17 anos e uma orquestra de cordas de alunos da escola, a soprano Ana Paula Russo e ainda o conjunto, único no mundo, dos seis órgãos da Basílica de Mafra.

No programa estão representados vários compositores nacionais e estrangeiros, destacando-se a obra “Seus braços dão Vida ao mundo”, sobre um poema de José Régio, da autoria da jovem Francisca Pizarro, aluna finalista do Curso Secundário de Composição da Academia de Música de Santa Cecília.

O concerto assume especial importância não apenas pela singularidade do conjunto dos seis órgãos do Palácio Nacional de Mafra mas também pela dimensão do número de jovens músicos envolvidos.

A relevância do concerto manifestou-se em edições anteriores (2016 e 2017), pela sua transmissão integral na RTP2, tendo o concerto de Natal de 2017 sido difundido em directo para a União Europeia de Rádio. O concerto tem o patrocínio da Câmara Municipal de Mafra.

Programa do concerto

Arr. Carlos Garcia (1983)
Ó Pastores, Pastorinhos (tradicional de Alferrarede)

Francisca Pizzaro (2001)
Seus braços dão Vida ao mundo (sobre um poema de José Régio), obra em estreia absoluta, encomendada para a ocasião; Francisca Pizarro é aluna do curso secundário de Composição da AMSC

Arr. Fernando Lopes-Graça (1906-1994)
O Menino nas Palhas (tradicional da Beira Baixa)

Eurico Carrapatoso (1962)
Dece do Ceo (sobre um poema de Luís de Camões)

Arr. Carlos Garcia
Gloria in excelsis Deo (tradicional francesa) *

Franz Xaver Gruber (1787-1863) Arr. Carlos Garcia
Stille Nacht

Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791)
Alleluia, do moteto Exsultate, jubilate

Tradicional francesa
Quand Dieu naquit à Noël

Louis-Claude Daquin (1694-1772)
Noël X

Arr. Malcolm Sargent (1895-1967)
Zither Carol (tradicional da República Checa)

Tradicional do País de Gales
Deck the Halls

John Henry Hopkins Jr. (1820-1891); Arr. Martin Neary (1940)
We three Kings

Arr. Mack Wilberg (1955)
Ding! Dong! Merrily on High (tradicional francesa)

Arr. David Willcocks (1919-2015)
Adeste Fideles (tradicional), com a participação do público.

CANTORES E MÚSICOS
Ana Paula Russo, soprano

Ensemble Vocal da AMSC
Coro do 2º Ciclo da AMSC
Coros do 3º Ciclo e Secundário da AMSC

Orquestra de Cordas da AMSC
Pedro Martins, percussão

Rui Paiva, órgão da Epístola
Flávia Almeida Castro, órgão do Evangelho
Carlos Garcia, órgão de S. Pedro d’Alcântara
João Valério (aluno da AMSC), órgão do Sacramento Liliana Silva, órgão da Conceição
Afonso Dias (ex-aluno da AMSC), órgão de Sta. Bárbara

Carlos Silva, direcção da orquestra

António Gonçalves, direcção

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco