Músico morre aos 79 anos

Do Apocalipse às conexões invisíveis de Vangelis

| 28 Mai 2022

Evángelos Odysséas Papathanasious (1943-2022)

Evángelos Odysséas Papathanasious (1943-2022). Foto: Direitos reservados.

 

Este “rapaz” não foi só o autor de algumas das bandas sonoras que percorreram os nossos dias… se em 1981 foi Chariots of Fire (com a qual ganhou um Óscar), logo em 1982 assinou a fantástica BSO (banda sonora original) de Blade Runner… E, dez anos depois, outra que “polvilhou” o país de norte a sul (até porque acompanhou, também, uma campanha eleitoral): 1492: a conquista do Paraíso.

A carreira de Vangelis tinha-se iniciado, no entanto, bem antes, ainda na década de 60 do século passado, prolongando-se até setembro de 2021, quando editou Juno to Jupiter, na Decca Records (trabalho que contou com a colaboração da soprano Angela Gheorghiu). Em todo este longo e bastante diverso percurso destacam-se alguns notáveis trabalhos e um experimentalismo que fizeram dele um dos fundamentais nomes da música eletrónica.

Evángelos Odysséas Papathanassiou nasceu a 29 de março de 1943 em Agria, na Tessália, uma pequena cidade da costa leste grega pertencente ao município de Vólos (centro do país, entre Atenas e Tessalónica), e morreu no passado dia 17 de maio, em Paris, aos 79 anos.

Em 1967, com os seus amigos e conterrâneos Demis Roussos (voz, baixo, guitarras acústica e elétrica), Loukas Sideras (bateria, voz) e Silver Koulouris (guitarra elétrica), Vangelis (teclados, flautas) forma os Aphrodite’s Child, uma banda de rock progressivo com assumidas influências psicadélicas que teve uma curta vida: em 1970, o projeto conceptual que o músico idealiza e impõe acentua sobremaneira essas linguagens musicais; a cisão com os restantes elementos leva ao fim da banda (Demis Roussos, que haveria de ter uma carreira a solo mais marcada pelas referências pop, tinha gravado o seu primeiro disco a solo), apesar de terem iniciado o processo de gravação de 666, duplo álbum escrito de parceria com o letrista Costas Ferris e onde conta, já, com a colaboração de Irene Papas (a ela regressarei, por conta das parcerias futuras). O álbum é inteiramente baseado no Livro do Apocalipse, ou da Revelação, o mesmo que havia já inspirado autores tão diversos como Miguel Ângelo, Johann Sebastian Bach, Olivier Messiaen[1]

Em 666 é-nos proposta uma releitura do livro de São João: nela, uma trupe circense apresenta, à sua audiência, uma performance baseada no livro do Apocalipse enquanto, no exterior da tenda, acontece o Apocalipse (ele mesmo!) para, no final, os dois eventos se fundirem num só. Se Costas Ferris classifica este trabalho como um concept book, as referências a Tommy (a ópera rock dos The Who) e a Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles (desde logo, a trupe de circo) são, para alguns autores, evidentes[2].

Enquanto se arrastam as gravações de 666, Vangelis avança com vários projetos para televisão, cinema e teatro: Sex Power (1970), L’Apocalypse des Animaux (série documental francesa, de 1970, realizada por Frédéric Rossif, cujo disco é editado em 1973). É, pois, o início de uma longa carreira que conta com mais de duas dezenas de álbuns de estúdio (onde se incluem dois não oficiais), doze bandas sonoras, para além de imensas e marcantes colaborações.

Saliento, desde logo, a menos conhecida com Maria Amalia “Melina” Mercouri (atriz, cantora, ativista e política; ministra da Cultura entre 1981-1989 e 1993-1994; responsável pela criação da “Capital Europeia da Cultura”, em 1985), com quem grava o tema Je Te Dirai Les Mots (1974), incluído no álbum Si Melina… M’Etait Contée.

Voltemos a Irene Papas, como prometido: enquanto atriz, havia tido participações marcantes em diversos filmes, de que se destacam Os Canhões de Navarone (1961), Zorba, o Grego (1964), The Trojan Women (1971; prémio Melhor Atriz para o National Board of Review), Iphigenia (1977), tendo desempenhado os papéis principais em Antigone (1961; prémio Melhor Atriz no Berlin International Film Festival) e Electra (1962). Foi, ainda, agraciada com vários prémios de carreira. 

A carreira na música inicia-a em 1968 com Songs of Theodorakis, um álbum com onze canções de Mikis Theodorakis. Em 1979 edita Odes, agora com Vangelis, um disco de canções tradicionais gregas, inteiramente produzido pelo multi-instrumentista. Já em Rapsodies, de 1986, a dupla explora a riqueza (poética e musical) dos cantos litúrgicos da tradição ortodoxa grega.

Esta frutuosa parceria, do ponto de vista musical, abre outros caminhos à música de Vangelis, pelas diversas referências da música tradicional que carregam.

A mais conhecida e mais prolongada das colaborações que mantém, contudo, é a que estabelece com Jon Anderson, o vocalista da banda de rock progressivo Yes, selada em duo batizado de Jon and Vangelis: daqui resultaram Short Stories (1980), The Friends of Mr. Cairo (1981), Private Collection (1983) e Page of Life (1991), os três primeiros com assinaláveis êxitos.

De todo o percurso que Vangelis vai trilhando, é sobejamente conhecida a exploração que ele faz de toda a instrumentação eletrónica, conseguindo percorrer caminhos que o levam do rock progressivo à eletrónica, da respiração clássica ou sinfónica à world music, passando pelas linguagens do jazz e as referências à música ambiente e, por fim (but not least), o trabalho, profundo e por vezes notável, na chamada música avant-garde/experimental.

Se em Heaven and Hell (1975), Albedo 0.39 (1976), Spiral (1977), Beaubourg (1978), China (1979), aceita inspirações tão díspares quanto o universo, a filosofia Tao, o Centro Georges Pompidou e a cultura chinesa, em See You Later (1980) espreita a sátira e o experimentalismo. A sua paixão pela ciência e pelo experimentalismo leva-o a editar, sucessivamente:
Soil Festivities em 1984, inspirado na interação entre a natureza e os seus seres vivos microscópicos;
Invisible Connections (1985, com o selo da prestigiadíssima Deutsche Grammophon) que se inspira no mundo das partículas elementares invisíveis a olho nu;
Mask, também de 1985, sobre a temática da máscara, artefacto milenar desde sempre usado para ocultar, por mistério ou diversão;
e, por último, Direct (1988), primeiro disco da era post-Nemo Studios (o estúdio de Vangelis em Londres), centrado no método de composição e gravação do músico em que a espontaneidade é fundamental, processo permitido pelo facto de a composição e a gravação poderem ocorrer simultaneamente.

A todos quantos queiram partir para essa descoberta (no caso de ainda não a terem concretizado), ficam mais umas quantas sugestões, musicais e escritas.

Fontes escritas

Aphrodite’s Child:
https://en.wikipedia.org/wiki/Aphrodite%27s_Child,
https://en.wikipedia.org/wiki/666_(Aphrodite%27s_Child_album)

Vangelis:
https://en.wikipedia.org/wiki/Vangelis,
https://en.wikipedia.org/wiki/Vangelis_discography

[consultados em linha a 21-23 de maio de 2022].

Rui Miguel Abreu, O que nos deixou Vangelis, o mestre do som épico? Rock progressivo, grandes bandas sonoras e a ‘arma secreta’ de António Guterres, consultado em linha a 22 de maio de 2022.

Frederico Batista: Ilustres Desconhecidos: Aphrodite’s Child, publicado a 21 de janeiro de 2009 e consultado em linha a 22 de maio de 2022.

John Schaefer (June 1985). “New Sounds”Spin. Vol. 1, no. 2. p. 49. ISSN 0886-3032. in: https://books.google.pt/books?redir_esc=y&hl=pt-PT&id=16jp_aFRHdgC&q=Vangelis#v=onepage&q=Vangelis%20&f=false, consultado em linha a 23 de maio de 2022.

Nemo. http://www.nemostudios.co.uk/nemo/main/vangelis/v07.htm, consultado em linha a 23 de maio de 2022.

Melina Mercouri. https://en.wikipedia.org/wiki/Melina_Mercouri, consultado em linha a 21 de maio de 2022.

Irene Papas:
https://en.wikipedia.org/wiki/Irene_Papas
https://en.wikipedia.org/wiki/Odes_(Irene_Papas_album)
https://en.wikipedia.org/wiki/Rapsodies
consultados em linha a 21-23 de maio de 2022.

Jon Anderson. https://en.wikipedia.org/wiki/Jon_Anderson, consultado em linha a 23 de maio de 2022.

 

Notas
[1] cf. Bíblia. volume II – Novo Testamento: Apóstolos, Epístolas, Apocalipse. Tradução do texto grego, apresentação e notas de Frederico Lourenço. Lisboa: Quetzal Editores. 2017. pp. 551-554
[2] cf. Engelen, Henk, “The concept book synopsis”, in: Vangelis Lyrics, consultado em linha a 23 maio 2022

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

À espera

[Os dias da semana]

À espera novidade

Quase todos se apresentam voltados para o sítio onde estão Maria e José, que têm, mais por perto, a companhia de um burro e de uma vaca. Todos esperam. Ao centro, a manjedoura em que, em breve, será colocado o recém-nascido. É tempo agora de preparar a sua chegada, esse imenso acontecimento, afinal de todas as horas.

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas

Novo cargo no Vaticano

Bispo Carlos Azevedo passa da Cultura para as Ciências Históricas novidade

O bispo português Carlos Azevedo foi nomeado neste sábado para o lugar de delegado (“número dois”) do Comité Pontifício para as Ciências Históricas, deixando o cargo equivalente que desempenhava no Dicastério para a Cultura e a Educação, da Santa Sé, que há poucas semanas passou a ser dirigido pelo também português cardeal José Tolentino Mendonça.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This