Do desconforto das mulheres judias à oração no Muro das Lamentações

| 3 Mar 19

Ilustração © Sara Naves

Sendo a religião monoteísta mais antiga do Mundo, o papel das mulheres no judaísmo tem evoluído ao longo dos séculos. Atualmente, as duas maiores comunidades de judeus no mundo encontram-se nos Estados Unidos e em Israel.

Segundo os textos mais clássicos do judaísmo – não só a Bíblia, como também o Talmude e outros –, sempre existiram algumas diferenças entre os géneros. Nos primórdios dos tempos bíblicos, o casamento e a lei familiar favorecia os homens – por exemplo, o marido podia-se divorciar da mulher se quisesse, mas a mulher só se podia divorciar do homem com o seu consentimento.

A literatura clássica, como o Talmude, tem várias citações que colocam as mulheres subordinadas aos homens. Mas o contrário, por vezes, também acontece, com as mulheres colocadas num patamar superior ao dos homens:

  • Maior é a recompensa dada pelo Todo-Poderoso à (justa) mulher do que ao (justo) homem;
  • Um homem sem mulher vive sem alegria, benção e bem; um homem deve amar a sua mulher como a ele mesmo e respeitá-la mais do que a ele próprio;
  • Dez formas de discurso desceram ao mundo, as mulheres ficaram com nove;
  • As mulheres têm mais fé que os homens;
  • As mulheres têm um grande poder de discernimento.

Conforme se lê no portal digital Judaism 101, o Talmude acentua os papéis da mulher como mãe, esposa e cuidadora do lar. As mulheres são desencorajadas de ir para o ensino superior, sob pena de negligenciarem o seu dever primário como mães e esposas.  Como tal, tradicionalmente, a mulher judia estava dispensada de várias atividades religiosas que são apenas obrigações dos homens, para que os seus deveres de mãe não fossem comprometidos. Esta isenção diminui o papel da mulher na sinagoga, lugar da assembleia da comunidade, algo muitas vezes visto como menos importante que o papel dos homens no judaísmo. Aliás, para constituir tradicionalmente uma comunidade que se reúne numa sinagoga, são necessários pelo menos dez homens.

Rachel Adler, professora de Pensamento Judaico Moderno, teóloga e feminista, considera que muitas mulheres judias comprometidas com a sua fé se sentem “desconfortáveis com a sua posição no judaísmo”. No seu ensaio de 1971 The Jew Who Wasn’t There: Halacha and The Jewish Women(O Judeu que não estava lá: Halacha e as mulheres judias), Adler afirma que não se identifica com os estereótipos da mulher judia modesta e mãe. Analisa depois os preceitos de Halacha, as regras que devem ser seguidas para cumprir os preceitos da Torá.  

Para muitos, esta perspetiva feminista foi considerada inovadora na desconstrução dos papéis de género no judaísmo.

Recentemente entrevistada para um portal de notícias judaicas da Califórnia, Adler considera que é necessário inserir um olhar feminino na Torá e no Talmude, para que a Halacha se possa transformar num veículo de cura e não “numa ferramenta de opressão”. A professora comenta ainda que o movimento Me Too pode e deve encorajar uma revisão dos preceitos religiosos.

 

Do sexismo ortodoxo às primeiras mulheres-rabis

Hoje em dia, tal como em outras confissões, as diferentes correntes do judaísmo apresentam diferentes perspetivas do papel da mulher.

A ortodoxia judaica incluiultra-ortodoxos, ortodoxos e ortodoxos modernos. São, em geral, o ramo mais conservador dos judeus, as expectativas sobre as mulheres baseiam-se quase exclusivamente naquilo que está consagrado na Halacha. As vestes devem ser modestas, o cabelo tem de permanecer coberto e as regras acerca da escolaridade e do papel da mulher no lar são iguais às dos tempos bíblicos iniciais.

Enquanto que muitas mulheres se conformam a este estilo de vida mais regrado, outras tentam explorar o âmbito em que se encontram, permanecendo nos limites da sua fé. Em Nova Iorque, duas irmãs criaram uma linha de roupa dentro das regras do judaísmo ortodoxo, para que as mulheres se pudessem sentir bonitas mesmo vestindo-se modestamente. No mesmo estado, três mulheres ortodoxas criaram uma banda de rock e dão concertos só para mulheres – algo a que as mulheres não podem normalmente assistir

Num âmbito mais teológico, a americana Lila Kagedan, uma das poucas rabinas ortodoxas (ainda que o Conselho Rabínico dos Estados Unidos não a reconheça como tal) considera que é importante que se continue a insistir no acesso das mulheres ao rabinato: “O sexismo está muito presente na comunidade judaica. Este é um desafio que requer uma mudança cultural e filosófica radical para ser solucionado. Não é fácil conciliar filosofia antiga com valores contemporâneos. Mas agora, mais do que nunca, as mulheres líderes no judaísmo ortodoxo devem ser encorajadas a levantar-se e a ser bem sucedidas.”

Se nos ramos mais conservadores a mudança ainda passa pelo papel da mulher na sociedade, nos ramos mais liberais as mudanças são perspetivadas a um nível teológico. “Apenas recentemente as mulheres se tornaram professoras de teologia, rabis e contribuidoras para a Halacha”, dizia também Rachel Adler.

Até ao Renascimento judaico (Haskalah) nos séculos XVIII e XIX, a ideia de mulheres rabis parecia remota. Mas, nas últimas décadas, começou a assistir-se à formação de várias mulheres em escolas de rabis. A maioria das mulheres-rabis hoje em dia foram consagradas em seminários conservadores, reformadores ou reconstrucionistas. A primeira mulher-rabi oficial foi Regina Jonas, de Berlim Leste, consagrada a 25 de Dezembro de 1935 como rabi das comunidades judias da Alemanha. Nos Estados Unidos, o movimento Reformador ordenou a primeira rabina em 1972, o Reconstrucionista em 1974 e o conservador em 1985.

 

Rezar no Muro das Lamentações

Judeus a rezar no Muro das Lamentações: mulheres judias também querem ter acesso ao local em igualdade de circunstâncias (Foto © Richard van Liessum/Pixabay)

 

Nas comunidades conservadoras do judaísmo,a perspetiva é a de que a Halacha é vinculativa mas está sempre em evolução.

Em dezembro de 1977, uma assembleia de rabis e o Seminário Teológico Judeu criaram a Comissão para o Estudo da Ordenação das Mulheres como Rabis: daí a um ano, os onze membros concluíram não haver objeção à preparação e consagração de mulheres.

Entre as comunidades reformadoras, desde o início que se permite a homens e mulheres rezarem juntos. À medida que o papel da mulher foi mudando na sociedade, durante o século XX, formou-se nos Estados Unidos o Conselho Nacional de Mulheres Judias, que permitiu a entrada das mulheres no rabinato.

Os reconstrucionistas, finalmente, fundados por Mordecai Kaplan, um judeu estadunidense professor de teologia, têm mulheres rabis desde a sua formação, em 1968. Tal como os reformadores, acreditam que os homens e as mulheres têm direitos iguais, independentemente da Halacha.

Em Israel também tem havido mudanças. A organização Women of The Wall (WOW), um grupo fundado em 1988, defende que as mulheres devem poder rezar como um grupo (lendo a Torá) no Muro das Lamentações. Atualmente, a lei de Israel não permite que isto aconteça e uma mulher que o tente pode ser condenada a seis meses de prisão. As WOW integram milhares de mulheres de todo o mundo e de todos os ramos do judaísmo, incluindo ortodoxos

A 31 de Janeiro de 2016, o Governo israelita aprovou a criação de um espaço de prece igualitário onde mulheres judias (não-ortodoxas) e homens pudessem rezar no Muro das Lamentações. Esta decisão foi celebrada por vários líderes judeus mundiais e condenada por líderes ortodoxos.

Shoshana Gugenheim tornou-se uma das primeiras mulheres tradutoras da Torá em Israel e, em 2010, foi a líder do grupo de seis mulheres tradutoras The Women’s Torah Project. O projeto foi traduzido para a sinagoga Reconstrucionista de Seattle, em Washington (Estados Unidos).

Quão grandes são as diferenças de género dentro de cada religião? E o que querem as mulheres crentes em cada uma das confissões? Até 8 de Março, Dia Internacional da Mulher, o 7MARGENS irá traçar um retrato da situação das mulheres nas principais tradições religiosas e falará dos debates existentes sobre os seus papéis dentro das diferentes confissões. 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Breves

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Boas notícias

Os ucranianos cantaram e a unidade entre cristãos até parece ser mais fácil

Encontro de Taizé em Rostock

Os ucranianos cantaram e a unidade entre cristãos até parece ser mais fácil

Mário Reis nunca tinha ouvido um aplauso tão longo em toda a sua vida, em nenhum dos concertos aos quais foi até hoje, em nenhuma das peças de teatro às quais assistiu, nem tão-pouco no final de algum discurso que tenha escutado. No dia em que ouviu esse aplauso, ou melhor, nessa noite, Mário não estava em nenhum espetáculo ou conferência inspiradora: estava numa oração ecuménica, mais propriamente no Encontro Europeu de Taizé, que decorreu de 28 de dezembro a 1 de janeiro na cidade de Rostock, numa das regiões mais secularizadas da Alemanha.

É notícia 

Entre margens

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Luís Moita, um amigo grande que partiu

Luís Moita, um amigo grande que partiu

Não esqueço de modo nenhum o tempo de companheirismo de ano e de turma, desde a idade dos 14/15 anos, no seminário de Almada prolongando-se depois pelo dos Olivais, ao todo num período de nove anos. O Luís evidenciava-se pela inteligência, sem nunca fazer disso pedestal para sobressair; sempre a cumplicidade alegre, brincalhona e solidária com todos os colegas. E assim foi crescendo, evidenciando-se sempre sem nunca deixar de ser o mesmo.

Eutanásia numa sociedade pluralista

Eutanásia numa sociedade pluralista

A eutanásia nada mais é do que o cumprimento da vontade soberana do indivíduo de querer pôr termo a uma vida que, pelas mais variadas razões, considera destituída de sentido. A legalização da eutanásia revela tão-só o respeito do Estado pela autonomia individual e a garantia de que o indivíduo terá todo o apoio necessário para que a sua vontade soberana se possa cumprir.

Cultura e artes

Os meus livros também

Os meus livros também

… são para mim motivo de cuidados. Por razões de espaço e, como diz a minha mulher, por estar a criar problemas aos meus filhos: que farão, depois, dos meus livros? O que quiserem, é claro. Já tive de dar, com gosto e desgosto, muitos deles. Mas o maior dos meus problemas, quanto aos livros, é que já não terei tempo para ler aqueles que tenho mesmo de ler.

E se os Simpsons fossem uma família judia deportada para Auschwitz?

Murais recordam vítimas do Holocausto

E se os Simpsons fossem uma família judia deportada para Auschwitz?

Homer, Marge, Bart, Lisa e Maggie: se a família criada por Matt Groening tivesse vivido em Itália nos anos 40 e fosse judia, teria certamente sido forçada a partir da Plataforma 21, na Estação Central de Milão, com destino aos campos de concentração de Auschwitz. Sobreviveriam? O ativista e artista pop contemporâneo aleXsandro Palombo quer acreditar que sim, mas nunca mais seriam os mesmos. Assim, para assinalar o Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto (27 de janeiro), retratou-os junto a essa mesma estação, num “antes e depois” que não deixa ninguém que ali passe indiferente.

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade

Doutora honoris causa pelo ISPA

Maria Emília Brederode Santos: uma mulher de liberdade

Maria Emília Brederode Santos é uma mulher de liberdade. Foi esta a mensagem que se destacou do discurso de elogio proferido pelo professor José Ornelas na cerimónia de atribuição do doutoramento honoris causa, pelo ISPA – Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida, a Maria Emília Brederode Santos. Sala cheia e muitos aplausos, para homenagear esta grande humanista com uma vida política, social e cultural intensa.

Sete Partidas

O livro que ele não escolheu

O livro que ele não escolheu

E esse homem que lê o livro que não escolheu. Derrama a imaginação no sarcasmo do travesseiro que é degrau de livraria. Então eu sei que o livro é pai e mãe, e voz serena para embalar quem vai dormir. Só que o sono não chega porque a serenidade não cabe nas páginas de quem continua preta.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This