Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

| 1 Jul 2022

ara votiva romana Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa

O pequeno altar em pedra granítica tem cerca de 80 cm de altura e 36 a 38 de largura e profundidade. Foto: Direitos reservados.

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público.

A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse. No ato desta sexta-feira, na sala do MADDS em que a peça ficou exposta, foi feito o reconhecimento público à família doadora, representada pelo engº Afonso Braga da Cruz.

O pequeno altar em pedra granítica tem cerca de 80 cm de altura e 36 a 38 de largura e profundidade, e apresenta na face a inscrição latina seguinte:

ANICIU // S. ARQULI // VOTUM // OCAERE // SOLVIT

que deverá significar que uma pessoa de nome Anicius, da família de Arquilius, saldou com satisfação o voto que fizera a Ocaere.

De especial interesse nesta inscrição é o teónimo (nome de divindade) OCAERE que, como explicou na sessão o arqueólogo e especialista em epigrafia Armando Redentor, deve ser uma divindade local, dado que este nome não aparece referido noutros documentos. De resto, como observou, como esta, há documentadas referências a umas três centenas de divindades locais na Península.

Adiantou ainda que, a avaliar pela concavidade na parte superior, esta ara poderá ter servido também para oferenda de sacrifícios não cruentos, como oferendas de cereais, azeite, água ou vinho.

Para além de aspetos como a relação das pessoas com a divindade, este documento reveste-se de importância não apenas no terreno sociopolítico como também no campo linguístico. Há, por exemplo, quem esteja a estudar afinidades entre Ocaere e os nomes Gerês ou Geira.

A ara votiva foi descoberta há perto de 300 anos, aquando de obras de reconstrução da sacristia da igreja matriz de S. João do Campo, município de Terras de Bouro, tendo a descoberta sido publicitada pelo clérigo e historiador Jerónimo Contador de Argote. O prof. Manuel Braga da Cruz que, além de professor do Liceu Sá de Miranda, era uma destacada personalidade cultural bracarense (tinha, por exemplo, a maior biblioteca de monografias sobre Braga, que foi adquirida pela Universidade do Minho, em 2019), escreveu em 1972, na Revista de Guimarães (vol. LXXXII) uma memória em que compendia as referências a esta peça desde o seu achado.

Com este ato mecenático, o Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa, em Braga, reforça-se como um espaço de referência nacional e internacional no período romano, sobretudo depois de uma vultuosa doação de quase 200 peças de mármore, esculturas em mármore, bronze e terracota, mosaicos romanos, vasos cerâmicos gregos e etruscos, unguentários romanos em vidro, utensílios, equipamentos e adornos em bronze e metais nobres. Essa doação foi feita por Marion Bühler-Brockhaus e Hans-Peter Bühler e viria a ser acrescentada de uma dádiva em dinheiro para a qualificação e beneficiação de espaços interiores e externos do Museu.

 

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia novidade

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

Abusos sexuais

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

O Secretariado Permanente do Conselho Presbiteral do Patriarcado de Lisboa saiu em defesa do cardeal patriarca, D. Manuel Clemente, numa nota publicada esta terça-feira à noite no site da diocese. Nas últimas semanas, Clemente tem sido acusado de não ter dado seguimento a queixas que lhe foram transmitidas de abusos sexuais.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This