Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

| 1 Jul 2022

ara votiva romana Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa

O pequeno altar em pedra granítica tem cerca de 80 cm de altura e 36 a 38 de largura e profundidade. Foto: Direitos reservados.

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público.

A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse. No ato desta sexta-feira, na sala do MADDS em que a peça ficou exposta, foi feito o reconhecimento público à família doadora, representada pelo engº Afonso Braga da Cruz.

O pequeno altar em pedra granítica tem cerca de 80 cm de altura e 36 a 38 de largura e profundidade, e apresenta na face a inscrição latina seguinte:

ANICIU // S. ARQULI // VOTUM // OCAERE // SOLVIT

que deverá significar que uma pessoa de nome Anicius, da família de Arquilius, saldou com satisfação o voto que fizera a Ocaere.

De especial interesse nesta inscrição é o teónimo (nome de divindade) OCAERE que, como explicou na sessão o arqueólogo e especialista em epigrafia Armando Redentor, deve ser uma divindade local, dado que este nome não aparece referido noutros documentos. De resto, como observou, como esta, há documentadas referências a umas três centenas de divindades locais na Península.

Adiantou ainda que, a avaliar pela concavidade na parte superior, esta ara poderá ter servido também para oferenda de sacrifícios não cruentos, como oferendas de cereais, azeite, água ou vinho.

Para além de aspetos como a relação das pessoas com a divindade, este documento reveste-se de importância não apenas no terreno sociopolítico como também no campo linguístico. Há, por exemplo, quem esteja a estudar afinidades entre Ocaere e os nomes Gerês ou Geira.

A ara votiva foi descoberta há perto de 300 anos, aquando de obras de reconstrução da sacristia da igreja matriz de S. João do Campo, município de Terras de Bouro, tendo a descoberta sido publicitada pelo clérigo e historiador Jerónimo Contador de Argote. O prof. Manuel Braga da Cruz que, além de professor do Liceu Sá de Miranda, era uma destacada personalidade cultural bracarense (tinha, por exemplo, a maior biblioteca de monografias sobre Braga, que foi adquirida pela Universidade do Minho, em 2019), escreveu em 1972, na Revista de Guimarães (vol. LXXXII) uma memória em que compendia as referências a esta peça desde o seu achado.

Com este ato mecenático, o Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa, em Braga, reforça-se como um espaço de referência nacional e internacional no período romano, sobretudo depois de uma vultuosa doação de quase 200 peças de mármore, esculturas em mármore, bronze e terracota, mosaicos romanos, vasos cerâmicos gregos e etruscos, unguentários romanos em vidro, utensílios, equipamentos e adornos em bronze e metais nobres. Essa doação foi feita por Marion Bühler-Brockhaus e Hans-Peter Bühler e viria a ser acrescentada de uma dádiva em dinheiro para a qualificação e beneficiação de espaços interiores e externos do Museu.

 

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira

Inaugurados dia 25

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira novidade

A comunidade cristã da Golpilheira – inserida na paróquia da Batalha – vai estar em festa no próximo domingo, 25 de fevereiro, data em que serão inaugurados e benzidos os novos vitrais e esculturas dos três videntes de Fátima que passarão a ornamentar a sua igreja principal – a Igreja de Nossa Senhora de Fátima. As peças artísticas foram criadas por autores nacionais, sob a coordenação do diretor do Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima, Marco Daniel Duarte.

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha novidade

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Sessões gratuitas

Sol sem Fronteiras vai às escolas para ensinar literacia financeira

Estão de regresso as sessões de literacia financeira para crianças e jovens, promovidas pela Sol sem Fronteiras, ONGD ligada aos Missionários Espiritanos, em parceria com o Oney Bank. Destinadas a turmas a partir do 3º ano até ao secundário, as sessões podem ser presencias (em escolas na região da grande Lisboa e Vale do Tejo) e em modo online no resto do país.

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Estudo apresentado dia 27

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas novidade

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra novidade

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

O princípio de Betânia

O princípio de Betânia novidade

Numa sexta-feira, seis dias antes da Páscoa, no regresso de Jericó para Jerusalém, Jesus faz uma pausa em Betânia, uma pequena aldeia a três quilómetros de Jerusalém que visitava regularmente, sendo amigo da família de Lázaro, Marta e Maria. É que no sábado a lei judaica não permitia viajar. Entretanto, um tal Simão denominado “o leproso” (talvez um dos que Jesus tinha curado) convida-o para um jantar no sábado à noite na sua casa, também em Betânia. [Texto de José Brissos-Lino]

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra

Carta nos dois anos da guerra na Ucrânia

Ortodoxos denunciam imoralidade do conluio de Cirilo com Putin e a sua guerra novidade

No momento em que passam dois anos sobre a invasão russa e o início da guerra na Ucrânia, quatro académicos do Centro de Estudos Cristãos Ortodoxos da Universidade de Fordham, nos Estados Unidos da América, dirigiram esta semana uma contundente carta aberta aos líderes das igrejas cristãs mundiais, sobre o papel que as confissões religiosas têm tido no conflito.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This