Digitalizados pela Biblioteca Nacional de Israel

Documentos da Inquisição portuguesa disponíveis online

| 26 Jul 2022

inquisição portuguesa ilustração sem creditos

Detalhes dos julgamentos, incluindo datas, nomes dos padres que participaram e número de vítimas sentenciadas em cada um fazem parte dos documentos.

 

A Biblioteca Nacional de Israel vai disponibilizar em breve o acesso digital a documentos escritos em português e contendo informações detalhadas sobre julgamentos realizados pela Inquisição em Lisboa e Tomar que ocorreram há 500 anos, noticiou o National Catholic Reporter.

Os documentos, que poderão ser consultados no sítio da Biblioteca Nacional de Israel, incluem versões impressas de sermões pregados por dois padres no final dos julgamentos a que presidiram e um manuscrito encadernado do século XVIII de 60 páginas que documenta os primeiros 130 anos de atividade do tribunal da Inquisição portuguesa. Os originais foram digitalizados pelo Arquivo Central para a História do Povo Judeu, de Jerusalém.

Escrito em português, o manuscrito contém informações sobre julgamentos e autos-de-fé conduzidos por inquisidores de 1540 a 1669 contra judeus recém-convertidos ao catolicismo, acusados ​​de continuar a praticar secretamente o judaísmo. Detalhes dos julgamentos, incluindo datas, nomes dos padres que participaram e número de vítimas sentenciadas em cada um fazem parte do documento.

De acordo com declarações da arquivista Pnina Younger ao National Catholic Reporter, os textos “foram escritos porque os inquisidores, ou alguém que participou nos julgamentos, sentiram a necessidade de manter um registo do trabalho da Inquisição como algo positivo” e o estudo da caligrafia permite concluir que “todos os resumos foram escritos pela mesma pessoa”.

Mas mais tarde os textos foram reunidos e encadernados num só volume (já no século XVIII) como “um memorial à crueldade daqueles julgamentos”, cujo título é Esses atos de fé hipócritas, praticados sem piedade, eram obra do velho clero, apenas para tornar as pessoas miseráveis.

 

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia novidade

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

Abusos sexuais

Padres de Lisboa saem em defesa do patriarca

O Secretariado Permanente do Conselho Presbiteral do Patriarcado de Lisboa saiu em defesa do cardeal patriarca, D. Manuel Clemente, numa nota publicada esta terça-feira à noite no site da diocese. Nas últimas semanas, Clemente tem sido acusado de não ter dado seguimento a queixas que lhe foram transmitidas de abusos sexuais.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This