Dois anos sem Manuela Silva: Mulher de fé

| 7 Out 2021

 

“Manuela Silva era uma mulher de Fé.” Foto: Direitos reservados. 

 

Faz nesta quinta-feira, 7 de outubro de 2021, dois anos que Manuela Silva, humanamente nos deixou, partindo para a Casa do Pai. 

Há um ano escrevi: “Nós cristãos, contrariamente aos ensinamentos de Jesus, teimamos em celebrar nestas datas a partida, a saudade, a ausência, olhando apenas para o vazio deixado, entre nós, pelos que partem. Somos “homens de pouca fé” (Mt, 8, 26) como Jesus no-lo refere diversas vezes no Evangelho. E assim consideramos que a morte física, como a conseguimos percecionar, nos leva os entes queridos, esquecendo as palavras de Jesus.”

Repito esta meia dúzia de linhas, reforçando este pensamento, em memória da Manuela: somos nós, Ela não era, “homens de pouca fé”, como Jesus refere por diversas vezes no Evangelho. A Fé da Manuela era de facto, como todos os seus amigos puderam testemunhar, uma Fé inquebrantável. De Manuela Silva poderia dizer-se: era uma mulher de Fé. 

Ao longo destes dois anos foram múltiplas as vezes nas quais dei comigo a pensar “como faria a Manuela se fosse com ela”. Muitas e muitas vezes senti a falta da sua palavra amiga e sempre oportuna, da sua presença e do seu silêncio, afinal percebendo que a sua Fé nos faz muita falta.

Manuela Silva pertence àquele pequeno grupo de pessoas que por vezes temos o privilégio de se cruzarem na nossa vida e cuja presença nos marcam profundamente em múltiplas facetas. Na Igreja, na profissão, na vida do dia-a-dia, nas pequenas e nas grandes coisas, a Manuela era uma presença constante mesmo quando, fisicamente, ausente.

Aprendi com um texto de frei José Augusto Mourão, o.p. que “ninguém está mais perto de nós que os nossos mortos… Onde moram? Na memória dos vivos, na porta da história. É a sua vida abolida que nos permite existir.” Manuela Silva está, estará sempre na nossa memória, pela ausência da sua presença e pela presença na nossa história.

Permitam-me a ousadia de fazer-me intérprete da Manuela que continua ainda, passados estes dois anos, muito presente no meio de nós. Creio que ela nos diria que é preciso continuar a cuidar desta “casa comum” no caminho do pensamento de Francisco; creio que ela nos diria que é preciso continuar a cultivar e alimentar as amizades que crescem como as plantas e exigem respirar futuro; ela nos diria que a Fé é exigente e inseparável do amor ao outro, do cuidar do irmão e se alimenta da oração. A Manuela dir-nos-ia que é preciso continuar a viver, a correr riscos e a criar, tal como em toda a sua vida ela sempre fez. Ela sabia que acreditar era dar o seu coração, sem reservas nem tibiezas, com a certeza inabalável do amor de Cristo aos irmãos, muito principalmente aos mais pequenos e desprotegidos. 

Deveremos recordar Manuela Silva dizendo: “A morte não é nada. Eu apenas passei para o outro lado. Eu sou eu e tu és tu. O que fomos um para o outro, ainda o somos. Chama-me pelo nome que sempre utilizaste, fala comigo da forma descontraída com que sempre fizeste. Não mudes o teu tom de voz, não uses um tom solene ou triste… Eu estou apenas à tua espera, por um intervalo, algures muito perto, mesmo ao virar da esquina. Pensa em mim, reza por mim. Está tudo bem”, (Henry Scott-Holland, 1910).

Peço mais uma vez emprestada a palavra poética a frei José Augusto, para rezar pela Manuela e com a Manuela:

“Deus, tu conheces o nosso combate obscuro
e escandaloso com a morte:

que o Anjo da tua consolação semeie o Aberto
e a Beleza do teu Nome no rosto da nossa irmã Manuela
que ao nosso olhar deixou de ser visível.

Transforma a sua ausência visível em glória invisível
e nos abra o teu Anjo o reino do Dizível
para lá do que nenhuma palavra diz do amor e da morte
para que te reconheçamos
como o barqueiro que a morte muda e muda a vida.

A nós que fomos mergulhados
no sangue de Cristo
e no fogo do teu Espírito
envia-nos a atear o fogo da misericórdia
e do discernimento
que a descoberta da tristeza e da confusão
nos faça avançar para a claridade do Jardim

que abriu o tempo à presença
real da paz e da justiça
na vida daquela que nos foi irmã
e voz aguda,
neste tempo de momos articulados
nós to pedimos pelo Cristo iluminador
e pelo Espírito que tinge os nossos lábios
do teu Nome e do teu Êxodo.

(“Declinações”, in O Nome e a Forma, Lisboa, 2004)    

 

Fernando Gomes da Silva é engenheiro agrónomo.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This