Joaquim Dionísio e Roberto Mariz

Dois bispos auxiliares para o Porto

| 26 Mai 2023

Padre Roberto Mariz, de Braga, novo bispo auxiliar do Porto

Roberto Mariz, de Braga, novo bispo auxiliar do Porto. Foto © Arquidiocese de Braga

Os padres Joaquim Dionísio, de Lamego, e Roberto Mariz, de Braga, foram nomeados nesta sexta-feira como bispos auxiliares do Porto, onde irão trabalhar com o bispo titular, Manuel Linda. Ao mesmo tempo, o Vaticano anunciou que tinha sido aceite a renúncia do actual bispo auxiliar Pio Alves, por ter já ter 78 anos e ter ultrapassado os 75, idade canónica para a resignação.

Joaquim Proença Dionísio, 54 anos, era reitor do Santuário de Nossa Senhora da Lapa, e pároco de três paróquias rurais. A nomeação formal feita pelo Papa atribui-lhe o título de Parténia, diocese extinta na actual Argélia, cujo anterior titular era o bispo francês Jacques Gaillot, que morreu há mês e meio e era conhecido como bispo de pessoas excluídas e marginalizadas.

Roberto Mariz, de 49 anos, era até agora um homem da estrutura da Igreja bracarense, já que desempenhava o cargo de ecónomo da Arquidiocese de Braga, para o qual tinha sido nomeado pelo anterior arcebispo, Jorge Ortiga. Era também pároco de São José de São Lázaro. Foi nomeado com o título de Vita, antiga diocese na actual Tunísia e passa a ser o mais jovem bispo português. Integrava também um clube de leitura na sua paróquia.

As duas nomeações reflectem o papel decisivo de Manuel Linda na escolha: além de ser o bispo titular e ser com ele que os dois auxiliares vão trabalhar directamente, Linda é natural de Resende (diocese de Lamego) e foi bispo auxiliar de Braga. Conhece, por isso, os dois escolhidos.

Na sua mensagem de saudação, o novo bispo Roberto Mariz, que será ordenado em Braga a 23 de Julho, diz que entrega a sua amizade ao bispo do Porto para servir a nova diocese com “lealdade, com dedicação e empenho”.

Padre Joaquim Dionisio, de Lamego, novo bispo auxiliar do Porto

Joaquim Dionisio, de Lamego, novo bispo auxiliar do Porto. Foto © Diocese de Lamego

Joaquim Dionísio, que será ordenado em Lamego no dia 16 de Julho, também se manifesta disponível para colaborar com o bispo do Porto “no serviço ao Povo de Deus”. Tendo trabalhado como capelão de emigrantes portugueses em França e na Alemanha, o padre Dionísio fez o mestrado no Institut Catholique de Paris e foi também diretor do jornal Voz de Lamego. Quem o conhece aponta-lhe a proximidade, o bom humor e a capacidade de comunicação.

A Diocese do Porto tem uma área de 3010 quilómetros quadrados, inclui 26 concelhos, 17 dos quais pertencem ao distrito do Porto, oito ao distrito de Aveiro e um ao distrito de Braga; tem quatro regiões pastorais, 22 vigararias e 477 paróquias, que servem uma população de cerca de dois milhões de pessoas, como recorda a agência Ecclesia. Os dois bispos farão equipa também, para já, com outro auxiliar, Vitorino Soares – que pode, no entanto, sair em breve para outra diocese, nomeadamente Setúbal, que aguarda novo   titular há ano e meio, Guarda (onde o bispo Manuel Felício, que já atingiu 75 anos, pediu a resignação, como ordena o Código de Direito Canónico) ou Beja (onde João Marcos pediu ao Papa para deixar o cargo, por razões de saúde).

 

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão

Ataques sucedem-se

Há uma “nova vaga de terror contra os cristãos” no Paquistão novidade

O recente ataque a um cristão falsamente acusado de ter queimado páginas do Corão, por uma multidão muçulmana enfurecida, no Paquistão, desencadeou “uma nova vaga de terror” contra a minoria religiosa no país. Depois deste incidente, que aconteceu no passado sábado, 25 de maio, já foram registados outros dois ataques devido a alegados atos de “blasfémia” por parte de cristãos.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

A memória presente em pequenas tábuas

Museu Abade de Baçal

A memória presente em pequenas tábuas novidade

“Segundo uma Promessa” é o título da exposição inaugurada a 18 de maio no Museu Abade de Baçal, em Bragança, e composta por uma centena de pequenos ex-votos, registados em tábuas, que descrevem o autor e o recetor de vários milagres, ao longo dos séculos XVIII e XIX. “O museu tem a obrigação de divulgar e de mostrar ao público algum do património que está disperso pela diocese de Bragança-Miranda”, disse ao 7MONTES Jorge Costa, diretor do museu.

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This