Encontro em Roma

Dois dias para despertar do inverno demográfico e acender a esperança

| 16 Mai 2023

Papa abençoa mulher grávida, durante encontro dos Estados Gerais da Natalidade, maio 2023, Roma. Foto © Vatican Media.

Presente na conclusão do encontro, o Papa lamentou que hoje dar à luz um filho seja considerado um esforço titânico privado, em vez de um valor partilhado que todos reconhecem e apoiam. Foto © Vatican Media.

 

Já imaginaram um mundo sem crianças?

Pelo terceiro ano, esta pergunta ressoou no Auditório da Conciliação, em Roma, onde nos dias 11 e 12 de maio decorreram os Estados Gerais da Natalidade, um evento que chama à reflexão e à ação sobre aquela que pode ser definida como uma emergência (social, económica e espiritual): a diminuição do número de nascimentos.

Muitos os convidados de várias áreas – politica, religião, empresas, bancas, desporto, espetáculo, jornalismo – reunidos para pensar em como passar do inverno à primavera demográfica, porque um filho “é de todos e para todos, afirmam os organizadores, é um investimento para o Bem Comum e não é apenas um assunto de família”. Por isto, o Fórum das Associações Familiares e a Fundação para a Natalidade, constituída em março de 2022, convidaram todos a assumir a própria responsabilidade na questão.

Entre os convidados de honra, o Papa Francisco, o Presidente da Republica e a primeira-ministra, o presidente da conferência episcopal, representantes dos partidos, ministros, artistas. O objetivo – afirmou Gigi De Palo, presidente da Fundação e promotor de várias iniciativas para a natalidade em Itália – era fazer síntese e encontrar soluções para uma questão transversal, que abrange toda a população, atual e futura, juntando diferentes sensibilidades e competências. O objetivo último é inverter a tendência demográfica.

Mas quais os números desta tendência?

Para dar alguns, em Itália em 2022 nasceram 339 mil crianças (o número mais baixo desde a unificação), face a 700 mil mortos. O número médio de filhos por mulher é de 1,24, contra um número de filhos desejados, se as condições fossem favoráveis, de 2,4. Isto quer dizer que a falta de políticas familiares está a privar cada família de, pelo menos, um filho, e a sociedade dos recursos necessários para sustentar os seus pilares fundamentais: sistema escolar, saúde, pensões. Pois o sistema de welfare italiano fundamenta-se num pacto intergeracional garantido pelas contribuições fiscais. Com menos crianças é fácil prever o colapso iminente do estado social.

E em Portugal?

Em 2022, nasceram 83.915 bebés e registaram-se 124.755 óbitos. O número de filhos por mulher em 2021 foi de 1,35. Um cenário praticamente equivalente.

 

Para Francisco: os filhos, indicador da esperança de um povo

familia numerosa pobreza foto sean warren

Francisco falou nos problemas reais das famílias: salários insuficientes, trabalho precário, casas com preços incomportáveis. Foto © Sean Warren.

 

O Papa Francisco iniciou o seu discurso manifestando empatia com os casais que se encontram perante a aventura de constituir família. “Quando nascem poucos filhos é porque um povo tem pouca esperança. Isto tem repercussões não só económicas e sociais, mas enfraquece a confiança no futuro”. O Papa lamenta que hoje dar à luz um filho seja considerado um esforço titânico privado, em vez de um valor partilhado que todos reconhecem e apoiam, e este sentido de solidão leva à resignação a existências em que cada um pensa por si, “com a consequência que só os mais ricos podem ter maior liberdade em escolher que forma dar às próprias vidas, e isto é injusto além de ser humilhante”.

O pontífice evidencia como, devido a guerras, pandemias, migrações e crises climáticas, o futuro parece incerto e nas novas gerações aumenta o sentido de precariedade, pelo que “o amanhã parece uma montanha impossível de escalar”. E fala nos problemas reais das famílias: salários insuficientes, trabalho precário, casas com preços incomportáveis. “São problemas que interpelam a política, porque o mercado livre, sem os indispensáveis corretivos, torna-se selvagem e produz desigualdades sempre mais graves”.

Francisco fala ainda de uma cultura inimiga da família, centrada nas necessidades dos indivíduos e não das famílias; das mulheres, “escravas da regra do trabalho seletivo”, que muitas vezes as obriga a escolher entre trabalho e maternidade ou cuidados informais de familiares não autónomos.

O Papa agradeceu aos organizadores dos Estados Gerais, reconhecendo que graças a eles muito foi feito, mas não é suficiente: é necessário mudar de mentalidade, porque “a família não é parte do problema, mas é parte da sua solução. Não podemos aceitar que a nossa sociedade deixe de ser generativa e degenere na tristeza, um mal-estar cinzento. Não podemos aceitar passivamente que tantos jovens sejam obrigados a baixar a fasquia do desejo, contentando-se a sub-rogados egoísticos” – como dinheiro, carreira, tempo livre – os quais, fora de um projeto gerativo maior, levam ao cansaço interior que anestesia os grandes desejos.

Referindo-se às migrações, o Papa contrapõe tristeza e esperança: “A natalidade, como o acolhimento, que não podem ser contrapostas porque representam duas faces da mesma medalha, revelam-nos quanta felicidade existe numa sociedade. Uma comunidade feliz desenvolve naturalmente os desejos de gerar e de integrar, de acolher, enquanto uma sociedade infeliz reduz-se a uma soma de indivíduos que tentam defender a toda custa o que possuem”.

E conclui a intervenção reafirmando que o desafio da natalidade é uma questão de esperança, entendida não como otimismo (ilusão ou emoção), mas como virtude concreta e atitude de vida. “Alimentar a esperança é uma ação social, intelectual, artística, politica, é meter as próprias capacidades e recursos ao serviço do bem comum, é semear futuro. A esperança gera mudança. É a mais pequena das virtudes mas é a que te leva mais longe. A esperança não desilude (cfr Rm 5,5)”.

“Não nos resignemos, não pensemos que a história seja já escrita, que nada podemos fazer para inverter a tendência – conclui o Papa Francisco – porque é nos desertos mais áridos que Deus abre novos caminhos” (cfr Is 43,19). Procuramos juntos este caminho.”

 

Medidas concretas: conquistas e propostas

familia maos dadas geracoes foto STILLFX

Muito falta ainda fazer, mas parece que algo se partiu no icebergue indiferente deste frio demográfico que arrisca hibernar a Europa. Foto © STILLFX.

 

Este ano, o mote dos Estados Gerais foi #quota500mil, rumo a 500.000 bebés nascidos a cada ano até 2033, para retomar uma curva de crescimento e sustentabilidade. Para isto é necessário reformar o sistema fiscal – dizem os organizadores, que já podem contar com conquistas interessantes dos últimos anos.

Uma destas é o chamado cheque único universal, que desde março do ano passado reconhece um valor mensal até 190€ por cada filho até aos 21 anos. Isto quer dizer que todas as famílias podem obtê-lo, sem um valor máximo de remunerações, recebendo no mínimo 54€ mensais. Agora o convite é a utilizar os fundos do plano de recuperação italiano para as políticas familiares, que na União Europeia representam uma média de 8,4% das despesas da segurança social, com picos de 12% em países como Luxemburgo, Irlanda, Hungria, e menos de 5% em Portugal, Grécia, Itália.

O cheque único foi o resultado de uma batalha de associações e movimentos civis que envolveram, pressionaram e ajudaram a política a ver, analisar e assumir compromissos, conforme o mais nobre princípio da subsidiariedade.

Muito falta ainda fazer, mas parece que algo se partiu no icebergue indiferente deste frio demográfico que arrisca hibernar a Europa. Talvez seja o germinar de uma nova consciência que – para usar as palavras do Papa Francisco – nos faça “recomeçar a nascer, não apenas fisicamente, mas interiormente, para vir à luz a cada dia e iluminar de esperança o amanhã”.

 

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74

“Para que a memória não se apague”

Fernando Giesteira, o transmontano vítima da PIDE/DGS no dia 25 de Abril de 74 novidade

A “Revolução dos Cravos”, apesar de pacífica, ceifou a vida a quatro jovens que, no dia 25 de abril de 1974, foram mortos pela PIDE/DGS, à porta da sede da polícia política do Estado Novo, em Lisboa, depois de cercada pela multidão. 50 anos passados, recordamos a mais jovem vítima da “revolução sem sangue”, de apenas 18 anos, que era natural de Trás-os-Montes.

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This