“O valor simbólico da sacristia”

Dois personagens, um espaço, uma exposição

| 2 Dez 2023

Sacristia. Dependência de uma igreja onde são guardadas as alfaias litúrgicas e o sacerdote se paramenta para os ofícios.” [1]

Dom Afonso Castelo Branco, Bispo de Coimbra

Dom Afonso Castelo Branco, bispo de Coimbra, que mandou construir a sacristia seiscentista da Sé Velha.

O Museu Nacional Machado de Castro continua apostado em ancorar algumas das propostas que nos faz «nas “funções fundamentais dos museus” [2], como sejam a preservação do património, a investigação|estudo dos acervos, a comunicação (interpretação e disseminação ativa do conhecimento sobre as coleções) e a educação».

Propõe-nos, desta vez, e até 31 de dezembro, uma revisitação d’O Valor Simbólico da Sacristia, centrando o olhar no conjunto de painéis sobre madeira que Simão Rodrigues executou, nos alvores do século XVII, para a nova sacristia da Sé Velha, mandada construir havia poucos anos por D. Afonso de Castelo Branco, então bispo de Coimbra.

Mas vamos por partes.

Não caberá neste texto a análise dos muitos aspetos de que se revestiu a Contra-Reforma católica, em que o Concílio de Trento teve um papel crucial, ou, até, dos muitos outros que, vindo já de trás ou não sendo resposta às questões levantadas por Lutero e seus seguidores, são hoje identificados pela historiografia como sendo de Reforma católica (bastará recordar, entre vários outros aspetos, os muitos movimentos reformadores que atravessaram a Igreja ao longo do século XV, e de onde por exemplo resultaram muitas das ordens religiosas reformadas, e que o V Concílio de Latrão, 1512-1517, terminou em março deste último ano, o mesmo em que Lutero enviou as suas 95 teses ao Arcebispo de Mainz, em 31 de outubro).

Importa, porém, referir que o Papa Paulo III se empenhou fortemente na preparação do Concílio de Trento (que teve lugar em três períodos distintos: 1545-1549, 1551-1552, e 1562-1563), empenho de que veio a resultar o envolvimento não só de bispos e embaixadores como o de muitos dos elementos do colégio cardinalício [3], condição entendida como necessária para a reforma que se entendia como absolutamente urgente.

Concílio de Trento

Speculum Romanae Magnificentiae – Concílio de Trento. Gravura de Claude Duchet, 1565. Metropolitan Museum of Art, Nova Iorque. / Wikimedia Commons

 

Os impactos da reunião conciliar na Igreja foram fortíssimos. Saliento dois aspetos que, sendo hoje banais, à época foram revolucionários: a norma passa a ser os bispos residirem nas dioceses que governam; os seminários são criados enquanto escolas de formação do clero. Tomam-se importantes decisões quanto à construção (e dignidade) dos espaços de culto e, no que à representação das imagens sagradas diz respeito, define-se um controlo com “[…] especial acento ideológico e programático que terá largos efeitos até ao século XVIII” [4]: “A Igreja apoderou-se nesse período do comando da arte religiosa, a fim de a expurgar das notas tidas por censuráveis e de promover uma iconografia de combate, de testemunho e de catequese” [5].

É neste quadro geral que se movem os dois personagens que aqui nos interessam: D. Afonso de Castelo Branco e Simão Rodrigues.

Armas de D. Afonso de Castelo Branco, Sacristia da Sé Velha, Coimbra.

 

O primeiro, bispo de Coimbra, é nomeado para a diocese em 25 de agosto de 1585, vindo do Algarve onde, em quatro anos, tinha deixado uma marca indelével, tendo patrocinado, entre outras: a construção do Paço Episcopal e da Misericórdia de Faro (cuja igreja nos apresenta uma incomum e rara planta em cruz grega inscrita num quadrado); importantes intervenções no edifício da Catedral.

Em Coimbra, D. Afonso vai pugnar pela concretização dos princípios tridentinos: logo em 1591 reuniu um sínodo diocesano em que foram aprovadas as Constituições do Bispado, por ele elaboradas, procurando implementar uma pastoral em que regra e disciplina eram centrais. Das obras mais marcantes, salientam-se: a reedificação e ampliação do Paço Episcopal (de que se destaca a loggia atribuída a Filipe Terzi, hoje parte integrante do Museu Nacional Machado de Castro); a fundação e construção do convento de Santa Ana; o lançamento da “primeira pedra para a igreja do Colégio dos Jesuítas em 1598; a fundação do Colégio dos Marianos, em 1606; a bênção da primeira pedra para o Colégio de S. Agostinho, em 1593; a execução de grandes obras no convento de Celas, incluindo o Coro da igreja em 1594-1620” [6]. Na Sé (Velha), destacam-se a ampliação do tabuleiro que unia as portas principal e a Especiosa, a intervenção no coro alto e a construção da nova sacristia [7]: e é precisamente para este novo espaço que Simão Rodrigues executa o conjunto de 10 painéis com o ciclo da vida de Jesus.

Repouso na fuga para o Egipto / Série da Infância de Jesus. Simão Rodrigues (c. 1560 – 1628) 1605(?)-1608.Óleo sobre madeira de carvalho. Prov. Sacristia da Sé Velha, Coimbra. MNMC2582. Foto © João Marujo.

 

Colocados em espelho, estes grandes painéis ilustram dois períodos centrais da vida de Cristo e, por isso, do cristianismo. Na “parede nascente alinhava-se, porventura, o grupo dos cinco painéis alusivos a Infância de Jesus: «Anunciação», «Adoração dos Pastores», «Adoração dos Magos», «Apresentação no Templo» e o «Repouso na fuga para o Egipto». Na parede poente, exacerbando a narrativa, sucediam-se as cenas da Paixão […]: «Cristo no Horto», «Beijo de Judas», «Flagelação», «Coroação de espinhos» e «Cristo a caminho do Calvário».” [8] Continua a autora e diretora do Museu: “Entre a Infância e a Paixão desenrola-se um cenário alimentado pelas arquiteturas monumentais de raiz clássica […], pela autoridade dos volumes corpóreos […], pela dominância das cores […], ou pela supressão do acessório […]. Com o apoio das referências gravadas, é a voz ativa da Reforma Católica que se infiltra no discurso copioso da decoração arquitetónica, […] transformando a atmosfera da sacristia em espaço requintado e coerente de sugestões em equilíbrio sempre dinâmico.” [9]

Beijo de Judas / Série da Paixão Simão Rodrigues (c. 1560 – 1628) 1605(?)-1608 Óleo sobre madeira de carvalho Prov. Sacristia da Sé Velha, Coimbra MNMC2584

 

Associado a Domingos Vieira Serrão, Simão Rodrigues executou em Coimbra alguns grandes retábulos, de que são exemplo o da igreja do Carmo (cerca de 1597) e o da capela da Universidade de Coimbra (1612-13); nas palavras de Vítor Serrão, ele “mostra qualidades apreciáveis de modelação, em escorços de figuras e poses de Virgens populares […], mas a vasta nebulosa de colaboradores enfraquece e irregulariza muitas das suas obras.” [10]

Como já se disse, este ciclo pictórico foi executado por Simão Rodrigues para a nova sacristia que o bispo-conde D. Afonso de Castelo Branco tinha mandado executar na Sé (Velha) de Coimbra [11].

Planta da Sé Velha de Coimbra – adaptação a Igreja da Misericórdia/ Livro de Provisões, Nº III Guilherme Elsden, Guilherme Francisco Elsden | 1772. Prov. Paço Episcopal de Coimbra.MNMC2231 [12]

A avaliar pela planta realizada por Guilherme Elsden, esta nova dependência cumpria algumas das indicações de Carlos Borromeu [13] para este espaço: desde logo, pelo facto de estar ligada ao corpo principal da igreja e permitir, à entrada do presbítero nas celebrações, a realização de uma procissão em direção à capela-mor [14]. Depois porque, pelo que acima já se percebeu, este “espaço requintado e coerente de sugestões em equilíbrio sempre dinâmico”, “voz ativa da Reforma Católica”, funcionaria como catequese, procurando assim responder a outro dos princípios formulados por São Carlos Borromeu: “Queixa se outro sacerdote de que, ao entrar no coro para salmodiar ou ao dispor se para celebrar missa, imediatamente lhe assaltam o espírito mil coisas que o distraem de Deus. Mas, antes de ir para o coro ou para a missa, que fazia ele na sacristia, como se preparou e que meios escolheu e empregou para concentrar a atenção?[15]. Com esse objetivo, defendia-se a existência, na sacristia, de um oratório onde o presbítero se pudesse recolher em meditação e oração, de modo a convenientemente se preparar para a celebração, bem como de um lavabo, para a purificação ritual das mãos, antes e depois de realizada a liturgia [16].

A planta de Elsden permite, também, perceber a “clara referência à figura geométrica do retângulo áureo” que, com os seus cerca de 13m x 8m, estabelece “um espaço amplo, arejado, funcional e fortemente simbólico” [17].

E é este o aspeto que me parece mais frágil na exposição. A escolha do espaço para a sua concretização, defronte da Capela do Tesoureiro e no meio da sala da escultura [sobretudo da primeira metade] do século XVI, dominada pelas obras de João de Ruão, não só me parece infeliz como condicionou outra dimensão: só lá é que o visitante se apercebe que a exposição foi a “dois tempos”. Num primeiro momento, mostraram-se as cinco tábuas do ciclo da Infância de Jesus; agora, e até ao final, mostram-se as restantes cinco, do ciclo da Paixão. Havendo excelentes exemplos de exposições temporárias a “dois tempos” [18], não me parece que a falta de espaço seja um critério para o determinar.

Parece-me, pois, que não é possível ao visitante mergulhar no “valor simbólico da Sacristia” seiscentista da Sé Velha de Coimbra, inundado que está de escultura quinhentista por todo o lado; isto apesar de os textos da folha de sala procurarem traçar um quadro, forçosamente breve, que o transporte para aquele espaço. Provavelmente, esta teria sido uma oportunidade para realizar uma exposição fora das paredes do Museu Nacional Machado de Castro, procurando, cenograficamente, levar o visitante até ao espaço da infelizmente mutilada sacristia.

 

 

Cartaz da exposição

 

Notas

[1] TEIXEIRA, Luís M. – Dicionário Ilustrado de Belas-Artes. Lisboa: Editorial Presença. 1985. p. 204
[2] UNESCO. Recomendação relativa à proteção e promoção dos museus e das coleções, da sua diversidade e do seu papel na sociedade. Paris, 20 de novembro de 2015. (tradução não oficial da Recomendação da UNESCO, realizada pelo Instituto Brasileiro de Museus e revista pelo ICOM Portugal.) consultado em linha a 6 de junho de 2022, em https://icom-portugal.org/multimedia/documentos/UNESCO_PMC.pdf
[3] cf. BARBOSA, David Sampaio Dias – Concílios Ecuménicos (e Portugal). In AZEVEDO, Carlos Moreira (dir.) – Dicionário de História Religiosa de Portugal. Lisboa: Círculo de Leitores e Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa. 2000. pp. 405-413.
[4] SERRÃO, Vítor – Impactos do Concílio de Trento na arte portuguesa entre o Maneirismo e o Barroco (1563‑1750). In GOUVEIA, António Camões. BARBOSA, David Sampaio. PAIVA, José Pedro (coords.) – O Concílio de Trento em Portugal e nas suas conquistas: olhares novos. Lisboa: Centro de Estudos de História Religiosa da Universidade Católica Portuguesa. 2014. pp. 103-132.
[5] apud. GONÇALVES, Flávio – Breve Ensaio sobre a Iconografia da Pintura Religiosa em Portugal. Belas Artes. Revista e boletim da Academia Nacional de Belas Artes. 27 (1972), p. 45.
[6] https://www.diocesedecoimbra.pt/diocese/historia/bispos/1585-1615-d-afonso-de-castelo-branco:1133, acedido em 23 de novembro de 2023.
[7] Cf. CRAVEIRO, Maria de Lurdes – D. Afonso de Castelo Branco. O valor simbólico da sacristia –folha de sala. Coimbra: Museu Nacional Machado de Castro. 2023.
[8] CRAVEIRO, Maria de Lurdes – O programa pictórico da sacristia. O valor simbólico da sacristia – folha de sala. Coimbra: Museu Nacional Machado de Castro. 2023.
[9] Idem, ibidem.
[10] SERRÃO, Vítor – A pintura maneirista e proto-barroca. Vol. 11 [RODRIGUES, Dalila (coord.) – A arte portuguesa: da pré-história ao século XX]. Vila Nova de Gaia: Fubu Editores. 2009. p. 50.
[11] Ver o importante estudo de BRANCO, Cátia Cristino C. T. M. Sousa – A sacristia e a encomenda episcopal portuguesa no período da reforma católica. O caso da Sé de Coimbra e o patrocínio do bispo D. Afonso de Castelo Branco [Tese de Doutoramento em História de Arte Moderna]. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa. 2014.
[12] Reproduzida a partir de CRAVEIRO, Maria de Lurdes – A Sé Velha de Coimbra. Coimbra: Direção Regional de Cultura do Centro. 2011, p. 53.
[13] Cardeal, bispo de Milão, um dos mais intervenientes padres conciliares, em Trento: visitou várias vezes toda a sua diocese, promoveu diversos sínodos de onde saíram importantes decisões pastorais, apostou na formação do seu clero nos seminários erigidos para esse fim e procurou uma profunda renovação da vida cristã e fez publicar, entre outras, as Instructionum fabricae et supellectilis ecclesiasticae libri II /1577), onde se definem, exaustiva e pormenorizadamente, como devem ser executados os diferentes espaços de uma igreja.
[14] OLIVEIRA, Natália Maria da Conceição – As instruções de São Carlos Borromeu para a construção das igrejas após o Concílio de Trento. In I Simpósio Nacional a Distância de História e Historiografia [em linha] [consultado em 5.11.2023]. Disponível em https://simposioead.blogspot.com/2019/07/as-instrucoes-de-sao-carlos-borromeu_29.html. Ver, também, em BRANCO, Cátia Cristino C. T. M. Sousa, ibidem. p. 101.
[15] Do sermão de São Carlos Borromeu, bispo, no encerramento do último Sínodo de Milão [Acta Ecclesiae Mediolanensis, Milão 1599, 1177-1178], disponível em https://www.liturgia.pt/santos/santo_v.php?cod_santo=188 [consultado em 5.11.2023]
[16] Cf. BRANCO, Cátia Cristino C. T. M. Sousa, ibidem. pp. 103-104.
[17] CRAVEIRO, Maria de Lurdes – A Sacristia. O valor simbólico da sacristia – folha de sala. Coimbra: Museu Nacional Machado de Castro. 2023.
[18] A este propósito, veja-se MONTEIRO, Joana d’Oliva – O ato de expor. Breves considerações a propósito d’«A Perspectiva das Coisas. A Natureza-Morta na Europa. Segunda parte: séculos XIX-XX (1840-1955)», MIDAS [em linha], 1 | 2013 [consultado em 3.08.2023]. Disponível em http://journals.openedition.org/midas/119.

 

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe

Nove dias após a sua morte numa prisão russa

Corpo de Alexei Navalny já foi entregue à mãe novidade

O corpo do líder da oposição russa, Alexei Navalny, foi entregue à sua mãe, informou ontem, sábado, Ivan Zhdanov, diretor da Fundação Anti-Corrupção de Navalny e um dos seus principais assessores na sua conta de Telegram. O responsável agradeceu a “todos” os que apelaram às autoridades russas para que devolvessem o corpo de Navalny à sua mãe, citado pela Associated Press.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos

Como preparação para a segunda sessão do Sínodo

Bispos católicos belgas vão debater sacerdotes casados e mulheres diáconos novidade

Os bispos católicos da Bélgica enviaram às dioceses e comunidades locais do seu país uma carta no dia 16 de fevereiro sugerindo a reflexão sobre dois temas ministeriais, a ordenação sacerdotal de homens casados e a instituição de mulheres diaconisas, como forma de preparação dos trabalhos da segunda sessão do Sínodo dos Bispos, que decorrerá em Roma em outubro próximo.

Cristo Cachorro, versão 2024

Cristo Cachorro, versão 2024 novidade

Invejo de morte a paixão que os cartazes da Semana Santa de Sevilha conseguem despertar. Os sevilhanos importam-se com a sua cidade, as festas e com a imagem que o cartaz projecta, se bem que com o seu quê de possessivo, mas bem melhor que a apatia. Não fossem frases como “É absolutamente uma vergonha e uma aberração” e as missas de desagravo e o quadro cartaz deste ano teria passado ao lado.

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

7MARGENS antecipa estudo

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This