Presentes solidários

Dois presépios de artesãos portugueses para tornar o mundo melhor

| 17 Nov 2023

O Presépio Azulejo (esq.) chega de Guimarães, pelas mãos do ceramista Filipe Meneses. O Presépio Barro é da autoria de Júlia e Vítor Lopes, fundadores da Oficina de Cerâmica Artesanal, nas Caldas da Rainha. Foto © Leigos para o Desenvolvimento.

 

Há o Presépio Azulejo e o Presépio Barro, e ambos são edições exclusivas de artesãos nacionais, criados especialmente para apoiar os projetos dos Leigos para o Desenvolvimento em Portugal, Angola e São Tomé e Príncipe. São, assim, “presépios solidários” e já podem ser adquiridos no site oficial da organização católica, onde é ainda possível encontrar outras propostas de presentes para este Natal (ou para outro dia qualquer, porque não?) que têm o mesmo intuito: contribuir para um mundo melhor.

O Presépio Azulejo chega de Guimarães, pelas mãos do ceramista Filipe Meneses, tendo sido concebido em faiança vidrada e decorado com motivos de azulejos. O Presépio Barro é da autoria de Júlia e Vítor Lopes, fundadores da Oficina de Cerâmica Artesanal, nas Caldas da Rainha, em 1982, e é feito em barro branco, vermelho e arame de aço inoxidável.

Em parceria com o atelier de design Dama de Arroz, os Leigos para o Desenvolvimento têm também uma linha de “merchandising solidário original, alegre, com padrões étnicos”, que inclui cadernos em cartão reciclado, sacos de algodão orgânico, garrafas térmicas e postais, informa a organização em comunicado enviado ao 7MARGENS.

A pensar nos mais jovens, há ainda dois livros infantis: a História do Sssansssão e da Casssilda, escrita pelo padre jesuíta Carlos Azevedo Mendes e A Ilha do arco-íris, das autoras Ana Maria Magalhães e Isabel Alçada. O primeiro é uma parábola que, através de duas cobras, relembra que o poder do amor é mais forte que a riqueza, o capricho e o medo. O segundo é uma fábula onde, na voz de diferentes animais, se sensibiliza para a necessidade de perceber e aceitar as diferenças uns dos outros.

Para adquirir algum destes artigos ou obter mais informações sobre os mesmos, basta visitar a Loja Online dos Leigos para o Desenvolvimento, visitar a sede da organização em Lisboa, ou contactar a organização através dos números 21 757 42 78 / 93 470 48 23.

Os Leigos para o Desenvolvimento são uma ONGD católica, que trabalha há mais de 35 anos em prol do desenvolvimento integral e integrado em países de expressão portuguesa, com vista à capacitação e autonomização de pessoas e comunidades, atuando preferencialmente através de voluntários missionários qualificados. Beneficiaram dos projetos da organização, em 2022, mais de 20 mil pessoas.

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This