Dois projetos portugueses finalistas em concurso de arquitetura religiosa

| 8 Mar 19

Presbitério e altar do recinto de oração do Santuário de Fátima. Foto © Fernando Guerra

São portugueses dois dos cinco projetos finalistas do prémio instituído pela ArchDaily, uma das páginas mais visitadas na internet no domínio da arquitetura. As capelas Imaculada e Cheia de Graça, do Seminário de Nossa Senhora da Conceição, em Braga, e o presbitério e altar do recinto de oração do Santuário de Fátima, concorrem na categoria de arquitetura religiosa.

No total eram 60 os projetos apurados para aceder à fase final, seis dos quais tinham sido edificados em Portugal. De todos, foram selecionados cinco finalistas que disputam agora a distinção. Os projetos portugueses estão em competição com uma capela na Eslovénia, um templo na Índia e um crematório na Bélgica.

Os vencedores são escolhidos pelo público numa votação online que decorre até às 17 horas do dia 11 de março.

Capela Imaculada. Foto © Nelson Garrido

As capelas bracarenses foram desenhadas pelo gabinete Cerejeira Fontes Arquitectos que, segundo o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, se focou “na recuperação da Capela Imaculada Conceição e do coro-alto, transformando-o num espaço reservado aos habitantes do Seminário – a Capela Cheia de Graça. O gabinete de arquitetura clarifica que se “aproveitou o pé direito total do espaço de intervenção e as paredes exteriores do mesmo” e deixou uma ‘pele’ de pedra, que se manifesta de forma escultórica em torno das capelas.

Já a obra em Fátima foi construída pelo gabinete Paula Santos Arquitetura, por ocasião do centenário das aparições e da visita do Papa Francisco, a 13 de maio de 2017. Segundo os projetistas, o desenho “permitiu também condições de mobilidade para deficientes à antiga basílica, o tratamento das colunatas existentes e o redesenho da escadaria de acesso a todas as estruturas religiosas”.

Artigos relacionados

Breves

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica 

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

“A longa viagem começa por um passo”, recriemos… novidade

Inicio o meu quarto ano de uma escrita a que não estava habituada, a crónica jornalística. Nos primeiros três anos escrevi sobre a interculturalidade. Falei sobre o modo como podemos, por hipótese, colocar as culturas moçambicanas e portuguesa a dialogarem. Noutras vezes, inclui a cultura judaica, no diálogo com essas culturas. De um modo geral, tenho-me questionado sobre a cultura, nas suas diferentes manifestações: literatura, costumes, comportamentos sociais, práticas culturais, modos de ser, de estar e de fazer.

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia

Há tempos, numa visita a uma adega nacional conhecida, em turismo, ouvi uma curiosa explicação da nossa guia que me relembrou imediatamente da vida de fé e das questões dos tempos modernos. Dizia-nos a guia que é hábito encontrar roseiras ao redor das vinhas como salvaguarda: quando os vitivinicultores encontravam algum tipo de doença nas roseiras, algum fungo, sabiam que era hora de proteger a vinha, de a tratar, porque a doença estava próxima.

Esta é a Igreja que eu amo!

Fui um dos que, convictamente e pelo amor que tenho à Igreja Católica, subscrevi a carta que 276 católicas e católicos dirigiram ao episcopado português para que, em consonância e decididamente, tomassem “a iniciativa de organizar uma investigação independente sobre os crimes de abuso sexual na Igreja”.

Cultura e artes

Cinema

Interiormente perturbador

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

O que revela “Não olhem para cima” da Netflix

Não Olhem Para Cima é uma nova sátira da Netflix escrita e realizada por Adam McKay e que conta a história de dois astrónomos que entram em pânico para chamar a atenção da humanidade para a colisão de um cometa cujo tamanho gerará uma extinção em massa. Em suma, a humanidade deixará de existir. A sátira está numa humanidade que vive de tal forma na sua bolha de entretenimento, entre sondagens políticas e programas da manhã que, simplesmente, não quer saber.

[Os dias da semana]

A desinformação no YouTube

A denúncia, feita na passada quarta-feira (12 de Janeiro) passou despercebida, mas valeria a pena retê-la: o YouTube “é um dos principais canais de desinformação e informação deturpada online a nível mundial”.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This