Dois retábulos em restauro no Mosteiro de Pombeiro

| 23 Nov 20

Mosteiro de Pombeiro.

Mosteiro de Pombeiro. Foto © DRCN

 

Os retábulos de Nossa Senhora das Dores e de Santo António (bem como as respectivas esculturas) na nave da igreja do Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro (Felgueiras) estão a ser sujeitos a uma operação de conservação e restauro, com o objectivo de melhorar a estabilidade estrutural, valorizar a vertente conservativa e restituir, tanto quanto possível, uma leitura integrada do conjunto.

Nesta fase inicial, os trabalhos incidirão na reabilitação pontual do piso térreo da galeria do claustro, da rosácea e da torre da Igreja, prevendo-se o isolamento do pavimento da torre sineira e a colocação de filtros UV na rosácea e janelões do coro-alto, informa uma nota de imprensa da Direcção Regional de Cultura do Norte (DRCN).

A intervenção, que deverá ficar concluída no início do segundo trimestre do próximo ano, está a cargo da DRCN e integra-se na Operação Mosteiros a Norte. Co-financiada pelo Programa Norte 2020, a operação tem um investimento global de cerca de 140 mil euros para as duas fases.

O Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro é uma das mais antigas instituições monacais do território português, recorda a mesma informação. Documentado desde o ano de 853, o mosteiro foi transferido de local e reconstruído nos séculos XI e XII, embora já quase nada reste das campanhas dos monges beneditinos dessa época.

Em 1112, Santa Maria do Pombeiro recebeu carta de couto de Dona Teresa (mãe do futuro rei, Afonso Henriques) e foi patrocinado pela importante família dos Sousões de Ribavizela. “Tornou-se um dos grandes potentados da região, acumulando vasto património fundiário e influência política”, diz a nota da DRCN.

O mosteiro está localizado naquela que era a interseção de duas das principais vias medievais da época: uma ligando o Porto a Trás-os-Montes, por Amarante, e a outra ligando a Beira a Guimarães e Braga, através de Lamego e do Douro, em Porto de Rei.

Além da importância que lhe vinha da localização – ou por via dela –, este conjunto monástico beneditino era lugar de paragem e descanso para os reis durante as suas viagens, bem como de pernoita e assistência aos que rumavam sobretudo a Santiago de Compostela.

“O poder da família que efectuou as doações e as dádivas dos fiéis permitiram a Pombeiro assumir-se como um potentado na região. Bens imóveis e padroados foram-se somando ao património do mosteiro, que chega a possuir 37 igrejas e um rendimento anual muito cobiçado, proveniente das rendas e dos dízimos.”

A Rede de Mosteiros a Norte – que inclui os conjuntos de Arouca, Grijó, Rendufe, Tibães, Pombeiro e Vilar de Frades – constituem um importante legado da arquitectura religiosa monástica a norte de Portugal, destaca a DRCN. Aqueles vários edifícios estão classificados como Monumentos Nacionais ou Imóveis de Interesse Público, o que torna “prioritária a sua preservação, valorização e divulgação”.

Ao mesmo tempo, os mosteiros têm uma importante “dimensão e valor patrimonial e uma forte presença no território”, constituindo-se como “pólos dinamizadores” na paisagem rural e urbana onde se inserem, pela proximidade com os centros urbanos de Arouca, Vila Nova de Gaia, Amares, Braga, Felgueiras e Barcelos.

Com a Rede de Mosteiros a Norte, pretende-se também continuar as intervenções de consolidação dos edifícios, criar ou melhorar espaços de recepção e acolhimento, reforçar a possibilidade de iniciativas culturais e artísticas, divulgar os espaços monásticos e aumentar o número de visitantes, bem como criar novos públicos.

 

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa novidade

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo

Estreia na Igreja de São Tomás de Aquino

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo novidade

“Os primeiros esboços deste texto terão surgido nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial”, explica o compositor Alfredo Teixeira, autor da Missa sobre o Mundo, obra para órgão e voz recitante que terá a sua estreia mundial absoluta no próximo sábado, 18 de Setembro, às 16h30 (entrada livre, sujeita ao número de lugares existentes). A obra, construída a partir de excertos do texto homónimo de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), padre jesuíta e paleontólogo, abrirá a temporada de concertos na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino, em Lisboa.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais novidade

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This