Dois terços dos educadores na Guiné-Bissau não têm formação especializada

| 9 Jul 19 | Cooperação e Solidariedade, Educação / Família, Newsletter, Sociedade - homepage, Últimas

Só 22% das crianças de 3 a 5 anos frequentam um espaço pré-escolar mas em muitos casos, fazem-no sem condições mínimas. Foto © FEC

 

Só 22% das crianças de 3 a 5 anos frequentam um espaço pré-escolar. Primeiro levantamento do ensino pré-escolar no país recomenda aposta na formação académica e em regime contínuo dos profissionais.

 

A falta de formação superior e especializada dos educadores na Guiné-Bissau (apenas 32,7% têm grau universitário) é uma das lacunas apresentadas na primeira Caracterização Nacional do Pré-Escolar no país, desenvolvido pela FEC – Fundação Fé e Cooperação em parceria com o Ministério da Educação da Guiné-Bissau e que foi divulgado por aquela instituição portuguesa. Ao mesmo tempo, num país em que 10% da população se concentra no curto grupo etário dos três aos cinco anos, apenas 22% dessas crianças têm oportunidade de frequentar um espaço pré-escolar.

O nível escolar mais representativo dos educadores guineenses é o 12.º ano (30,6%) e têm em média 32-33 anos. A sua experiência profissional ronda, em média, os seis anos e o salário médio situa-se entre o equivalente a 34-49 euros. Cada educador tem a seu cargo, em média, 32 crianças e a maioria não tem prática de planificação em termos de gestão pedagógica do espaço e das actividades com os meninos. Algumas acções de formação ministradas sobretudo por Organizações Não Governamentais e entidades religiosas têm ajudado a suprir a menor formação dos profissionais, observa o relatório.

O estudo recomenda a necessidade de “definir funções de recursos humanos afectos à educação de infância”, nomeadamente a de “coordenador pedagógico, educador e auxiliar”. O documento valoriza contudo o facto de os trabalhadores dos jardins de infância serem, em geral, pessoas jovens e no início do seu percurso laboral, “factor que deve ser aproveitado pois, mediante estímulo e apoio, estes profissionais podem revelar-se um grande potencial de desenvolvimento a vários níveis”.

 

Capacitar infra-estruturas e facilitar o acesso aos centros pré-escolares

 

A pressão demográfica, traduzida numa taxa de crescimento populacional prevista de 2,3% ao ano, evidencia desequilíbrios na oferta educativa do pré-escolar difíceis de combater na Guiné-Bissau, de modo a poder aumentar a resposta às necessidades das famílias e comunidades e possibilite a mais crianças frequentarem a pré-escola. Os meninos que conseguem aceder a um centro educativo têm, no entanto, de percorrer em média mais de 2,5 quilómetros para lá chegarem.

O país está classificado como um dos que têm mais baixo nível de desenvolvimento humano (177.º lugar em 189 países no respectivo índice de 2018, da ONU) e onde permanecem vários elementos essenciais ainda deficitários nas próprias infra-estruturas.

Oito em cada dez edifícios do ensino pré-escolar não têm acesso a energia eléctrica e mais de metade não tem acesso um ponto de água. A resistência dos materiais ao clima, contudo, está presente em 62% dos edifícios e 41% apresenta acessibilidades para pessoas com necessidades especiais. Mais de três quartos funcionam sem alvará de funcionamento. Para dar resposta aos constrangimentos existentes, o estudo recomenda ao Ministério da Educação guineense a aprovação e divulgação de um “Guia de Critérios Mínimos para o Funcionamento de Serviços Pré-escolares”.

O documento indica que “aexpansão da rede de pré-escolar na Guiné-Bissau e o grande aumento de efectivos neste nível deve-se sobretudo a iniciativas privadas, em particular associadas a entidades religiosas sem fins lucrativos.”

A recolha de informação foi realizada entre Dezembro de 2017 e Fevereiro de 2018 junto de 744 jardins de infância e 1050 educadores de infância de todo o território da Guiné-Bissau.

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020 novidade

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Manuela Silva e Sophia novidade

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

“Unicamente o vento…”

Teimosamente. A obra de Sophia ecoa. Como o vento. Como o mar. Porque “o poeta escreve para salvar a vida”. Aquela que foi. Que é. A vida num ápice. Luminosa e frágil. Do nascente ao ocaso. Para lá do poente. Celeste. Na “respiração das coisas”. No imprevisível ou na impermanência. A saborear o que tem. A usufruir do que teve. Na dor e na alegria.

Cultura e artes

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco