Dois terços dos educadores na Guiné-Bissau não têm formação especializada

| 9 Jul 19 | Cooperação e Solidariedade, Educação / Família, Newsletter, Sociedade - homepage, Últimas

Só 22% das crianças de 3 a 5 anos frequentam um espaço pré-escolar mas em muitos casos, fazem-no sem condições mínimas. Foto © FEC

 

Só 22% das crianças de 3 a 5 anos frequentam um espaço pré-escolar. Primeiro levantamento do ensino pré-escolar no país recomenda aposta na formação académica e em regime contínuo dos profissionais.

 

A falta de formação superior e especializada dos educadores na Guiné-Bissau (apenas 32,7% têm grau universitário) é uma das lacunas apresentadas na primeira Caracterização Nacional do Pré-Escolar no país, desenvolvido pela FEC – Fundação Fé e Cooperação em parceria com o Ministério da Educação da Guiné-Bissau e que foi divulgado por aquela instituição portuguesa. Ao mesmo tempo, num país em que 10% da população se concentra no curto grupo etário dos três aos cinco anos, apenas 22% dessas crianças têm oportunidade de frequentar um espaço pré-escolar.

O nível escolar mais representativo dos educadores guineenses é o 12.º ano (30,6%) e têm em média 32-33 anos. A sua experiência profissional ronda, em média, os seis anos e o salário médio situa-se entre o equivalente a 34-49 euros. Cada educador tem a seu cargo, em média, 32 crianças e a maioria não tem prática de planificação em termos de gestão pedagógica do espaço e das actividades com os meninos. Algumas acções de formação ministradas sobretudo por Organizações Não Governamentais e entidades religiosas têm ajudado a suprir a menor formação dos profissionais, observa o relatório.

O estudo recomenda a necessidade de “definir funções de recursos humanos afectos à educação de infância”, nomeadamente a de “coordenador pedagógico, educador e auxiliar”. O documento valoriza contudo o facto de os trabalhadores dos jardins de infância serem, em geral, pessoas jovens e no início do seu percurso laboral, “factor que deve ser aproveitado pois, mediante estímulo e apoio, estes profissionais podem revelar-se um grande potencial de desenvolvimento a vários níveis”.

 

Capacitar infra-estruturas e facilitar o acesso aos centros pré-escolares

 

A pressão demográfica, traduzida numa taxa de crescimento populacional prevista de 2,3% ao ano, evidencia desequilíbrios na oferta educativa do pré-escolar difíceis de combater na Guiné-Bissau, de modo a poder aumentar a resposta às necessidades das famílias e comunidades e possibilite a mais crianças frequentarem a pré-escola. Os meninos que conseguem aceder a um centro educativo têm, no entanto, de percorrer em média mais de 2,5 quilómetros para lá chegarem.

O país está classificado como um dos que têm mais baixo nível de desenvolvimento humano (177.º lugar em 189 países no respectivo índice de 2018, da ONU) e onde permanecem vários elementos essenciais ainda deficitários nas próprias infra-estruturas.

Oito em cada dez edifícios do ensino pré-escolar não têm acesso a energia eléctrica e mais de metade não tem acesso um ponto de água. A resistência dos materiais ao clima, contudo, está presente em 62% dos edifícios e 41% apresenta acessibilidades para pessoas com necessidades especiais. Mais de três quartos funcionam sem alvará de funcionamento. Para dar resposta aos constrangimentos existentes, o estudo recomenda ao Ministério da Educação guineense a aprovação e divulgação de um “Guia de Critérios Mínimos para o Funcionamento de Serviços Pré-escolares”.

O documento indica que “aexpansão da rede de pré-escolar na Guiné-Bissau e o grande aumento de efectivos neste nível deve-se sobretudo a iniciativas privadas, em particular associadas a entidades religiosas sem fins lucrativos.”

A recolha de informação foi realizada entre Dezembro de 2017 e Fevereiro de 2018 junto de 744 jardins de infância e 1050 educadores de infância de todo o território da Guiné-Bissau.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

A mulher que pode ter autoridade sobre os bispos

Francesca di Giovanni, nomeada pelo Papa para o cargo de subsecretária da Secção para as Relações com os Estados, considerou a sua escolha como “uma decisão inovadora [que] representa um sinal de atenção para com as mulheres.

Papa considera “superado” episódio do livro sobre celibato

O Papa Francisco terá considerado ultrapassado o episódio do início desta semana, a propósito do livro sobre o celibato, escrito pelo cardeal Robert Sarah, da Guiné-Conacri, e o Papa emérito Bento XVI (ou que o cardeal escreveu sozinho, usando também um texto de Ratzinger).

Henrique Joaquim: “Assistencialismo não tira da rua as pessoas sem-abrigo”

“O assistencialismo não tira a pessoa da rua, não resolve o problema; ainda que naquela noite tenha matado a fome a uma pessoa, não a tira dessa condição”, diz o gestor da Estratégia Nacional de Integração dos Sem-abrigo, Henrique Joaquim, que esta quinta-feira, 2 de Janeiro, iniciou as suas funções.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Beleza e ecumenismo

A junção de beleza e ecumenismo evoca a luxuriante diversidade num jardim. A beleza tem afinidades com a surpresa: é a vitória sobre o banal, o monótono.

Cultura: novas histórias e paradigmas…

“Torna-se necessária uma evangelização que ilumine os novos modos de se relacionar com Deus, com os outros e com o ambiente, e que suscite os valores fundamentais” – afirma a exortação pastoral Evangelii Gaudium. Na mesma linha em que o Papa João XXIII apelava ao reconhecimento da importância dos “sinais dos tempos”, o Papa Francisco afirmou que: “É necessário chegar aonde são concebidas as novas histórias e paradigmas, alcançar com a Palavra de Jesus os núcleos mais profundos da alma das cidades.

Cultura e artes

Cinema: À Porta da Eternidade novidade

O realizador Julian Schnabel alterou, com este filme, alguns mitos acerca de Vincent van Gogh, considerado um dos maiores pintores de todos os tempos. Os cenários, a fotografia e a iluminação do filme produzem uma aproximação visual às telas do pintor, no período em que van Gogh parte para Arles, no sul de França, em busca da luz, seguindo todo o seu percurso até à morte, aos 37 anos de idade.

Que faz um homem com a sua consciência?

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Guiné-Bissau: das “cicatrizes do tempo” ao renascer do povo

Este mês fui de visita à Guiné. Uma viagem de memória para quem, como eu, não tinha memórias da Guiné. Estive em Luanda ainda em criança, mas as memórias são as próprias da idade. Excepção à única em que o meu pai me bateu. Às cinco da tarde saí de casa e às dez da noite descobriram-me a assistir, divertida, ao baile no clube. Uma criança de cinco anos, branca e loura, desaparecida na Luanda dos anos 1960 não augurava coisa boa, o que gerou o pânico dos meus pais. Daí a tareia…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
23
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 23@21:30_23:00

Conferência sobre “Periferias”, com Isabel Mota, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Jan
31
Sex
III Congresso Lusófono de Ciência das Religiões – Religião, Ecologia e Natureza (até 5 de Fevº) @ Universidade Lusófona, Templo Hindu, Mesquita Central e Centro Ismaili
Jan 31@09:30_14:00

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco