Dois terços dos educadores na Guiné-Bissau não têm formação especializada

| 9 Jul 19 | Cooperação e Solidariedade, Educação / Família, Newsletter, Sociedade - homepage, Últimas

Só 22% das crianças de 3 a 5 anos frequentam um espaço pré-escolar mas em muitos casos, fazem-no sem condições mínimas. Foto © FEC

 

Só 22% das crianças de 3 a 5 anos frequentam um espaço pré-escolar. Primeiro levantamento do ensino pré-escolar no país recomenda aposta na formação académica e em regime contínuo dos profissionais.

 

A falta de formação superior e especializada dos educadores na Guiné-Bissau (apenas 32,7% têm grau universitário) é uma das lacunas apresentadas na primeira Caracterização Nacional do Pré-Escolar no país, desenvolvido pela FEC – Fundação Fé e Cooperação em parceria com o Ministério da Educação da Guiné-Bissau e que foi divulgado por aquela instituição portuguesa. Ao mesmo tempo, num país em que 10% da população se concentra no curto grupo etário dos três aos cinco anos, apenas 22% dessas crianças têm oportunidade de frequentar um espaço pré-escolar.

O nível escolar mais representativo dos educadores guineenses é o 12.º ano (30,6%) e têm em média 32-33 anos. A sua experiência profissional ronda, em média, os seis anos e o salário médio situa-se entre o equivalente a 34-49 euros. Cada educador tem a seu cargo, em média, 32 crianças e a maioria não tem prática de planificação em termos de gestão pedagógica do espaço e das actividades com os meninos. Algumas acções de formação ministradas sobretudo por Organizações Não Governamentais e entidades religiosas têm ajudado a suprir a menor formação dos profissionais, observa o relatório.

O estudo recomenda a necessidade de “definir funções de recursos humanos afectos à educação de infância”, nomeadamente a de “coordenador pedagógico, educador e auxiliar”. O documento valoriza contudo o facto de os trabalhadores dos jardins de infância serem, em geral, pessoas jovens e no início do seu percurso laboral, “factor que deve ser aproveitado pois, mediante estímulo e apoio, estes profissionais podem revelar-se um grande potencial de desenvolvimento a vários níveis”.

 

Capacitar infra-estruturas e facilitar o acesso aos centros pré-escolares

 

A pressão demográfica, traduzida numa taxa de crescimento populacional prevista de 2,3% ao ano, evidencia desequilíbrios na oferta educativa do pré-escolar difíceis de combater na Guiné-Bissau, de modo a poder aumentar a resposta às necessidades das famílias e comunidades e possibilite a mais crianças frequentarem a pré-escola. Os meninos que conseguem aceder a um centro educativo têm, no entanto, de percorrer em média mais de 2,5 quilómetros para lá chegarem.

O país está classificado como um dos que têm mais baixo nível de desenvolvimento humano (177.º lugar em 189 países no respectivo índice de 2018, da ONU) e onde permanecem vários elementos essenciais ainda deficitários nas próprias infra-estruturas.

Oito em cada dez edifícios do ensino pré-escolar não têm acesso a energia eléctrica e mais de metade não tem acesso um ponto de água. A resistência dos materiais ao clima, contudo, está presente em 62% dos edifícios e 41% apresenta acessibilidades para pessoas com necessidades especiais. Mais de três quartos funcionam sem alvará de funcionamento. Para dar resposta aos constrangimentos existentes, o estudo recomenda ao Ministério da Educação guineense a aprovação e divulgação de um “Guia de Critérios Mínimos para o Funcionamento de Serviços Pré-escolares”.

O documento indica que “aexpansão da rede de pré-escolar na Guiné-Bissau e o grande aumento de efectivos neste nível deve-se sobretudo a iniciativas privadas, em particular associadas a entidades religiosas sem fins lucrativos.”

A recolha de informação foi realizada entre Dezembro de 2017 e Fevereiro de 2018 junto de 744 jardins de infância e 1050 educadores de infância de todo o território da Guiné-Bissau.

Artigos relacionados

Apoie o 7 Margens

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Criança no centro? novidade

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Cultura e artes

Festa de Maria Madalena: um filme para dar lugar às mulheres novidade

A intenção do autor é dar lugar às mulheres. Não restam dúvidas, fazendo uma leitura atenta dos quatro Evangelhos que Jesus lhes dá o primeiro lugar. A elas, anuncia-lhes quem é Ele, verdadeiramente. Companheiras de Cristo, continuarão a sua missão, juntamente com os homens. Anunciando, tal como eles, a Paixão e a Ressurreição de Jesus Cristo; curando, baptizando em nome do Senhor. Tornando-se diáconos. Sabe-se, está escrito. Mas, nos Actos dos Apóstolos, elas desaparecem sem deixar rasto.

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Parceiros

Fale connosco