Dor, perda, insulto, violação: as reações à transformação de Santa Sofia em mesquita

| 13 Jul 20

Hagya Sophia. Istambul

Hagya Sophia. Istambul. Mosaicos cristãos e símbolos muçulmanos. Foto © António José Paulino

 

Do Papa aos líderes da Igreja Ortodoxa, passando pelo Conselho Mundial de Igrejas e sem esquecer o Governo grego, não se fizeram esperar as reações ao anúncio feito na passada sexta-feira, 10 de julho, pelo Presidente turco Recep Tayip Erdogan, de que a Basílica de Santa Sofia será transformada numa mesquita. E nenhuma delas está perto de ser positiva.

O Papa Francisco, que vinha sendo criticado por não expressar a sua opinião relativamente à já anunciada intenção de Erdogan, quebrou este domingo o silêncio. “O meu pensamento dirige-se a Istambul. Penso em Santa Sofia e sinto-me muito magoado”, disse o Papa logo no início da saudação que dirige sempre aos fiéis após a oração dominical do Angelus.

Um sentimento partilhado pelo secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas, o padre ortodoxo romeno Ioan Sauca, que expressou no sábado “dor e consternação” com a decisão de converter a basílica numa mesquita. Numa carta enviada ao Presidente da Turquia, o representante da instituição que agrupa cerca de 350 igrejas cristãs não católicas (sobretudo protestantes e ortodoxas) de todo o mundo assinalou que, desde 1934, Santa Sofia é “um local de abertura, encontro e inspiração para pessoas de todas as nações e credos”. Referindo-se à data em que o templo foi secularizado e passou a funcionar como museu e atração turística, Ioan Sauca considera que a basílica era um exemplo do compromisso da Turquia “com o secularismo, a inclusão e o desejo de deixar para trás os conflitos do passado”.

A decisão de transformá-la numa mesquita, na sua opinião, “reverteu a imagem positiva de abertura da Turquia, alterando-a para exclusão e divisão”, e desacredita também o valor universal deste monumento classificado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), instituição que aliás alertou para o risco de perda desse valor num comunicado emitido na passada sexta-feira.

O Conselho de Igrejas do Médio Oriente não tem dúvidas: esta decisão de Erdogan é “uma violação da liberdade religiosa”, liberdade essa que é “protegida por leis internacionais”, afirma num comunicado divulgado este sábado, exortando as Nações Unidas e a Liga dos Estados Árabes a apelar ao Supremo Tribunal turco.

 

Relações com Rússia e Grécia comprometidas

Hagya Sophia. Istambul.

Hagya Sophia, em Istambul, vista do exterior. Foto © Margarida Paulino

 

Da parte da Igreja Ortodoxa Russa, foi manifestado o receio de que este passo possa “ter sérias consequências para toda a civilização humana”, e em particular para a paz inter-religiosa e o entendimento entre os povos, incluindo os da Rússia e Turquia”, avançou o Religión Digital.

O arcebispo metropolita Hilarión, porta-voz do patriarcado de Moscovo, considerou a decisão turca “um golpe” para os cristãos ortodoxos de todo o mundo, sublinhando que para eles “o templo de Santa Sofia representa o mesmo que a basílica de São Pedro para os católicos”. Apesar de não ter ficado surpreendido com a decisão, confessou que. “até ao último momento” teve esperança de que as autoridades turcas mudassem de planos. “Esta decisão, sem dúvida, afetará de uma forma negativa a relação da Turquia com o mundo cristão”, concluiu.

Já esta segunda-feira, o Presidente russo, Vladimir Putin, transmitiu diretamente ao seu homólogo turco “a importante desaprovação que provocou na Rússia a decisão de mudar o estatuto da igreja de Santa Sofia em Istambul”, avançou o Expresso.

Na Grécia, o arcebispo de Atenas, Jerónimo II, qualificou por seu lado a decisão de Erdogan como um “insulto à ortodoxia, ao cristianismo em geral e a todo o ser pensante”. “A instrumentalização da religião para a busca de conveniências partidárias, geopolíticas e geoestratégicas caracteriza quem tenta fazê-lo”, expressou o primaz da Igreja Ortodoxa grega num comunicado divulgado este domingo, citado pelo Religión Digital.

Também o primeiro-ministro grego, o conservador Kyriakis Mitotakis, considera que esta decisão, depois de Santa Sofia ter funcionado como museu durante 85 anos e sendo Património da Humanidade, é uma “afronta ao seu caráter ecuménico” e um “lamentável” passo atrás do Presidente turco. Segundo Mitsotakis, isto afetará não só as relações da Turquia com a Grécia, mas também com a União Europeia, a UNESCO e a comunidade internacional em geral.

Numa mensagem televisiva à nação, o Presidente turco respondeu às críticas, assegurando que “Santa Sofia, que é património comum da humanidade, com o seu novo estatuto, continuará a abraçar todos de forma muito mais sincera e de forma muito mais original”.

Erdogan recordou que existem 435 igrejas e sinagogas abertas ao culto no país. “Este panorama é uma manifestação da compreensão que vê as nossas diferenças como uma riqueza”, defendeu, convidando todos a respeitar a decisão que foi tomada pelos órgãos executivo e judicial da Turquia e anunciando que  templo deverá ser reaberto ao culto islâmico no próximo dia 24 de julho.

Reproduz-se a seguir a mensagem do Presidente turco (legendada em inglês) sobre a alteração do estatuto da antiga basílica de Santa Sofia:

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Uma viagem global pela santidade com o padre Adelino Ascenso

Do Tibete a Varanasi e ao Líbano, do budismo ao cristianismo, passando pelo hinduísmo. Uma viagem pela santidade em tempos de globalização é o que irá propor o padre Adelino Ascenso, no âmbito do Seminário Internacional de Estudos Globais, numa sessão presencial e em vídeo.

Uma “Teo Conversa” no Facebook

A propósito da nova revista de Teologia Ad Aeternum, a área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona vai iniciar nesta quinta-feira, 29, às 22h (19h em Brasília) um conjunto de debates em vídeo, que podem ser acompanhados na respectiva página no Facebook. 

Antigo engenheiro militar sucede a Barbarin como arcebispo de Lyon

O Papa nomeou esta quinta-feira, 22 de outubro, Olivier de Germay, até agora bispo de Ajaccio (na Córsega), como novo arcebispo de Lyon. Está assim encontrado o sucessor do cardeal Philippe Barbarin, cuja renúncia tinha sido aceite por Francisco em março deste ano. 

Declarações do Papa sobre homossexuais “não afetam a doutrina da Igreja”, dizem bispos portugueses

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) considera que as declarações do Papa sobre a proteção legal a uniões de pessoas do mesmo sexo “não afetam a doutrina da Igreja” sobre o matrimónio. Em nota enviada à agência Ecclesia esta quarta-feira, 22, os bispos portugueses sublinham que as afirmações de Francisco contidas no novo documentário “Francesco” já eram conhecidas anteriormente e “revelam a atenção constante do Papa às necessidades reais da vida concreta das pessoas”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

Facebook proíbe conteúdos que neguem ou distorçam o Holocausto

A decisão foi anunciada esta segunda-feira, 12 de outubro, pela vice-presidente de política de conteúdos do Facebook, Monika Bickert, e confirmada pelo próprio dono e fundador da rede social, Mark Zuckerberg: face ao crescimento das manifestações de antissemitismo online, o Facebook irá banir “qualquer conteúdo que negue ou distorça o Holocausto”.

É notícia

Entre margens

“Fratelli Tutti”: Corajoso apelo novidade

Paul Ricoeur distingue nesse ponto a solidariedade e o cuidado ou caridade. Se a solidariedade é necessária, não pode reduzir-se a uma mera lógica assistencial. É preciso cuidar. Se as políticas de Segurança Social têm de se aperfeiçoar, a sociedade é chamada a organizar-se para o cuidado de quem está só ou está a ficar para trás.

Uma espiritualidade com ou sem Deus?

Sempre que o Homem procura ser o centro-de-si-mesmo, o individualismo e o relativismo crescem gerando o autoconsumo de si mesmo. Espiritualmente, há uma espiral autocentrada presente nos livros de autoajuda e desenvolvimento pessoal, que na bondade da intenção, não têm a capacidade de ajudar a sair de um ciclo vicioso egoísta e possessivo. No vazio cabem sempre muitas coisas, mas nenhuma se encaixa verdadeiramente.

Cultura e artes

Museus do Vaticano com cursos e iniciativas online

Os Patronos de Artes dos Museus do Vaticano lançaram uma série de iniciativas e cursos em vídeo, que incluem conferências ao vivo ou uma “hora do café” de perguntas e respostas com especialistas. O objectivo é que os participantes e apoiantes dos museus permaneçam ligados durante a pandemia.

O capitalismo não gosta da calma (nem da contemplação religiosa)

A editora Relógio d’Água prossegue a publicação em Portugal dos ensaios de Byung-Chul Han, filósofo sul-coreano radicado na Alemanha. O tom direto e incisivo da sua escrita aponta, num registo realista, as múltiplas enfermidades de que padece a sociedade contemporânea, que o autor designa como sociedade pós-industrial ou sociedade da comunicação e do digital, do excesso de produção e de comunicação. A perda dos referentes rituais – análise que o autor refere como isenta de nostalgia, mas apontando o futuro – é uma dessas enfermidades, com as quais a vivência religiosa está intimamente relacionada.

Documentário sobre Ferreira d’Almeida disponível na RTP Play

O documentário abre com Carlos Fiolhais professor de Física na Universidade de Coimbra, a recordar que a Bíblia é o livro mais traduzido e divulgado de sempre – também na língua portuguesa. E que frases conhecidas como “No princípio criou Deus o céu e a terra” têm, em português, um responsável maior: João Ferreira Annes d’Almeida, o primeiro tradutor da Bíblia para português, trabalho que realizou no Oriente, para onde foi ainda jovem e onde acabaria por morrer.

Uma simples prece

Nem todos somos chamados a um grande destino/ Mas cada um de nós faz parte de um mistério maior/ Mesmo que a nossa existência pareça irrelevante/ Tu recolhes-te em cada gesto e interrogação

Sete Partidas

Outono em Washington DC: cores quentes, cidade segregada

Vou jantar fora com um grupo de amigas, algo que parece impensável nos dias que correm, e fico deslumbrada com o ambiente que se vive nas ruas, deparo-me com inúmeros bancos de jardim que agora se transformaram em casa para alguém, algumas tendas de campismo montadas em Dupont Circle, a rotunda que define a fronteira invisível entre ricos e pobres.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco