Dor, perda, insulto, violação: as reações à transformação de Santa Sofia em mesquita

| 13 Jul 20

Hagya Sophia. Istambul

Hagya Sophia. Istambul. Mosaicos cristãos e símbolos muçulmanos. Foto © António José Paulino

 

Do Papa aos líderes da Igreja Ortodoxa, passando pelo Conselho Mundial de Igrejas e sem esquecer o Governo grego, não se fizeram esperar as reações ao anúncio feito na passada sexta-feira, 10 de julho, pelo Presidente turco Recep Tayip Erdogan, de que a Basílica de Santa Sofia será transformada numa mesquita. E nenhuma delas está perto de ser positiva.

O Papa Francisco, que vinha sendo criticado por não expressar a sua opinião relativamente à já anunciada intenção de Erdogan, quebrou este domingo o silêncio. “O meu pensamento dirige-se a Istambul. Penso em Santa Sofia e sinto-me muito magoado”, disse o Papa logo no início da saudação que dirige sempre aos fiéis após a oração dominical do Angelus.

Um sentimento partilhado pelo secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas, o padre ortodoxo romeno Ioan Sauca, que expressou no sábado “dor e consternação” com a decisão de converter a basílica numa mesquita. Numa carta enviada ao Presidente da Turquia, o representante da instituição que agrupa cerca de 350 igrejas cristãs não católicas (sobretudo protestantes e ortodoxas) de todo o mundo assinalou que, desde 1934, Santa Sofia é “um local de abertura, encontro e inspiração para pessoas de todas as nações e credos”. Referindo-se à data em que o templo foi secularizado e passou a funcionar como museu e atração turística, Ioan Sauca considera que a basílica era um exemplo do compromisso da Turquia “com o secularismo, a inclusão e o desejo de deixar para trás os conflitos do passado”.

A decisão de transformá-la numa mesquita, na sua opinião, “reverteu a imagem positiva de abertura da Turquia, alterando-a para exclusão e divisão”, e desacredita também o valor universal deste monumento classificado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), instituição que aliás alertou para o risco de perda desse valor num comunicado emitido na passada sexta-feira.

O Conselho de Igrejas do Médio Oriente não tem dúvidas: esta decisão de Erdogan é “uma violação da liberdade religiosa”, liberdade essa que é “protegida por leis internacionais”, afirma num comunicado divulgado este sábado, exortando as Nações Unidas e a Liga dos Estados Árabes a apelar ao Supremo Tribunal turco.

 

Relações com Rússia e Grécia comprometidas

Hagya Sophia. Istambul.

Hagya Sophia, em Istambul, vista do exterior. Foto © Margarida Paulino

 

Da parte da Igreja Ortodoxa Russa, foi manifestado o receio de que este passo possa “ter sérias consequências para toda a civilização humana”, e em particular para a paz inter-religiosa e o entendimento entre os povos, incluindo os da Rússia e Turquia”, avançou o Religión Digital.

O arcebispo metropolita Hilarión, porta-voz do patriarcado de Moscovo, considerou a decisão turca “um golpe” para os cristãos ortodoxos de todo o mundo, sublinhando que para eles “o templo de Santa Sofia representa o mesmo que a basílica de São Pedro para os católicos”. Apesar de não ter ficado surpreendido com a decisão, confessou que. “até ao último momento” teve esperança de que as autoridades turcas mudassem de planos. “Esta decisão, sem dúvida, afetará de uma forma negativa a relação da Turquia com o mundo cristão”, concluiu.

Já esta segunda-feira, o Presidente russo, Vladimir Putin, transmitiu diretamente ao seu homólogo turco “a importante desaprovação que provocou na Rússia a decisão de mudar o estatuto da igreja de Santa Sofia em Istambul”, avançou o Expresso.

Na Grécia, o arcebispo de Atenas, Jerónimo II, qualificou por seu lado a decisão de Erdogan como um “insulto à ortodoxia, ao cristianismo em geral e a todo o ser pensante”. “A instrumentalização da religião para a busca de conveniências partidárias, geopolíticas e geoestratégicas caracteriza quem tenta fazê-lo”, expressou o primaz da Igreja Ortodoxa grega num comunicado divulgado este domingo, citado pelo Religión Digital.

Também o primeiro-ministro grego, o conservador Kyriakis Mitotakis, considera que esta decisão, depois de Santa Sofia ter funcionado como museu durante 85 anos e sendo Património da Humanidade, é uma “afronta ao seu caráter ecuménico” e um “lamentável” passo atrás do Presidente turco. Segundo Mitsotakis, isto afetará não só as relações da Turquia com a Grécia, mas também com a União Europeia, a UNESCO e a comunidade internacional em geral.

Numa mensagem televisiva à nação, o Presidente turco respondeu às críticas, assegurando que “Santa Sofia, que é património comum da humanidade, com o seu novo estatuto, continuará a abraçar todos de forma muito mais sincera e de forma muito mais original”.

Erdogan recordou que existem 435 igrejas e sinagogas abertas ao culto no país. “Este panorama é uma manifestação da compreensão que vê as nossas diferenças como uma riqueza”, defendeu, convidando todos a respeitar a decisão que foi tomada pelos órgãos executivo e judicial da Turquia e anunciando que  templo deverá ser reaberto ao culto islâmico no próximo dia 24 de julho.

Reproduz-se a seguir a mensagem do Presidente turco (legendada em inglês) sobre a alteração do estatuto da antiga basílica de Santa Sofia:

 

[related_posts_by_tax format=”thumbnails” image_size=”medium” posts_per_page=”3″ title=”Artigos relacionados” exclude_terms=”49,193,194″]

Lev Nikolaievitch Tolstoi: só o amor dá sentido à vida

[Saborear os clássicos] (xi)

Lev Nikolaievitch Tolstoi: só o amor dá sentido à vida novidade

Lev Tolstoi nasceu numa família da alta aristocracia. É o escritor russo mais célebre. Contrastando com a eslavofilia de Dostoiévski, Tolstoi pretendeu sempre unir a Rússia à Europa, para onde viajou com frequência. No fim da vida, correspondeu-se com Gandhi, muito mais novo do que o escritor, cativado pela ideologia da não-violência.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

De presépios a vagens de baunilha, ONG propõem presentes de Natal solidários

Apoio ao desenvolvimento

De presépios a vagens de baunilha, ONG propõem presentes de Natal solidários

Há opções para todos os gostos, e para todas as carteiras também. Várias Organizações Não Governamentais (ONG) portuguesas de apoio ao desenvolvimento aproveitam a época natalícia para propor presentes solidários e, com a sua venda, angariar fundos para a sustentabilidade das suas missões. E nem precisa de sair casa para adquiri-los.

É notícia

Entre margens

Desarmar-se

Desarmar-se

Sinto-me um pouco embaraçada. Perguntam-me: como correu o encontro com os meus amigos no Porto e, afinal de contas: o que é isto de “Juntos pela Europa”? O que é que 166 pessoas de 19 países diferentes, de 45 movimentos e comunidades de oito igrejas, podem fazer em conjunto, quando “os semelhantes atraem os semelhantes” e a diversidade é raramente – ou talvez nunca – uma força de coesão? E sem falar das diferentes visões geopolíticas, culturais, históricas, confessionais e, além disso: o que farão agora os russos e os ucranianos, que também estiveram presentes?

A vida por inteiro, uma ode ao amor de Deus

A vida por inteiro, uma ode ao amor de Deus

É difícil descortinar Deus na vida toda: a que nos agrada e a que não nos agrada, a que nos edifica e a que nos abate, a que entendemos e a que nos lança na escuridão. Todos os dias vivemos muitos momentos que nos atiram para tudo isso, e só não percebemos estas nuances se não as quisermos ver. É fácil encontrarmos Deus quando a vida corre bem: tudo encaixa, os nossos talentos estão à vista e vão crescendo, somos reconhecidos, acordamos com vontade para novos dias, que vão ser cheios de coisas boas, previsíveis nas suas causas e nos seus efeitos.

Cultura e artes

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

“Cheguei a pensar ser padre… não é muito diferente de ser comediante”

António Raminhos em entrevista

“Cheguei a pensar ser padre… não é muito diferente de ser comediante”

Andou na catequese, foi escuteiro, e, em plena adolescência, quis ser padre – talvez porque também nesse papel teria de falar às pessoas e cativá-las. A obrigatoriedade do celibato assustou-o. Mais tarde, o sentir que havia falta de coerência dentro da Igreja Católica também. É apaixonado pelas religiões (até gostava de fazer um programa de televisão sobre elas), mas é a figura de Jesus Cristo que verdadeiramente o inspira. Hoje, apesar de ter decidido batizar as três filhas ou de ter ido recentemente a Fátima a pé, não se revê na falta de abertura da Igreja Católica e diz-se mais cristão do que católico. Em plena digressão do seu mais recente espetáculo “Não sou eu, é a minha cabeça”, o comediante António Raminhos falou ao 7MARGENS sobre a sua relação com a fé e a forma como esta pode ajudar pessoas que, como ele, sofrem com distúrbios de ansiedade. E também de como a religião é um terreno fértil para o seu trabalho…

A “Castro” e outros clássicos do teatro para descobrir em Lisboa (e no YouTube)

Clássicos em Cena em 7ª edição

A “Castro” e outros clássicos do teatro para descobrir em Lisboa (e no YouTube)

A Castro, de António Ferreira, e outras duas peças clássicas, serão objecto de duas leituras encenadas nas próximas sexta-feira e domingo. As sessões incluem-se no programa da 7ª edição dos Clássicos em Cena, que decorre na Livraria/Galeria Sá da Costa (R. Serpa Pinto, 19, ao Chiado, em Lisboa), com entrada livre, e também no canal do Teatro Maizum no YouTube.

Sete Partidas

Desobediência

Desobediência

Recentemente fui desafiada a algo que não esperava. Provavelmente deveria começar a ensinar a minha filha a prevaricar, disse-me o meu pai. Foi a palavra escolhida. O sentido era o de rebeldia, de desobediência. Eu fiquei a pensar.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This