Dor, perda, insulto, violação: as reações à transformação de Santa Sofia em mesquita

| 13 Jul 20

Hagya Sophia. Istambul

Hagya Sophia. Istambul. Mosaicos cristãos e símbolos muçulmanos. Foto © António José Paulino

 

Do Papa aos líderes da Igreja Ortodoxa, passando pelo Conselho Mundial de Igrejas e sem esquecer o Governo grego, não se fizeram esperar as reações ao anúncio feito na passada sexta-feira, 10 de julho, pelo Presidente turco Recep Tayip Erdogan, de que a Basílica de Santa Sofia será transformada numa mesquita. E nenhuma delas está perto de ser positiva.

O Papa Francisco, que vinha sendo criticado por não expressar a sua opinião relativamente à já anunciada intenção de Erdogan, quebrou este domingo o silêncio. “O meu pensamento dirige-se a Istambul. Penso em Santa Sofia e sinto-me muito magoado”, disse o Papa logo no início da saudação que dirige sempre aos fiéis após a oração dominical do Angelus.

Um sentimento partilhado pelo secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas, o padre ortodoxo romeno Ioan Sauca, que expressou no sábado “dor e consternação” com a decisão de converter a basílica numa mesquita. Numa carta enviada ao Presidente da Turquia, o representante da instituição que agrupa cerca de 350 igrejas cristãs não católicas (sobretudo protestantes e ortodoxas) de todo o mundo assinalou que, desde 1934, Santa Sofia é “um local de abertura, encontro e inspiração para pessoas de todas as nações e credos”. Referindo-se à data em que o templo foi secularizado e passou a funcionar como museu e atração turística, Ioan Sauca considera que a basílica era um exemplo do compromisso da Turquia “com o secularismo, a inclusão e o desejo de deixar para trás os conflitos do passado”.

A decisão de transformá-la numa mesquita, na sua opinião, “reverteu a imagem positiva de abertura da Turquia, alterando-a para exclusão e divisão”, e desacredita também o valor universal deste monumento classificado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), instituição que aliás alertou para o risco de perda desse valor num comunicado emitido na passada sexta-feira.

O Conselho de Igrejas do Médio Oriente não tem dúvidas: esta decisão de Erdogan é “uma violação da liberdade religiosa”, liberdade essa que é “protegida por leis internacionais”, afirma num comunicado divulgado este sábado, exortando as Nações Unidas e a Liga dos Estados Árabes a apelar ao Supremo Tribunal turco.

 

Relações com Rússia e Grécia comprometidas

Hagya Sophia. Istambul.

Hagya Sophia, em Istambul, vista do exterior. Foto © Margarida Paulino

 

Da parte da Igreja Ortodoxa Russa, foi manifestado o receio de que este passo possa “ter sérias consequências para toda a civilização humana”, e em particular para a paz inter-religiosa e o entendimento entre os povos, incluindo os da Rússia e Turquia”, avançou o Religión Digital.

O arcebispo metropolita Hilarión, porta-voz do patriarcado de Moscovo, considerou a decisão turca “um golpe” para os cristãos ortodoxos de todo o mundo, sublinhando que para eles “o templo de Santa Sofia representa o mesmo que a basílica de São Pedro para os católicos”. Apesar de não ter ficado surpreendido com a decisão, confessou que. “até ao último momento” teve esperança de que as autoridades turcas mudassem de planos. “Esta decisão, sem dúvida, afetará de uma forma negativa a relação da Turquia com o mundo cristão”, concluiu.

Já esta segunda-feira, o Presidente russo, Vladimir Putin, transmitiu diretamente ao seu homólogo turco “a importante desaprovação que provocou na Rússia a decisão de mudar o estatuto da igreja de Santa Sofia em Istambul”, avançou o Expresso.

Na Grécia, o arcebispo de Atenas, Jerónimo II, qualificou por seu lado a decisão de Erdogan como um “insulto à ortodoxia, ao cristianismo em geral e a todo o ser pensante”. “A instrumentalização da religião para a busca de conveniências partidárias, geopolíticas e geoestratégicas caracteriza quem tenta fazê-lo”, expressou o primaz da Igreja Ortodoxa grega num comunicado divulgado este domingo, citado pelo Religión Digital.

Também o primeiro-ministro grego, o conservador Kyriakis Mitotakis, considera que esta decisão, depois de Santa Sofia ter funcionado como museu durante 85 anos e sendo Património da Humanidade, é uma “afronta ao seu caráter ecuménico” e um “lamentável” passo atrás do Presidente turco. Segundo Mitsotakis, isto afetará não só as relações da Turquia com a Grécia, mas também com a União Europeia, a UNESCO e a comunidade internacional em geral.

Numa mensagem televisiva à nação, o Presidente turco respondeu às críticas, assegurando que “Santa Sofia, que é património comum da humanidade, com o seu novo estatuto, continuará a abraçar todos de forma muito mais sincera e de forma muito mais original”.

Erdogan recordou que existem 435 igrejas e sinagogas abertas ao culto no país. “Este panorama é uma manifestação da compreensão que vê as nossas diferenças como uma riqueza”, defendeu, convidando todos a respeitar a decisão que foi tomada pelos órgãos executivo e judicial da Turquia e anunciando que  templo deverá ser reaberto ao culto islâmico no próximo dia 24 de julho.

Reproduz-se a seguir a mensagem do Presidente turco (legendada em inglês) sobre a alteração do estatuto da antiga basílica de Santa Sofia:

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica 

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Investigação

Quem traiu Anne Frank?

Quem traiu Anne Frank, a autoria do conhecido Diário, e a sua família? Uma equipa que se entregou à tarefa de investigar acredita ter encontrado a chave do mistério. Mas trata-se de “um cenário provável”, sem certezas absolutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia novidade

Há tempos, numa visita a uma adega nacional conhecida, em turismo, ouvi uma curiosa explicação da nossa guia que me relembrou imediatamente da vida de fé e das questões dos tempos modernos. Dizia-nos a guia que é hábito encontrar roseiras ao redor das vinhas como salvaguarda: quando os vitivinicultores encontravam algum tipo de doença nas roseiras, algum fungo, sabiam que era hora de proteger a vinha, de a tratar, porque a doença estava próxima.

Esta é a Igreja que eu amo!

Fui um dos que, convictamente e pelo amor que tenho à Igreja Católica, subscrevi a carta que 276 católicas e católicos dirigiram ao episcopado português para que, em consonância e decididamente, tomassem “a iniciativa de organizar uma investigação independente sobre os crimes de abuso sexual na Igreja”.

Onde menos se espera, aí está Deus

Por vezes Deus descontrola as nossas continuidades, provoca roturas, para que possamos crescer, destruir em nós uma ideia de Deus que é sempre redutora e substituí-la pela abertura à vida, onde Deus se encontra total e misteriosamente. É Ele, o seu espírito, que nos mostra o nosso nada e é a partir do nosso nada que podemos intuir e abrir-nos à imensidão de Deus, também nas suas criaturas, todas elas.

Cultura e artes

Crónicas portuguesas dos anos 80

As causas que sobrevivem às coisas

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

O filme de Almodóvar

As dores para dar à luz a verdade

Fique dito, desde já, que estamos perante um dos melhores e mais amadurecidos filmes de Almodóvar. Intenso como outros, magnificamente construído e filmado como é habitual, talvez mais profundamente moral do que muitos, Mães Paralelas é um filme tecido de segredos íntimos e dolorosos, à volta da maternidade, mas também da Guerra Civil espanhola. No centro, esplendorosa, está Penélope Cruz.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This