Dor, perda, insulto, violação: as reações à transformação de Santa Sofia em mesquita

| 13 Jul 20

Hagya Sophia. Istambul

Hagya Sophia. Istambul. Mosaicos cristãos e símbolos muçulmanos. Foto © António José Paulino

 

Do Papa aos líderes da Igreja Ortodoxa, passando pelo Conselho Mundial de Igrejas e sem esquecer o Governo grego, não se fizeram esperar as reações ao anúncio feito na passada sexta-feira, 10 de julho, pelo Presidente turco Recep Tayip Erdogan, de que a Basílica de Santa Sofia será transformada numa mesquita. E nenhuma delas está perto de ser positiva.

O Papa Francisco, que vinha sendo criticado por não expressar a sua opinião relativamente à já anunciada intenção de Erdogan, quebrou este domingo o silêncio. “O meu pensamento dirige-se a Istambul. Penso em Santa Sofia e sinto-me muito magoado”, disse o Papa logo no início da saudação que dirige sempre aos fiéis após a oração dominical do Angelus.

Um sentimento partilhado pelo secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas, o padre ortodoxo romeno Ioan Sauca, que expressou no sábado “dor e consternação” com a decisão de converter a basílica numa mesquita. Numa carta enviada ao Presidente da Turquia, o representante da instituição que agrupa cerca de 350 igrejas cristãs não católicas (sobretudo protestantes e ortodoxas) de todo o mundo assinalou que, desde 1934, Santa Sofia é “um local de abertura, encontro e inspiração para pessoas de todas as nações e credos”. Referindo-se à data em que o templo foi secularizado e passou a funcionar como museu e atração turística, Ioan Sauca considera que a basílica era um exemplo do compromisso da Turquia “com o secularismo, a inclusão e o desejo de deixar para trás os conflitos do passado”.

A decisão de transformá-la numa mesquita, na sua opinião, “reverteu a imagem positiva de abertura da Turquia, alterando-a para exclusão e divisão”, e desacredita também o valor universal deste monumento classificado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), instituição que aliás alertou para o risco de perda desse valor num comunicado emitido na passada sexta-feira.

O Conselho de Igrejas do Médio Oriente não tem dúvidas: esta decisão de Erdogan é “uma violação da liberdade religiosa”, liberdade essa que é “protegida por leis internacionais”, afirma num comunicado divulgado este sábado, exortando as Nações Unidas e a Liga dos Estados Árabes a apelar ao Supremo Tribunal turco.

 

Relações com Rússia e Grécia comprometidas

Hagya Sophia. Istambul.

Hagya Sophia, em Istambul, vista do exterior. Foto © Margarida Paulino

 

Da parte da Igreja Ortodoxa Russa, foi manifestado o receio de que este passo possa “ter sérias consequências para toda a civilização humana”, e em particular para a paz inter-religiosa e o entendimento entre os povos, incluindo os da Rússia e Turquia”, avançou o Religión Digital.

O arcebispo metropolita Hilarión, porta-voz do patriarcado de Moscovo, considerou a decisão turca “um golpe” para os cristãos ortodoxos de todo o mundo, sublinhando que para eles “o templo de Santa Sofia representa o mesmo que a basílica de São Pedro para os católicos”. Apesar de não ter ficado surpreendido com a decisão, confessou que. “até ao último momento” teve esperança de que as autoridades turcas mudassem de planos. “Esta decisão, sem dúvida, afetará de uma forma negativa a relação da Turquia com o mundo cristão”, concluiu.

Já esta segunda-feira, o Presidente russo, Vladimir Putin, transmitiu diretamente ao seu homólogo turco “a importante desaprovação que provocou na Rússia a decisão de mudar o estatuto da igreja de Santa Sofia em Istambul”, avançou o Expresso.

Na Grécia, o arcebispo de Atenas, Jerónimo II, qualificou por seu lado a decisão de Erdogan como um “insulto à ortodoxia, ao cristianismo em geral e a todo o ser pensante”. “A instrumentalização da religião para a busca de conveniências partidárias, geopolíticas e geoestratégicas caracteriza quem tenta fazê-lo”, expressou o primaz da Igreja Ortodoxa grega num comunicado divulgado este domingo, citado pelo Religión Digital.

Também o primeiro-ministro grego, o conservador Kyriakis Mitotakis, considera que esta decisão, depois de Santa Sofia ter funcionado como museu durante 85 anos e sendo Património da Humanidade, é uma “afronta ao seu caráter ecuménico” e um “lamentável” passo atrás do Presidente turco. Segundo Mitsotakis, isto afetará não só as relações da Turquia com a Grécia, mas também com a União Europeia, a UNESCO e a comunidade internacional em geral.

Numa mensagem televisiva à nação, o Presidente turco respondeu às críticas, assegurando que “Santa Sofia, que é património comum da humanidade, com o seu novo estatuto, continuará a abraçar todos de forma muito mais sincera e de forma muito mais original”.

Erdogan recordou que existem 435 igrejas e sinagogas abertas ao culto no país. “Este panorama é uma manifestação da compreensão que vê as nossas diferenças como uma riqueza”, defendeu, convidando todos a respeitar a decisão que foi tomada pelos órgãos executivo e judicial da Turquia e anunciando que  templo deverá ser reaberto ao culto islâmico no próximo dia 24 de julho.

Reproduz-se a seguir a mensagem do Presidente turco (legendada em inglês) sobre a alteração do estatuto da antiga basílica de Santa Sofia:

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Isenção de propinas

Católica lança programa de bolsas para refugiados

A Universidade Católica Portuguesa vai atribuir 24 bolsas de estudo para refugiados com isenção de propinas. a Universidade declara que “junta-se ao esforço nacional de acolhimento e integração dos refugiados com o lançamento de um programa de atribuição de bolsas”, num comunicado enviado ao 7MARGENS.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

É notícia

Entre margens

As armas e a vida

Quando se discute esta questão da maior ou menor facilidade de acesso à posse de armas, e do mais ou menos restritivo regime legal desse acesso, não posso deixar de recordar vários casos com que lidei ao longo da minha carreira de juiz. Casos em que só o acesso a uma arma poderá explicar o seu desfecho trágico de perda de vida humanas.

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma

A saúde mental dos jovens tem-se vindo a tornar, aos poucos, num tema com particular relevância nas reflexões da sociedade hodierna, ainda que se verifique que estas possam, muitas das vezes, não resultar em concretizações visíveis e materializar em soluções para os problemas que afetam os membros desta mesma sociedade. A verdade é que, apesar de todos os esforços por parte dos profissionais de saúde e também das pessoas, toda a temática é, ainda, envolvida por uma “bolha de estigmas”, o que a transforma numa temática-tabu.

Cultura e artes

Novo disco dos Fontaines D.C.

Lápide gaélica foi proibida num cemitério inglês — e ganhámos uma bela canção

A Igreja de Inglaterra proibiu uma inscrição em irlandês numa lápide fúnebre, em Coventry, argumentando que a frase teria de ser traduzida para inglês para que as pessoas não a confundissem com uma declaração política. A família de Margaret Keane foi para tribunal e ganhou – e os irlandeses Fontaines D.C. fizeram desta história uma belíssima canção.

Luz e negrume

As obras de Pedro Costa, cineasta, Rui Chafes, escultor, e Paulo Nozolino, fotógrafo, e de Simon Hantaï, artista plástico, estão expostas em Paris, respectivamente no Centre Georges Pompidou e na Fundação Louis Vitton. Um autor, identificado como Anonymous, estabelece com elas um diálogo em dois poemas traduzidos por João Paulo Costa, investigador na área de filosofia e autor de À sombra do invisível (Documenta, 2020).

Sete Partidas

Acolher sem porquês

Eu e o meu namorado vivemos na Alemanha e decidimos desde o início da guerra na Ucrânia hospedar refugiados em nossa casa. Pensámos muito: nenhum de nós tem muito tempo disponível e sabíamos que hospedar refugiados não é só ceder um quarto, é ceder paciência, muita paciência, compreensão, ajuda com documentos…

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This