ENSAIO [Islão: história, doutrina e direito (II)]

Doutrina e vida em sociedade no islão

e | 22 Abr 2023

Sete Margens deu início à publicação de uma série de textos da autoria de Carlos Pinto de Abreu (advogado) e José Verdelho (jurista) sobre a história do Islão e as suas implicações no direito. Após a publicação do primeiro texto, sobre características e fontes, publicamos agora o segundo texto que se centra na doutrina e vida em sociedade.

 

 A concepção de Deus

Medalhão que mostra Allah, Hagia Sophia, Istambul.

Medalhão que mostra Allah, Catedral Hagia Sophia, Istambul.

 

A doutrina acerca de Deus no Alcorão, é rigorosamente monoteísta: Deus é um único; Ele não tem igual. Os muçulmanos acreditam que não há intermediários entre Deus e a criação. Enquanto a Sua presença se supõe estar em toda a parte, Ele não inere a nada. Ele é o único criador do universo, sendo cada criatura testemunho da sua unidade e domínio. Mas é também justo e misericordioso: a sua justiça assegura ordem na criação. Nesta nada está fora do lugar. A sua misericórdia é infinita e abrange tudo. A criação do universo é vista como acto primeiro da misericórdia, pelo qual todas as coisas cantam as suas glórias.

O Deus do Alcorão, descrito como majestoso e soberano, é também um deus pessoal. Está próximo do homem e, sempre que uma pessoa em necessidade o chama, ele responde. Sobretudo, é o Deus que indica o caminho certo ao homem. A imagem de Deus na qual os atributos de poder, justiça e misericórdia se interpenetram é tributária da tradição judeo-cristã, apesar de sofrer algumas modificações, e também dos conceitos da Arábia pagã, aos quais deu uma resposta efectiva. Os árabes pagãos tinham uma fé cega e acreditavam num inexorável destino sobre o qual o homem não tinha controle. Perante este destino forte mas insensível, o Alcorão apresenta um Deus poderoso mas misericordioso. E assumiu o monoteísmo, rejeitando todas as formas de idolatria e eliminando todos os deuses e divindades que os árabes adoravam.

 

A concepção do Universo

Para provar a unidade de Deus, as leis do Alcorão frequentemente referem a ordem do Universo. Não há descontinuidade ou vazios na natureza. A ordem é explicada pelo facto de cada ser criativo ter uma natureza definitiva. Esta natureza, embora permita a cada ente funcionar num todo, tem limites; esta ideia de limitação de tudo é um dos dogmas, tanto na cosmologia como na teologia do Alcorão. O Universo é, portanto, autónomo, no sentido de que tem as suas leis próprias de comportamento, mas não autocrático, porque essas leis foram estabelecidas por deus. Toda a criatura é limitada, dependente face a Deus, que é por sua vez ilimitado, independente e autossuficiente.

 

A concepção do Homem

É com o homem que o Alcorão está fundamentalmente preocupado. A tradição judeo-cristã da queda de Adão é aceite, mas o Alcorão afirma que Deus perdoou a Adão no acto da sua desobediência, que não é assumido como pecado original. No Alcorão, o homem é o ser mais nobre da criação. Todas as criaturas foram feitas para o servir. Nada na criação foi feito sem uma finalidade, e o homem foi criado para ser obediente à vontade de Deus.

O Alcorão descreve, contudo, a natureza humana como faltosa e débil. Enquanto tudo no Universo tem limite natural e toda a criatura reconhece a sua limitação e insuficiência, o homem é rebelde e cheio de orgulho, arrogando-se para si próprio o atributo de autossuficiência. O orgulho, é assim, o pecado cardeal do homem porque, não reconhecendo as suas limitações essenciais, torna-se culpado por querer tornar-se igual a Deus, violando a sua unidade. A verdadeira fé, assim, consiste em acreditar na unidade divina e na submissão a Deus.

 

A concepção da Sociedade

Maomé, Alcorão, Meca

“Todos os homens são declarados filhos iguais de Adão, e a única distinção reconhecida à vista de Deus é baseada na piedade e nas boas acções.” Gravura: Maomé recitando o Alcorão em Meca / Wikipedia

 

Porque a finalidade da existência do homem é a submissão à vontade divina, o papel de Deus na relação com aquele é de ordenar e comandar. Enquanto o resto da natureza obedece a Deus automaticamente, só o homem possui a escolha de obedecer ou não. Com a fé na existência do demónio, o fundamental do homem passa a ser a luta moral. O reconhecimento da unidade de Deus é meramente intelectual. A doutrina de auxílio social, impondo a ajuda aos que sofrem e o apoio aos que o necessitam, constitui parte integrante do ensinamento islâmico. A prática da oração ou outros actos religiosos será vazia se não acompanhada de serviço aos necessitados. A prática da usura é proibida, e o reconhecimento dos direitos dos pobres é um dever do muçulmano. Com esta doutrina cimentando o crescimento da fé, emerge a ideia de uma comunidade dos crentes que se declaram irmãos uns dos outros.

Os muçulmanos são descritos como a “melhor comunidade feita para a humanidade”, cuja função é “praticar o bem e proibir o mal” (Alcorão). A cooperação e o bom conselho dentro da comunidade são enfatizados e a pessoa que deliberadamente tente prejudicar os interesses da comunidade deve ser severamente punida. Os opositores dentro da comunidade devem ser combatidos com a força armada, se não for possível fazê-lo pela persuasão.         Nesta conformidade, a doutrina da jihad, em vista da constituição da comunidade como base do poder, é o passo lógico. Jihad significa luta activa, usando a força armada, se necessário. O objectivo da jihad é, não a conversão dos indivíduos ao Islão, mas a tomada de controlo político sobre os assuntos colectivos da sociedade, para a dirigir de acordo com os princípios do Islão. As conversões individuais ocorrem como consequência deste processo, quando o poder passa para as mãos da comunidade muçulmana. Na doutrina islâmica em vigor, as conversões forçadas são proibidas, dada a revelação corânica da distinção do bem e do mal, de tal forma que cada um possa seguir o que escolher.      Do mesmo modo, é estritamente proibido fazer a guerra para procurar a glória mundana ou o poder.

Com o estabelecimento do império muçulmano, contudo, a doutrina do jihad foi modificada pelos líderes da comunidade. A sua preocupação principal passou a ser a consolidação do império e a sua administração, e assim, interpretam o ensinamento de uma forma mais defensiva que ofensiva. Para além de uma noção de justiça económica e da criação de uma forte comunidade ideal, o profeta efectuou uma reforma geral na sociedade arábica, em particular protegendo os seus segmentos mais fracos: os pobres, os órfãos, as mulheres, os escravos. A escravatura não foi legalmente abolida, mas a emancipação dos escravos foi encorajada pela religião como acto meritório. Os escravos receberam direitos, incluindo o de adquirir a sua liberdade mediante um pagamento. Foi também negado o infanticídio feminino, praticado em certas tribos.

As distinções e privilégios baseados na origem tribal ou raça, foram repudiados no Alcorão. Todos os homens são declarados filhos iguais de Adão, e a única distinção reconhecida à vista de Deus é baseada na piedade e nas boas acções. A antiga instituição tribal da vingança segundo a qual não era necessariamente o assassino que era executado, mas uma pessoa da mesma origem tribal foi abolida. Surgiu, assim, a exaltação de um ideal islâmico de virtude moral e piedade. É encorajado o casamento, tolerando-se a poligamia (pré-existente ao Islão), embora em termos limitados. De salientar a possibilidade de o marido poder repudiar unilateralmente a mulher. É também valorizada como virtude a castidade, punindo-se mesmo o adultério (o Alcorão impõe 100 chicotadas, tendo a tradição agravado a pena, quanto aos casados, para o apedrejamento até à morte).

O direito é visto como conjunto globalizante de comandos (a lei islâmica), verdadeira mistura de preceitos morais e sociais. Por isso, a lei islâmica regula todos os actos humanos, públicos ou privados, não distinguindo as esferas religiosa e temporal. Também em consonância, são considerados como relevantes os estados de espírito ou intenções do agente. Sendo bastante valorizadas a aceitação consensual dos destinatários da lei, isto é, a vontade geral da comunidade: porém a construção do direito é feita a partir das “raízes da lei”: o Alcorão e a sunna, quer aplicados directamente, quer argumentados por analogia.

O Estado muçulmano é, naturalmente, confessional, não sendo, porém, pacífica a definição do seu papel na sociedade islâmica. A propósito destas divergências discutiram bastante sunitas e xiitas, sendo estes últimos os de posições mais radicais.

 

Próximo texto: Grupos religiosos e correntes no islão (a publicar dia 26)

 

Carlos Pinto de Abreu é advogado; José Verdelho é jurista. O texto foi actualizado a partir da versão original, elaborada em 1987 para o XXIII Encontro Europeu de Universitários e publicado depois numa compilação de artigos em memória do Padre Joaquim António de Aguiar que foi director do Colégio Universitário Pio XII: “A Difícil Contemporaneidade da Concepção do Direito no Islão” in Educação e Cidadania, Lisboa, Almedina, 2017, pp. 163 a 200. A edição final e alguns títulos e subtítulos são do 7MARGENS.

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This