“Faith’s Night Out”

Doze testemunhos de fé em sete minutos cada

| 28 Abr 2022

A foto do cartaz da edição de 2020 do “Faith’s Night Out”, promovida pelas Equipas de Jovens de Nossa Senhora. Foto © Leonor Wagner Alvim.

 

Sete minutos para falar sobre fé: é esta a proposta de mais uma edição do “Faith’s Night Out”, um encontro das Equipas de Jovens de Nossa Senhora que reúne 12 oradores que irão testemunhar, nos tais sete minutos, sobre a fé a partir do tema “Um só caminho”. 

Na 13.ª edição deste evento, que se realiza no Centro de Congressos de Lisboa, no sábado, 30 de abril, a partir das 19h00, o objetivo enunciado pela organização é o de “incentivar” cada um dos participantes “a percorrer o caminho da fé e da vida em conjunto, nunca sozinho, sempre ciente de que, independentemente das diferenças, há um ponto que [os] une a todos – a fé”.

De acordo com a informação divulgada, este é também o mote para as conferências e testemunhos que serão ouvidos, propondo ir “à génese e primórdios da Igreja, captando a mensagem essencial”. Para as Equipas de Jovens de Nossa Senhora, “a solução nunca passou por caminhar sozinho, mas por encontrar na fé, e em Deus, uma maneira de estar sempre acompanhado”.

Dos 12 oradores que serão ouvidos, este “Faith’s Night Out” conta com, entre outros, o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães, que testemunhará sobre “Um Só Caminho no Valor à Vida”, a locutora e diretora de rádio Dora Isabel (sobre comunicação), o cardeal patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, com uma intervenção dedicada a “Um Só Caminho até à Jornada Mundial da Juventude”, a médica e ex-deputada do CDS Isabel Galriça Neto (sobre a “Luta pelo Bem Comum”), a psicóloga clínica Alexandra Chumbo, que abordará o “Cuidado da Saúde Mental”, o presidente da Associação Portuguesa dos Médicos Católicos, José Diogo Ferreira Martins, falando sobre o “Cuidado dos Outros”, ou o professor catedrático Paulo Otero, que testemunhará sobre a relação “entre a Fé e a Universidade”.

Esta iniciativa tem lugar desde 2013 e pretende ser “uma noite descontraída ao longo da qual vários oradores dão testemunho e partilham a sua perspetiva de fé, durante apenas 7 minutos, acompanhado de momentos musicais e cocktail”.

Em 2018, este evento chegou ao Porto, ao mesmo tempo que era apresentado e também em São Paulo, no Brasil. Já em 2019, o encontro estreou-se ainda em Évora, e, em 2020, atingiu, segundo a organização a mais de três mil participantes, no total das “quatro geografias”.

 

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal

Intervenção de Borges de Pinho na CEP

Sinodalidade como interpelação às Igrejas locais e à colegialidade episcopal novidade

Há quem continue a pensar que sinodalidade é mais uma “palavra de moda”, que perderá a sua relevância com o tempo. Esquece-se, porventura, que já há décadas falamos repetidamente de comunhão, corresponsabilidade e participação. Sobretudo, ignoram-se os princípios fundacionais e fundantes da Igreja e os critérios que daí decorrem para o ser cristão e a vida eclesial.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Jesuíta morreu aos 80 anos

António Vaz Pinto (1942-2022): o padre dinamizador

Por onde passou lançava projectos, dinamizava equipas, deixava-as a seguir para partir para outras aventuras, sempre com a mesma atitude. Poucos dias antes de completar 80 anos, no passado dia 2 de Junho, dizia na que seria a última entrevista que, se morresse daí a dias, morreria “de papo cheio”. Assim foi: o padre jesuíta António Vaz Pinto, nascido em 1942 em Arouca, 11º de 12 irmãos, morreu nesta sexta-feira, 1 de Julho, no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, onde estava internado desde o dia 8, na sequência de um tumor pulmonar que foi diagnosticado nessa altura.

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Testemunho de uma mulher vítima

Abusos sexuais: “Senti que não acreditavam em mim”

Na conferência de imprensa da Comissão Independente para o Estudo dos Abusos Sexuais contra as Crianças na Igreja Católica Portuguesa, que decorreu quinta-feira, 30 de junho, em Lisboa, foram lidos três testemunhos de vítimas de abusos, cujo anonimato foi mantido. Num dos casos, uma mulher de 50 anos fala do trauma que os abusos sofridos lhe deixaram e de como decidiu contar a sua história a um bispo, sentindo ainda assim que a sua versão não era plenamente aceite como verdadeira.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This