Drama dos refugiados na Líbia: “Em vez de serem protegidos, enfrentam chocantes abusos”, denuncia Amnistia

| 24 Set 20

relatorio refugiados libia Aministia Internacional

Os abusos sucedem-se “às mãos de atores estatais e não-estatais” e reina o “clima de impunidade”, revela o mais recente relatório sobre a Líbia. Foto: Amnistia Internacional.

 

Execuções, tortura, violência sexual, extorsão, trabalho forçado, obrigação de participar em operações militares. Estes são apenas alguns dos “chocantes abusos” que milhares de refugiados e migrantes têm sofrido ou presenciado na Líbia, muitas vezes os mesmos aos quais tentavam escapar quando abandonaram os seus países de origem, denuncia a Amnistia Internacional num relatório de meia centena de páginas divulgado às zero horas desta quinta-feira, 24 de setembro, e enviado também ao 7MARGENS.

Os abusos sucedem-se “às mãos de atores estatais e não-estatais”, revela a organização de defesa dos direitos humanos, e reina o “clima de impunidade”. De acordo com o relatório, intitulado Entre a vida e a morte – Refugiados e Migrantes apanhados no ciclo de abusos da Líbia, as restrições de viagem impostas na sequência da pandemia de covid-19 vieram exacerbar ainda mais a situação.

“A Líbia, um país dilacerado por anos de guerra, tornou-se um ambiente ainda mais hostil para refugiados e migrantes que procuram uma vida melhor. Em vez de serem protegidos, enfrentam um rol de chocantes abusos dos direitos humanos e, agora, são injustamente acusados pela disseminação da covid-19 com base em argumentos profundamente racistas e xenófobos”, afirma a diretora-adjunta para o Médio Oriente e Norte de África da Amnistia Internacional, Diana Eltahawy.

A responsável sublinha ainda que “apesar disto, mesmo em 2020, a União Europeia e os seus Estados-membros continuam a implementar políticas que aprisionam dezenas de milhares de homens, mulheres e crianças num ciclo de abusos, demonstrando um desprezo cruel pelas vidas e pela dignidade das pessoas”.

De acordo com o relatório, desde 2016, os Estados-membros da UE, liderados pela Itália, têm colaborado com as autoridades da Líbia, fornecendo embarcações, formação e assistência na coordenação de operações marítimas, com o objetivo de garantir que quem tenta fugir do país por mar é intercetado e levado de volta. Nos últimos quatro anos, um número calculado em 60 mil pessoas terão sido capturadas e desembarcadas de novo no país pela Guarda Costeira Líbia (GCL).

Uma vez de regresso forçado, muitos acabam em centros de detenção oficiais da Direção de Combate à Migração Ilegal (DCMI), sob a tutela do ministro da Administração Interna do Governo de Acordo Nacional (GAN), apoiado pelas Nações Unidas, que controla a Líbia Ocidental. Outros são submetidos a desaparecimento forçado, após terem sido transferidos para locais de detenção não oficiais.

A Amnistia Internacional verificou vídeos que mostram os abusos de milícias e grupos armados contra inúmeros refugiados e migrantes. Em alguns casos, foram obrigados a participar em operações militares, colocando em perigo as suas vidas e a sua segurança.

Atravessar o Mediterrâneo é a única saída?

Nabil Minas, um sírio cristão, beija terra grega e chora de alegria, a 30 de Outubro de 2015. Minas atravessou o Mediterrâneo com o filho, vindos da Turquia: nem sempre a travessia do Meditterâneo corre bem, sobretudo para quem sai da Líbia. Foto © Paul Jeffrey/WCC-CMI

 

De acordo com dados da Organização Internacional para as Migrações (OIM, na sigla inglesa), entre março e abril de 2020, cerca de 600 mil refugiados e migrantes viviam na Líbia, oriundos maioritariamente do Níger (21%), Egito (16%), Chade (16%), Sudão (13%) e Nigéria (8%).

Desses, apenas 5709 refugiados terão beneficiado de programas de evacuação e reinstalação através de vias legais e seguras, desde 2017 até ao dia 11 de setembro de 2020, apurou a AI. Este ano, com as restrições de viagem impostas devido à pandemia, somente 297 refugiados foram retirados da Líbia, antes do encerramento das fronteiras, em março.

Para muitos migrantes, as travessias do Mediterrâneo são vistas como a única forma viável de sair da Líbia, mas estas continuam a ser “extremamente perigosas”, refere o relatório, devido às interceções da GCL e também de grupos criminosos.

“Num incidente em meados de agosto, sobreviventes disseram à Amnistia Internacional que foram vítimas de roubo por homens armados, que, depois, dispararam contra a embarcação. Estima-se que 40 pessoas tenham morrido, depois de terem sido deixadas à deriva”, recorda a organização.

Um dia depois de a Comissão Europeia ter proposto um Pacto para as Migrações e Asilo com procedimentos mais rápidos e eficazes e à luz do qual “todos os Estados-membros, sem exceção”, devem assumir as suas responsabilidades e ser solidários, a AI assinala, assim, que “dezenas de milhares de refugiados e migrantes enfrentam ciclos de crueldade na Líbia, com pouca ou nenhuma esperança de encontrarem vias seguras e legais de saída”.

 

“Esperamos melhor da Europa”, dizem igrejas cristãs

“Devemos aceitar a nossa obrigação de acolher e proteger os nossos irmãos e irmãs sofredores”, sublinhou o arcebispo ortodoxo de Atenas, Ieronymus. Foto: Christos Bonis/Church of Greece.

 

Também o Conselho Mundial de Igrejas (CMI), que reúne 350 igrejas e comunidades do universo protestante e ortodoxo, emitiu esta quarta-feira um comunicado sobre a “terrível situação dos migrantes e refugiados na Europa”, apelando à União Europeia que adote “uma abordagem mais compassiva”. “A solidariedade deve ser o princípio orientador da migração e, em particular, da receção de refugiados”, afirma o texto publicado na página digital do CMI.

A instituição considera que os incêndios no campo de refugiados de Moria, na Grécia, foram uma consequência “inteiramente previsível e evitável de uma política de asilo e migração da UE que coloca a integridade das fronteiras acima das vidas humanas, e favorece o populismo em detrimento da dignidade e da humanidade. Esperamos melhor da Europa e dos seus líderes. É hora de mudar o rumo”, afirmou Rudelmar Bueno de Faria, secretário-geral da ACT Alliance, a maior coligação de igrejas ortodoxas e protestantes do mundo, e uma das signatárias do documento.

A propósito do incidente de Moria e da crise de refugiados na Europa, também o arcebispo Ieronymos, de Atenas, disse em entrevista ao CMI, esta segunda-feira, que considera as políticas europeias “repressivas”.

Na opinião do líder da Igreja Ortodoxa Grega, esta crise recentemente agravada pelos incêndios no maior campo de refugiados da Europa “é na verdade uma crise de valores e princípios”. O “princípio essencial da UE” de “solidariedade” deve ser a força motriz na gestão da migração e acolhimento de refugiados, defendeu Ieronymus.

“Devemos aceitar a nossa obrigação de acolher e proteger os nossos irmãos e irmãs sofredores”, sublinhou o arcebispo, anunciando que a Igreja Ortodoxa Grega está neste momento a preparar a abertura de quatro casas de acolhimento para menores desacompanhados, que irão somar-se às cinco já existentes. “É mais do que tempo de nos empenharmos na promoção da integração social dos refugiados de uma forma que seja justa para eles e benéfica para a sociedade de acolhimento”, concluiu, para que “a presença do outro seja considerada uma vantagem e não uma ameaça”.

 

AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

AstraZeneca: fundos públicos financiaram vacina em 97%?

Fundos públicos com diversas origens financiaram pelo menos 97% dos custos de investigação e desenvolvimento que permitiram a criação e o lançamento da vacina anti-covid-19 do grupo Oxford/AstraZeneca. A conclusão faz parte de um estudo, publicado a 10 de abril, por investigadores da Universities Allied for Essential Medicines, ainda não sujeito a qualquer revisão por outros cientistas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Mãos à obra (6) – Ferraria de São João: Fazer acontecer

Desta vez, pela mão de Ana Sofia Soeiro, fomos até à aldeia de Ferraria de São João, concelho de Penela. Inserida na rede de “Aldeias do Xisto”, com uma população residente de cerca de 50 pessoas, alguns adolescentes e crianças, as gentes da terra, com o apoio da Associação de Moradores, decidiram fazer acontecer. E agora, outras gentes em outros lugares, lhes seguem as pisadas. Assim se exerce a cidadania.

Breves

Seminário de Coimbra assinala Dia Internacional dos Monumentos e Sítios com direto na cúpula da igreja novidade

Uma conversa em cima do andaime montado na cúpula da igreja do Seminário Maior de Coimbra irá juntar, no próximo dia 19 de abril, pelas 18h, o padre Nuno Santos, reitor da instituição, e Luís Aguiar Campos, coordenador do projeto de conservação e restauro do seminário. A iniciativa pretende assinalar o Dia Mundial dos Monumentos e Sítios (que se celebra domingo, 18) e será transmitida em direto no Facebook.

Vaticano saúda muçulmanos no Ramadão novidade

O Conselho Pontifício para o Diálogo Inter-religioso, da Santa Sé, enviou uma mensagem aos muçulmanos de todo o mundo, por ocasião do início do Ramadão, convidando todos os crentes a serem “construtores e reparadores” da esperança.

China quer que clérigos tenham amor pelo Partido Comunista

Novo decreto governamental é “mais uma medida totalitária para limitar a liberdade religiosa”, acusa organização de direitos humanso. O decreto aplica-se a todas as religiões, ou seja, lamas budistas, clérigos cristãos, imãs muçulmanos e outros líderes religiosos.

Aumentar valor das prestações sociais, sugere Pedroso nos 25 anos do RSI

O valor das prestações sociais como o Rendimento Social de Inserção (RSI) deveria aumentar, pois já não responde às necessidades das pessoas mais vulneráveis. A ideia é defendida por Paulo Pedroso, que foi o principal responsável pela comissão que estudou o modelo de criação do então Rendimento Mínimo Garantido (RMN).

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Quebra de receitas da principal Igreja financiadora do Vaticano

A Igreja Católica alemã, que é líder no contributo que dá habitualmente para as despesas da Santa Sé (juntamente com a dos EUA), teve “um verdadeiro colapso” nas receitas, em 2020, segundo dados divulgados pelo jornal Rheinische Post, citados por Il Messaggero.

Francisco corta 10% nos salários dos cardeais

O Papa Francisco emitiu um decreto determinando um corte de 10% nos salários dos cardeais, bem como a redução de pagamento a outros religiosos que trabalham na Santa Sé, com efeitos a partir de 1 de abril, divulgou o Vaticano esta quarta-feira, 24 de março. A medida, que não afeta os funcionários com salários mais reduzidos, visa salvar os empregos no Vaticano, apesar da forte redução das receitas da Santa Sé, devido à pandemia de covid-19.

Espanha: Consignações do IRS entregam 300 milhões à Igreja Católica

Os contribuintes espanhóis entregaram 301,07 milhões de euros à Igreja Católica ao preencherem a seu favor a opção de doarem 0,7% do seu IRPF (equivalente espanhol ao IRS português). Este valor, relativo aos rendimentos de 2019, supera em 16,6 milhões o montante do ano anterior e constitui um novo máximo histórico.

Entre margens

Europa: um Pacto Ecológico para inglês ver? novidade

“O Pacto Ecológico Europeu é … uma nova estratégia de crescimento que visa transformar a UE numa sociedade equitativa e próspera, dotada de uma economia moderna, eficiente na utilização dos recursos e competitiva, que, em 2050, tenha zero emissões líquidas de gases com efeito de estufa e em que o crescimento económico esteja dissociado da utilização dos recursos.” (Pacto Ecológico)

Leprosários novidade

A mais recente Responsum ad dubium[1] da Congregação para a Doutrina da Fé relativa à bênção de uniões homossexuais tem feito correr rios de tinta. Se, por um lado, haja quem veja um retrocesso no caminho de inclusão delineado pelo Papa Francisco, outros encaram esta resposta como um travão necessário à prática de bênçãos a casais homossexuais, em total coerência com a linha da doutrina moral da Igreja.

Para condenar não me chamem

Após vinte e dois anos de trabalho dentro de uma prisão ainda me pergunto: que falta faz um padre na prisão? Talvez seja necessário responder antes a uma outra: para que serve a prisão? O sistema prisional devia ter dois objetivos fundamentais: proteger a sociedade de condutas criminosas e proporcionar aos reclusos uma hipótese de reabilitar as suas vidas.

Cultura e artes

A torrente musical de “Spem in Alium”, de Thomas Tallis

Uma “torrente musical verdadeiramente arrasadora”, de esperança pascal, diz o padre Arlindo Magalhães, comentador musical, padre da diocese do Porto e responsável da comunidade da Serra do Pilar (Gaia), a propósito da obra de Thomas Tallis Spem in Alium (algo que se pode traduzir como “esperança para lá de todas as ameaças”).

A Páscoa é sempre “pagã”

A Páscoa é sempre pagã / Porque nasce com a força da primavera / Entre as flores que nos cativam com promessas de frutos. / Porque cheira ao sol que brilha na chuva / E transforma a terra em páginas cultivadas / Donde nascem os grandes livros, os pensamentos / E as cidades que se firmam em pactos de paz.

50 Vozes para Daniel Faria

Daniel Faria o último grande poeta português do século XX, morreu há pouco mais de vinte anos. No sábado, dia 10, assinala-se o 50.º aniversário do seu nascimento. A Associação Casa Daniel assinala a efeméride com a iniciativa “50 Vozes para Daniel Faria” para evocar os poemas e a memória do poeta.

“Sequência da Páscoa: uma das mais belas histórias do mundo”

Sem poder ir ao cinema para poder falar de um novo filme que, entretanto, tivesse estreado, porque estamos em tempo de Páscoa e porque temos ainda viva diante dos olhos a profética peregrinação do Papa Francisco ao Iraque – que não pode ser esquecida, mas sempre lembrada e posta em prática – resolvi escrever (para mim, a primeira vez neste lugar) sobre um filme profundamente pascal e actual: Dos Homens e dos Deuses (é quase pecado não ter experimentado a comoção de vê-lo). E não fui o único a fazê-lo por estes dias.

Sete Partidas

É o vírus, estúpido!

No princípio da semana (22 março),  Angela Merkel reuniu com os ministros-presidentes dos estados alemães para tomar decisões sobre o que fazer perante o actual descontrolo da situação na Alemanha. As hesitações dos políticos e os truques que alguns responsáveis regionais arranjaram para iludir as regras combinadas por todos foram fatais para a luta contra a mutação inglesa. Esta terceira vaga está a ser ainda mais rápida e avassaladora do que já se temia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This