Mulheres na mudança

Duas leigas espanholas nomeadas para comissões do Sínodo

| 20 Jul 2021

Nathalie Becquart, Sínodo dos Bispos

Nathalie Becquart, nomeada em Fevereiro para subsecretária do Sínodo; agora, mais duas mulheres foram integradas no processo de preparação da assembleia de 2023. Foto reproduzida da página de Kim Daniels no Twitter (https://twitter.com/KDaniels8/status/1358078603943153664)

 

Duas leigas espanholas foram nomeadas para participarem nos trabalhos preparatórios do Sínodo dos Bispos de 2023: Carmen Peña García, professora de direito canónico, vai integrar a comissão de teologia e Cristina Inogés, formada em teologia pela Faculdade de Teologia Protestante de Madrid, fará parte da comissão de metodologia.

A notícia foi divulgada pelo jornal digital Religión Digital que considera estas nomeações como sinal de que “as coisas estão a mudar na Igreja”.

As comissões preparatórias reúnem a partir do próximo mês de outubro e serão instrumentos-chave no processo de preparação do sínodo que tem como tema “Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão” e tem por opção ser um processo de escuta do povo de Deus.

Anunciado em março, este é um dos temas decisivos do pontificado de Francisco e do caminho de reforma encetado por este Papa.

Um mês antes, o Papa Francisco nomeara a primeira mulher com direito a voto no Sínodo dos Bispos. Nathalie Becquart, freira francesa, desempenhará o cargo de subsecretária daquele organismo criado em 1965 por Paulo VI.

A propósito dessa nomeação, o secretário-geral do Sínodo dos Bispos, cardeal Mario Grech, afirmara, sobre a nova subsecretária, que a nomeação pretendia contribuir para uma Igreja mais “sinodal e missionária”, considerando que “foi aberta uma porta” no que diz respeito à participação das mulheres nos “processos de discernimento e decisão eclesial”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

O regresso da sombra da escravidão

O regresso da sombra da escravidão novidade

Vivemos um tempo de grande angústia e incerteza. As guerras multiplicam-se e os sinais de intolerância são cada vez mais evidentes. A fim de ser concreta também a nossa Quaresma, o primeiro passo é querer ver a realidade. O direito internacional e a dignidade humana são desprezados. [O texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This