Mulheres na mudança

Duas leigas espanholas nomeadas para comissões do Sínodo

| 20 Jul 2021

Nathalie Becquart, Sínodo dos Bispos

Nathalie Becquart, nomeada em Fevereiro para subsecretária do Sínodo; agora, mais duas mulheres foram integradas no processo de preparação da assembleia de 2023. Foto reproduzida da página de Kim Daniels no Twitter (https://twitter.com/KDaniels8/status/1358078603943153664)

 

Duas leigas espanholas foram nomeadas para participarem nos trabalhos preparatórios do Sínodo dos Bispos de 2023: Carmen Peña García, professora de direito canónico, vai integrar a comissão de teologia e Cristina Inogés, formada em teologia pela Faculdade de Teologia Protestante de Madrid, fará parte da comissão de metodologia.

A notícia foi divulgada pelo jornal digital Religión Digital que considera estas nomeações como sinal de que “as coisas estão a mudar na Igreja”.

As comissões preparatórias reúnem a partir do próximo mês de outubro e serão instrumentos-chave no processo de preparação do sínodo que tem como tema “Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão” e tem por opção ser um processo de escuta do povo de Deus.

Anunciado em março, este é um dos temas decisivos do pontificado de Francisco e do caminho de reforma encetado por este Papa.

Um mês antes, o Papa Francisco nomeara a primeira mulher com direito a voto no Sínodo dos Bispos. Nathalie Becquart, freira francesa, desempenhará o cargo de subsecretária daquele organismo criado em 1965 por Paulo VI.

A propósito dessa nomeação, o secretário-geral do Sínodo dos Bispos, cardeal Mario Grech, afirmara, sobre a nova subsecretária, que a nomeação pretendia contribuir para uma Igreja mais “sinodal e missionária”, considerando que “foi aberta uma porta” no que diz respeito à participação das mulheres nos “processos de discernimento e decisão eclesial”.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This