… E as Cuidadoras?

| 26 Out 20

Durante o confinamento reli um livro de que muito gosto, Passagens de Teolinda Gersão (Sextante, Porto Editora, 2014), que ganhou o Prémio Fernando Namora em 2015.

Trata-se de uma obra escrita a várias vozes, tomando como ponto de partida uma senhora idosa (Srª D. Ana, ex-farmacêutica) que morre durante o sono no lar onde residia. Ao longo do livro várias “falas” se fazem ouvir à sua volta, enquanto repousa no caixão na capela do lar. Por lá passa a voz dos filhos, sobretudo de Marta que visitava a mãe diariamente, outros irmãos, os netos, uma amiga – todos eles cruzando a morte da “dona Ana” com as suas próprias experiências, culpabilidades, temores, etc. Também ouvimos a enfermeira e a diretora do lar. Segundo Marta, “as empregadas tinham um ar ausente, fatigado ou falsamente exuberante. Outras vezes pareciam-me guardiãs de um segredo terrível: crianças mortas atrás de portas fechadas, crianças velhas, anestesiadas, dormindo” (pág. 28). É sobre estas “empregadas” que a leitura de Teolinda Gersão me fez refletir.

A determinada altura do livro sobressai a voz de uma das cuidadoras, Conceição, que é colocada pela diretora do lar a velar durante a noite a senhora idosa que havia morrido, enquanto se esperava pela família. Conceição aproveita essa noite de vigília para desabafar/conversar com a senhora Dona Ana – que já não a pode ouvir – sobre o que é a sua vida enquanto cuidadora no lar.

Selecionei alguns fragmentos do sentido e pungente discurso/desabafo de Conceição que se desenrola ao longo de cerca de oito páginas:

“Pois logo a mim é que me havia de calhar, a diretora não podia ter escolhido outra? A danada da Clementina, da Florbela, da Glória? Mas eu já sabia, as coisas más vêm sempre ter comigo. Raio de vida, depois de um dia de trabalho agora ainda venho para aqui velar mortos. Poça. Como se ainda fizesse pouco: Levanto-me às cinco e meia, tomo café a correr, arranjo as lancheiras e o pequeno-almoço, acordo o Zé e as crianças às seis, faço a cama, mando as crianças despacharem-se com as camas delas, mal engolem o pão e o leite, dou um beijo ao Zé que põe as coisas no lava-louça e depois deixa as crianças na escola. (…) Entretanto eu já corri para apanhar o autocarro das seis e meia, se não apanhar aquele não chego a tempo de picar o ponto, o próximo demora e vem tão cheio (…) e ainda vou a tempo de apanhar o barco, só respiro quando já estou a balançar no rio, de pé ou sentada, tanto se me dá, depois é só correr para o metro (…) e saindo do metro são só três ruas até à porta do lar… [passo três horas por dia nos transportes…]. Mesmo assim chego a deitar os bofes pela boca fora, pego no trabalho às oito e já tenho de estar fardada. (…) Os turnos é que nos matam, a vida da família fica num sarilho (…) e os sonos trocados. Depois de uma noite de vela anda a gente a dormir em pé, às vezes tem de se ficar no lugar de outra colega o dia todo, pois saiba que já tenho estado vinte e quatro horas sem ir à cama, dona Ana. (…) O que vale é que nem sempre as senhoras chamam de noite (…) [Mas] quando o despertador toca fazemos a ronda dos quartos, há muitas que não dormem e falam toda a noite, outras gritam, talvez tenham dores ou pesadelos (…). Claro que temos pena, mas a senhora compreende, dona Ana, de nós ninguém quer saber. Chegamos moídas de todo ao fim do dia, e o salário é uma miséria, mesmo com o que o Zé ganha mal dá para a gente comer e comprar a roupa das crianças. E é um trabalho muito duro, a senhora já pensou? (…) é mesmo um dos piores trabalhos, mijo e merda e vomitado e fraldas sujas, e a gente a pegar nas senhoras em peso e faltarem-nos as forças, por causa disso arranjei uma hérnia e já fui operada à coluna duas vezes mas mesmo assim tenho muitas dores (…). As senhoras são pesadas, mesmo quando são magras pesam muito. (…) É preciso dar-lhes o comer na boca, e tratar delas o tempo todo. E depois das senhoras temos ainda tudo às costas; toda a lide do lar somos nós que a fazemos (…). E é assim o dia todo, não paramos senão para almoçar, quatro de cada vez porque não há lugar para mais, pomos uma mesa pequena no vão da porta, entre a lavandaria e a cozinha (…) e não nos dão nem o raio de um café, se o quisermos que vamos tirá-lo à máquina e meter lá as moedas. (…) E há as senhoras boas e as más, as que cospem em nós e nos mordem na mão (…). Pois, há senhoras boas, coitadas, mas outras são beras como a ferrugem (…) e mesmo assim a morte demora tanto. (…) Pois até lá há capela e padre, e o lar tem o nome de um santo, parece tudo muito santinho, mas vai-se a ver e é só a fingir, minha senhora, se aquilo é caridade cristã, vou ali e já venho” (pág. 35-43).

Alonguei deliberadamente a transcrição da narrativa. É que há um crescendo dramático deste discurso na primeira pessoa – o desabafo de Conceição – que nos toca até ao âmago. Conceição descreve o que é a vida das cuidadoras dos lares onde colocamos os mais velhos por um tempo indeterminado (uso deliberadamente o género feminino porque a maior parte são mulheres…). “A morte demora tanto”, desabafa Conceição. Neste registo pungente perpassa a violência da vida quotidiana de Conceição e de outras cuidadoras como ela. Neste tempo de ameaça pela covid-19, elas também estão “na linha da frente”, talvez menos visíveis do que médicos/as e enfermeiros/as. Ora, Conceição desabafa – e com ela tantas outras cuidadoras – “a senhora compreende, dona Ana, de nós ninguém quer saber.”

O esforço e investimento na “humanização” da vida dos mais velhos nos lares talvez esqueça a necessidade simultânea – e imperiosa – de uma melhor qualidade de vida para quem cuida. São sobretudo mulheres, mal pagas e pouco respeitadas – são meras empregadas: “se aquilo é caridade cristã, vou ali e já venho”.

No entanto, à medida que a esperança de vida aumenta – e ainda bem, desde que se garanta um mínimo de qualidade no seu quotidiano… “a morte demora tanto”… – há que reinventar os modos de apoiar os mais velhos nos últimos tempos da sua vida. Tenho insistido que a garantia de contato entre gerações será muito salutar, quer para os mais jovens, quer para os mais velhos. Quero, no entanto, reafirmar que nada se pode reinventar se não se “cuidar” também das cuidadoras e dos cuidadores: garantir-lhes dignidade e um tratamento humano, um salário digno, estatuto e uma formação “em serviço” que permita o seu crescimento humano e profissional. Já há largos anos Maria de Lourdes Pintasilgo, num relatório encomendado pelo Conselho da Europa, mencionava como sendo fundamentais, no futuro, as profissões ligadas ao cuidar.

“De nós ninguém quer saber” é um grito pungente de revolta. Se queremos dar dignidade à velhice, cuidemos bem de seus cuidadores. Com a sua profunda sensibilidade Teolinda Gersão traz-nos este “desabafo” de uma cuidadora. Todo o livro pede uma cuidadosa leitura, mas a narrativa de Conceição tocou-me profundamente e, confesso, também me revoltou.  Fica em “jeito de aperitivo” este relato de mais um notável livro de Teolinda Gersão que tive o privilégio de voltar a ler.

Ao reler a encíclica Fratelli Tutti detenho-me no nº 96: “a vocação de formar uma comunidade feita de irmãos que se acolhem mutuamente e cuidam uns dos outros”. Quem cuida dos/as cuidadores/as nos lares, quem os/as acolhe, para que eles possam exercer a sua profissão (para alguns, vocação) de cuidar melhor de quem está nas suas mãos?

Lembrei-me também do livro de Valter Hugo Mãe A Máquina de Fazer Espanhóis, que descreve a vida de um grupo de homens sós num lar de idosos. No capítulo vinte e um, um dos “utentes” (palavra que detesto – prefiro que se diga “pessoas”) fala dos colegas do lar. Afirma, numa espécie de redenção depois de tanta revolta sentida por ter sido “depositado” – literalmente! – naquele lar: “Precisava deste resto de solidão para aprender sobre este resto de companhia”: a companhia entre uns e outros tornara-se estruturante e plena de afetividade e humor.

No caso de Conceição esse “resto de companhia” não existe. Apenas mais longe e solidão.

 

Teresa Vasconcelos é professora do Ensino Superior (aposentada) e participante do Movimento do Graal.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Crónica

Segunda leitura – Quem dá o pão…

Segunda leitura – Quem dá o pão… novidade

A reportagem era sobre as saudades da escola, sobre a falta que ela fazia. Melhor: sobre a falta que dela se sentia. Que não é exatamente a mesma coisa, mas adiante… Claro que sim, claro que sentiam a falta, meninas e meninos a uma só voz, e de quê?, pois de tudo, de estar com os amigos, de aprender muitas coisas novas, de estar com os amigos, de jogar e brincar no recreio, de estar com os amigos outra vez…

Breves

Peditório digital da Cáritas entre 28 de fevereiro e 7 de março

O peditório nacional da rede Caritas vai pela segunda vez decorrer em formato digital, podendo os donativos ser realizados, durante a próxima semana, de 28 de fevereiro a 7 de março, diretamente no sítio da Cáritas Nacional ou por transferência bancária.

Cardeal Tolentino vence Prémio Universidade de Coimbra

O Prémio Universidade de Coimbra foi atribuído ao cardeal José Tolentino Mendonça, anunciou a instituição nesta quinta-feira, 25. O reitor, Amílcar Falcão, referiu-se ao premiado como “uma figura ímpar, uma pessoa de cultura com uma visão social inclusiva.”

Recolha de bens e fundos para Pemba continua em Braga até 31 de março

O Centro Missionário Arquidiocesano de Braga – CMAB decidiu prolongar até 31 de março a campanha para recolha de bens a enviar para Moçambique, onde serão geridos e distribuídos pela Diocese de Pemba, para apoiar “o meio milhão de pessoas deslocadas que fogem das suas aldeias atacadas por um grupo sem rosto.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

O 7MARGENS em entrevista na Rede Social, da TSF

António Marujo, diretor do 7MARGENS, foi o entrevistado do programa Rede Social, da TSF, que foi para o ar nesta terça-feira, dia 23, conduzido, como habitualmente, pelo jornalista Fernando Alves.

Parlamento palestino vai ter mais dois deputados cristãos

Sete das 132 cadeiras do Conselho Legislativo Palestino (Parlamento) estão reservadas para cidadãos palestinos de fé cristã, determina um decreto presidencial divulgado esta semana. O diploma altera a lei eleitoral recém-aprovada e acrescenta mais dois lugares aos anteriormente reservados a deputados cristãos.

Tribunal timorense inicia julgamento de ex-padre pedófilo

O ex-padre Richard Daschbach, de 84 anos, antigo membro dos missionários da Sociedade do Verbo Divino, começou a ser julgado segunda-feira, 22, em Timor-Leste, acusado de 14 crimes de abuso sexual de adolescentes com menos de 14 anos, de atividades ligadas a pornografia infantil e de violência doméstica.

Prémio para trabalhos académicos sobre templos cristãos

Um prémio no valor de 1.000 euros e uma bolsa de estudo para um estágio de três meses no atelier Meck Architekten (Munique) vai ser atribuído pela Fundação Frate Sole à melhor tese de licenciatura, mestrado ou de doutoramento sobre uma igreja de culto cristão.

Entre margens

A sociedade e os idosos novidade

Ao longo do último ano, tempo em que já dura a dolorosa pandemia que nos tem retido confinados, embora pelos piores motivos muito se tem falado dos que vivem em residências para idosos. Antes da covid-19, pelo que nos é dado agora saber, uma boa parte dos cidadãos e dos políticos parece que pouco ou nada sabiam do que se passava nestas instituições, quer nas clandestinas quer nas comparticipadas pelo Estado.

Servir: lavar as mãos, lavar os pés, lavar o coração

Depois de alguma leitura, aquela conversa não me saía da cabeça. Lembrei-me do ritual do “Lava pés”, que teve lugar na última ceia de Jesus Cristo, na qual Ele ensinou-nos, entre outras coisas, a partilhar o pão e o vinho (a comida) e a servir (lavou os pés aos seus discípulos). Lembrei-me também de uma tradição ocidental, segundo a qual quando alguém vai à casa de outrem pela primeira vez, a dona de casa deve servir ao visitante o “primeiro copo”. Por ser de “bom tom”, é cortês. E é, porque abre o à vontade ao visitante.

Como o “bicho” mexe com a prática religiosa

A verdade é que um de cada três cristãos praticantes americanos parou de frequentar a igreja com a pandemia, apesar da evidência de que a comunidade de fé exerce um efeito integrativo do ponto de vista social, de estabilização emocional e promove o encorajamento e a esperança dos indivíduos. Curiosamente, as gerações mais novas apresentaram mais dificuldades na substituição das celebrações presenciais pelas online, eventualmente devido a uma maior necessidade gregária.

Cultura e artes

Canções para estes tempos de inquietação 

No ano em que Nick Cave se sentou sozinho ao piano, para nos trazer 22 orações muito pessoais, desde o londrino Alexandra Palace para todo o mundo, numa transmissão em streaming, o australiano dedicou-se também à escrita de 12 litanias a convite do compositor neoclássico belga Nicholas Lens.

Franz Jalics, in memoriam: a herança mais fecunda

Correr-se-ia o risco de passar despercebido o facto de ser perder um dos mais interessantes e significativos mestres da arte da meditação cristã do século XX, de que é sinal, por exemplo, o seu reconhecimento como mestre espiritual (a par de Charles de Foucauld) pela conhecida associação espanhola Amigos del Desierto, fundada por Pablo d’Ors.

A luta de Abel com o Caim dentro dele

Como escrever sobre um filme que nos parece importante, mas nem sequer foi daqueles que mais nos entusiasmou? E, no entanto, parece “obrigatório” escrever sobre ele, o último filme de Abel Ferrara, com o seu alter-ego e crístico Willem Dafoe: Sibéria.

As ignoradas Mães (Madres) do Deserto

As “Mães” do Deserto foram, de par com os Padres do Deserto, mulheres ascetas cristãs que habitavam os desertos da Palestina, Síria e Egito nos primeiros séculos da era cristã (III, IV e V). Viveram como eremitas tal como muitos padres do deserto e algumas formaram pequenas comunidades monásticas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This