… E as Cuidadoras?

| 26 Out 20

Durante o confinamento reli um livro de que muito gosto, Passagens de Teolinda Gersão (Sextante, Porto Editora, 2014), que ganhou o Prémio Fernando Namora em 2015.

Trata-se de uma obra escrita a várias vozes, tomando como ponto de partida uma senhora idosa (Srª D. Ana, ex-farmacêutica) que morre durante o sono no lar onde residia. Ao longo do livro várias “falas” se fazem ouvir à sua volta, enquanto repousa no caixão na capela do lar. Por lá passa a voz dos filhos, sobretudo de Marta que visitava a mãe diariamente, outros irmãos, os netos, uma amiga – todos eles cruzando a morte da “dona Ana” com as suas próprias experiências, culpabilidades, temores, etc. Também ouvimos a enfermeira e a diretora do lar. Segundo Marta, “as empregadas tinham um ar ausente, fatigado ou falsamente exuberante. Outras vezes pareciam-me guardiãs de um segredo terrível: crianças mortas atrás de portas fechadas, crianças velhas, anestesiadas, dormindo” (pág. 28). É sobre estas “empregadas” que a leitura de Teolinda Gersão me fez refletir.

A determinada altura do livro sobressai a voz de uma das cuidadoras, Conceição, que é colocada pela diretora do lar a velar durante a noite a senhora idosa que havia morrido, enquanto se esperava pela família. Conceição aproveita essa noite de vigília para desabafar/conversar com a senhora Dona Ana – que já não a pode ouvir – sobre o que é a sua vida enquanto cuidadora no lar.

Selecionei alguns fragmentos do sentido e pungente discurso/desabafo de Conceição que se desenrola ao longo de cerca de oito páginas:

“Pois logo a mim é que me havia de calhar, a diretora não podia ter escolhido outra? A danada da Clementina, da Florbela, da Glória? Mas eu já sabia, as coisas más vêm sempre ter comigo. Raio de vida, depois de um dia de trabalho agora ainda venho para aqui velar mortos. Poça. Como se ainda fizesse pouco: Levanto-me às cinco e meia, tomo café a correr, arranjo as lancheiras e o pequeno-almoço, acordo o Zé e as crianças às seis, faço a cama, mando as crianças despacharem-se com as camas delas, mal engolem o pão e o leite, dou um beijo ao Zé que põe as coisas no lava-louça e depois deixa as crianças na escola. (…) Entretanto eu já corri para apanhar o autocarro das seis e meia, se não apanhar aquele não chego a tempo de picar o ponto, o próximo demora e vem tão cheio (…) e ainda vou a tempo de apanhar o barco, só respiro quando já estou a balançar no rio, de pé ou sentada, tanto se me dá, depois é só correr para o metro (…) e saindo do metro são só três ruas até à porta do lar… [passo três horas por dia nos transportes…]. Mesmo assim chego a deitar os bofes pela boca fora, pego no trabalho às oito e já tenho de estar fardada. (…) Os turnos é que nos matam, a vida da família fica num sarilho (…) e os sonos trocados. Depois de uma noite de vela anda a gente a dormir em pé, às vezes tem de se ficar no lugar de outra colega o dia todo, pois saiba que já tenho estado vinte e quatro horas sem ir à cama, dona Ana. (…) O que vale é que nem sempre as senhoras chamam de noite (…) [Mas] quando o despertador toca fazemos a ronda dos quartos, há muitas que não dormem e falam toda a noite, outras gritam, talvez tenham dores ou pesadelos (…). Claro que temos pena, mas a senhora compreende, dona Ana, de nós ninguém quer saber. Chegamos moídas de todo ao fim do dia, e o salário é uma miséria, mesmo com o que o Zé ganha mal dá para a gente comer e comprar a roupa das crianças. E é um trabalho muito duro, a senhora já pensou? (…) é mesmo um dos piores trabalhos, mijo e merda e vomitado e fraldas sujas, e a gente a pegar nas senhoras em peso e faltarem-nos as forças, por causa disso arranjei uma hérnia e já fui operada à coluna duas vezes mas mesmo assim tenho muitas dores (…). As senhoras são pesadas, mesmo quando são magras pesam muito. (…) É preciso dar-lhes o comer na boca, e tratar delas o tempo todo. E depois das senhoras temos ainda tudo às costas; toda a lide do lar somos nós que a fazemos (…). E é assim o dia todo, não paramos senão para almoçar, quatro de cada vez porque não há lugar para mais, pomos uma mesa pequena no vão da porta, entre a lavandaria e a cozinha (…) e não nos dão nem o raio de um café, se o quisermos que vamos tirá-lo à máquina e meter lá as moedas. (…) E há as senhoras boas e as más, as que cospem em nós e nos mordem na mão (…). Pois, há senhoras boas, coitadas, mas outras são beras como a ferrugem (…) e mesmo assim a morte demora tanto. (…) Pois até lá há capela e padre, e o lar tem o nome de um santo, parece tudo muito santinho, mas vai-se a ver e é só a fingir, minha senhora, se aquilo é caridade cristã, vou ali e já venho” (pág. 35-43).

Alonguei deliberadamente a transcrição da narrativa. É que há um crescendo dramático deste discurso na primeira pessoa – o desabafo de Conceição – que nos toca até ao âmago. Conceição descreve o que é a vida das cuidadoras dos lares onde colocamos os mais velhos por um tempo indeterminado (uso deliberadamente o género feminino porque a maior parte são mulheres…). “A morte demora tanto”, desabafa Conceição. Neste registo pungente perpassa a violência da vida quotidiana de Conceição e de outras cuidadoras como ela. Neste tempo de ameaça pela covid-19, elas também estão “na linha da frente”, talvez menos visíveis do que médicos/as e enfermeiros/as. Ora, Conceição desabafa – e com ela tantas outras cuidadoras – “a senhora compreende, dona Ana, de nós ninguém quer saber.”

O esforço e investimento na “humanização” da vida dos mais velhos nos lares talvez esqueça a necessidade simultânea – e imperiosa – de uma melhor qualidade de vida para quem cuida. São sobretudo mulheres, mal pagas e pouco respeitadas – são meras empregadas: “se aquilo é caridade cristã, vou ali e já venho”.

No entanto, à medida que a esperança de vida aumenta – e ainda bem, desde que se garanta um mínimo de qualidade no seu quotidiano… “a morte demora tanto”… – há que reinventar os modos de apoiar os mais velhos nos últimos tempos da sua vida. Tenho insistido que a garantia de contato entre gerações será muito salutar, quer para os mais jovens, quer para os mais velhos. Quero, no entanto, reafirmar que nada se pode reinventar se não se “cuidar” também das cuidadoras e dos cuidadores: garantir-lhes dignidade e um tratamento humano, um salário digno, estatuto e uma formação “em serviço” que permita o seu crescimento humano e profissional. Já há largos anos Maria de Lourdes Pintasilgo, num relatório encomendado pelo Conselho da Europa, mencionava como sendo fundamentais, no futuro, as profissões ligadas ao cuidar.

“De nós ninguém quer saber” é um grito pungente de revolta. Se queremos dar dignidade à velhice, cuidemos bem de seus cuidadores. Com a sua profunda sensibilidade Teolinda Gersão traz-nos este “desabafo” de uma cuidadora. Todo o livro pede uma cuidadosa leitura, mas a narrativa de Conceição tocou-me profundamente e, confesso, também me revoltou.  Fica em “jeito de aperitivo” este relato de mais um notável livro de Teolinda Gersão que tive o privilégio de voltar a ler.

Ao reler a encíclica Fratelli Tutti detenho-me no nº 96: “a vocação de formar uma comunidade feita de irmãos que se acolhem mutuamente e cuidam uns dos outros”. Quem cuida dos/as cuidadores/as nos lares, quem os/as acolhe, para que eles possam exercer a sua profissão (para alguns, vocação) de cuidar melhor de quem está nas suas mãos?

Lembrei-me também do livro de Valter Hugo Mãe A Máquina de Fazer Espanhóis, que descreve a vida de um grupo de homens sós num lar de idosos. No capítulo vinte e um, um dos “utentes” (palavra que detesto – prefiro que se diga “pessoas”) fala dos colegas do lar. Afirma, numa espécie de redenção depois de tanta revolta sentida por ter sido “depositado” – literalmente! – naquele lar: “Precisava deste resto de solidão para aprender sobre este resto de companhia”: a companhia entre uns e outros tornara-se estruturante e plena de afetividade e humor.

No caso de Conceição esse “resto de companhia” não existe. Apenas mais longe e solidão.

 

Teresa Vasconcelos é professora do Ensino Superior (aposentada) e participante do Movimento do Graal.

 

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba novidade

“As lideranças [das aldeias] relatam que, pelos caminhos, estão encontrando muitos corpos já em decomposição e que aconteceram massacres. As acções dos terroristas são violentas, muitas pessoas foram decapitadas, casas queimadas e derrubadas. Esta (…) é a dor de um povo. Gente que continua sem localizar seus familiares. Pessoas que tiveram suas casas queimadas. Muitas pessoas assassinadas. Fala-se de massacres e de 500 mil deslocados. Vidas e vilas destruídas.”

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Um consistório virtual para os novos cardeais novidade

O Vaticano confirmou nesta terça-feira, 24, que haverá uma plataforma em vídeo para a cerimónia de criação dos novos cardeais, no próximo sábado, para os que não possam estar em Roma fisicamente, garantindo assim as medidas de segurança devido à pandemia. Haverá no máximo 100 pessoas a participar e as visitas de cortesia e abraço da paz entre os novos cardeais ficam cancelados.

Espanha: Milhares protestam contra nova lei da educação “laicista”

Milhares de carros encheram as ruas de diversas cidades espanholas este domingo, 22 de novembro, para protestar contra a nova lei da educação, que passou na passada quinta-feira no Congresso espanhol por apenas um voto. A manifestação foi organizada pela plataforma Más Plurales, que considera que a lei aprovada “desvaloriza o ensino da disciplina de Religião na escola” e constitui uma “agressão à liberdade de consciência, a favor da imposição de uma ideologia laicista imprópria de um Estado não confessional”, conforme pode ler-se no seu manifesto.

Posição de Biden a favor do aborto legal faz sentir bispos dos EUA numa “situação difícil”

As posições do Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sobre imigração, ajuda aos refugiados, justiça racial, pena de morte e alterações climáticas dão aos bispos católicos do país “razões para acreditar que a sua fé o levará a apoiar algumas boas medidas”, de acordo com o presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla em inglês). Mas o episcopado está de tal modo preocupado com as posições do segundo Presidente católico do país sobre o aborto legal que decidiu criar um grupo de trabalho para tratar o tema. 

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Estado de Nova Iorque processa diocese de Buffalo por encobrimento de abusos sexuais

A procuradora-geral do estado de Nova Iorque, Letitia James, processou esta segunda-feira a diocese de Buffalo e dois dos seus antigos bispos, por terem encoberto mais de 20 padres acusados de cometer abusos sexuais e permitido que os mesmos se reformassem ou fossem transferidos, em vez de terem seguido os procedimentos definidos pela Igreja Católica para estes casos, que os teriam levado a um possível abandono do sacerdócio.

Papa e presidente do Conselho Europeu unidos contra o extremismo religioso

O Papa Francisco e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, falaram ao telefone esta segunda-feira, 23 de novembro, sobre a necessidade de uma “luta contínua contra o ódio religioso e a radicalização”, tendo assinalado como prioridade o “diálogo interconfessional e intercultural”. Discutiram ainda “sobre como abordar a covid-19 de uma perspetiva multilateral, sublinhando as necessidades dos mais vulneráveis”, divulgou Charles Michel na sua conta de Twitter.

Nicarágua: Católicos ajudam vítimas dos furacões “em segredo”, para evitar represálias

A Igreja Católica na Nicarágua organizou no passado domingo, 22 de novembro, uma  recolha de donativos para ajudar as vítimas dos furacões Iota e Eta, que assolaram o país nas últimas semanas. As ajudas foram entregues “em segredo”, por recomendação do cardeal Leopoldo Brenes, arcebispo de Manágua, depois de terem sido conhecidos relatos de ameaças feitas pela Polícia da Nicarágua a alguns fiéis que reuniam apoios para as populações afetadas.

Entre margens

52 ed Orbmevon novidade

Assistimos hoje a uma versão açoriana de uma espécie de 25 de Novembro ao contrário (como no título). Se em 1975 a esquerda antidemocrática tentou tomar o poder pela força, agora é a direita antidemocrática a tentar fazê-lo encavalitada num PSD onde Sá Carneiro já teria muita dificuldade em rever-se.

Um justo chamado Angelo Roncalli

Angelo Roncalli teve um pontificado curto, menos de cinco anos, de 1958 a 1963. Devido à sua idade já avançada e estado de saúde frágil, no momento da sua eleição foi encarado como um Papa de transição. Foi, por isso, com grande surpresa que foi acolhida a notícia da convocação de um concílio ecuménico, o Concílio do Vaticano II, que viria a mudar a vida da Igreja, aproximando-a dos fiéis e reforçando a sua participação litúrgica.

Uma oportunidade para a renovação democrática

Se é importante sublinhar que as identidades pessoais e coletivas configuram convenções socialmente necessárias à convivência, elas constituem, antes de tudo, um desafio e uma tarefa quando reclamam por reconhecimento e justiça no espaço público. No entanto, se exploradas politicamente, dão lugar a expressões de fundamentalismos de vária ordem: muros que separam os “bons” dos “maus”, postos de trabalho para os de “dentro” e não para os de “fora”, entre outros fenómenos conhecidos.

Cultura e artes

Abrir as “páginas seladas” do livro bíblico do Apocalipse em tempo de pandemia

O livro bíblico do Apocalipse (ou da Revelação) é uma profecia para tempos de crise e por isso é importante abrir agora as suas “páginas seladas”. Com esse mote, a comunidade católica da Capela do Rato propõe três sessões sobre o último dos livros da Bíblia cristã. Uma conferência de João Duarte Lourenço, uma leitura de Luís Miguel Cintra e um percurso proposto por Emília Nadal através da arte inspirada naquele texto serão as três etapas propostas para este itinerário.

Dois retábulos em restauro no Mosteiro de Pombeiro

Os retábulos de Nossa Senhora das Dores e de Santo António (bem como as respectivas esculturas) na nave da igreja do Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro (Felgueiras) estão a ser sujeitos a uma operação de conservação e restauro, com o objectivo de melhorar a estabilidade estrutural, valorizar a vertente conservativa e restituir, tanto quanto possível, uma leitura integrada do conjunto.

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

“Não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres”, escreve o cardeal português José Tolentino Mendonça, bibliotecário da Santa Sé, na apresentação da nova Agenda 2021 da Biblioteca Apostólica Vaticana, dedicada ao tema “A mulher e os livros. A mulher como construtora e guardiã das bibliotecas no tempo”.

Sete Partidas

A geração perdida de Aberfan

Infelizmente, para muitos galeses, outubro no seu país significa também relembrar o desastre de Aberfan. Aberfan é uma terra dos vales galeses como qualquer outra: uma série de casas e estabelecimentos que se encontram entre duas montanhas com o ocasional rio a separá-las. Tem um parque, supermercado, pub, correios e cemitério. No dia 21 de outubro de 1966, o cemitério de Aberfan acolheu mais vidas do que merecia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco