E hoje, onde vamos?

| 28 Dez 2021

Yosemite Valley, Califórnia, EUA. Foto © Luís Pinto

 

Há pouco menos de um mês lançámo-nos em mais uma viagem de carro neste país que nos acolhe. Nove dias, cerca de dois mil quilómetros percorridos. Los Angeles, Monterrey, San Francisco, Yosemite Park, Sequoia National Park, Death Valley, Las Vegas. Dois dos estados dos Estados Unidos da América. Califórnia e Nevada. Se não me enganam as contas dos meus filhos, são já 19 os estados visitados. O que nos dá uma ideia generosa da diversidade abundante neste país.  

Este texto poderia ter sido, uma vez mais, sobre o banquete de paisagens, cores, idiomas, aromas e sabores que nos foi oferecido nesta viagem. O contraste da floresta densa e das sequoias gigantes, ao deserto árido e ao lugar mais quente que os termómetros modernos já registaram. Das horas seguidas de vistas impossíveis sobre o Pacífico, às intimidantes formações de granito. Das cidades dos filmes aos lugares anónimos plantados pelas ordens religiosas nos séculos passados. Da pobreza indigente à ostentação repugnante. Da lareira íntima dos hotéis rurais, às luzes incandescentes dos casinos de Las Vegas.

Como sempre, não chegariam as palavras – ou não saberia eu – dizer do deslumbramento de conhecer mais um pedaço deste continente onde se esbanjam de mãos dadas natureza e engenho, humildade e ambição.

De tudo, no entanto, destacou-se uma pergunta. Uma pergunta essencial. Repetida quotidianamente pelo meu filho mais novo. Todos os dias. Normalmente ao amanhecer. Uma pergunta livre, sem agenda. Simples. Direta. “E hoje, onde vamos?”. 

Ainda que mil vezes repetido o trajeto planeado, o Vasco não regista. Talvez porque não seja importante. Talvez porque sete dias no futuro seja longe demais (nunca saberemos). Ao invés, formula a pergunta a cada dia. No presente. Aberto ao que está para vir. Hoje. Onde vamos hoje? 

É bela esta forma de viajar. E o meu filho sabe viajar. Um saber sábio. De criança. Aprendo com ele a entrega genuína a um momento presente. A experiência do agora. Tal como ela é – boa ou má. Reflito também no que ela sugere de confiança. De que há um hoje para vir. Uma nova jornada que começará daqui pouco, e da qual apenas interessa saber o essencial. O resto, far-se-á de experiência. Afinal, hoje é dia de viagem. Como foi ontem. E amanhã também. 

Toca-me fundo esta quietude feita de confiança e entrega. Ainda viva no seu coração de menino. Esta atitude livre de roteiros e guiões pré-concebidos. Uma disponibilidade descomprometida com o que está para vir. A hospitalidade para com o novo. O desconhecido. O prazer da viagem pela viagem. 

Ocorre-me o paralelo com o tempo de Advento que agora terminámos. Antecâmara de uma caminhada outra. Mais longa. Mais profunda. Contenho a custo a lágrima que se esgueira clandestina. Assim eu soubesse viajar como o meu filho Vasco. E perguntar ao Pai, sem medo: E hoje, onde vamos hoje?

Luis Castanheira Pinto é licenciado em economia, tem-se dedicado às questões do conhecimento, aprendizagem e desenvolvimento de competências e trabalha no Banco Mundial, em Washington DC (Estados Unidos). É casado e pai de três filhos. Viveu anteriormente no Porto, Lisboa, Bruxelas e Copenhaga.

 

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças

Este fim de semana, em Roma

Felizes os meninos de mais de 100 países – incluindo Portugal – que participam na Jornada Mundial das Crianças novidade

Foi há pouco mais de cinco meses que, para surpresa de todos, o Papa anunciou a realização da I Jornada Mundial das Crianças. E talvez nem ele imaginasse que, neste curto espaço de tempo, tantos grupos e famílias conseguissem mobilizar-se para participar na iniciativa, que decorre já este fim de semana de 25 e 26 de maio, em Roma. Entre eles, estão alguns portugueses.

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral”

Susana Réfega, do Movimento Laudato Si'

Cada diocese em Portugal deveria ter “uma pessoa responsável pela ecologia integral” novidade

A encíclica Laudato Si’ foi “determinante para o compromisso e envolvimento de muitas organizações”, católicas e não só, no cuidado da Casa Comum. Quem o garante é Susana Réfega, portuguesa que desde janeiro deste ano assumiu o cargo de diretora-executiva do Movimento Laudato Si’ a nível internacional. Mas, apesar de esta encíclica ter sido publicada pelo Papa Francisco há precisamente nove anos (a 24 de maio de 2015), “continua a haver muito trabalho por fazer” e até “algumas resistências à sua mensagem”, mesmo dentro da Igreja, alerta a responsável.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja”

Terminou a visita “ad limina” dos bispos portugueses

Bispo José Ornelas: “Estamos a mudar o paradigma da Igreja” novidade

“Penso que estamos a mudar o paradigma da Igreja”, disse esta sexta-feira, 24 de maio, o bispo José Ornelas, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), numa conversa com alguns jornalistas, em plena Praça de S. Pedro, no Vaticano, em comentário ao que tinha acabado de se passar no encontro com o Papa Francisco e às visitas que os bispos lusos fizeram a vários dicastérios da Cúria Romana, no final de uma semana de visita ad limina.

O mundo precisa

O mundo precisa novidade

O mundo precisa, digo eu, de pessoas felizes para que possam dar o melhor de si mesmas aos outros. O mundo precisa de gente grande que não se empoleira em deslumbrados holofotes, mas constrói o próprio mérito na forma como, concretamente, dá e se dá. O mundo precisa de humanos que queiram, com lealdade e algum altruísmo, o bem de cada outro. – A reflexão da psicóloga Margarida Cordo, para ler no 7MARGENS.

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Testemunho de uma judia-americana que abandonou Biden

“Política americana sobre Gaza está a tornar Israel mais inseguro”

Esta é a história-testemunho da jovem Lily Greenberg Call, uma judia americana que exercia funções na Administração Biden que se tornou há escassos dias a primeira figura de nomeação política a demitir-se de funções, em aberta discordância com a política do governo norte-americano relativamente a Gaza. Em declarações à comunicação social, conta como foi o seu processo interior e sublinha como os valores do judaísmo, em que cresceu, foram vitais para a decisão que tomou.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This