5º encontro de amizade

Taizé: “É mais fácil do que se imagina reunir cristãos e muçulmanos”

| 13 Jul 2022

Taizé, islão, diálogo islamo-cristão, diálogo inter-religioso

Imagem do 4.º encontro de amizade islamo-cristão, na comunidade de Taizé, em julho de 2021. O irmão Aloïs (segundo à esquerda), prior de Taizé, com o imã Chemouini Chemsseddine, da mesquita de Massy (Paris-sud). Foto © Taizé-Communauté.

 

“É mais fácil do que se poderia imaginar reunir cristãos e muçulmanos”, diz o irmão Luc, de Taizé, a propósito do 5º encontro de amizade entre jovens muçulmanos e cristãos, promovido pela comunidade monástica ecuménica de Taizé (França). Numa entrevista ao jornal La Croix, o responsável diz que “os líderes das mesquitas e os líderes católicos são confrontados com as mesmas questões e desafios: acolher os jovens, acompanhá-los, formá-los e transmitir-lhes a fé numa sociedade pós-crente, onde uma grande parte não tem qualquer referência à fé”. Mas também os jovens se encontram, dos dois lados, em dimensões de serviço, no compromisso social, no resgate ou no acolhimento de refugiados. 

O encontro começou nesta quarta, dia 13, com o acolhimento de cerca de uma centena de participantes oriundos de França, Nigéria e Palestina. Até à manhã de domingo, 17, os jovens e jovens adultos entre os 17 e os 35 anos aprofundarão o tema “Descobrir-nos mutuamente na amizade entre jovens muçulmanos e jovens cristãos”. 

Durante estes próximos dias, os participantes terão todas as manhãs uma introdução a textos da Bíblia e do Alcorão, apresentados por um irmão de Taizé e um imã, seguidos de partilha em plenário e em pequenos grupos; à tarde, os jovens fazem, em conjunto, pequenos trabalhos e serviços. 

“Queríamos dar-lhes tais oportunidades para se conhecerem e partilharem as suas experiências”, explica o responsável de Taizé pelo encontro, na entrevista citada (disponível apenas para assinantes). “As manhãs, momentos de reflexão com a contribuição de um imã e de um irmão, seguirão os passos de Abraão. O seu apelo, a sua hospitalidade e a forma como negociou a terra para enterrar Sara ressoam tanto para cristãos como a muçulmanos. Abraão, o pai dos crentes, é também o ‘amigo de Deus’, que pode inspirar a amizade entre nós.”

Os tempos de oração, por sua vez, são propostos várias vezes por dia: há um lugar para a oração dos muçulmanos, outro para a oração cristã. “Os jovens muçulmanos estão muito interessados em ver jovens cristãos que se encontram três vezes por dia numa igreja para rezar”, diz o irmão Luc. “Eles não têm a impressão de que haja muitos jovens na Europa que dão tempo à oração. Ficam felizes por verem jovens como eles a dar tempo a Deus, através do silêncio, da escuta da palavra e cantando.”

Para esses momentos de oração, a comunidade disponibiliza um espaço aos muçulmanos, e “aqueles que o desejam juntam-se a eles”, diz o irmão Luc. “Isto é o que é comovente: abrem as suas orações aos outros e ficam muito orgulhosos se estivermos com eles.”

Acolhimento e hospitalidade mútua
Imagem do 4º encontro de amizade entre jovens muçulmanos e cristãos, promovido pela comunidade monástica ecuménica de Taizé (França), celebrado em 2021. Foto © Taizé Communauté.

Imagem do 4º encontro de amizade entre jovens muçulmanos e cristãos, promovido pela comunidade monástica ecuménica de Taizé (França), celebrado em 2021. Foto © Taizé Communauté.

 

Os participantes “estão num processo de acolhimento e hospitalidade mútua”, diz ainda o irmão de Taizé, que esteve já no Quénia, onde viveu também uma experiência de encontro com muçulmanos, na pequena fraternidade dos arredores de Nairobi. “Um espírito de escuta e sensibilidade está no cerne das suas respectivas fés. Não vêm a Taizé para um diálogo teológico teórico, mas para uma partilha de vida, para se convidarem uns aos outros às suas orações.”

Sobre a experiência da realização destes encontros, o irmão Luc diz que os jovens muçulmanos ficaram tocados por terem organizado momentos de reflexão, mas “acima de tudo disseram que ficaram tocados pelo simples acolhimento que receberam dos cristãos e que ficaram contentes por se misturarem com jovens de toda a parte”. 

Os jovens cristãos, por seu lado, “também ficaram gratos por poderem experimentar e testemunhar que uma fraternidade concreta não é uma utopia”. E exemplifica: “Estamos juntos, partilhamos uma refeição, partilhamos um serviço, escutamo-nos uns aos outros. Isto mostra que um caminho de paz e amizade é possível. Ver que os muçulmanos têm o seu lugar num lugar como Taizé expulsa todas as vozes que brincam com medos e caricaturas, aquelas vozes que gostariam de construir muros.”

Já no ano passado, o irmão Jean-Jacques, outro dos responsáveis da comunidade de Taizé para esta iniciativa, dizia ao 7MARGENS que Taizé aposta neste “método de criar antes de mais conhecimento mútuo e proximidade entre as pessoas de diferentes países, confissões, continentes” desde o pós-Segunda Guerra Mundial, quando a comunidade foi fundada pelo irmão Roger e um pequeno grupo de companheiros. 

“Foi assim entre alemães, franceses e ingleses nos anos 1950-60, com os jovens do Leste europeu nos anos 1980-90, com os jovens do Norte e da Ásia, África e América Latina nas últimas décadas e agora lança-se esta ponte com os jovens muçulmanos. Tudo em nome do sagrado dever de hospitalidade que partilhamos”, acrescentava o irmão Jean-Jacques. 

O diálogo com o mundo muçulmano e outras realidades próximas dele não fica confinado à pequena colina de Taizé: apesar de ter reunido apenas cristãos, já no final de Abril a comunidade de Taizé promovera um encontro ecuménico em Homs (Síria), que reuniu 750 jovens de várias regiões daquele país devastado pela guerra civil.

 

O 7MARGENS vive exclusivamente do apoio dos leitores.
Inscreva-se para receber a nossa newsletterhttp://mkt.setemargens.com/w/1e2e1F80e119QyJgHCeaccdc425e!uid?egu=koguqeiih62trt12
Faça um donativohttps://setemargens.com/apoie-o-7-margens/
Escreva-nos: setemargens@setemargens.com
Sugira a uma pessoa amiga que subscreva a nossa newsletter:
http://mkt.setemargens.com/w/1e2e1F80e119QyJgHCeaccdc425e!uid?egu=koguqeiih62trt12
Partilhe os nossos textos na sua página de Facebook, Instagram ou Twitter.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Índia

Carnataca é o décimo Estado a aprovar lei anticonversão

O Estado de Carnataca, no sudoeste da Índia, tornou-se, no passado dia 15 de setembro, o décimo estado daquele país a adotar leis anticonversão no âmbito das quais cristãos e muçulmanos e outras minorias têm sido alvo de duras perseguições, noticiou nesta sexta-feira, 23, o Vatican News, portal de notícias do Vaticano.

Neste sábado, em Lisboa

“Famílias naturais” em convívio contra a ideologia de género

Prometem uma “tarde de convívio e proximidade”, um concerto, diversão e “múltiplas actividades para crianças e adultos: o “Encontro da Família no Parque” decorre esta tarde de sábado, 24 de Setembro, no Parque Eduardo VII (Lisboa), a partir das 15h45, e “pretende demonstrar um apoio incondicional à família natural e pela defesa das crianças”.

Gratuito e universal

Documentário sobre a Laudato Si’ é lançado a 4 de outubro

O filme A Carta (The Letter) será lançado no YouTube Originals no dia 4 de outubro, anunciou, hoje, 21 de setembro, o Movimento Laudato Si’. O documentário relata a história da encíclica Laudato Si’, recolhe depoimentos de vários ativistas do clima e defensores da sustentabilidade do planeta e tem como estrela principal o próprio Papa Francisco.

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco

Terminou o encontro em Assis

Promessa cumprida, pacto assinado, e agora… “esperamos por ti em Lisboa”, Papa Francisco novidade

“Espero por vocês em Assis.” Assim terminava a carta que o Papa escreveu aos jovens em maio de 2019, convidando-os a participar na Economia de Francisco. Apesar de uma pandemia o ter obrigado a adiar dois anos este encontro, e ainda que as dores no joelho o tenham impedido de vir pelo seu próprio pé, Francisco cumpriu a sua promessa, como só os verdadeiros amigos sabem fazer. Este sábado, 24, logo pela manhã, chegou à cidade de Assis para se juntar aos mil participantes do encontro A Economia de Francisco. Escutou atentamente os seus testemunhos e preocupações, deu-lhes os conselhos que só um verdadeiro amigo sabe dar, selou com eles um pacto e até reclamou por não terem trazido cachaça (bem sabemos que é próprio dos amigos rabujar e fazer-nos rir). Mas sobretudo provou-lhes que acredita neles e que é com eles que conta para fazer do mundo um lugar melhor.

Agenda

Fale connosco

Autores